1/10

"Cinco motivos para lutar contra a privatização da Eletrobras"


1 - Privatização da Eletrobras é um assalto internacional ao povo brasileiro

O Sistema Eletrobras possui 31% da geração, 48% das linhas de transmissão e 7% da distribuição de energia elétrica no país. O patrimônio da Eletrobras inclui 233 usinas (47 hidrelétricas) de geração de energia elétrica que produzem em torno de 182 milhões de MWh/ano (87% hídrica), o que garante abastecer o consumo total dos 70,5 milhões de consumidores residenciais brasileiros que consomem 134 milhões de MWh/ano, e ainda sobra energia. Além disso, possui 70.201 Km de linhas de transmissão, 271 subestações e 4,3 milhões de consumidores na distribuição, especialmente na Amazônia brasileira.

Todo patrimônio da Eletrobras pertence ao povo brasileiro. As usinas e linhas de transmissão são patrimônios amortizados, que foram pagos mensalmente pelo povo por meio de pequenas parcelas nas contas de luz por longos anos. Portanto, entregar a Eletrobras é assaltar o povo.

O ilegítimo governo Temer quer entregar o sistema Eletrobras por R$ 20 bilhões. Somente uma usina da Chesf, a hidrelétrica de Xingó (2.139 MW médios) custa este valor. Esta usina, em capacidade de produção, é semelhante à hidrelétrica de Jirau (2.184 MW médios), localizada em Rondônia, que custou R$ 19 bilhões de investimento. Jirau é de propriedade da transnacional francesa ENGIE, considerada uma empresa modelo pelos defensores da privatização, e teve um custo de investimento em torno de R$ 8,7 milhões/MW instalado (Belo Mo