top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Etiópia-Sudão-Egito: muitas razões para uma guerra"


A Grande Barragem do Renascimento Etíope (GERD), que se encontra em fase final de enchimento e comissionamento das suas onze turbinas que estarão totalmente operacionais em 2025, tornar-se-á a maior barragem hidrelétrica do continente, com cuja produção não fornecerá apenas eletricidade aos 110 milhões de etíopes, mas o seu excedente pode ser exportado para o Sudão, o Quênia e o Djibuti, aliviando as contas sempre apertadas de Adis-Abeba.

 

Esta megaconstrução no Nilo Azul, com 145 metros de altura e 260 metros de largura, na região de Benishangul-Gumuz, a cerca de 30 quilômetros da fronteira com o Sudão, disparou obviamente alarmes tanto no Cairo como em Cartum, que têm razões óbvias para considerar que a interrupção parcial do fluxo do rio poderia afetar diretamente suas economias, especialmente quando as sucessivas rodadas de negociações entre os três países afetados (Etiópia, Sudão e Egito) e monitoradas pelos Estados Unidos, dada a grande capacidade de armazenamento do reservatório, poderiam afetar ambos países, o que é muito perigoso, alerta um negociador sudanês. O Sudão, onde o Nilo Azul e o Nilo Branco se encontram, é o mais afetado. Primeiro, porque regular o caudal do rio evitará inundações sazonais, que são parte integrante do modelo agrícola local.

 

Até agora falharam todas as rondas que procuram o compromisso da Etiópia em aceitar as condições de enchimento das represas, incluindo a última que terminou no dia 19, razão pela qual as tensões continuam a aumentar em uma região que poderíamos afirmar que já não tolerará mais crises e onde a possibilidade de conflito armado, não só nas três nações envolvidas, mas também em várias nações vizinhas, não é uma questão remota.

 

Neste contexto tenso, é importante salientar que os três países envolvidos, por diferentes razões, estão à beira do colapso: o Sudão com uma guerra civil que já dura quase nove meses, e embora um possível vencedor só pareça emergindo, as Forças de Apoio Rapido (FAR), gangue paramilitar da responsabilidade de Mohamed “Hemetti” Dagalo, que além de derrotar as Forças Armadas Sudanesas (FAS) do General Abdel Fattah al-Burhan, em diversas frentes chave do conflito, continuam a aumentar o genocídio em Darfur, que parece que ninguém quer reconhecer, impedir ou mesmo condenar. Já não importa qual lado sai vitorioso, a verdade é que o país já está devastado pela destruição de infra-estruturas, estradas, pontes, centrais elétricas e aeroportos entre outros edifícios vitais, mas também milhares de casas e centenas de hospitais e escolas.

 

O Egito, mergulhado numa crise econômica monumental, exigirá ao recém-eleito presidente – pela terceira vez consecutiva – Abdel Fattah al-Sisi, que tome medidas extremas para conter a revolta social e pôr fim de uma vez por todas à guerra interna contra o terrorismo fundamentalista no Sinai, que já dura há cinco anos. Embora nada do que foi dito acima seja comparável à enorme crise humanitária que poderá explodir se os Estados Unidos não interromperem a limpeza étnica em Gaza levada a cabo pela monstruosidade sionista, que pretende claramente forçar os mais de dois milhões de habitantes de Gaza a abandonarem as suas terras e fugir através do Passo de Rafah em direção ao norte do Sinai, onde o General al-Sisi terá de assumir o controle da situação até que as Nações Unidas finalmente assumam, se os Estados Unidos e os sionistas o permitirem, dos palestinos deslocados.

 

E, finalmente, a Etiópia, que ainda não recuperou da guerra de dois anos (2020-2022) contra as forças separatistas do estado de Tigray e mal consegue conter as tentativas separatistas do estado de Amhara, que, se não for alcançado, precipitará uma série de guerras regionais que poderão acabar por detonar a sempre ameaçada unidade nacional.

 

Embora desde que o reservatório começou a encher, em 2020, nem o Egito nem o Sudão tenham sido afetados, desde que a água para durante as estações chuvosas, a tensão não diminuiu, muito pelo contrário. As duas nações por onde continua o curso do Azul, que no auge de Cartum se junta ao Branco, para continuar em direção ao Mediterrâneo, atravessando todo o Egito até chegar ao Mediterrâneo.

 

É desnecessário mencionar a importância fundamental do Nilo para a existência do Egito desde os tempos mais primórdios por ser sua única fonte de água, pelo qual a diminuição afetaria a importante produção agrícola que depende das inundações anuais e do retrocesso do rio para fertilizar suas terras, assim como as indústrias tão fundamentais como a fabricação de tijolos, pela falta da matéria prima uma atividade florescente por séculos, ao norte de Cartum, que já não alcança nem a metade do milhão de unidades que produziam até três anos atrás.

 

O estigma colonial

 

Em um recente comunicado de imprensa emitido pelo Cairo, após o fracasso das negociações, as autoridades egípcias indicaram que o fracasso tem origem na “recusa persistente da Etiópia em aceitar qualquer solução de compromisso técnico ou jurídico que salvaguarde os interesses dos três países”. De acordo com a declaração, o Egito tem feito esforços e colaborado ativamente com os dois países para resolver as principais diferenças e chegar a um acordo amigável. Entretanto, Adis-Abeba continua a acusar o Egito de querer impor o seu preconceito colonialista, inventando impedimentos para não chegar a um acordo. Sem ser tão contundente, nas suas declarações face à guerra civil que atravessa, o Sudão tem sido mais moderado nas suas opiniões, embora mantenha as mesmas objeções.

 

Outra das exigências do Cairo é que a Etiópia se abstenha de construir mais barragens no Nilo Azul, possibilidade que, dada a falta de acordos anteriores a esta realidade, poderia ser perfeitamente viável, o que daria a Adis-Abeba uma importante vantagem política e geopolítica em região, onde a energia elétrica é escassa, para qualquer tipo de desenvolvimento.

 

O instinto independente da Etiópia levou-a a tornar-se no único país do continente que conseguiu ficar fora da fase colonial, para além do interregno italiano (1936-1941), ao mesmo tempo que ao longo da sua história e praticamente até aos dias de hoje tem lutado diferentes guerras para manter essa condição, como contra a Eritreia entre 1961 e 1991 e 1998 e 2000.

 

Arbitrariamente, o Reino Unido, durante a sua ocupação do Egito e do Sudão, interessado em diferentes projetos hídricos, praticamente concedeu às suas colônias o controle de toda a bacia do Nilo, o que nunca foi aceito pela Etiópia, uma vez que a sua posição desde então está prevista que ninguém pode reivindicar posse exclusiva do rio.

 

Outro dos benefícios colaterais que o GPRE traz à Etiópia é que mais de 70 ilhas foram formadas a partir do lago artificial que será utilizado para o turismo, além da criação, em torno desse lago, da instalação de estabelecimentos ligados à indústria da pesca.

 

Chegar a um acordo comum entre as três nações poderia tornar-se vantajoso para todos, uma vez que há certas possibilidades de que investimentos internacionais comecem a chegar para projetos nacionais e internacionais, mas seria imediatamente improvável no contexto de instabilidade que países estão a viver, devastados por guerras, crises políticas e econômicas.

 

Entretanto, o nível do Nilo continua a descer e já é um fato que já não transporta o sempre desejado sedimento que enriqueceu as suas margens durante milhões de anos e agora apenas arrasta areia. A barragem, além de reduzir a quantidade de lodo e nutrientes, aumentará a salinidade das águas do Nilo, reduzindo a concentração de plâncton, distorcendo a temperatura da água e reduzindo o teor de oxigênio, o que acabará afetando as migrações de peixes e a reprodução dos animais.

 

Além disso, o Sudão poderá perder 84 mil hectares de culturas, enquanto a perda de nutrientes aumentará a necessidade de fertilizantes, não só com impacto nos custos de produção, mas também afetando negativamente o ambiente e a saúde pública.

 

O Presidente al-Sisi, em uma tentativa de inverter a posição do primeiro-ministro etíope Abey Ahmed, pede há mais de três anos que a questão do reservatório seja incluída nas agendas da Liga Árabe e da União Africana, sem o conseguir. Em julho de 2021, al-Sisi solicitou, ainda sem qualquer reação, a intervenção do Conselho de Segurança da ONU, o que em mais de uma ocasião é um passo preliminar para o início de um conflito armado com muitos motivos para eclodir.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg