"Como e onde morrem os migrantes ao cruzarem a fronteira México-EUA?"


O Rio Bravo é uma das vias que tomam os migrantes para evadir do controle migratório terrestre em direção aos Estados Unidos, entretanto, envolve perigos incomuns. A Fronteira entre México e EUA tem deixado esta semana uma imagem para a história: a morte de Óscar e Valeria, pai e filha salvadorenhos que representam a realidade de centenas de migrantes do Triangulo Norte da América Central que morrem a cada ano sob as mesmas circunstâncias. As cifras variam entre uma organização não governamental e outra mas, em média, 376 migrantes morreram em 2018 na tentativa de cruzar a fronteira sul México-EUA, segundo dados da organização Projeto Migrantes Perdidos. A temática da migração tem sido historicamente recorrente para os Estados Unidos, mas no governo de Donald Trump tem sido ainda mais devido ao enrijecimento de suas políticas na área e um explícito discurso governamental que promove a xenofobia. A média anual de trânsito de migrantes pela fronteira México-EUA é de 300.000, mas somente este ano entre janeiro e março tal cifra já fora atingida. Rio Bravo Primeiramente deve-se saber que o Rio Bravo não é navegável. Possui mais de 3.000 quilômetros de longitude e se encontra na fronteira natural entre o norte do México e o Sul dos Estados Unidos. Cruzar tal rio parece a forma menos problemática de chegar aos EUA, tendo em vista as fortes medidas de controle migratório que existem na fronteira terrestre. Mas não é mais fácil. O Rio possui partes rasas, mas também outros trechos inesperados que chegam a 2,5 metros de profundidade. Possui crocodilos, escombros que flutuam pelo rio, seus níveis se elevam com a chegada do verão e se reabre a barragem para irrigar as culturas de Eagle Pass (Texas). A todos os perigos, soma-se o que os migrantes cruzam o Rio em balsas improvisadas e com excesso de pessoas. Entre outubro de 2018 e meados de junho deste ano, a Patrulha Fronteiriça resgatou 315 migrantes que se encontravam em situações de perigo, enquanto que no ano anterior foram resgatados 12. La Bestia O trem La Bestia também conhecido como “o trem da morte”, transporta mercadoria desde a fronteira sul até a fronteira norte do México, mas é tomado por milhares de migrantes como uma via de acesso para a fronteira com os Estados Unidos. Muitos dos migrantes que entram no La Bestia acabam feridos, lesionados e até mesmo mortos por tentar entrar e/ou saltar do trem em movimento, ou caem entre os vagões devido ao cansaço. O trem também é cenário de violações, sequestros, desaparecimentos e assassinatos. Em seu histórico de fatalidades, La Bestia registra mortes massivas por descarrilhamentos. Em 2013 morreram 12 pessoas devido a um descarrilhamento em uma região próxima a Veracruz. Crianças mortas sob custódia federal Em maio deste ano as autoridades estadunidenses confirmaram a sexta morte de um migrante menor de idade sob custódia federal nos últimos seis meses. Depois da travessia, os migrantes capturados apresentam desidratação, exacerbação de enfermidades congênitas, pneumonia e outras doenças, aos que a custódia federal presta atenção médica, mas em alguns casos alegam que “não possuem fundos suficientes” para a prestar a devida atenção requerida a todos. “Não podemos transladar tão rápido como gostariam os jovens adolescentes para que tenham melhores cuidados”, argumentou Kevin McAleenan, porta-voz do Departamente de Saúde, no maio passado. Centros de detenção Historicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) e outras entidades pró-direitos humanos têm solicitado o fechamento dos centros de detenção de migrantes nos EUA. Segundo informe publicado pela NBC News, pelo menos 24 migrantes morreram neste centros nos EUA desde que Donald Trump assumiu a presidência do país (janeiro de 2017). As denúncias contra os centros de detenção multiplicaram-se e se apontam as condições insalubres destes, com alimentos e banheiros em mal estado, falta de atendimento médico para os migrantes, superlotação, entre outros. Em maio passado, um inspetor geral do departamento de Segurança Nacional encontrou “perigosa superlotação e condições insalubres” em um centro de migrantes em El Paso, Texas, com capacidade para 125 pessoas, mas haviam ali cerca de 900. Do Telesurtv.net Traduzido por Igor Dias

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube