top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Sobre o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados"



Este ano, ao assinalarmos o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, a nossa determinação está mais forte do que nunca, acompanhada por um renovado sentimento de esperança. A nossa aspiração coletiva é pôr fim ao número sombrio de vítimas, travar o crescimento da lista daqueles que desapareceram à força, tanto nas nossas nações como em todo o mundo.


No entanto, o mundo continua a enfrentar uma crise generalizada. As potências imperialistas persistem na sua exploração implacável dos recursos mundiais, perpetuando a sua exploração das populações desfavorecidas e marginalizadas em todas as nações através de regimes subservientes e alianças profanas com as elites dominantes locais. Embora as consequências da pandemia global continuem a ser um fardo para as pessoas, os obstáculos duradouros da opressão e da repressão sistêmicas persistem como desafios ​​que exigem o nosso confronto e resistência resolutos.


É neste contexto que persiste o ato hediondo de desaparecimento forçado. Muitos, se não todos, dos indivíduos desaparecidos desempenham papéis significativos nos seus respectivos contextos e lutas. São precisamente estas vozes que as forças estatais e os fascistas pretendem silenciar. Através da força, são arrancados das suas famílias, entes queridos e das comunidades maiores das quais fazem parte e ao lado das quais lutam. Os desaparecimentos forçados são uma dura realidade.


A justiça revela-se difícil para as vítimas de desaparecimentos forçados, principalmente devido à ausência de qualquer governo ou estado disposto a reconhecer abertamente uma política de rapto e desaparecimento. Os orquestradores destes raptos, as forças do Estado, permanecem anónimos e sem rosto, mantendo um silêncio perturbador em torno das suas ações, mesmo quando sobem na hierarquia através do clientelismo e do oportunismo.


Embora acordos internacionais como a Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados se esforcem por alcançar a aceitação e promulgação de leis internacionais, muitos Estados ainda não os adotaram. O nosso apelo para que estas nações assinem a Convenção torna-se ainda mais urgente, pois simultaneamente exigimos delas justiça e responsabilização pela história de desaparecimentos forçados que abrangem regimes passados ​​até aos dias de hoje.


Persistimos na nossa exigência de justiça e comprometemo-nos a reforçar o nosso apoio às vítimas e às famílias afetadas pelos desaparecimentos forçados na América Latina, na Ásia, em África e no Mediterrâneo. Hoje, estamos solidários, homenageando todos aqueles que desapareceram. Estendemos o nosso apoio às famílias que se esforçam para localizar os seus entes queridos desaparecidos e levar os culpados à justiça.


Ao longo da história, as famílias dos desaparecidos deixaram uma marca indelével, conscientizando o mundo sobre o crime de desaparecimento forçado. Os seus esforços coagiram os regimes a responder aos nossos apelos por justiça e a responsabilizar os malfeitores, independentemente do caminho árduo e prolongado.


Crucialmente, alcançámos vitórias modestas nesta busca, absorvendo a lição de que a justiça exige uma batalha firme. No entanto, mesmo no meio da pandemia global, as forças de segurança em numerosos países persistem no rapto e no desaparecimento de indivíduos para reprimir a dissidência e reprimir os protestos.


Surpreendentemente, mais de uma década após a sua ratificação, um número considerável de Estados ainda não adotou a Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados. Devemos persistir no envolvimento com as Nações Unidas, levantando as vozes dos desaparecidos e, simultaneamente, lançando campanhas para aumentar a sensibilização e iniciar mobilizações nos nossos países de origem.


Devemos contrariar ativamente os esforços monstruosos e enganosos dos perpetradores e dos elementos do Estado. A nossa determinação em expor as suas agressões aos defensores dos direitos e às famílias das vítimas deve permanecer firme. Estes esforços nada mais são do que esforços desesperados para nos silenciar e tornar as nossas ações inconsequentes, ao mesmo tempo que relegamos os desaparecidos ao esquecimento.


Enquanto os desaparecimentos forçados continuarem a ser uma política sancionada pelo Estado e a acusação e a culpabilidade dos perpetradores permanecerem indefinidas, seremos convocados a reunir a nossa coragem e a permanecer inabaláveis. Em última análise, a batalha contra os desaparecimentos forçados será vitoriosa nas ruas e nas plataformas de protesto.


Tirando força dos desaparecidos e dos pioneiros da luta contra os desaparecimentos forçados, não deixemos que nem uma pandemia nem atrocidades diminuam as nossas vozes de protesto: Tragam os desaparecidos à luz! Exija justiça para as vítimas! Parem com os desaparecimentos forçados!


Declaração da Comissão ILPS 3


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg