top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Iêmen, agonia e êxtase"



De acordo com relatórios recentes da Organização das Nações Unidas (ONU), até o final de 2021, 277 mil iemenitas teriam morrido desde o início da guerra iniciada pela Arábia Saudita em março de 2015. Este relatório não especifica quantas mortes ocorreram desde o a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos em 20 de janeiro do ano passado até a data da conclusão do relatório, já que o novo presidente havia chegado a Washington com a promessa de exigir que Riad ponha fim ao genocídio.


Biden, durante sua campanha eleitoral, havia anunciado que retiraria todo o apoio às operações do reino wahhabi para derrotar a resistência iemenita conhecida como Ansar-Allah (apoiadores de Deus) ou também Houthis, em homenagem ao seu fundador Hussein Badrudin al-Huti, morto em combate pelo exército iemenita em 2004, que apesar da gigantesca coalizão que apoiou Riad em 2015, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Israel, as monarquias do Golfo e uma multidão de nações muçulmanas não conseguiu derrotá-los, muito pelo contrário. A coalizão xiita-sunita está assombrando o sonho da Casa de Saud ao atacar com seus drones cada vez mais perto de Riad, depois de ter realizado ataques devastadores às refinarias mais importantes do sul saudita, afetando o suprimento mundial de petróleo.


Não sabemos se as declarações do então candidato democrata foram sinceras ou apenas um artifício eleitoral, mas o que os sauditas sabem muito bem é como controlar qualquer intenção de renovação na já longa aliança entre o Reino e os Estados Unidos. Então, em outubro passado, Washington não teve escolha a não ser anunciar um contrato militar de US$ 500 milhões com Riad que inclui suporte técnico para helicópteros de ataque usados ​​pelo exército saudita em operações contra os houthis.


Assim, enquanto a catástrofe humanitária se aprofunda, os negócios continuam sendo negócios, apesar de a ONU ter descrito a situação do povo iemenita como a pior do mundo, à beira de um desastre humanitário que coloca a vida de milhões de pessoas em risco. Pouco antes do Natal passado, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas anunciou um corte obrigatório na ajuda que forneceu ao Iêmen, devido à falta de fundos. Em setembro, a mesma organização informou que 16 milhões de iemenitas estavam à beira da fome.


Embora o Iêmen tenha sido historicamente o país mais pobre da Península Arábica, onde as taxas de pobreza chegaram perto de 50%, hoje depois de quase sete anos de guerra contínua em que a aviação saudita – algumas fontes insistem que os aviões F18 de fabricação americana usados ​​para esses ataques são operado por pilotos israelenses – atingiu consistentemente áreas urbanas e produtivas do Iêmen, aumentando a pobreza em 75 a 80%, dada a devastação sofrida na infraestrutura em geral, serviços públicos, esgotos, redes de água, sempre escassas e agora inexistentes, além ao fato de que escolas e hospitais se tornaram o principal objetivo desses ataques. Nesse contexto, a ONU alertou que o país está a caminho de se tornar o mais pobre do mundo.


Segundo Hans Grundberg, enviado especial da ONU, em sua última viagem ao país ele registrou que o conflito está em um de seus momentos mais virulentos.


Os ataques da coalizão invasora contra o aeroporto de Sanaa, capital iemenita, sob controle dos houthis, em dezembro passado, impediram a chegada de voos de ajuda, embora o comando rebelde tenha insistido que as condições de segurança para reiniciar os voos que não foi retomado até agora.


De acordo com David Gressly, coordenador humanitário da ONU para o Iêmen, as tripulações de voos humanitários relataram pelo menos dez casos em que não conseguiram entrar em contato com a torre de controle aéreo daquele aeroporto, pois as comunicações eram “incertas”. Esses voos foram abortados. Segundo o responsável, os equipamentos da torre de controloe são obsoletos, pelo que terão de ser importados novos. Uma operação que a situação torna praticamente impossível, já que os sauditas “não autorizaram a transferência, apesar de vários pedidos das Nações Unidas”.


Outro elemento que provocou o agravamento da situação atual foi a desintegração das forças da coalizão saudita. Há mais de um ano, as relações entre Riad e seu principal parceiro nesta aventura, os Emirados Árabes Unidos (EAU), são praticamente inexistentes, já que em 2019 os Emirados retiraram suas tropas e continuam, como desde 2017, encorajar a secessão do sul do país, dando espaço para o surgimento do Conselho de Transição Sul apesar da recusa saudita.


Por outro lado, fazem a sua guerra, por vezes operando livremente e na maioria das vezes em conjunto com a coligação invasora Khatibas, pertencente à Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP) e ao Daesh , que não perdem a oportunidade de ganhar terreno, expandir suas redes e agregar novos mujahideens, sempre com o objetivo principal de se infiltrar no Irã, a poucos passos do conflito, e o grande inimigo a ser derrotado não só pelo reino saudita, mas também e fundamentalmente pelo enclave sionista e pelos Estados Unidos.


Marib, o nome da batalha


O príncipe herdeiro do reino saudita Mohamed bin Salman (MbS), mais conhecido no mundo por ser o dono do Newcastle inglês que, sendo o principal responsável pelo genocídio iemenita, tem pouco a mostrar ao seu povo para justificar os bilhões de dólares que investiu naquela guerra onde, se não conseguir uma vitória urgente, o que é altamente improvável, emergirá totalmente derrotado não apenas militarmente, mas também e fundamentalmente politicamente, já que seu país, que sempre foi o pilar da aliança das monarquias sunitas do Golfo, começou a se desfazer enquanto vozes dentro do reino de protesto soam de maneira cada vez mais aberta. Além do aparato repressivo lubrificado que historicamente tem prevalecido no reino alcançando a perpetuação do regime, que acentuou suas medidas repressivas a partir de uma série de eventos em 1979, como a tomada da Grande Mesquita de Meca, coração do Islã, por um grupo de oficiais e militantes fanáticos que consideravam que os Saud estavam violando os preceitos do Alcorão, quase ao mesmo tempo em que triunfava a Revolução Iraniana, um exemplo “terrível” para o mundo árabe.


Para evitar males maiores, o regime de Riad está buscando desesperadamente uma saída minimamente decente, como a maioria de seus parceiros já fizeram.


A ofensiva contra a cidade de Marib, no centro-norte do país, cercada por planícies áridas, apenas areia e arbustos, é o último grande bastião ainda mantido pelas forças iemenitas pró-Riyad, começou há quase um ano e hoje parece uma batalha congelada, já que os avanços são mínimos, mas com um custo de vida muito alto. Desde junho passado, os rebeldes perderam quase 15 mil homens enquanto seus defensores, sem reconhecer o número de baixas, admitiram que sem o apoio aéreo da coalizão invasora, a cidade teria caído há muitos meses.


No meio da batalha milhões de vidas estão em jogo, a cidade que não chegou a 20 mil habitantes hoje supera o milhão de almas que chegaram lá fugindo dos combates. Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), haverá cerca de 137 campos para deslocados na cidade e arredores. A cidade sitiada, que fica a cerca de cinco horas de carro da fronteira com a Arábia Saudita, é o coração da indústria petrolífera iemenita, daí sua importância e talvez sua queda finalmente decida o curso final da guerra.


O apoio que Teerã deu aos houthis de maioria xiita desde o início da guerra tem sido insistido ad nauseum, embora além das constantes denúncias do Departamento de Estado, nem a CIA nem o Mossad conseguiram reunir evidências concretas sobre essa assistência, embora se a versão fosse verdadeira, seria de se perguntar qual seria a razão pela qual o Irã não poderia ajudar seus irmãos em uma guerra monumentalmente assimétrica, aquela que eles não começaram e na qual eles mudaram seu curso.


No que foi praticamente considerado um desfile militar por seu principal líder, o príncipe Mohamed, não só não conseguiram vencer, mas graças à coragem dos houthis conseguiram levar a guerra da agonia inicial ao êxtase final iminente de vitória.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg