banner VII Salao do Livro Político.gif
  • NOVACULTURA.info

Carlos Fonseca: "Sandino, Guerrilheiro Proletário"



Augusto César Sandino é o herói guerrilheiro nicaraguense cujo nome se tornou símbolo da já secular luta dos povos da América Latina contra o imperialismo ianque.


A primeira conferência de solidariedade dos povos da África, Ásia e América Latina levantou em seu palco a imagem de Sandino como uma representação do tradicional heroísmo latino-americano anti-ianque. Expressão do gênio guerrilheiro das massas populares, Augusto César Sandino; precursor do novo tempo, que hoje os povos subjugados estão forjando e cujo paradigma culminante é o heroico Ernesto “Che” Guevara.


Ernesto “Che” Guevara hoje, Augusto César Sandino ontem, marcam heroicamente a indispensável rota guerrilheira que levará os povos vítimas do imperialismo à posse absoluta de seus próprios destinos.


Sandino: guerrilheiro proletário


Augusto Cesar Sandino, o trabalhador de origem camponesa que lutou com armas contra os invasores norte-americanos na Nicarágua, nasceu em Niquinohomo em 18 de maio de 1895. Desde a infância trabalhou no campo. Sua inteligência natural lhe permitiu aprender a ler e escrever, apesar da hostilidade do meio social.


Desde muito jovem, ele conheceu o recrudescimento da interferência ianque no país. Em 1912, perto da cidade natal de Sandino, o punhado de patriotas liderados pelo herói Benjamin Zelado, lutou contra o invasor ianque.


Em 1912 viajou para fora do país para outras terras, como milhares de nicaraguenses.

Ele visitou vários países da América Central, México e Estados Unidos, e deste último retornou ao México, onde ainda cheirava a pólvora das balas disparadas pelos camponeses oprimidos liderados pelo guerrilheiro Emiliano Zapata.


No México, trabalhou em Cerro Azul, Veracruz, como mecânico nas instalações da petrolífera norte-americana Huasteca Petroleum Company. Desprezando o privilégio de sua condição de trabalhador qualificado, decidiu voltar à pátria e se inserir na luta.


Ele desembarcou em Bluefields, na costa atlântica da Nicarágua, onde se localizava o centro do movimento armado contra o governo fantoche instalado pelo imperialismo. Dali partiu para Segóvia, região montanhosa no norte da Nicarágua.


Em 26 de outubro de 1926, Sandino, junto com seu grupo de trabalhadores, roubou dinamite dos armazéns da empresa norte-americana que explorava o depósito de ouro de San Albino e começou a lutar contra o regime conservador de Adolfo Díaz, estabelecido pelos ianques. Na área de Guazapo, no extremo norte de Las Segóvias, ele monta seu acampamento rebelde. Em 2 de novembro de 1926, as tropas inexperientes realizaram o primeiro encontro armado com elementos do governo em San Fernando. As poucas e ineficientes armas que o pequeno grupo de patriotas possuía obrigaram Sandino a empreender a marcha em direção ao distante Puerto Cabezas, localizado no literal Atlântico, e onde tinha sede o comando liberal, que dispunha de armas modernas para a guerra que travava o governo conservador. O comando liberal, forçado pelos marinheiros ianques, havia se estabelecido em terras pertencentes à Sandino e seus companheiros atravessaram mil quilômetros de rio e selva na ida e volta entre a serra e o litoral. As pérfidas raposas do comando liberal, desconfiadas das ideias “estranhas” de Sandino, negaram-lhe armas e também tentaram forçá-lo a desistir de operar no Norte. Mas com a ajuda de algumas mulheres do porto, Sandino conseguiu cerca de quarenta armas que haviam sido abandonadas pelas tropas liberais.


Em 2 de fevereiro de 1927, Sandino e seus companheiros voltaram a Guazapo e

desenvolveram uma campanha ofensiva do Norte ao Centro do país, na qual

provocaram repetidas derrotas às forças do governo conservador. A força

intervencionista ianque controla uma série de pontos no país e os Estados Unidos também fornecem ao governo fantoche 3.000 fuzis, 200 metralhadoras e 3 milhões de cartuchos.


Depois de tomar a cidade de Jinotega, Sandino e sua coluna segóvia de 800 homens, muitos desarmados, dirigiram-se para o centro do país, onde ocuparam a cidade de San Ramón, no departamento de Matagalpa. Mais tarde, a marcha continuou em direção ao local onde se localizavam as forças sob o comando liberal, ameaçadas pelo inimigo conservador. A batalha final da guerra entre liberais e conservadores estava se aproximando.


Bloor, um adido militar ianque, disse que naqueles dias 1.600 rebeldes liberais

enfrentaram 3.400 conservadores. Nesse momento, travou-se a batalha de Las

Mercedes, perto de Teustepe, onde a coluna do chefe Sandino obteve uma vitória estratégica decisiva; este combate foi confiado a Sandino pela fama de bravura conquistada no decurso da viagem rebelde. Com toda a razão eu diria que “os últimos tiros dessa guerra constitucionalista foram disparados pela minha cavalaria”.


Um perigo para suas comunicações navais


O país estava às vésperas de grandes eventos no início de 1927. O Departamento de Estado dos Estados Unidos havia anunciado que Henry L. Stimpson viajaria para a Nicarágua como representante especial do presidente Coolidge.


Stimpson serviu no gabinete de Taft como Secretário de Guerra. Após sua missão na Nicarágua, foi Governador das Filipinas e Secretário de Estado no governo Hoover. Na época do bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki, Stimpson era o Secretário de Guerra.


O livro “American Policy in Nicaragua”, que Stimpson publicou depois de sua viagem à Nicarágua, expressa explicitamente a política dos EUA para o país estratégico e pequeno: “...A única coisa que se queria era que reinasse a paz e a estabilidade, tanto política bem como econômico, para que nunca pudesse representar um perigo para suas comunicações navais, presentes ou futuras, que eram seu interesse mais vital”.


Ao se referir às “comunicações navais”, Stimpson relaciona a política dos Estados Unidos ao potencial do canal da Nicarágua, bem como à proximidade deste país com o Canal do Panamá e até mesmo com o próprio território norte-americano. Vê-se a acentuação da ganância colonial secular perante a posição geográfica da Nicarágua e seu istmo. Em janeiro de 1927, forças norte-americanas compostas por 3.900 soldados, 215 oficiais e 865 marinheiros desembarcaram no porto de Corinto. Entre os delitos cometidos pelos invasores ianques estão a ocupação da Universidade de León, onde foram destruídos instrumentos de ensino, e a Catedral de León, o templo católico mais conhecido, foi convertida em quartel para as tropas ianques.


Meses antes, Lawrence Denis, que havia sido Encarregado de Negócios na Nicarágua, disse: “Aqui muitas vezes se pensa que viemos para servir aos interesses uns dos outros, mas eles estavam errados, só servimos aos nossos interesses”.


A traição de “The Black Thorn”


Em 4 de maio de 1927, o liberal José María Moncada se reúne em El Espino Negro de Tipitapa, com Henry L. Stimpson, representante do império ianque. Moncada trai dando as armas rebeldes a Stimpson. O traiçoeiro pacto liberal de El Espino Negro mostrou que a burguesia nacional nicaraguense estava definitivamente associada às classes feudais e reacionárias. Mais do que nunca, justificava-se o ditado popular de que “cinco oligarcas conservadores mais cinco oligarcas liberais somam dez bandidos”.


É preciso dizer que a oferta de Stimpson a Moncada de conceder dez dólares por arma aos rebeldes, que os haviam conquistado com risco de vida, gerou indignação. Muitos se recusaram a sofrer a humilhação ocorrida em Las Banderas, a quarenta e oito quilômetros de Manágua.


Sandino, o filho mais ilustre do povo nicaraguense, levantou-se diante da traição e continuou a pegar em armas.


Sobre o dia em que os patriotas nicaraguenses desafiaram o império invasor e os traidores, Sandino declarou: “4 de maio é feriado nacional porque foi o dia em que a Nicarágua provou aos olhos do mundo que sua honra nacional não é humilhada, que ainda restavam filhos que com seu sangue lavassem a mancha dos outros”.


Sandino na frente da guerra popular


Sandino decide se mudar para Jinotega. Entre as centenas de veteranos que o acompanharam na façanha libertadora, ele seleciona 30 que reúnem as condições necessárias para a nova etapa, que começa a 4 de maio. Oito dias depois, em Yalí: “Não estou disposto a entregar nossas armas se todos o fizerem. Vou me matar com os poucos que me acompanham porque é preferível nos deixar morrer como rebeldes e não viver como escravos”.


De Yalí mudou-se para San Rafael del Norte, onde se casou com a jovem Segovian Blanca Aráuz. Uma vez realizada a cerimônia de casamento, ele caminha em direção à montanha. Antes de partir, assinou uma declaração patriótica na qual afirmava: “Não me importo se o mundo desabar sobre nós, mas cumpriremos um dever sagrado”.


Mais tarde, no Manifesto El Mineral, assinado emSan Albino, demonstra seu patriotismo, expressa seu sentimento de classe contra os oligarcas locais e os invasores ianques e destaca sua preocupação com os oprimidos.


“O homem que não precisa (nem mesmo) de um centímetro de terra de seu país para seu enterro, merece ser ouvido e não apenas ser ouvido, mas também acreditado. Sou nicaraguense e tenho orgulho de que circule em minhas veias, mais do que qualquer outra, o sangue de índio americano que por atavismo contém o mistério de ser um patriota leal e sincero”.


“Sou um trabalhador da cidade, um artesão, como se diz neste país, mas meu ideal se baseia em um amplo horizonte de internacionalismo, no direito de ser livre e exigir justiça, embora para atingir esse estado de perfeição seja necessário derramar sangue próprio e estrangeiro. Que sou um plebeu, dirão os oligarcas, isto é, os gansos do pântano. Não importa, minha maior honra é sair do seio dos oprimidos, que são a alma e o nervo da raça”.


“Os grandes dirão que sou muito pequeno para o trabalho que empreendi; mas minha insignificância é superada pelo orgulho do meu coração patriótico, e assim juro perante a Pátria e perante a História, que minha espada defenderá o decoro nacional. e que será redenção para os oprimidos”.


“Venham, imundície de morfina, venham nos assassinar em nossa própria terra, pois espero vocês firmes à frente de meus soldados patriotas, independentemente do número de vocês; mas lembrem-se de que, quando isso acontecer, a destruição de sua grandeza tremerá no Capitólio de Washington, avermelhando com seu sangue a esfera branca que coroa sua famosa Casa Branca, antro onde você planeja seus crimes

Enquanto Sandino preparava seus bravos guerrilheiros, o governo antipopular de Díaz permanecerá por mais alguns meses, até que Moncada assuma o poder, como retribuição por sua traição”.


Stimpson deixou a Nicarágua em 16 de maio no encouraçado “Preston”, mas não antes de receber um diploma honorário da Universidade de Granada. Naquele mês, o governo dos Estados Unidos teve o cinismo de apresentar a seus fantoches nicaraguenses oito milhões de dólares em reclamações pelos danos causados à propriedade norte-americana durante a guerra. De acordo com a lei do imperialismo, ele provoca guerras e depois assume o direito de cobrar pela destruição que ele mesmo organizou.


As guerrilhas contra o império


Em 12 de julho de 1927, o comandante ianque Hatfield, encarregado do posto militar de Ocotal, envia um ultimato a Sandino. O Herói de Segóvias responde no dia seguinte: “Recebi sua comunicação ontem e entendo. Não vou desistir e estou esperando por você aqui. Quero uma pátria livre ou morro. Não tenho medo deles: conto no ardor do patriotismo dos que me acompanham Pátria e Liberdade - ACSANDINO”.


Quatro dias depois, em Ocotal, 60 homens de Sandino lutaram contra um inimigo mais numeroso, que chegou a usar aviões. Nesta luta, que dura quinze horas, a coluna patriótica aplica o método de ser acompanhada por camponeses desarmados, com a missão de expropriar os comerciantes locais. O chefe do Estado-Maior dos patriotas, coronel Rufo Marín Bellorini, cai mortalmente ferido e, antes de morrer, exclama: “Diga ao general Sandino que estou morrendo como queria: lutando contra os ianques”.


Embora o otimismo de Sandino nunca vacile, ele não esconde a situação de seu pequeno exército. Após a luta em Ocotal, ele escrevia as seguintes palavras: “A luta acirrada continuou e havia alternativas. Vencemos e eles nos derrotaram”. San Fernando, El Jícaro, foram encontros adversos para os patriotas nos primeiros dias da campanha sandinista.


Organização e estrutura da guerrilha sandinista


A maioria dos guerrilheiros eram da população camponesa das regiões combatentes e por isso tinham o controle absoluto da terra. Soma-se a essa vantagem a colaboração da população rural na divulgação dos movimentos do inimigo.


Havia uma grande rede de espionagem camponesa que fornecia as informações exigidas pelos guerrilheiros. Desta forma, o invasor e os “cães” (membros do exército do país) viram um inimigo em cada camponês. Ser camponês nas regiões sandinistas era, naqueles anos, para o invasor, um crime.


Os guerrilheiros sandinistas foram severos com aqueles que ajudaram o invasor, tanto informantes quanto latifundiários traiçoeiros. Aqueles que conseguiram escapar da justiça guerrilheira foram punidos com a destruição das colheitas e bens que possuíam em suas fazendas. Dessa forma, os sandinistas incutiram confiança na população camponesa, que carinhosamente chamava os guerrilheiros de “os meninos”; por sua vez, eles se chamavam com a palavra “irmão”.


Os sandinistas deram aos camponeses que os acompanhavam comida, animais, roupas, calçados, remédios, ferramentas, etc. Desta forma foram fortalecidos e garantidos o apoio da população camponesa. Em plena jornada de guerrilha, Sandino escreve um despacho em que considera categoricamente como crime a não aceitação por parte dos moradores da zona rural do que é distribuído pelos guerrilheiros. A distribuição de bens materiais justificava-se pelas condições em que se desenvolvia a resistência patriótica, inclusive pelo atraso político da população nas áreas de atuação do exército guerrilheiro.


A vigilância constante foi um fator principal da guerrilha. A diferentes distâncias dos acampamentos, foram localizados postos de observação separados, desde meia hora de caminhada até um ou mais dias. O cumprimento correto da missão de posto era um dever primordial cuja infracção era punível com a morte na primeira reincidência.

Os soldados de Sandino, que o inimigo descreveu como “bandidos”, usavam trapos. Muitas vezes eles não usavam outro cobertor além de pilhas de folhas de bananeira para resistir ao frio nos picos das Segóvias.


O jornalista norte-americano Carleton Beals visitou os campos de Sandino em 29 de março de 1928. Em sua reportagem refutou as falsidades que a imprensa mercenária lançou contra os guerrilheiros cuja camisa “caía em farrapos” e “seus pés descalços estavam presos nos estribos feitos de varas amarradas com fatias de couro cru, enquanto a sela foi reduzida a sacos sobrepostos”.


Diante da escassez de alimentos, os guerrilheiros aplacavam a fome com caracóis que extraíam das ravinas, assim como o palmito ou palmito maquenque.


Apesar da privação material, os sandinistas fortaleceram seu espírito de sacrifício.

Pelo contrário, o invasor cometeu todo tipo de atos de vandalismo. Certa ocasião, após a vitória em El Bramadero, os sandinistas encontraram um ostensório de ouro em uma mochila ianque que o invasor havia roubado da igreja de Yalí. Os sandinistas devolveram o objeto ao templo.


Por sua vez, as camponesas tiveram uma participação relevante como combatentes e em tarefas auxiliares da guerrilha. Junto com os guerrilheiros com seus filhos pequenos, marcharam muitas mulheres camponesas. Eles tratavam os feridos e os doentes na ausência de médicos profissionais e preparavam comida para os sandinistas.

Os guerrilheiros usaram as armas que obtiveram em combate contra o invasor; além disso, faziam granadas ou bombas rudimentares com dinamite extraída dos centros de mineração. Em latas de sardinha vazias que os marinheiros deixavam abandonadas ou em pedaços de couro, a dinamite era introduzida junto com pedaços de pregos ou sucata.


Eles também usaram métodos engenhosos para contornar a superioridade militar do inimigo. Bonecos de grama já foram colocados na colina de El Chipote para distrair a atenção dos aviões ianques, enquanto os guerrilheiros recuavam na direção oposta.

Entre as armas do arsenal guerrilheiro, destacaram-se os fuzis Krang, Infumo, Winchester, Springfield, metralhadoras Thompson e Browning, espingardas taquear, metralhadoras Lewis e um pequeno canhão chamado “La Chula”.


O campo de treinamento de guerrilheiros para os recrutas estava localizado na íngreme colina de El Chipote. Por sua vez, os acampamentos das diferentes colunas se comunicavam por meio de armadilhas ou caminhos secretos.


Na fase inicial, os sandinistas atuam na área de Pueblo Nuevo, Somoto Grande, Quilalí e Ocotal, região cujas extremidades estão a menos de 50 quilômetros de distância. Gradualmente as zonas de operações de guerrilha estão se expandindo.


Em 1932, a zona de guerrilha se estende pela maior parte das áreas rurais do território nicaraguense. As zonas de operações guerrilheiras abrangem as regiões da Costa Atlântica, Chontales, Matagalpa, Jinotega, Nueva Segovia, Estelí, Manágua, Chinandega e León.


Há algum tempo, uma coluna opera no departamento de Rivas, localizado no extremo

sudoeste do país.


O território controlado pelos sandinistas tinha um perímetro de mais de mil quilômetros, cujos pontos extremos eram: Chichigalpa, a oeste, San Francisco del Carnicero e Santo Domingo de Chontales ao sul, Puerto Cabezas e Cabo Gracias a Dios a leste, e quase toda a fronteira com Honduras ao norte.


A emboscada representou a tática fundamental da guerrilha para atacar a força armada do invasor e seus “cães”. De acordo com o destacado líder guerrilheiro sandinista Santos López, “eles foram autorizados a penetrar na montanha por dois dias, aqui foram atacados, os ianques recuaram e, ao recuar, foram atacados em vários lugares ao longo do caminho de entrada e saída. não teve escolha a não ser recuar, com baixas e feridos”. Vários aviões dos EUA também foram abatidos pelos guerrilheiros quando estavam bombardeando criminalmente a população civil.


De acordo com a revisão, claramente incompleta, elaborada pelo comando do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, os combates sustentados pelos sandinistas somavam 510. Assim distribuídos: 73 reuniões de 14 de maio de 1927 até o último dia de dezembro de 1929; 120 reuniões no ano de 1930; 141 reuniões em 1931; 170 reuniões em 1932. Tal compilação foi praticamente desconhecida até hoje.


Mesmo na renomada obra sobre o feito sandinista publicada pelo autor argentino Gregorio Selser, expressa-se a tendência de sustentar que no ano de 1930 havia pouquíssimos encontros, o que definitivamente não era o caso.


A impotência do invasor para aniquilar os heroicos guerrilheiros transformou-se em cruéis represálias contra os colonos indefesos. Crianças tão pequenas eram lançadas no ar para pousar nas baionetas afiadas dos soldados ianques; esses animais pegaram crianças camponesas pelas duas pernas até serem cortadas e desmembradas.


O compromisso entre liberais e conservadores


Enquanto os guerrilheiros sandinistas seguravam o invasor nas montanhas, os oligarcas de ambos os lados concordaram em compartilhar os despojos do governo fantoche.

Em 22 de dezembro de 1927, o imperialismo concorda com os liberais e conservadores para criar uma força armada mercenária chamada Guarda Nacional. Sua missão principal imediata é o extermínio dos patriotas sandinistas.


Em sua primeira etapa, a Guarda Nacional tem exclusivamente um oficial americano.


Um aspecto pouco menos que desconhecido do processo de guerrilha na Nicarágua foi a revolta de soldados nativos contra os comandantes ianques em algumas unidades. Eles foram objeto de todo tipo de assédio por parte da despótica oficialidade ianque. As revoltas foram registradas nos seguintes lugares: Somotillo, Paso Real, El Jícaro, Somoto, Quisalaya, Quilalí, San Isidro, Guarda Presidencial de Manágua e em duas ocasiões em Telpaneca. Em tais lugares, os subordinados nicaraguenses voltaram suas armas contra os líderes ianques e vários dos rebeldes se juntaram às colunas patrióticas.


Na farsa eleitoral de 4 de novembro de 1928, Moncada torna-se presidente.

As assembleias de voto são presididas por 45 funcionários americanos. O presidente da Comissão Eleitoral “Nacional” é o general Frank Ross MacCoy.


Naquele mês, a bordo do navio “Mary Land”, o presidente norte-americano Hoover se encontra com o liberal José María Moncada e os conservadores Emiliano Chamorro e Adolfo Díaz.


O presidente Hoover disse nesta reunião: “Chegou agora uma base para uma solução que merece a mais profunda gratidão de todos os nossos povos e pela qual desejo parabenizar os líderes da nação nicaraguense”.


O novo Presidente Liberal nomeou como Secretário do Comando Geral (prelúdio do Quartel General da Guarda Nacional) e como chefe temporário das Relações Exteriores um indivíduo obscuro que mais tarde alcançaria notoriedade: Anastasio Somoza García. De acordo com o comando ianque, Somoza é nomeado chefe da Guarda Nacional no final de 1932.


Juan B. Sacasa aprova a traição de Espino Negro e é nomeado por Moncada como representante de seu governo nos Estados Unidos.


Soberania se defende com armas


Assim que Moncada assumiu a presidência, o almirante DF Sellers enviou uma comunicação a Sandino em que pretendia chamá-lo para pôr fim à resistência armada. O chefe guerrilheiro responde: “O patriotismo ao qual você apela é o que me manteve repelindo força contra força, ignorando completamente qualquer interferência de seu governo nos assuntos internos de nossa Nação e demonstrando que a soberania de um povo não se discute, mas se defende com armas na mão”.


À sua coragem e profundo patriotismo somava-se a força para suportar todo tipo de agruras e dificuldades materiais. Em junho de 1930, o sepulcro de uma bomba lançada pela aviação ianque sobre Saraguasca o feriu na perna esquerda. Sem assistência médica, ele se recuperou do ferimento com a atenção de seus companheiros de armas.

Em sua conduta pessoal tinha como regra a sobriedade. Em uma ocasião lhe ofereceram um copo de licor para fazer um brinde e recusou dizendo: “A água límpida da montanha é a única coisa que bebi nos últimos anos”.


Em linguagem simples, explicou aos guerrilheiros camponeses que o povo derrotaria definitivamente o imperialismo ianque. O veterano combatente Simón González lembra-se de ouvi-lo dizer: “Um dia terão de ser derrotados por completam os Yankees, e se eu não conseguisse ver esse final, as formiguinhas da terra me contariam até o túmulo”.


Embora não tenha tido a oportunidade de frequentar escolas, Sandino cultivou-se. Nas montanhas, como ele mesmo se refere, lia à luz de fogueiras. Entre os livros lidos está “Don Quixote”, do qual memorizou parágrafos inteiros.


A um colombiano que se juntou às colunas guerrilheiras e que o ajudou em sua instrução cultural; o herói nicaraguense o chamou de “meu mentor”.


Note-se que a interferência multiplicada do imperialismo ianque nos países caribenhos teve como resposta uma acentuação da luta patriótica na República do Haiti, República Dominicana, Porto Rico, Cuba, México, Venezuela e outros lugares.


A aurora das ideias sociais que surgiram nessas lutas foi projetada nas ideias políticas do herói guerrilheiro da Nicarágua. No entanto, as condições impostas pelo caráter nascente do moderno movimento anti-imperialista do povo não permitiram a Sandino combinar sua correta estratégia militar com uma correta estratégia política que garantisse a continuidade do processo revolucionário.


Note-se que o herói nicaraguense tinha uma clara consciência do papel determinante da luta armada na conquista da independência nacional definitiva e também se identificava com as ideias avançadas de reivindicação social.


Ao longo dos anos de sua luta, a ideologia de Sandino defende a transformação social e se reflete do início ao fim da resistência. Em 1933, o jornalista espanhol Ramón Belausteguigoitia relatou em suas crônicas que o hino proletário “La Internacional” foi cantado no campo Sandino.


Sua compreensão do papel decisivo dos operários e camponeses no combate guerrilheiro se reflete quando declarou em 1930: “Até o presente nosso exército reconhece o apoio que os revolucionários sinceros lhe deram em sua árdua luta; mas com o aguçamento da luta, com a pressão crescente dos banqueiros ianques, os hesitantes, os tímidos, devido ao caráter que a luta assume, eles nos abandonam, porque só os operários e camponeses irão até o fim, só sua força organizada alcançará a vitória”. Dois anos depois, ele afirma: “Nosso exército está se preparando para tomar as rédeas de nosso poder nacional para então proceder à organização de grandes cooperativas de trabalhadores e camponeses nicaraguenses, que explorarão nossas riquezas naturais em benefício da família nicaraguense em geral”.

O chefe guerrilheiro também estava disposto a pegar o fuzil em outras terras; ele disse: “Não será estranho que eu e meu exército sejamos encontrados em qualquer país latino-americano onde o invasor assassino ponha os pés em atitude de conquista”.


Solidariedade em isolamento


A solidariedade internacional dos povos com a guerrilha sandinista foi expressa com a participação de combatentes latino-americanos na trincheira nicaraguense, entre eles o venezuelano Carlos Aponte, que caiu em solo cubano junto a do líder anti-imperialista Antonio Guiteras. Também do lado dos guerrilheiros sandinistas estava o mártir comunista salvadorenho Farabundo Martí, de quem Sandino se lembrava até o último momento como irmão.


Além da presença física de alguns revolucionários na montanha da guerrilha, proeminentes figuras anti-imperialistas pediram solidariedade com os rebeldes nicaraguenses. Em 1929, Sandino viajou para o México em busca de solidariedade, mas encontrou apenas a perfídia da burguesia mexicana, que se engajou na demagogia anti-imperialista. Difícil era o entendimento daqueles que se diziam revolucionários, que até questionavam o caráter patriótico da resistência armada nicaraguense com base em conjecturas absurdas que surgiam de uma dialética aberrada. Considere que o México era naquela época um dos principais centros do movimento operário revolucionário na América Latina.


Sandino entende o isolamento e a solidão com que sua luta acaba sofrendo. Enquanto no México, em 1929, ele escreve: “Estamos sobrecarregados pelo silêncio, pelo isolamento, pelo desespero de permanecer ignorados. Precisávamos que o mundo soubesse que ainda estávamos na luta..., a luta continuou na Nicarágua, tão intenso quanto antes, mas o dinheiro americano nos silenciou”.


Em 15 de dezembro de 1931, ele expressa da montanha que mais de um ano se passou sem receber notícias de Zepeda, então seu representante no exterior.


Retirada ignominiosa do invasor

Em janeiro de 1933, Juan B. Sacasa tornou-se chefe de governo. As colunas guerrilheiras já são tenazes e heroicas há vários anos com armas na mão. A intervenção armada do poderoso império ianque tornou impossível derrotar o Exército de Defesa da Soberania Nacional da Nicarágua.


No final de 1932, os intelectuais Sofonías Salvatierra e Salvador Calderón Ramírez enviaram ao herói mensagens vitoriosas propondo paz e esperança na consolidação da soberania nacional.


O chefe patriota responde a Salvatierra e, embora deixe as portas abertas para conversas, critica fortemente Sacasa. Quando a entrevista entre Salvatierra e Sandino ocorreu em janeiro de 1933, o guerrilheiro lhe apresentou o documento conhecido como “protocolo de paz”. Nesse documento, o herói nicaraguense afirma em alguns parágrafos que Juan B. Sacasa, durante seus quatro anos de mandato, “dispensará absolutamente a interferência estrangeira nas finanças da Nicarágua e estabelecerá a determinação que tem sobre o chamado ‘Guarda Nacional’”.


Além disso, indica que “por iniciativa do Executivo, o Congresso Nacional da Nicarágua, decreta a manutenção completa no novo departamento ‘Luz e Verdade’ dos elementos de guerra que o Exército de Defesa da Soberania Nacional utilizou durante a dignificação guerra, de nossa honra nacional”.


O herói acrescenta no documento que: “o Congresso Nacional decreta extrair dos arquivos nacionais e queimar todos os documentos que qualifiquem a atitude patriótica de nosso exército como banditismo” e que “no acordo definitivo de paz, deve-se notar que o Exército Nicaraguense de Defesa da Soberania Nacional solicita a revisão dos tratados Bryan-Chamorro porque é notório que eles foram assinados por um governo nicaraguense imposto pela intervenção norte-americana”.


O líder guerrilheiro se opôs a uma paz em que ex-combatentes fossem despojados de suas armas. Por outro lado, denunciou a interferência econômica que continuava a pesar no país, bem como os tratados que atentavam contra a dignidade e a soberania da nação.


Diante do fato das negociações, os latifundiários do norte do país manifestaram seu desacordo aberto e exigiram uma perseguição imediata contra os patriotas que permaneceram armados nas montanhas.


Por sua vez, a propaganda do inimigo caluniou os sandinistas, afirmando que o que menos lhes interessava era combater a intervenção armada ianque, e que isso era apenas um pretexto para se dedicarem a cometer crimes. Esse tipo de ataque não deixou de ter algum resultado em uma população que carecia de uma orientação política correta. A participação dos patriotas nas negociações contribuiu para jogar por terra a propaganda antissandinista.


O herói concordou em assinar um acordo com o governo de Sacasa somente após a retirada vergonhosa dos invasores ianques do território nicaraguense. Tal retirada foi o culminar da grande vitória militar dos guerrilheiros sandinistas.


O protesto patriótico em várias partes da América Latina, e em particular nos países do Caribe, em que a teimosa luta sandinista ganhou destaque, obrigou o governo dos EUA a renunciar à sua política de “Boa Vizinhança”, que era um compromisso de não intervir militarmente na países da América Latina.


Um mês após a retirada, o herói expressa o seguinte em uma proclamação dirigida aos guerrilheiros: “Nosso exército, pela magnitude de sua luta, constitui uma autoridade moral continental, e na esfera de simpatia que nosso exército tem no mundo, produziu a expulsão completa dos piratas norte-americanos na Nicarágua”.


Em 2 de fevereiro de 1933, o herói parte para Manágua para discutir com o governo de Sacasa. A oportunidade de ver o símbolo vivo do patriotismo representa um evento de alegria para o povo da capital. No mesmo dia, é assinado o acordo que especifica os acordos alcançados pelos delegados dos partidos tradicionais com os representantes da guerrilha. Em nome do Partido Liberal, assina o documento Crisanto Sacasa, que nas próximas décadas seria conhecido por seus serviços ao regime antipopular.


Quando as condições foram discutidas, Sandino recusou categoricamente o desarmamento que pretendiam impor-lhe e só aceitou um desarmamento gradual que lhe permitisse manter um certo número de guerrilheiros em armas. Além disso, o acordo refere-se a “manter por todos os meios racionais, adequados e legais, o resplendor em toda a sua plenitude da soberania e a independência política e econômica da Nicarágua”.


Embora Sandino derrote a intervenção militar do imperialismo ianque, não lhe é possível impedir que a dominação econômica e a interferência política continuem. Em carta enviada à Sra. Lídia de Barahona, observa: “É com tristeza que lhes digo que nosso governo ainda não é autônomo, porque há intervenção política e econômica, que não poderá desaparecer enquanto os governos pertencerem a determinados partidos”.


Da mesma forma, o perigo que a Guarda Nacional representa para os interesses nacionais, uma força armada mercenária que os agressores deixaram organizada, é advertida por Sandino em uma carta que dirigiu ao seu companheiro de armas, Francisco Estrada: “A situação na Nicarágua é como segue: a Guarda Nacional é uma instituição contrária às leis e à Constituição da República; foi criada por um acordo entre o Partido Liberal e o Partido Conservador, conforme indicado pela intervenção norte-americana”.


Os objetivos da nova organização política são explicados pelo guerrilheiro sandinista Francisco Estrada, em carta na qual destaca que: “será aquela que porá fim ao sectarismo passado, pois todas as entidades que existem no país fundir-se com ele”.


Em 1º de agosto de 1933, ocorre uma explosão no Champ de Mars refletindo as manobras sinistras que estão em andamento. O curso dos acontecimentos indica que a explosão foi provocada pelo Diretor-Chefe, Somoza, para insinuar que há um suposto perigo e instabilidade no país, o que acentua a tendência das classes reacionárias a favor de um governo militar controlado pela Guarda Nacional.


Nos primeiros dias de dezembro, Sandino faz uma terceira viagem a Manágua. Como resultado dessa viagem, retifica o plano de formação de um novo partido político, que em nenhum caso deve ser entendido como a renúncia à formação de uma força política diferente, pois afirma: “limitaremos a manutenção do sandinismo com todo o seu prestígio de autoridade moral, para serem fatores decisivos nos destinos da nação, na primeira oportunidade que surgir”.


De modo que a não formação imediata do partido, significou apenas uma mudança de forma na aspiração de se tornar um movimento político independente, para alcançar influência determinante no futuro da situação do país. É importante notar que desde 4 de maio de 1927, Sandino havia rompido os laços que os ligavam ao Partido Liberal.


Após a expulsão dos agressores ianques, a camarilha político-militar que fundiu os dois lados da oligarquia passou a ser chefiada por Anastasio Somoza García.


Na Sede do Governo, Sacasa significa, com base em simples rivalidades, a tendência civil do setor reacionário. As discrepâncias entre Somoza e Sacasa eles já carecem de um conteúdo de classe decisivo, que ambos representam os interesses da oligarquia e do imperialismo.


O crime infame


Tanto a embaixada quanto seus agentes da oligarquia concordam no temor pelo prestígio nacional de Sandino, que conta com o apoio popular.


O Embaixador Bliss Lane, que tinha substituído Hanna, declara sem rodeios em um telegrama enviado ao secretário de Estado que, em relação a Sandino, disseram a Somoza para ter cuidado com a “precipitação”. Isso explica porque, para perpetrar o crime, passou um ano desde o início das negociações. O termo “precipitação” mostra claramente que o imperialismo ianque havia traiçoeiramente condenado o herói à morte, mas que ao mesmo tempo pretendia impedir que os guerrilheiros sobreviventes se vingassem e continuassem sua resistência contra a Guarda Nacional mercenária.


Em 21 de fevereiro de 1934, o embaixador Bliss Lane se comunicou com Somoza duas vezes. No mesmo dia, o procônsul ianque se encontra com José María Moncada, íntimo de Somoza. Augusto César Sandino e seus irmãos de armas Francisco Estrada, Juan Pablo Umanzor e Sócrates Sandino, são assassinados.


Entre outros detalhes conhecidos da atitude do herói em relação aos seus carrascos, destacam-se as palavras que jogou contra ele quando começaram a revistar seus bolsos: “Não carrego um único centavo porque nunca peguei os fundos da nação”.


O vil assassinato do herói nicaraguense é o culminar de 25 anos de crimes cometidos pelos agressores ianques e os oligarcas vendedores de países desde a intensificação da intervenção imperialista de 1909. Durante um quarto de século de dor e combate, cerca de 25 mil crianças da Nicarágua, fertilizaram o solo sagrado, que um dia inexoravelmente verá florescer a liberdade e a justiça.


Em agosto de 1934, liberais e conservadores, de comum acordo, decretam anistia em favor dos envolvidos no assassinato do herói. Sacasa renuncia docilmente ao seu papel decorativo e Somoza assume diretamente as rédeas do poder.


Após uma farsa eleitoral de pistoleiro, Somoza ocupa oficialmente a Presidência em 1º de janeiro de 1937.


Após o assassinato de Sandino, o chefe guerrilheiro Pedro Altamirano, “Pedrón” para seus inimigos, permaneceu por vários anos nas montanhas, à frente de uma pequena e solitária tropa, até que em 1939 morreu nas mãos do inimigo em La Garnacha.


A tragédia que se abateu sobre a Nicarágua após o crime de 21 de fevereiro durou várias décadas e ainda hoje atormenta a vida do povo de Sandino.


Com a vitória da Revolução Cubana, o espírito rebelde nicaraguense voltou a brilhar. O marxismo de Lenin, Fidel, “Che”, Ho Chi Minh, foi acolhido pela Frente Sandinista de Libertação Nacional, que mais uma vez enveredou pelo difícil caminho da guerrilha. Desde os meses de 1958, ano após ano, o combate de guerrilhas que levará à libertação definitiva foi repetido mais de cem vezes.


A emancipação nacional da Nicarágua será alcançada através da ação armada, apoiada pelas massas populares e guiada pelos princípios revolucionários mais avançados. As armadilhas inimigas do passado não serão repetidas agora. No novo tempo, não apenas um dos poucos povos se rebela contra o imperialismo ianque, mas todos juntos em uma crescente batalha unânime destinada a derrotar o exército do dólar. Vietnã, Cuba, em direções opostas do mundo superior, exemplos da atual decisão dos povos.

Nesta nova batalha, a jovem geração nicaraguense, fiel ao legado de Augusto César Sandino, prova com seu sangue que ocupa um lugar de honra.


Por Carlos Fonseca


www.fsln-nicaragua.com