top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Mulheres do mundo, uni-vos! Lutar por direitos democráticos e contra a ganância imperialista!"


O Dia Internacional da Mulher Proletária neste 8 de março ocorre em meio a uma terrível crise global causada pelo capitalismo monopolista no século XXI: o neoliberalismo. As políticas neoliberais resultaram, entre outros, em salários extremamente baixos, flexibilização massiva do trabalho, preços altos descontrolados e declínio na qualidade e acessibilidade dos serviços sociais à medida que o apoio do Estado diminui e as empresas e corporações com fins lucrativos assumem o controle.


GABRIELA, juntamente com as organizações da Comissão 7 da Liga Internacional da Luta dos Povos (ILPS), conclama as mulheres trabalhadoras do mundo a continuar a luta contra a intervenção e imposição imperialista.


O ataque neoliberal aos povos de países ricos em recursos, mas empobrecidos, aumenta, sucumbindo à situação neocolonial de ser o depósito de lixo da superprodução, o fornecimento de matérias-primas e a fonte de mão de obra barata.


Mulheres da classe trabalhadora em todo o mundo experimentam a natureza exploradora da política neoliberal de flexibilização do trabalho: precarização do emprego, discriminação salarial, longas jornadas de trabalho, horas extras compulsórias e desrespeito às leis trabalhistas. A participação das mulheres na força de trabalho é de apenas 62,9%, supostamente a menor em 15 anos. O ataque da pandemia agrava a indisponibilidade de oportunidades de trabalho que resulta em mais empobrecimento e níveis mais baixos de bem-estar mental. Pior ainda, uma em cada três mulheres ou 736 milhões já sofreram violência. Devido à falta de oportunidades de trabalho em seus países de origem, cerca de 70 milhões de mulheres (OIT, 2019) trabalham no exterior, principalmente como trabalhadoras de serviços.


Com a desregulamentação dos preços, os custos dos alimentos e de outros produtos básicos estão no seu ponto mais alto em muitos países. O aumento do custo de vida está devorando os salários dos trabalhadores. A inflação e o aumento dos preços causaram mais de 685 milhões de pessoas na pobreza (Banco Mundial, abril de 2022). Em todo o mundo – França, Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul, China, Índia, Bangladesh, Filipinas, entre outros – os trabalhadores estão em greve porque, enquanto os preços sobem constantemente, seus salários não. Perversamente, 1,1% da população mundial detém 45,8% da riqueza mundial. A maioria dos ricos pertence à América do Norte e à Europa. Esse 1% ficou ainda mais rico durante o auge da pandemia de COVID-19.


O trabalho organizado entrou em um novo período de inquietação, à medida que os capitalistas monopolistas continuam a pressionar pelo livre comércio. Em troca, os capitalistas atacam através da escalada da acumulação e da instigação da guerra. Lideradas pelos Estados Unidos, as potências imperialistas espalham seus tentáculos por todo o mundo – especialmente nos países ricos em recursos do Sul – e instigam guerras. Ao mesmo tempo, os governos nacionais colaboram, sucumbem à condição semicolonial e recorrem ao fascismo.


Intervenção militarista estrangeira e governos fascistas surgem no Afeganistão, Síria, Iraque, Ucrânia, Colômbia, Somália, Iêmen, Mianmar, Índia, Filipinas, entre outros. O governo dos EUA também impôs principalmente tratados desiguais com seus lacaios em países como as Filipinas e estacionou suas forças militares e bases dentro do país. A réplica americana da “lei antiterrorismo” foi copiada na Ásia-Pacífico, África e América Latina. Muitos defensores dos direitos humanos foram sequestrados, presos ilegalmente, detidos, perseguidos e até mortos.


Só nas Filipinas, há 828 presos políticos, sendo 130 mulheres, 17 vítimas de execuções extrajudiciais, 156 sequestrados e desaparecidos (Karapatan, 2022). A volta ao poder dos Marcos – a família do falecido ditador Ferdinand Marcos – torna a situação da classe trabalhadora mais sombria.


Apesar das medidas fascistas, permanece a crise de superprodução que afunda ainda mais as economias do Ocidente em uma longa depressão financeira sistêmica e colapsos. A competição entre os países imperialistas se intensifica, como evidenciado nas crescentes guerras de agressão entre os EUA e a China, a guerra em curso na Ucrânia e a expansão das bases militares dos EUA, seus aliados e outros países imperialistas.


Como tal, nós – as mulheres da classe trabalhadora do mundo – devemos nos unir e contribuir para a luta dos povos em todo o mundo por justiça social e pelo fim da pilhagem imperialista. Devemos unir as armas com as massas trabalhadoras em todos os lugares e defender nossos direitos e soberania em meio à intensificação do fascismo e da intervenção imperialista.


Provamos historicamente que as mulheres podem iniciar uma faísca que pode acender o fogo da mudança. Podemos tomar o poder para o povo e derrubar o um por cento. As mulheres podem ser uma parte formidável da mudança desejada, como se costuma dizer: nós sustentamos metade do céu.


8 de março de 2023

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg