top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Reivindicar Cuba"


Ainda assim, o anexionismo assume a mente de alguns cubanos e, dadas as dificuldades que temos - e que ninguém fora resolverá - outros apelam à necessidade de "libertar o país".

 

A capitania geral de Cuba, na qual todos os independentes que lutaram em La Manigua nasceram, também tinham aqueles que propuseram a anexação aos Estados Unidos; eles foram rejeitados, acima de tudo, por José Martí, que habitava dentro do monstro e conheceu suas entranhas.

 

Na colônia espanhola, havia muita miséria, escravidão e abuso; como havia na República, entre 1902 e 1958, na qual a economia e a sociedade estavam atoladas em crises permanentes: milhões de analfabetos, desempregados e muito poucas liberdades políticas. Para se aprofundar, existem inúmeros materiais da época e investigações contemporâneas realizadas não apenas pelos cubanos.

 

O poder dos Estados Unidos ontem não difere, em sua essência, hoje: imperialista e indiferente aos problemas dos outros. Lembre-se da frase que, desde uma vez, é muito voga entre os Políticos do Norte: a América primeiro.

 

A reivindicação de Cuba foi uma carta que José Martí publicou no jornal de Nova York “The Evening Post”, em 25 de março de 1889, em resposta aos absurdos de um jornal da Filadélfia, no artigo “Queremos Cuba?”

 

Naquela época, os cubanos eram chamados de tudo o que pode ser considerado desonroso e negativo; portanto, o herói nacional afirmou: “É provável que qualquer cubano que tenha seu decoro deseje ver seu país ligado a outro onde aqueles que orientam a opinião compartilham com relação a ele as preocupações apenas desculpáveis ​​à política de fanfarrões ou à ignorância confusa. Nenhum cubano honesto se humilha até ser recebido como uma rigidez moral, pelo mero valor de sua terra, em uma cidade que nega sua capacidade, insulta sua virtude e despreza seu caráter”.

 

A “fruta madura” que caiu em suas mãos em 1898 foi retirada quando o comandante chegou e os mandou parar. Seria ingênuo acreditar que o governo ianque olha para Cuba e cubanos em bons termos que devem caracterizar as relações bilaterais. Eles cobiçam a fruta e querem possuí-la com o único objetivo de satisfazer seus fins.

 

As administrações dos EUA, ao contrário de seu povo, não querem e, portanto, dificultam as relações do bom bairro.

 

Reivindicar Cuba em nossas mentes e corações e manifestá-lo de fato, é essencial antes da antiga estratégia anexionista.

 

Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg