"Trabalhadores protestam contra as mortes por minas de carvão no Paquistão"


A Federação do Trabalho das Minas Centrais do Paquistão (PCMLF) e a Federação do Trabalho de Todo o Paquistão organizaram um protesto em 12 de abril contra o crescente número de acidentes e mortes nas minas. Até oito mineiros de carvão morreram em dois acidentes diferentes só em abril. O protesto foi organizado em Quetta, a capital da província do Baluchistão. Outra das principais demandas foi a implementação de medidas adequadas de segurança para os mineradores de carvão. Os manifestantes também exigiram o fim da exploração desenfreada dos trabalhadores do carvão, bem como a justiça e indenização para as famílias dos mortos nas minas. O protesto também convocou o Estado a implementar as recomendações do C-176 da ILO, a Convenção sobre Segurança e Saúde em Minas, 1995. Em 10 de abril, Abdul Qayyum, Muhammad Anwar, Muhammad Irfan e Kashmir Khan morreram após uma explosão provocada pelo acúmulo de gás venenoso em uma mina no distrito de Sorange, na província de Balochistan, a cerca de 625 quilômetros da cidade de Quetta.

Em outro incidente no mesmo dia, quatro mineiros morreram em uma explosão no noroeste da província de Khyber Pakhtunkhwa. O incidente ocorreu na cidade de Darra Adam Khel. Uma parte da mina desabou, prendendo os trabalhadores. Uma equipe de resgate recuperou os corpos dos trabalhadores e salvou dois outros que estavam soterrados. As condições miseráveis ​​das minas levaram à morte de mais de 120 trabalhadores nos últimos meses. Segundo estimativas do PCMLF, os acidentes relacionados com minas matam entre 100 e 200 trabalhadores todos os anos no país. Em janeiro, quatro mineiros foram mortos em uma explosão de minas no distrito de Loralai, no Baluchistão. Antes disso, em dezembro de 2018, uma explosão na área da mina de Sharigh, na cidade de Khost, no Baluchistão, matou um trabalhador. Aproximadamente 20 rabalhadores das minas de carvão, juntamente com dois membros da equipe de resgate, morreram na área de Sanjadi, em Quetta, em agosto de 2018.

Outros quatro trabalhadores morreram em uma explosão em Sanjadi em junho de 2018. E até 23 trabalhadores, a maioria dos quais de uma única família, morreram em dois incidentes separados nas áreas de PCondições de trabalhoir Ismail e Condições de trabalhoMarwah, em Quetta.

Condições de trabalho A mineração de carvão é considerada mais perigosa do que a mineração de rocha dura devido à natureza dos estratos rochosos, vazamento ou explosão de gases tóxicos e poeira de carvão, colapso de minas, bem como erros técnicos por uso indevido e mau funcionamento dos equipamentos de mineração. As condições perigosas são agravadas pela negligência da segurança dos trabalhadores pelas empresas de mineração e pelas autoridades estaduais.Condições de trabalho Segundo estimativas da PCMLF, o setor de mineração de carvão emprega mais de 100.000 trabalhadores em suas 400 minas de carvão. Os garimpeiros geralmente começam a trabalhar aos 13 anos e continuam até os 30 anos de idade, quando são forçados ao desemprego devido a doenças respiratórias crônicas, tuberculose, perda de visão, ferimentos, etc. Eles são frequentemente forçados a trabalhar por mais de 10 horas por dia sem equipamentos de segurança adequados, o que viola as leis trabalhistas paquistanesas. Na ausência de funcionários bem equipados, outros trabalhadores acabam por ser os primeiros socorristas, o que, em muitos casos, leva a mais baixas. Muitos trabalhadores "se aposentam" em tais circunstâncias, muitas vezes sem benefícios de pensão ou desemprego.

14 de abril de 2019

Do People's Dispatch

Traduzido por I. Dias

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube