top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Trabalhadores uni-vos contra a aceleração da crise capitalista e as guerras imperialistas!"

Logo da ILPS

O sistema capitalista está a lutar para recuperar da convulsão da pandemia da COVID-19 e não tem conseguido expandir-se para além do nível fraco de 2019. Neste momento, os níveis de comércio e investimento internacionais são baixos, e têm sido assim há muitos anos. O capitalismo está a impulsionar a emergência climática e está em crise. No Primeiro de Maio, apelamos aos trabalhadores de todo o mundo para se manifestarem e protestarem, para exigirem um sistema melhor do que este. E esse sistema é o socialismo!

 

Os trabalhadores de todo o mundo foram atingidos pela pandemia e agora pela inflação. O desemprego, o subemprego e os números no setor informal estão a aumentar. Os trabalhadores migrantes continuam a ser superexplorados e agora também enfrentam os perigos das guerras. Os desastres climáticos estão a aumentar em todos os continentes.

 

Em 2024, a humanidade está dividida por conflitos cada vez mais acentuados, com desigualdades crescentes e níveis mais elevados de exploração, provocando confrontos interimperialistas e aventuras militares, e fomentando um recrudescimento de campanhas anti-imigrantes, de supremacia branca, anti-mulheres e anti-LGBTQI.

 

Nunca a capacidade produtiva da humanidade foi tão grande e, no entanto, a distribuição desigual desta produção também nunca foi pior, com a fome e as doenças a assolar a Terra, enquanto os super bilionários tentam viajar no espaço!

 

Os povos da Palestina e da Ucrânia suportam o peso do conflito interimperialista. Há também guerras em Myanmar, na Papua Ocidental, na Índia, no Afeganistão, no Irã, nas Filipinas, na Líbia, na Síria, no Iraque, no Sudão, no Iêmen e no Congo, que infligem enormes danos aos povos indígenas, aos agricultores e aos trabalhadores. As sanções impostas pelos EUA a Cuba, à Venezuela e a muitos outros países também prejudicaram mais milhões de pessoas. Os EUA continuam a preparar-se para a guerra com a China. O mundo nunca esteve tão perto de uma guerra nuclear desde 1945.

 

Muitos países em desenvolvimento vulneráveis ​​estão a ficar ainda mais atrás dos níveis de rendimento das economias industrializadas – prevê-se que o rendimento per capita permaneça abaixo do seu nível de 2019 este ano em um terço dos países de baixo rendimento e mais de 50% dos países enfrentam situações frágeis e de conflito.

 

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) informa que a taxa de desemprego global em 2023 foi de 5,1%, com o número de desempregados e subempregados perto de 435 milhões, permanecendo elevado. A média de horas trabalhadas permanece abaixo dos níveis pré-pandemia de 2019. O número de trabalhadores que vivem em “pobreza moderada” – ganhando menos de 3,65 dólares por dia por pessoa – aumentou cerca de 8,4 milhões em 2023. O número de trabalhadores informais atingiu 2 bilhões.

 

Mais de 15 bilhões de dólares foram adicionados à montanha da dívida global em 2023, elevando o total para um novo máximo recorde de 313 bilhões de dólares. A relação global da dívida em relação ao PIB é de 330%.

 

Os aumentos das taxas de juro reais em 2023 tornaram insuportável o peso da dívida de muitos países mais pobres. Desde março de 2020, a Argentina, a Zâmbia, a Etiópia, o Gana, o Líbano, o Sri Lanka e a Ucrânia entraram em incumprimento da sua dívida pública, e o Quênia, o Egito, o Paquistão e a Tunísia correm o risco de entrar em incumprimento.

 

Trabalhadores migrantes, sindicatos

 

Em todo o mundo, os trabalhadores migrantes enviam para casa mais de 830 bilhões de dólares em remessas, dos quais cerca de 650 bilhões de dólares vão para países em desenvolvimento, segundo estimativas do Banco Mundial. Esse dinheiro é uma tábua de salvação para as comunidades dos países pobres e é altamente vulnerável a choques econômicos, de segurança e climáticos. Os trabalhadores migrantes desenvolveram associações informais, alguns têm alianças com sindicatos formais nos países de acolhimento, mas todos sofrem com salários mais baixos, emprego precário e falta de direitos laborais formais.

 

Historicamente, o acesso capitalista aos mercados para comércio e investimento tem sido determinado pela negociação entre estados ou pela guerra entre estados. A última grande divisão de mercados foi estabelecida após a Segunda Guerra Mundial, com o capital dos EUA dominando, seguido pela Europa. O impasse na Organização Mundial do Comércio (OMC) desde que o Tratado de Marraquexe a criou em 1994 mostra que a negociação já não permite o crescimento do acesso ao mercado para os principais intervenientes, os EUA e a Europa. A China desafiou fortemente a divisão dos mercados comerciais globais e está a sofrer resistência tanto por parte dos EUA como da Europa. Esta é uma das principais razões pelas quais mais guerras estão acontecendo.

 

Nós, os trabalhadores, deveríamos estar na vanguarda da reconstrução, tentando atender às necessidades dos mais afligidos. Devemos fazer valer os nossos direitos contra os ataques fascistas. As nossas exigências são por aumentos reais do salário mínimo nacional, empregos dignos e seguros, esforços massivos para controlar a emergência climática. Queremos todos os nossos direitos de organização em sindicatos e partidos políticos, de negociação coletiva com os empregadores e de exercício de todos os nossos direitos políticos como cidadãos. Os esforços do povo devem construir bens públicos democraticamente controlados na saúde, educação, habitação e bem-estar.

 

Mas para vencer estas reivindicações e para cumprir a nossa grande visão socialista, precisamos da maioria dos trabalhadores organizados em sindicatos e outras associações de trabalhadores. E precisamos que estes sindicatos sejam democráticos e militantes em vez de burocráticos e passivos, que sejam socialistas em vez de reformistas, que sejam vermelhos em vez de amarelos! O nosso apelo hoje é organizar, crescer, educar e fortalecer as nossas fileiras, e mobilizar-nos para a luta.

 

Declaração do Presidente da ILPS, Len Cooper, Comissão 5 da ILPS (Trabalhadores) e WORKINS

 

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg