top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Retificar os erros e fortalecer o Partido! Guiar as grandes massas do povo filipino na luta contra o regime EUA-Marcos!"

 

Cheio de ilimitado vigor revolucionário, otimismo e alegria, o Comitê Central do Partido Comunista das Filipinas estende as suas mais calorosas saudações militantes a todos os membros do Partido por ocasião do seu 55º aniversário. Hoje, celebremos as conquistas do Partido e de todas as forças revolucionárias durante o ano passado no despertar, organização e mobilização do povo nas lutas anti-imperialistas, antifeudais e antifascistas e no avanço da revolução democrática popular. Ao mesmo tempo, apontemos de forma autocrítica as nossas fraquezas, deficiências e erros, a fim de retificá-los e superá-los, e fazer progressos ainda maiores no próximo ano.

 

Prestemos homenagem a Ka Jose Maria Sison, presidente fundador do Comitê Central do Partido, cujo primeiro aniversário de morte comemorámos no passado dia 16 de dezembro. Prestemos homenagem a Benito Tiamzon, Wilma Austria, Julius Giron, Mariano Adlao, Jorge Madlos, Menandro Villanueva, Antonio Cabanatan, Dionisio Micabalo, Eugenia Magpantay, Alfredo Merilos, Dennis Rodina, Agaton Topacio, Randall Echanis, Rosalino Canubas, Sandra Reyes, Ezequiel Daguman, Emmanuel Fernandez, Rolando Leyson Jr, Helenita Pardalis, Rogelio Posadas, Jude Fernandez, Josephine Mendoza e todos os muitos heróis e mártires do povo filipino e da revolução filipina. Durante a sua vida, fizeram grandes sacrifícios e deram contribuições inestimáveis ​​à causa de libertação nacional e social do povo filipino.

 

O Partido valorizará para sempre o legado de Ka Joma. Durante mais de cinco décadas, Ka Joma foi um trabalhador infatigável da revolução filipina e serviu como seu farol inesgotável. Ele enriqueceu ainda mais a teoria do Marxismo-Leninismo-Maoismo através da sua aplicação às condições concretas da sociedade filipina e ao definir a estratégia, táticas e tarefas da revolução filipina. O conjunto de trabalho de Ka Joma continuará a ser um guia crucial para as forças revolucionárias e democráticas levarem avante a revolução democrática nacional até à vitória completa.

 

O Comitê Central do Partido Comunista das Filipinas reconhece o sacrifício de todos os quadros proletários e membros do Partido que continuam a servir abnegadamente a causa do povo filipino pela democracia nacional e pela sua perspectiva socialista. Imbuídos do espírito comunista de dar tudo o que podem à causa da classe trabalhadora e de todos os trabalhadores, eles assumem todas as tarefas montanhosas para fazer avançar a revolução nas suas áreas de responsabilidade.

 

Estendemos as nossas saudações revolucionárias aos milhares de jovens quadros que se juntaram às fileiras do Partido durante os últimos anos e que estão a injetar imensa energia na nossa luta prolongada. Muitos de vocês estão agora a desempenhar importantes tarefas de liderança como membros dos órgãos centrais do Partido, como comandantes e oficiais políticos do Novo Exército Popular, e líderes do movimento revolucionário de massas tanto nas cidades como no campo. Profundamente enraizada entre as amplas massas de trabalhadores e camponeses, a jovem geração de comunistas filipinos demonstra uma determinação infinita em fazer avançar a revolução filipina para o futuro.

 

Nesta ocasião de comemorar o nosso aniversário de fundação, o Comitê Central estende a sua solidariedade a todas as forças anti-imperialistas, progressistas e democráticas de todo o mundo que estão a travar uma resistência militante contra a opressão nacional e as guerras de agressão. Estendemos saudações fraternas a todos os nossos irmãos e irmãs da classe proletária em todo o mundo que estão a promover e a aplicar o Marxismo-Leninismo-Maoismo nas condições concretas dos seus países e a liderar os trabalhadores e o povo trabalhador na sua luta pela libertação e pelo socialismo.

 

No meio da crise contínua do sistema capitalista global, o capitalismo monopolista ou imperialismo continua a envolver-se em formas cada vez piores de opressão e exploração de milhões de trabalhadores e trabalhadores, e na pilhagem do ambiente para maximizar o lucro. Gera o agravamento das condições socioeconômicas para a maioria dos trabalhadores e das massas trabalhadoras, tanto nos centros do capitalismo industrial como nos países atrasados, semicoloniais e semifeudais. Os capitalistas monopolistas estão a provocar guerras e conflitos armados. Continuam a promover o fascismo para impedir ou atrasar a ascensão da resistência revolucionária liderada pelo proletariado. Nos últimos anos assistimos a uma agitação social generalizada e a níveis crescentes de resistência dos trabalhadores e de outras pessoas trabalhadoras.

 

À medida que o sistema capitalista global continua a chafurdar na crise, o estado moribundo do sistema semicolonial e semifeudal nas Filipinas continua a piorar. A crise econômica e política interna traz um sofrimento incalculável ao povo filipino, especialmente aos trabalhadores, aos camponeses e a outras pessoas trabalhadoras, cujo nível de vida está a deteriorar-se rapidamente, sob a intensificação da opressão e da pilhagem imperialista. O terrorismo de Estado e a repressão política continuam a intensificar-se com o apoio total dos imperialistas norte-americanos. As graves condições estão a levar cada vez mais pessoas a lutar de forma militante e coletiva pelos seus direitos políticos e econômicos, e a travar resistência revolucionária para alcançar as suas aspirações democráticas nacionais.

 

O Partido Comunista das Filipinas está determinado a liderar os trabalhadores e as amplas massas do povo filipino. Embora o Partido se baseie em todas as conquistas revolucionárias dos últimos 55 anos, também reconhece que o subjetivismo principalmente na forma de empirismo resultou em erros e tendências críticas, fraquezas e deficiências nos campos ideológico, político e organizacional que impediram o seu crescimento e o avanço da revolução democrática popular ao longo dos últimos anos. Para superar e repudiar estes erros, o Comitê Central apela a todo o Partido para travar um movimento de retificação com base no Marxismo-Leninismo-Maoismo e nos princípios básicos do Partido enunciados por Ka Joma.

 

O objetivo do movimento de retificação é fortalecer ainda mais o Partido, aumentando o conhecimento teórico e a prática revolucionária dos quadros do Partido; reforçar a sua compreensão do Marxismo-Leninismo-Maoismo, a fim de resumir criticamente as experiências passadas e tirar lições e enriquecer ainda mais a teoria da guerra popular nas Filipinas; repudiar o subjetivismo e políticas e práticas errôneas; envolver-se na autocrítica para aumentar a determinação dos quadros do Partido e dos revolucionários em lutar e fazer sacrifícios pela causa revolucionária.

 

O Partido continua a criar raízes profundas e amplas entre as massas. Está determinado a expandir as suas fileiras várias vezes nos próximos anos, a fim de assumir a grande tarefa de liderar o povo filipino aos milhões no decurso do avanço da guerra popular e da revolução democrática nacional rumo à vitória completa.

 

I. Crise imperialista que leva à deterioração das condições e às guerras

 

O sistema capitalista mundial está em crise. Está a exacerbar as quatro principais contradições do mundo – aquela entre o capital monopolista e o proletariado nos países capitalistas; entre potências imperialistas rivais; entre as potências imperialistas e os povos e nações oprimidas; e entre potências imperialistas e países que afirmam a soberania nacional e as aspirações socialistas. Continua a vacilar após o bloqueio global de 2020.

 

Apesar das interrupções de crescimento no ano passado, regressou ao caminho da estagnação e do declínio prolongados, à medida que o mundo inteiro se afunda em dívidas e dificuldades econômicas. As condições de crise econômica estão a gerar conflitos políticos e guerras. Lideradas pelos EUA, as potências imperialistas continuam a travar guerras acaloradas na Europa Oriental e no Oriente Médio, ao mesmo tempo que ameaçam desencadear mais guerras noutras partes do mundo. Em diferentes países, existe uma agitação social generalizada entre as classes oprimidas e exploradas que levou a explosões de resistência armada e não armada do povo ao agravamento das condições de exploração e da opressão imperialista.

 

O sistema capitalista monopolista global está em uma constante descida em espiral para a crise. Há mais de uma década e meia que a economia mundial se encontra em um estado de estagnação generalizada e prolongada.

 

A crise financeira e econômica de 2008-2009, que viu o colapso de bancos gigantes e de economias inteiras, marcou o esgotamento de um período anterior (que começou com a abertura da antiga União Soviética após o seu colapso em 1991, e a plena integração da entrada da China no sistema capitalista mundial em 2001) de esforços capitalistas monopolistas para aumentar constantemente os seus lucros provenientes da exploração do trabalho e da pilhagem de recursos naturais, da especulação financeira desenfreada (pontocom, imobiliário, habitação) e de gastos massivos com dívidas. As enormes quantidades de dinheiro (os chamados fundos de flexibilização quantitativa, no valor de vários bilhões de dólares) injetadas pelos principais governos capitalistas, desde então não conseguiram sustentar a expansão dos lucros capitalistas monopolistas. As economias dos EUA e de outros países capitalistas industriais líderes não conseguiram regressar aos níveis anteriores de crescimento.

 

O confinamento pandêmico econômico de 2020 viu interrupções massivas nas cadeias de abastecimento, produção e comerciais das empresas transnacionais, o que resultou em centenas de milhões de trabalhadores e trabalhadores a serem lançados em um estado de angústia socioeconômica. A situação foi usada para justificar o gasto de grandes quantidades de fundos estatais para impulsionar o consumo, apoiar o lucro empresarial e alimentar os mercados financeiros. Isto manteve as economias à tona em 2020 e resultou em recuperações do crescimento econômico em 2021-2022, mas também resultou em uma explosão gigantesca de dívida e em uma inflação elevada que pesou sobre a economia global durante o ano passado. A dívida global situou-se em 397 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2023, 349% superior ao montante do PIB global.

 

A economia dos EUA tem oscilado através de um crescimento lento e prolongado ao longo dos últimos 15 anos. De uma média de 3,62% durante o período 1961-1990, o crescimento econômico anual dos EUA caiu para 2,99% entre 1991 e 2008, e desde então caiu para 1,69%. Após uma contração de 2,3% em 2020, a economia dos EUA recuperou 5,8%, mas caiu para 2,1% no ano passado. A dívida federal dos EUA é de mais de 33 bilhões de dólares e prevê-se que aumente ainda mais depois de o governo Biden suspender a lei do limite máximo da dívida até 2025.

 

A economia alemã (a maior da Europa) entrou em recessão no último trimestre de 2022 até ao primeiro trimestre de 2023 (contração de 0,3%). Voltou à recessão em maio e espera-se que entre novamente em recessão no próximo ano. O Reino Unido e a França estão perto da recessão, com projeções semelhantes de taxas de crescimento econômico lentas de 0,6% para este ano. O Japão permanece em estagnação prolongada. Desde 2008, o crescimento japonês foi em média de apenas 0,27%, contra uma média de 7,29% durante o período 1961-1979, 2,91% em 1980-2000 e 1,45% entre 2001 e 2007. Cresceu apenas 2,14% e 1,03% em 2021 e 2022, respetivamente, após uma queda de 4,28% em 2020. Espera-se que cresça apenas 0,4% este ano.

 

A China expandiu-se apenas 2,99% no ano passado, longe da sua média anterior de crescimento de 9% em 2000-2019. Atualmente está a ser pressionado por ameaças de uma explosão da bolha imobiliária. O Grupo Evergrande, um dos maiores promotores imobiliários da China, declarou falência após incumprimento da sua dívida de 300 bilhões de dólares, seguido por falências semelhantes de outras grandes empresas, como Kasia, Fantasia e o Grupo Shimao. Enfrenta também ameaças de incumprimentos massivos de dívidas por parte de países que devem à China centenas de milhares de milhões de dólares.

 

Nos EUA e em outros países capitalistas, os trabalhadores e as pessoas que trabalham sofrem com o desemprego em massa e os baixos salários, bem como com outros males sociais, como os sem-abrigo, a fome, os elevados custos dos cuidados de saúde, o endividamento dos estudantes e muito mais. Milhões de pessoas de cor e trabalhadores migrantes sofrem de racismo, bem como de intolerância religiosa e fascismo. Os tiroteios em massa ameaçam diariamente a vida das pessoas.

 

Os países economicamente atrasados, semicoloniais e semifeudais constituem a maioria dos países do mundo, especialmente na Ásia-Pacífico, na América Latina, no Oriente Médio e em África. A dívida pública continua a aumentar à medida que os governos procuram cobrir os défices comerciais resultantes dos custos de importação mais elevados. Nos chamados países em desenvolvimento, uma média de 20% das receitas do governo vai para o serviço da dívida. Até 60% destes países estão à beira do incumprimento no pagamento da dívida, à semelhança do desastre do Sri Lanka em 2022.

 

Os trabalhadores, os camponeses e os trabalhadores das economias atrasadas enfrentam problemas sociais semelhantes, como o desemprego crónico em massa, salários semelhantes aos da escravatura, a falta de terras, os sem-abrigo, os elevados custos dos cuidados de saúde e dos serviços sociais, bem como a repressão política.

 

A desigualdade social continua a piorar à medida que a riqueza se concentra cada vez mais nas mãos de alguns multibilionários. Existem 2.640 bilionários com um valor combinado de 12,2 bilhões de dólares, com 75% em apenas cinco países (EUA, China, Índia, Alemanha e Rússia). Os EUA têm 724 bilionários, dos quais os 400 maiores têm um valor combinado de 4,5 bilhões de dólares. Os 20 primeiros aumentaram ainda mais a sua riqueza em 20-30% no ano passado.

 

A economia capitalista mundial continua a ser puxada para trás pela crise irresolúvel da superprodução capitalista e da queda das taxas de lucro. Há produção excedente de commodities importantes, incluindo petróleo, eletrônicos (semicondutores), grãos e outras commodities. A competição capitalista e a anarquia na produção continuam a levar à pilhagem desenfreada dos recursos da Terra, à poluição capitalista, à destruição do ambiente, à crise climática e à perda de biodiversidade, evidenciadas pela frequência crescente de desastres climáticos (incêndios e inundações) que devastam grandes regiões. do mundo. O capitalismo monopolista significa maior competição econômica e conflito político entre as potências capitalistas. Ao mesmo tempo que impõem a liberalização ao resto do mundo, os EUA tornaram-se cada vez mais protecionistas, com políticas comerciais e industriais que favorecem os fabricantes norte-americanos e investimentos estatais diretos para promover semicondutores, a indústria da energia verde e outros.

 

As ameaças de guerra entre as principais potências imperialistas continuam a aumentar, resultantes principalmente da afirmação agressiva dos EUA do seu domínio global face aos desafios à sua hegemonia. Uma grande quantidade de recursos está sendo canalizada para gastos militares. No ano passado, as despesas com a defesa aumentaram para um recorde de 2,24 bilhões de dólares (aumento de 3,37% em relação ao ano anterior). Os EUA, a China e a Rússia representaram mais de 56% de todas as despesas e 61% de todas as exportações.

 

Há mais de 20 meses que uma guerra por procuração entre os EUA e a Rússia tem sido travada na Ucrânia, que está a ser usada como peão pela aliança militar EUA-OTAN. A Rússia gastou 81,7 mil milhões de dólares em 2022 e deverá gastar até 120 bilhões de dólares em 2023 e 132 bilhões de dólares em 2024, aumentando a produção nas suas fábricas militares. Os EUA forneceram à Ucrânia 75 mil milhões de dólares em assistência, incluindo 44,2 mil milhões de dólares em assistência militar, o que prolongou o conflito armado. Os fabricantes de armas americanos liderados pela Lockheed Martin, Raytheon, Northrop e Boeing obtiveram os maiores lucros inesperados com a guerra na Ucrânia.

 

Ao mesmo tempo, os EUA deverão estender um pacote de ajuda militar de 14,5 bilhões de dólares a Israel para apoiar o bombardeamento sionista e a ocupação da Faixa de Gaza, que matou perto de 19 mil pessoas desde 7 de Outubro. a sua pressão para controlar as fontes de petróleo contra o Irã e outros países do Oriente Médio que afirmam a sua independência. A recusa dos EUA em apoiar o clamor global por um cessar-fogo em Gaza em apoio ao contínuo bombardeamento israelita isolou-a do resto do mundo.

 

Os EUA estão também a intensificar o seu esforço para afirmar a hegemonia na região Ásia-Pacífico, em linha com a sua estratégia para conter a expansão da sua rival imperialista, a China. Os EUA mobilizaram dois grupos de ataque de porta-aviões, um (USS Nimitz) no Mar da China Meridional e outro (USS Ronald Reagan) no Japão. Está a alimentar a independência de Taiwan, os direitos marítimos das Filipinas ao abrigo da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito dos Mares (UNCLOS) e os conflitos na Península Coreana, a fim de provocar a China a cometer atos de agressão que podem levar a um confronto militar direto.

 

O esforço dos EUA para afirmar a hegemonia foi respondido por uma resposta dos seus rivais no sentido de se unirem em alianças militares e econômicas. A China e a Rússia continuam a fortalecer a Organização de Cooperação de Xangai, uma aliança de segurança que também inclui a Índia, o Cazaquistão, o Quirguizistão, o Paquistão, o Tajiquistão e o Uzbequistão. A China e a Rússia também lideraram esforços para estabelecer laços econômicos, comerciais e financeiros independentes do dólar americano. A Coreia do Norte também continua a reforçar os seus laços militares e econômicos com a Rússia e a China.

 

A crise e o conflito imperialistas estão a gerar condições favoráveis ​​para o aumento e avanço constante da luta dos trabalhadores e dos movimentos anti-imperialistas nos países capitalistas, para as lutas democráticas de massas e para a resistência revolucionária pela libertação nacional e social do controlo e dominação imperialista nas semicolônias, e para a revolução socialista.

 

Grandes greves de trabalhadores eclodiram nos Estados Unidos, incluindo a greve dos Trabalhadores do setor automobilístico e a greve dos Escritores e Atores de Hollywood. Na Europa, os trabalhadores dos transportes organizaram greves em Itália, Espanha e Reino Unido. Grandes greves também foram organizadas por profissionais de saúde no Reino Unido, trabalhadores ferroviários e funcionários públicos na Alemanha, entre outros. Históricas manifestações em massa e marchas envolvendo vários milhões de pessoas foram realizadas em todo o mundo contra o genocídio EUA-Israel contra os palestinos.


As lutas armadas revolucionárias continuam a ocorrer em diferentes partes do mundo. As forças revolucionárias palestinas estão atualmente a travar uma resistência armada vigorosa através da guerra de guerrilha na sua terra natal contra o bombardeamento brutal e o genocídio em Gaza por parte do Israel sionista apoiado pelos EUA. Em Myanmar, os exércitos étnicos combatem a junta fascista do Tatmadaw e têm levado a cabo ofensivas de guerrilha durante os últimos meses. Existem também lutas armadas revolucionárias lideradas por partidos comunistas na Índia, Turquia, Curdistão, Colômbia, Filipinas e outros países.

 

II. A crise aguda do sistema semicolonial e semifeudal continua a gerar uma resistência cada vez maior

 

A crise do sistema semicolonial e semifeudal dominante nas Filipinas continua a tornar-se mais grave, levando a um fardo ainda maior para o povo. Esta crise é marcada pela contínua recessão econômica intrinsecamente ligada à crise do sistema capitalista global, e pelo rápido agravamento da crise política marcada por disputas internas dentro da camarilha dominante, pelo isolamento do regime EUA-Marcos, há pouco mais de um ano no poder, e a constante acumulação de força das forças democráticas e patrióticas.

 

Há uma destruição generalizada das forças produtivas locais, levando a um abrandamento da produção (tanto industrial como agrícola). Isto está a resultar em um desemprego generalizado, em uma maior dependência de produtos importados para consumo e em uma espiral de preços.

 

O país ainda carece de indústrias nacionais independentes e de capacidade para produzir as necessidades básicas da população. A produção local continua sempre dependente das importações e continua a ser principalmente orientada para a exportação de produtos semiprocessados ​​como parte da linha de montagem internacional capitalista monopolista, também conhecida como “cadeias de valor globais”, produtos agrícolas brutos e minérios minerais. As zonas de processamento de exportação servem principalmente como centros de semiprocessamento (principalmente montagem ou inspeção manual) de componentes previamente importados que são reexportados com muito pouco valor agregado.

 

Este sistema dependente das importações e orientado para a exportação, promovido pelos regimes anteriores e pelo atual regime de Marcos, está agora fadado a sofrer as graves consequências da recessão econômica global. A crise econômica filipina deverá acelerar e aprofundar-se no próximo ano. Registrou-se um declínio constante no volume de comércio ao longo dos últimos dois anos, refletindo o abrandamento do comércio mundial em um contexto de excesso de oferta e desaceleração da produção. As exportações de componentes eletrônicos, que constituem a maior parte do semiprocessamento filipino, têm registrado um declínio constante desde o início do ano.

 

As grandes declarações de Marcos e dos seus gestores econômicos sobre “promessas” multibilionárias de investimentos estrangeiros não podem obscurecer o facto de que os investimentos estrangeiros diretos nas Filipinas diminuíram constantemente de 11,9 bilhões de dólares em 2021 para 9,2 bilhões de dólares em 2022, e continuaram a cair 15,3% nos primeiros três trimestres de 2023. Algumas empresas estrangeiras transferiram as suas operações das Filipinas para outros países onde os custos laborais são ainda mais baixos.

 

Na ausência de uma verdadeira Reforma Agrária, a produção agrícola local para o abastecimento alimentar interno permanece em pequena escala e atrasada. O custo de produção continua a aumentar como resultado dos elevados preços dos fertilizantes, pesticidas e combustíveis. Os elevados custos do arrendamento da terra e de outras formas de extração feudal e semifeudal reduziram o rendimento dos camponeses, resultando na pobreza rural generalizada e na fome. A importação e o contrabando absolutos de arroz, cebola, alho e outros produtos agrícolas aumentam o fardo das massas camponesas e do resto do povo filipino.

 

Pior ainda, grandes extensões de terras agrícolas produtivas estão a ser convertidas por grandes burgueses compradores que utilizam capital estrangeiro para bens imobiliários e outros fins. As estimativas do governo conservador mostram que pelo menos 620 mil hectares de terras agrícolas irrigadas foram convertidos na última década. Isto resultou na deslocação econômica generalizada de milhões de famílias camponesas e no agravamento da miséria no campo.

 

O país depende ainda mais da dívida para pagar o comércio e os gastos do governo. A dívida pública era de 14,48 trilhões de libras em outubro e espera-se que aumente ainda mais para 15,84 libras no próximo ano. O serviço da dívida pública está continuamente a aumentar. Em 2024, isso totalizará ₱ 1,91 trilhão, composto por ₱ 1,24 trilhão em pagamentos de principal; mais ₱670,5 mil milhões de pagamentos de juros que constituem 11,6% do orçamento nacional (mais elevado em comparação com 9,7% em 2020).

 

Com a falta de indústrias básicas, o povo filipino sofre de desemprego crónico em massa. Os dados governamentais sobre o desemprego subestimam sempre a verdadeira taxa de desemprego em massa através de magia estatística enganosa. A taxa de desemprego declarada de 4,2% em outubro de 2023, supostamente a mais baixa em mais de 18 anos, deve ser rejeitada criticamente. Na verdade, aproximadamente 39,46 milhões de pessoas (ou 79,1% da força de trabalho de 49,89 milhões) estão completamente desempregadas (2,1 milhões) ou mal empregadas como domésticas (2 milhões), trabalhadoras por conta própria (13,3 milhões), empregadoras em empresas familiares. explorações agrícolas (1,3 milhões), trabalhadores familiares (3,1 milhões sem remuneração e 120 mil com remuneração) e trabalhadores em estabelecimentos informais.

 

Devido ao grave problema do desemprego, milhões de filipinos fazem fila para procurar trabalho no estrangeiro como trabalhadores domésticos, prestadores de cuidados, enfermeiros, trabalhadores da construção civil e tripulantes de companhias marítimas internacionais. São alvos vulneráveis ​​de agências de recrutamento criminosas e de burocratas governamentais que os defraudam dos seus rendimentos e poupanças. Muitos sofrem com condições de trabalho desumanas e taxas governamentais pesadas, além dos custos sociais da separação das suas famílias.

 

O grande exército de trabalhadores desempregados reduz os salários. Os trabalhadores filipinos sofrem com salários semelhantes aos de escravos. Os salários em todo o país, variando de ₱ 341 a ₱ 610, são totalmente insuficientes para cobrir as necessidades diárias de uma família de cinco pessoas, estimadas em ₱ 1.188 (em novembro), resultantes da escalada dos preços de combustível, alimentos e outros produtos básicos e Serviços.

 

Os trabalhadores filipinos e as massas trabalhadoras ainda não recuperaram totalmente do declínio acentuado dos seus padrões de vida desde o confinamento da Covid-19. As suas condições socioeconômicas continuam a deteriorar-se acentuadamente devido aos baixos salários, ao desemprego, à falta de rendimentos ou poupanças e ao aumento dos preços. A maioria dos filipinos vive abaixo do limiar da pobreza. Milhões de pessoas estão a ser despojadas de terras e das suas fontes de subsistência por capitalistas estrangeiros que procuram penetrar nos restantes cantos da economia filipina.

 

No meio da pobreza e da fome generalizadas, o ódio do povo filipino à camarilha governante de Marcos-Duterte continua a aumentar. Marcos Jr está isolado das grandes massas do povo filipino que o detestam por ter beneficiado e herdado os estimados mais de 10 bilhões de dólares de riqueza pilhada acumulada pelo seu pai ditador, Marcos, durante a lei marcial de 1972 a 1986. Ele está incitando mais indignação por causa de seu estilo de vida e estilo de vida elevado, além de corrupção descarada. Através do Fundo Maharlika, cerca de 550 bilhões de dólares em fundos públicos serão colocados sob o controle de Marcos e desviados para investimentos privados, elevando o capitalismo de compadrio a níveis sem precedentes. As grandes massas do povo filipino abominam Marcos Jr. mais pelas festas regulares nos terrenos de Malacañang e pelo plano de desperdiçar 1,1 bilhões de libras esterlinas nas suas viagens ao estrangeiro em 2024.

 

O regime de Marcos também está fortemente isolado do povo filipino devido à sua subserviência ao imperialismo norte-americano e à sua submissão à China. Marcos permitiu que o seu governo fosse usado como peão no impulso agressivo dos EUA para consolidar a sua hegemonia nas Filipinas e na região Ásia-Pacífico, a fim de contrariar o crescimento militar e econômico da sua rival imperialista, a China.

 

Sob Marcos, as Filipinas estão a ser cada vez mais arrastadas para o vórtice do crescente conflito militar entre os EUA e a China. Em pouco mais de um ano desde que assumiu o poder, Marcos permitiu que os EUA construíssem pelo menos mais quatro instalações militares (além das cinco anteriores) em “locais acordados” dentro dos campos das Forças Armadas das Filipinas (AFP), conforme fornecido pela o Acordo Reforçado de Cooperação em Defesa (EDCA). Estas instalações podem ser utilizadas para construir sistemas de lançamento de mísseis dos EUA e para armazenar e enviar armas, em linha com a estratégia dos EUA de cercar a China com as suas forças militares na “primeira cadeia de ilhas”.

 

O intervencionismo militar dos EUA nas Filipinas aumentou durante o ano passado com um frenesi de atividades militares e exercícios de guerra dos EUA. No próximo ano, os EUA deverão realizar mais de 500 jogos de guerra e exercícios militares no país. Incitadas pelos EUA, as Filipinas estão preparadas para forjar “acordos de forças visitantes” com o Japão e a França, para permitir que estes aliados militares aumentem a sua presença no país e na região.

 

Incitadas por conselheiros militares dos EUA, as Forças Armadas e a Guarda Costeira das Filipinas conduziram repetidas “missões de abastecimento” ao posto avançado das Filipinas no Grupo de Ilhas Kalayaan, apoiadas por sobrevoos de aviões de vigilância e drones dos EUA. A China tem demonstrado um comportamento cada vez mais agressivo com a utilização de canhões de água e abalroamento de pequenos barcos filipinos dentro da zona econômica exclusiva das Filipinas, em violação total da soberania e dos direitos marítimos filipinos.

 

Seguindo os ditames dos EUA, o governo Marcos Jr. cancelou empréstimos governamentais financiados pela China e contratos para projetos como os Caminhos de Ferro Nacionais das Filipinas South Long Haul, o Caminho de Ferro Subic-Clark e o Caminho de Ferro de Mindanao, para favorecer empréstimos do Banco Mundial e do Banco Asiático de Desenvolvimento. Há também uma pressão para cancelar outros projetos financiados pela China, como o projeto do conector Samal Island-Davao City, o projeto de irrigação da bomba do rio Chico, a nova fonte de água centenária (projeto da barragem de Kaliwa) e projetos de circuito fechado de televisão (CCTV). em Marikina, Parañaque, Pasig, San Juan e Valenzuela, a maioria dos quais foram contratados sob o anterior regime de Duterte.

 

O esforço dos EUA para minar a China é uma inversão do longo período de conluio entre as duas potências imperialistas para impor um regime de política neoliberal nas Filipinas desde a década de 1990, durante o qual a oligarquia financeira chinesa foi capaz de expandir as suas operações comerciais e financeiras nas Filipinas, ao lado dos bancos norte-americanos e japoneses, e construir a sua própria base entre os grandes burgueses compradores e os capitalistas burocráticos. Ao bloquear o acesso ao capital chinês, o imperialismo norte-americano causou uma redução drástica no tamanho dos despojos financeiros partilhados entre as classes dominantes e intensificou os conflitos faccionais entre as camarilhas rivais.

 

Em pouco mais de um ano, desde que a tão elogiada “equipa de unidade” entre Marcos e Dutertes fraudou as eleições de 2022 para gerar uma “vitória esmagadora” através de fraude automatizada, as divergências entre as facções da classe dominante vieram à tona e estão a tornar-se virulentas. Os Marcos estão a consolidar o poder económico e político, enquanto os Dutertes (bem como a camarilha de Arroyo) estão a perder rapidamente o poder econômico e político. O cancelamento de grandes contratos de infra-estruturas assinados por Duterte com a China isenta-os de milhares de milhões de pesos em propinas. O negócio do maior amigo de Duterte, Dennis Uy, está agora a ser rapidamente alienado, a favor dos amigos de Marcos. Embora se acredite que os Dutertes mantenham uma influência considerável dentro das Forças Armadas, vários generais nomeados por Duterte estão agora reformados. Nos últimos meses, a camarilha de Marcos-Romualdez intensificou seus ataques contra os Dutertes, retirando os 550 milhões de dólares de “fundos confidenciais e de inteligência” da vice-presidente Sara Duterte, pressionando para revogar a franquia do SMNI pró-Duterte. estação de radiodifusão e abrindo as portas para permitir que o Tribunal Penal Internacional prossiga com a sua investigação contra Rodrigo Duterte por acusações de crimes contra a humanidade cometidos no decurso da falsa guerra às drogas.

 

O conflito destruidor entre as camarilhas de Marcos e Duterte conduz cada vez mais a um confronto violento. Eles criticam abertamente Marcos pelos planos de relançar as conversações de paz com a Frente Democrática Nacional das Filipinas. Generais militares recentemente reformados leais a Duterte têm andado por aí solicitando apoio dos militares e das grandes empresas para incitar um golpe de estado para derrubar Marcos e estabelecer uma junta civil-militar. O chefe de gabinete das Forças Armadas tem conhecimento, mas mantém silêncio sobre as atividades dos conspiradores golpistas.

 

Para consolidar o poder político, o regime de Marcos está a reforçar o controle dos militares com o apoio dos EUA. Continuou e intensificou a política de terrorismo de Estado de Duterte e realizou ataques fascistas contra as forças democráticas nacionais nas cidades e no campo, especialmente membros de sindicatos e organizações comunitárias. A lei marcial de fato prevalece em todo o país. Várias comunidades urbanas pobres são colocadas sob forte presença e monitorização militar. As Forças Armadas submetem as aldeias rurais ao controle militar, restringindo as atividades econômicas e sociais da comunidade através de recolher obrigatório e proibições, e controlando o movimento da população em nome da “contra insurgência”.

 

As execuções extrajudiciais e outras violações dos direitos humanos e do direito humanitário internacional perpetradas pelas forças armadas reacionárias, pela polícia e pelas forças paramilitares continuam inabaláveis ​​nas zonas rurais. As pessoas são sujeitas a vigilância intensificada e a sequestros, tortura, interrogatórios e agressões com base em acusações forjadas, utilizando a chamada Lei Antiterrorismo. Os massacres nas zonas rurais são rotineiramente perpetrados por tropas operacionais dos batalhões de combate. No decurso das operações de combate, as comunidades são sujeitas a bombardeamentos aéreos e de artilharia.

 

Com o apoio dos EUA, estes ataques intensificaram-se ainda mais no ano passado, em linha com a declaração das Forças Armadas do seu “empurrão final” contra o que afirma serem “restos” do Novo Exército Popular. Mais ou menos 150 batalhões de forças de combate militares, policiais e paramilitares estão destacados contra as frentes de guerrilha do Novo Exército Popular em todo o país. Os imperialistas norte-americanos querem que o governo Marcos acabe com o movimento armado revolucionário para que possa utilizar plenamente as Forças Armadas nos seus preparativos de guerra contra a China. Os EUA estão perfeitamente conscientes de como o movimento revolucionário permanece em posição de tirar vantagem da possibilidade de uma guerra interimperialista para fazer avanços constantes na guerra popular.

 

Enquanto trava uma guerra brutal de supressão contra o povo e as suas forças revolucionárias, o regime EUA-Marcos está agora a suspender a sua “proclamação de anistia” e os esforços preliminares para relançar as negociações de paz para induzir os combatentes vermelhos do Novo Exército Popular a capitularem. Embora o Partido e as forças revolucionárias, através da Frente Nacional Democrática das Filipinas, apreciem a oportunidade de se envolver em negociações de paz como um campo de batalha adicional para fazer avançar a causa democrática nacional como base para uma paz justa e duradoura, também rejeitaram firmemente a esquemas reacionários para utilizar as conversações para causar a capitulação do movimento revolucionário. O Painel de Negociação continuará a esforçar-se para impulsionar a retoma das negociações de paz com base em acordos anteriores.

 

No meio da crise econômica e política do sistema dominante, o povo filipino está sempre desejoso de travar lutas em massa para defender os seus direitos socioeconômicos e democráticos contra os programas econômicos antipopulares e opressivos, a corrupção e a repressão política sob o regime EUA-Marcos. Está a tornar-se extremamente claro que – ao servir os interesses de classe dos grandes burgueses compradores e dos grandes proprietários de terras, pela sua subserviência aos interesses econômicos estrangeiros, pela sua corrupção em grande escala através de subornos, clientelismo e pelo seu estilo de vida de alto nível – o regime de Marcos é responsável pelo empobrecimento e opressão generalizados das grandes massas do povo filipino.

 

A camarilha governante Marcos-Duterte está a ser rapidamente isolada do povo filipino. A ampla frente única composta por classes básicas, forças médias e aliados táticos continua a crescer em força contra o regime dominante devido às suas políticas antipopulares e antinacionais, à sua corrupção e à crise econômica. O regime dominante está a ser confrontado com uma ampla resistência.

 

Há uma indignação crescente entre os trabalhadores relativamente à recusa do regime de Marcos em atender às suas exigências de aumentos salariais substanciais. Eles estão gravemente insultados pelos míseros aumentos salariais ordenados por Marcos através dos conselhos salariais regionais. Uma série de greves eclodiram no que é provavelmente um precursor de um maior movimento de massas de trabalhadores para organizar sindicatos e travar lutas coletivas no próximo período. Motoristas e operadores de jeepneys e outros transportes públicos levantaram-se em sucessivas greves nos transportes para protestar contra a “consolidação de franquias” anti-pobres e antipopulares para eliminar gradualmente os jeepneys em linha com os projetos de “modernização dos transportes” do Banco Mundial e Banco de Desenvolvimento da Ásia.

 

Os protestos também estão a ser organizados por professores de escolas públicas, profissionais de saúde e funcionários públicos para exigir aumentos salariais e resistir à repressão política. Os estudantes estão aderindo a ações de massa para se oporem à maior comercialização da educação, ao abandono estatal da educação e à repressão nos campi. Em várias partes do país, protestos em massa estão a irromper nas comunidades rurais para se oporem à invasão de operações mineiras destrutivas, à apropriação de terras e à conversão do uso da terra, bem como para lutarem pelas exigências antifeudais das massas camponesas.

 

Há também ações de protesto contra as medidas para estabelecer mais bases e instalações militares dos EUA, e contra os jogos de guerra e o aumento da presença militar dos EUA no país. Estas estão ligadas à luta internacional contra o imperialismo e às guerras imperialistas. Um número significativo de pessoas também se juntou a protestos de solidariedade com o povo palestino, denunciando o Israel sionista pelo seu genocídio em Gaza.

 

No campo, unidades do Novo Exército Popular continuam a travar a luta armada revolucionária em frentes de guerrilha em 14 regiões em Luzon, Visayas e Mindanao. Continuam a perseverar no caminho da luta armada revolucionária, determinados a frustrar a ofensiva estratégica do inimigo. Atendendo ao apelo do Comitê Central para “incitar e espalhar as chamas da guerra popular”, o Novo Exército Popular continua a expandir a sua base de massas, realizando e combinando trabalho de massas e trabalho militar.

 

Muitas unidades do Novo Exército Popular aumentaram a sua capacidade de manter o inimigo cego e surdo, ao mesmo tempo que realizavam investigações sociais, construíam associações camponesas e outras organizações revolucionárias de massa, construíam milícias populares, ajudavam as massas camponesas a travar lutas antifeudais para exigir rendas mais baixas da terra, taxas de juro mais baixas, preços justos para os produtos agrícolas, custos mais baixos dos fatores de produção agrícolas e assim por diante. O Novo Exército Popular continua a cumprir as suas funções de ajudar as massas na produção, realizar campanhas de alfabetização, educação e culturais. Realizam grandes e pequenas ofensivas táticas para apreender armas de fogo e aniquilar unidades inimigas, a fim de se fortalecer como a principal arma do Partido para combater o inimigo.

 

III. As conquistas do Partido e a atual avaliação autocrítica

 

O Partido comemora seu 55º aniversário cheio de energia juvenil e a resistência de um lutador experiente. Imbuído de um profundo sentido da missão histórica do proletariado de travar a luta de classes até ao comunismo, o Partido permanece incansável e sempre pronto a fazer todos os sacrifícios necessários para levar por diante a revolução democrática nacional do povo filipino até à vitória completa, como preparação para o próximo fase da revolução e construção socialista.

 

A crise cada vez mais acentuada do sistema semicolonial e semifeudal sob o regime EUA-Marcos está a gerar condições cada vez mais favoráveis ​​para travar a revolução. Para os milhões de trabalhadores e trabalhadores filipinos que sofreram gerações de injustiça social e tirania de classe, o Partido e a revolução representam a sua infinita esperança de um futuro brilhante. Na verdade, onde quer que as sementes do Partido sejam plantadas, invariavelmente brotam rapidamente e prosperam, prova da determinação inesgotável das amplas massas do povo oprimido e explorado em travar a revolução.

 

O Partido continua forte e sólido. A liderança e todos os membros do Partido estão firmemente unidos sob a bandeira Vermelha do Marxismo-Leninismo-Maoismo, a Constituição do Partido e o seu Programa para uma Revolução Democrática Popular. O Partido está firmemente unido em travar uma guerra popular prolongada ao longo da linha estratégica de cercar as cidades a partir do campo.

 

O Partido acumulou grandes conquistas ao longo dos últimos 55 anos, defendendo firmemente o Marxismo-Leninismo-Maoismo e aplicando-o assiduamente nas condições concretas das Filipinas. Conseguiu analisar e expor o podre sistema semicolonial e semifeudal e os problemas básicos do imperialismo, do feudalismo e do capitalismo burocrático que assolam o povo filipino. Forjou o programa para uma revolução democrática popular através de uma guerra popular prolongada, cuja justeza é demonstrada pela forma como o povo continua a aceitá-la como se fosse sua.

 

O Partido construiu-se como organização de quadros e de massas. Estabeleceu-se sobre os fundamentos dos princípios leninistas de um Partido Bolchevique. Está firmemente consolidado sob os princípios do centralismo democrático. É composto por dezenas de milhares de quadros e combatentes dedicados que criam raízes profundas e amplas entre as classes oprimidas e exploradas dos trabalhadores, dos camponeses, do semiproletariado e da pequena burguesia.

 

Para derrotar as classes dominantes e derrubar o Estado reacionário, o Partido exerce resolutamente as duas armas da luta armada e a frente única nacional. O Partido trava a luta armada como a principal forma de luta que visa cumprir a tarefa central da tomada do poder político. As formas legais de luta são secundárias, mas indispensáveis ​​na condução da revolução democrática nacional, a fim de despertar, organizar e mobilizar milhões de pessoas e gerar um apoio político generalizado à luta armada. O Partido constrói o núcleo subterrâneo do movimento de massas.

 

O Partido retomou a luta armada revolucionária ao estabelecer o Novo Exército Popular em 29 de março de 1969, praticamente do zero. Identificou as características específicas para travar a guerra popular nas Filipinas, tirando lições de guerras revolucionárias bem sucedidas no estrangeiro, bem como da sua própria experiência prática de travar a revolução em um país insular e montanhoso. Liderou agora o Novo Exército Popular ao longo de cinco décadas e meia de guerra de guerrilha extensa e intensa, com uma base de massas cada vez mais profunda e cada vez maior.

 

O Novo Exército Popular ultrapassou os exércitos revolucionários do Katipunan no final do século XIX e do Hukbalahap (1942-1945). Contudo, o Novo Exército Popular continua pequeno e fraco em relação à grande e poderosa Forças Armadas das Filipinas que é municiada e financiada pelos imperialistas norte-americanos. Ainda assim, o Novo Exército Popular está determinado a travar uma guerra de guerrilha para aniquilar o inimigo parte por parte, e acumular força suficiente para passar da atual fase intermédia da defensiva estratégica para a fase seguinte, mais adiante para a próxima fase estratégica, e para a vitória total.

 

O Partido construiu a Frente Nacional Democrática das Filipinas como a organização clandestina de frente única mais consolidada, composta por forças revolucionárias básicas que estão unidas sob a liderança do Partido e apoiam a luta armada revolucionária e a revolução democrática nacional. A Frente Nacional Democrática das Filipinas é o núcleo de toda a frente única nacional. Ajuda a construir a unidade nacional do povo filipino contra o imperialismo. Até que o governo democrático popular seja proclamado, na véspera da vitória nacional, a Frente Nacional Democrática das Filipinas representa a totalidade de todos os órgãos do poder político estabelecidos nas zonas de guerrilha e nas áreas de base.

 

O Partido retira força e inspiração das vitórias passadas alcançadas através da luta armada, do movimento revolucionário de massas e da frente única. Ao mesmo tempo, aprende humildemente com os erros e deficiências do passado, conduz a crítica, a autocrítica e a retificação como forma de manter a sua fidelidade ao Marxismo-Leninismo-Maoismo. O próprio restabelecimento do Partido em 1968 é o resultado positivo de um movimento de retificação contra o revisionismo Lava e o gangsterismo Taruc-Sumulong. Em 1992, o Partido levou a cabo o segundo grande movimento de retificação para o conduzir de volta à linha correta do Marxismo-Leninismo-Maoismo ao repudiar o revisionismo moderno e a linha errada do insurrecionismo e do aventureirismo militar que trouxe grandes danos ao povo e à sua revolução.

 

Mesmo quando celebramos as nossas conquistas, estamos criticamente conscientes dos erros, fraquezas e deficiências cruciais nos campos ideológico, político e organizacional que persistiram ao longo de muitos anos. Devemos apontá-los para que possamos retificá-los firmemente e arrancar as suas raízes subjetivistas.

 

Desde que emitimos o apelo no ano passado para consolidar e fortalecer ainda mais o Partido e avançar de forma abrangente a revolução democrática popular, os principais Comitês e quadros do Partido têm realizado estudos revolucionários, avaliações, resumos e autocrítica para identificar, retificar e superar várias formas de subjetivismo, erros de direita e “esquerda” e tendências oportunistas.

 

Estudos e discussões apontam para o baixo nível de conhecimento teórico e fraquezas ideológicas entre muitos dos nossos Comitês dirigentes e inferiores, caracterizados por uma fraca compreensão da teoria revolucionária proletária, em geral, e em particular, da teoria da Revolução Filipina, das suas leis do desenvolvimento e a sua aplicação prática em condições concretas no âmbito do seu trabalho.

 

O subjetivismo tem afligido uma grande parte do Partido, o que permite que as visões e mentalidades de classe burguesas e pequeno-burguesas se infiltrem e se espalhem em diferentes níveis de liderança do Partido, resultando em vários erros e tendências de direita e de “esquerda” na política, e no burocratismo e no ultrademocratismo na organização. O empirismo e o dogmatismo são erros subjetivistas decorrentes da falha em combinar teoria e prática, levando a ideias e práticas errôneas. O empirismo é prática sem teoria, resultando em fazer uma revolução cegamente; enquanto o dogmatismo é a teoria desligada da prática, resultando em uma pregação sem revolução. O empirismo é atualmente o principal erro subjetivista no Partido que resultou principalmente em erros e tendências certas.

 

Há uma complacência generalizada no estudo e aplicação da teoria revolucionária para servir como guia para a prática, e também timidez em extrair a teoria da prática. Sem compreender firmemente a teoria Marxista-Leninista-Maoista para guiar a nossa prática, e sem extrair a teoria da prática, a prática revolucionária não avançará para um estágio mais elevado e começará a estagnar ou a reverter para níveis anteriores. Esta última situação é agravada pelo contentamento pequeno-burguês com conhecimentos, métodos, práticas e planos anteriores, ou pela preguiça de estudar e resumir a prática. Isto leva ao fracasso no desenvolvimento da teoria e na adoção de novos métodos e planos que correspondam às condições alteradas, e ao fracasso geral em elevar a prática a um nível superior.

 

No trabalho ideológico, temos observado problemas de esforços insustentados no trabalho educativo, apesar dos avanços que fizemos no lançamento do Curso Avançado do Partido a partir de 2017. Muitos quadros em posições de liderança carecem de esforços para ler e estudar escritos clássicos Marxista-Leninista-Maoistas e documentos do Partido para servirem de referência para a resolução prática de problemas. Alguns quadros do Partido tornaram-se autossatisfeitos e arrogantes com os seus conhecimentos anteriores e carecem de esforços humildes para aumentar o seu conhecimento teórico e aplicar a teoria para resumir as suas experiências e práticas revolucionárias em vários níveis e campos de trabalho.

 

Também faltam esforços sistemáticos para realizar investigação social e análise de classe para manter a nossa análise e políticas em consonância com as constantes mudanças nas condições objetivas. Os Comitês dirigentes responsáveis ​​carecem de planos ou esforços para fazer pesquisas ou realizar inquéritos para recolher informações e extrair teoria do conhecimento perceptivo das condições no âmbito do seu trabalho, conduzindo por vezes a análises superficiais de questões e à falta de uma compreensão firme das condições concretas de as massas e as principais questões e métodos para as despertar, organizar e mobilizar.

 

Sem uma compreensão firme do ponto de vista e do método materialista histórico e dialético, os camaradas afetados pelo empirismo tendem a ver apenas o que está imediatamente à sua frente e não conseguem ver o processo de desenvolvimento. Em tempos de vitórias e avanços, tornam-se complacentes e presunçosos e não conseguem ver o caminho para fazer avançar a prática revolucionária para alcançar maiores vitórias, o que acaba por conduzir à estagnação e aos reveses. Em tempos de dificuldades e perdas, ficam sobrecarregados pelos problemas e começam a perder a determinação, caindo no pessimismo ou na passividade. Muitos não conseguem superar o medo do sacrifício e muitas vezes são puxados para trás pelo desejo de facilidade e conforto e, diante da adversidade, fogem.

 

Esta mudança da presunção e da complacência para o pessimismo e a passividade, o medo e a fuga são típicos da mentalidade burguesa e pequeno-burguesa ou camponesa média que é diretamente o oposto da visão proletária, da humildade, da firmeza, da militância, do otimismo e da coragem.

 

Muitas partes da nossa máquina revolucionária estão corroídas pela ferrugem da mentalidade pequeno-burguesa que impede o bom funcionamento do motor. Algumas peças quebradas, de fato, já caíram, no meio de grandes adversidades na luta contra a ofensiva estratégica do inimigo dos últimos cinco anos. Como qualquer outra máquina, devemos remover a ferrugem e substituir as peças quebradas por novas, para que a revolução avance e acelere.

 

Nos últimos anos, o subjetivismo resultou principalmente nos desvios de direita e, secundariamente, em erros, deficiências, fraquezas e tendências de “Esquerda”, em todos os campos do trabalho revolucionário.

 

Observamos uma ampla gama de problemas resultantes do subjetivismo ideológico no campo da luta armada revolucionária. Não conseguindo compreender o caminho do desenvolvimento da guerra popular, particularmente da fase inicial para a fase intermédia, e da fase intermédia para a fase seguinte, não foram poucas as frentes de guerrilha do Novo Exército Popular que estagnaram e ficaram presas durante muito tempo no antigo nível. Alguns líderes do Partido confiaram no seu nível anterior de experiência e não conseguiram ver claramente o caminho para avançar de forma constante a revolução, onda após onda, ou de um nível para o outro, da necessidade de alcançar toda a extensão da frente de guerrilha, a partir do terreno montanhoso, para as colinas, planícies, zonas ribeirinhas, costeiras e centros urbanos.

 

Eles constringiram o Novo Exército Popular às suas bases de guerrilha confiáveis ​​e acampamentos nas montanhas, limitando o âmbito ou alcance da iniciativa militar e política do Partido e do Novo Exército Popular. A autoconstrição vai contra a necessidade de as unidades de guerrilha avançarem e avançarem constantemente e estarem sempre em posição ofensiva. As áreas de base de guerrilha fiáveis ​​acabaram por ser reduzidas a alguns bairros, comunidades ou acampamentos de montanha “favoritos” ou de “zona de conforto”, com fácil acesso a apoio de massas, linhas de abastecimento ou instalações de comunicação.

 

A autoconstrição e a perda de iniciativa conduzem ao conservadorismo militar, uma vez que os pontos a partir dos quais o Novo Exército Popular pode atingir o inimigo tornaram-se limitados ou inacessíveis. Outros problemas concomitantes que surgem incluem a recolha de informações, fontes de abastecimento, comunicações, e assim por diante. O Novo Exército Popular não conseguiu realizar prontamente uma emboscada na autoestrada porque as suas forças principais estão acampadas no interior. A montagem de ataques, emboscadas e outras ofensivas táticas básicas tornou-se cada vez mais complicada e demorada. Contentaram-se com ofensivas táticas atrativas (assédios, sanções, etc.) e perderam de vista a necessidade de montar ofensivas táticas básicas ou aniquiladoras sustentadas como a principal componente da nossa estratégia para enfraquecer o inimigo parte por parte e fortalecer continuamente o Exército Popular.

 

Em um número significativo de frentes de guerrilha que contavam com forças do tamanho de companhias ou de múltiplos pelotões, alguns líderes do Partido tornaram-se complacentes e autoconfiantes. Houve casos de concentração excessiva de forças em algumas regiões ou sub-regiões, onde duas ou mais companhias guerrilheiras são reunidas num acampamento de montanha durante longos períodos de vários meses, para realizarem treinos, cursos de educação, reuniões prolongadas ou para aguardar a execução de um crime mal-intencionado. ofensiva planejada, deixando menos forças e menos tempo para trabalho em massa. Estes acampamentos prolongados causaram uma forte pressão sobre as massas organizadas e as forças milícias que têm de trabalhar arduamente para manter as linhas de abastecimento a funcionar. Isto também faz com que a disciplina da guerrilha afrouxe e “civilize” as forças guerrilheiras. Algumas unidades do Novo Exército Popular encontraram problemas de consumo de álcool entre os guerrilheiros.

 

Durante as fases de avanço da luta armada, aqueles que cometem erros de subjetivismo tendem a subestimar a capacidade do inimigo e a ver apenas as suas vitórias táticas. Perdem de vista o fato de que o inimigo ainda está na ofensiva estratégica, permanece estrategicamente superior e está constantemente a aumentar a sua capacidade de conduzir informações e planear a realização de campanhas ofensivas estratégicas. Há uma falha de mentalidade em não dividir um em dois – ver apenas o seu lado positivo, mas não o seu lado negativo, celebrar as suas vitórias, mas não se preparar para lutas maiores. Começam a perder a compreensão dos princípios operacionais básicos da guerrilha de concentração, dispersão e mudança, levando a problemas como a concentração absoluta durante longos períodos de unidades verticais de guerrilha e a dispersão excessiva de unidades horizontais de trabalho em massa, e a falta de sigilo nos movimentos e manobras, como o movimento diurno em áreas abertas que dão ao inimigo uma vantagem clara para vigilância e monitoramento. Não poucos se tornaram arrogantes e arrogantes, e alguns se tornaram militaristas e opressores, não apenas em relação ao inimigo, mas pior, em relação às massas.

 

Em muitas partes do país, os Comitês do Partido e os comandos do Novo Exército Popular não conseguiram manter um controle firme sobre a tarefa de travar a revolução agrária como chave para mobilizar as massas, construir a base de massas e estabelecer os órgãos do poder político. Nestas áreas, não conseguimos levar a cabo a tarefa crucial de investigação social e análise de classe para determinar o plano para unir as massas e liderar as suas lutas. Algumas unidades tornaram-se pesadas e não conseguem ir até às massas nas suas aldeias para realizar trabalho político. Alguns quadros do Partido contentaram-se em “enviar mensagens de texto” às filiais locais do Partido em vez de realizar reuniões com elas.

 

Alguns Comitês perceberam tarde que a base de massas não pode ser construída e consolidada apenas confiando nos líderes tradicionais das aldeias e simplesmente fornecendo às massas serviços materiais sem aumentar a sua consciência de classe, construir e fortalecer as suas organizações de massas e aumentar a sua militância através de lutas revolucionárias agrárias. O inimigo aproveitou-se dos fracos alicerces da base de massas, submetendo as massas ao terror brutal e enganando o povo com promessas de grandes quantias de dinheiro para criar uma barreira entre eles e os seus combatentes revolucionários e entre um líder de aldeia ou de clã contra outro. Sem resistência coletiva, os fascistas estão agora a retirar-lhes as suas terras e a entregá-las a operações mineiras e plantações.

 

Em tempos de retirada, aqueles que cometiam erros subjetivistas tendiam a superestimar a força e o tamanho do inimigo. Eles perderam a orientação dialética para pensar bem, observar atentamente e determinar as forças, os objetivos e os planos do inimigo e descobrir seus pontos fracos, e planejar os métodos para dividir as forças do inimigo e abrir oportunidades para atacar suas unidades destacadas ou isoladas. Eles foram dominados pelo medo burguês. Isso também é uma falha de mentalidade. Eles se voltam para o voo. A defesa torna-se uma retirada unilateral e uma defesa puramente passiva, na forma de retirada para a fortaleza montanhosa imaginada ou de mudança não planeada para novas áreas sem apoio de massa. Pior ainda, abandonam a base de massas e deixam-nos indefesos e sem planos para contra-atacar. Ao fazê-lo, isolaram-se e caíram numa situação puramente militar, fazendo o jogo do inimigo.

 

Nos últimos anos, estes erros e deficiências resultaram no fracasso de muitas unidades do Novo Exército Popular em expandir firmemente as frentes de guerrilha, onda após onda, de acordo com a linha de guerra de guerrilha extensa e intensiva, numa base de massas cada vez mais ampla e aprofundada. Este problema de auto-constrição e o fracasso em expandir e elevar constantemente o nível da prática revolucionária, deixou o Novo Exército Popular sem a capacidade de forçar o inimigo a espalhar as suas forças e, em vez disso, permitiu ao inimigo levar a cabo campanhas de constrição gradual e focadas. operações militares. Isto colocou as forças de guerrilha numa situação puramente militar e de passividade militar, desligadas do apoio político da sua base de massas, enquanto a base de massas foi sujeita a uma repressão armada brutal. Houve perdas substanciais sofridas pelo Novo Exército Popular e pelas massas revolucionárias como resultado destes erros internos.

 

Embora seja correto que os Comitês dirigentes dediquem a atenção principal à tarefa de travar a luta armada como a principal forma de luta, temos observado o erro de alguns Comitês regionais do Partido ao negligenciarem ou não conseguirem liderar eficazmente o movimento revolucionário de massas em ambas as cidades. e campo. Em muitos casos, isto reflete-se na restrição da estrutura, força e operações do Partido à estrutura de comando e âmbito do NPA, restringindo assim a iniciativa do Partido à do Novo Exército Popular. Este erro foi criticado já em 2015, mas persiste em muitas regiões.

 

No campo do movimento revolucionário de massas, temos observado principalmente as tendências oportunistas de direita do conservadorismo, do tailismo, do legalismo, do economicismo, do reformismo e do onguismo. Temos visto problemas na combinação de formas de luta dialeticamente legais e ilegais, e a tendência de colocar todos os ovos no cesto legal, onde o trabalho político é realizado principalmente ou exclusivamente através de meios legais, negligenciando o desenvolvimento do trabalho clandestino revolucionário. Temos observado a tendência para colocar uma ênfase unilateral na luta pelas reformas sob o governo reacionário dominante, negligenciando ao mesmo tempo a tarefa de expor a natureza de classe do Estado dominante, de desenvolver de forma abrangente o movimento clandestino nas cidades e no campo, e de ligar acompanhar e apoiar a luta armada revolucionária como principal forma de luta. Isto tende a fazer com que as ações de massas sirvam como parte da “política de pressão” burguesa, em vez de servirem como um meio de expressar a indignação coletiva das massas contra as políticas antipopulares do Estado reacionário, e como armas a serem afiadas e empunhadas pelos as massas para a luta política militante ao lado da luta armada revolucionária. Isto tem o efeito contrário de enfraquecer o movimento democrático de massas.

 

Temos observado a tendência de analisar ou responder a questões do estreito ponto de vista pequeno-burguês e deturpar que isto é o interesse da classe trabalhadora. Em vários casos, as ações de massa foram conduzidas dentro dos limites das limitações da classe média, o que teve o efeito de reduzir o nível da militância popular.

 

Pior ainda, existe também a tendência das forças democráticas legais de se demarcarem abertamente da luta armada em resposta à propaganda inimiga, em vez de afirmarem a justeza de travar a resistência armada contra a tirania. Isto teve o efeito de minar o apoio político à luta armada revolucionária.

 

Há também a tendência oportunista de direita do conservadorismo em termos de desenvolvimento do apoio da frente única à luta armada. O fortalecimento das organizações de massa clandestinas setoriais recebe pouca atenção, se é que recebe. A mobilização de quadros, ativistas e apoio material das fileiras de intelectuais e profissionais pequeno-burgueses para o Novo Exército Popular não foi realizada de forma vigorosa, sistemática e sustentada. Faltam esforços para construir alianças com a burguesia nacional para atrair apoio para a luta armada revolucionária.

 

No campo organizacional, o subjetivismo empirista leva ao liberalismo, à ultrademocratismo e ao burocratismo. Isto resultou no enfraquecimento do sistema de Comitês e da liderança coletiva.

 

São numerosos os casos em que os membros do secretariado da comissão ou das comissões permanentes estão dispersos e sem comunicação, e não conseguem decidir coletivamente sobre assuntos urgentes, deixando a tomada de decisão ao secretário. Há casos em que os quadros da comissão de frente se separam do pelotão por períodos prolongados e emitem ordens sem decisão coletiva.

 

Há falta de militância e profissionalismo nos métodos de trabalho de alguns quadros do Partido. As reuniões tornam-se prolongadas devido à falta de preparação ou devido a conflitos não resolvidos dentro dos Comitês. Os Comitês inferiores não apresentam regularmente relatórios aos Comitês superiores, enquanto os Comitês dirigentes não emitem instruções e políticas atempadas, resultando na falta de unidade e coordenação entre os vários órgãos. Alguns Comitês não conseguiram realizar reuniões regulares ou especiais e conferências de trabalho para tirar lições das experiências e formular políticas. Todas estas são manifestações de empirismo no campo organizacional.

 

Devemos dar especial atenção ao problema da burocratização entre os principais Comitês do Partido no movimento de massas nas cidades. Muitos tornaram-se mais apegados aos cargos e afastados das grandes massas, e não participam no árduo trabalho de massa nas fábricas e nas comunidades, ou fazem-no apenas superficialmente. Existe a tendência para o liberalismo entre os principais quadros do Partido e organizadores a tempo inteiro de serem “civilizados” e “domesticados”, ou de serem afligidos por uma mentalidade de “funcionário” (9-5 horas de expediente). Em algumas partes da organização, as regras de disciplina do Partido são violadas desenfreadamente. As questões que minam estas políticas não são abordadas de forma decisiva e foram deixadas a persistir.

 

Alguns quadros-chave do Partido não conseguem desenvolver sistemas de operações clandestinas para manter o inimigo surdo e cego. Eles se permitiram tornar-se vulneráveis ​​a repetidos ataques e armadilhas do inimigo. Eles nutrem a noção subjetivista de que estão livres da vigilância inimiga, apenas com base no que percebem na sua proximidade, sem realmente cortarem os laços com os seus pontos fixos. Eles não conseguem ver a interligação dos incidentes de segurança e tratam-nos como casos isolados, não compreendendo a intenção do inimigo e o plano a longo prazo para destruir sistematicamente a rede clandestina do Partido.

 

Afirmámos acima alguns dos problemas ideológicos, políticos e organizacionais cruciais que foram identificados pelos principais Comitês do Partido no seu âmbito de trabalho. Os quadros do Partido e os Comitês do Partido estão a ser consolidados para superar estas várias formas de subjetivismo e erros, tendências ou deficiências de direita de longa data, a fim de fortalecer as forças revolucionárias e levar adiante a revolução com maior energia.

 

Continuamos a fortalecer a liderança coletiva do Comitê Central, juntamente com a segunda e terceira linhas de liderança, para liderar o crescimento constante das forças revolucionárias em todo o país. O falecimento de Ka Joma e a morte de alguns dos nossos principais líderes são uma perda profunda para a liderança central do Partido. O Partido, no entanto, está plenamente consciente de como foi estabelecido com a grande tarefa de liderar a revolução democrática popular filipina e a futura revolução socialista que vai além da vida de qualquer pessoa e muito além da capacidade de desempenho de algumas pessoas.

 

Atualmente, os quadros mais jovens do Partido, a todos os níveis, estão a assumir maiores responsabilidades e a infundir força e vigor nos diferentes campos do trabalho revolucionário. Estamos a esforçar-nos por construir sinergias entre quadros e combatentes veteranos e novos para liderar o Partido, o Novo Exército Popular e o povo filipino a níveis mais elevados de resistência armada e de todas as outras formas de resistência.

 

Os quadros e Comitês dirigentes estão a enfrentar de forma militante o desafio de fortalecer ainda mais o Partido ideológica, política e organizacionalmente. O Partido está determinado como sempre a defender o Marxismo-Leninismo-Maoismo e os ensinamentos de Ka Joma, defender a liderança do Comitê Central, retificar todos os erros e deficiências, superar todos os obstáculos e levar a revolução democrática popular para a sua futura vitória.

 

IV. Tarefas urgentes e críticas para o fortalecimento do Partido e o avanço da revolução democrática popular

 

No meio do agravamento da crise do sistema semicolonial e semifeudal sob o regime EUA-Marcos e da rápida deterioração das condições do povo filipino, há uma necessidade urgente de todo o Partido exercer todos os esforços para despertar, organizar e mobilizar as amplas massas do Povo filipino pela ação revolucionária. Isto é uma forma de aproveitar as condições favoráveis ​​para levar adiante de forma abrangente e vigorosa a revolução democrática popular do novo tipo.

 

Em linha com este objetivo geral, devemos fortalecer o Partido de uma forma abrangente como vanguarda do proletariado filipino e líder da revolução democrática popular, fortalecer o Novo Exército Popular e levar por diante a luta armada revolucionária, avançar a revolução revolucionária de massas movimento nas cidades e no campo, ampliar e fortalecer ainda mais a frente única e liderar as massas filipinas nas lutas antifascistas, anti-imperialistas e antifeudais contra o regime EUA-Marcos.

 

Realizar o movimento de retificação para fortalecer o Partido

 

De todas estas tarefas, a mais crucial e urgente é a de reforçar ainda mais o Partido. Para cumprir esta tarefa, o Comitê Central apela a todos os quadros e Comitês do Partido para que levem em frente, de forma decisiva e vigorosa, um movimento abrangente de retificação para travar uma luta crucial para repudiar o efeito pernicioso e as influências de várias correntes de subjetivismo burguês ou pequeno-burguês que enfraqueceram o Partido e infligiu graves reveses ao movimento revolucionário como consequência de várias formas de erros, fraquezas e tendências de direita e de “esquerda” durante os últimos anos. Só realizando este movimento de retificação poderemos superar os reveses e perdas, reacelerar o crescimento do Partido e levar adiante com firmeza o nosso trabalho em todos os campos do empreendimento revolucionário.

 

A liderança e todos os membros do Partido levarão a cabo este movimento de retificação firmemente unidos sob a bandeira do Marxismo-Leninismo-Maoismo, bem como ao longo da linha e análise da sociedade filipina do Partido, e do programa para travar a revolução democrática popular através de guerra popular prolongada ao longo da linha estratégica de cercar as cidades a partir do campo. Ao levar a cabo o movimento de retificação, pretendemos aprofundar a nossa compreensão e fortalecer a nossa compreensão do Marxismo-Leninismo-Maoismo e da linha e programa do Partido com a visão estratégica de elevar ainda mais o nível da nossa prática revolucionária com base nas nossas vitórias acumuladas e experiências resumidas.

 

O movimento de retificação é principalmente um movimento para estudar e reafirmar a nossa adesão ao Marxismo-Leninismo-Maoismo e aos princípios básicos, linha, constituição e programa do Partido, a fim de resumir experiências passadas e de realizar críticas e auto-crítica. O objetivo principal é aumentar a nossa compreensão e fortalecer a nossa compreensão do Marxismo-Leninismo-Maoismo e dos princípios e linhas do Partido, relacionando-os com a nossa prática revolucionária ao longo dos últimos anos e avaliando autocraticamente o nosso trabalho e os nossos quadros, para elevar e aprimorar qualitativamente nosso estilo militante de trabalho.

 

Ao levar a cabo o movimento de retificação, pretendemos abordar e resolver as fraquezas e erros de longa data na construção do Partido, em travar a luta armada revolucionária ao longo da linha da guerra de guerrilha extensa e intensiva em uma base de massas cada vez mais alargada e aprofundada, e em levar a cabo avançar o movimento revolucionário de massas nas cidades e no campo.

 

A decisão de lançar um movimento de retificação surge na sequência dos esforços de vários Comitês regionais do Partido e de outros Comitês dirigentes ao longo dos últimos dois anos para corrigir erros e fraquezas do passado que impediram e retardaram o seu crescimento. O movimento de retificação procura consolidar e elevar estes esforços ao nível de todo o Partido, desde a liderança central até todos os Comitês dirigentes e ramos do Partido em Luzon, Visayas e Mindanao e no exterior.

 

Recordamos que, em meados de 2016, o Bureau Político apelou às forças do Partido para retificarem problemas ideológicos, políticos e organizacionais críticos. Isto foi uma forma de abordar a tendência descendente dos anos anteriores em termos do movimento revolucionário de massas e da luta armada revolucionária. O apelo foi ainda reforçado pela realização do 2º Congresso naquele ano.

 

Isto teve o efeito imediato de inverter a tendência negativa. Ganhos substanciais na luta armada e na construção de bases em massa foram imediatamente observados de 2017 a 2019. No entanto, não conseguimos levar adiante de forma resoluta e completa o movimento de retificação. Os ganhos iniciais não foram sustentados à medida que os problemas subjacentes vieram à tona face à intensificação da guerra contrarrevolucionária do inimigo e à brutal repressão armada.

 

Nos anteriores (primeiro e segundo) movimentos de retificação, o Partido confrontou e combateu o esforço sistemático de certos renegados revisionistas que minaram os princípios básicos do Marxismo-Leninismo-Maoismo, e atacaram a análise do Partido do sistema semicolonial e semifeudal, a sua linha de a revolução democrática popular através da guerra popular prolongada, a sua estratégia de cercar as cidades a partir do campo e a sua linha antirrevisionista.

 

Hoje estamos a lutar contra o empirismo generalizado e as várias vertentes do subjetivismo burguês e pequeno-burguês que conduzem a tendências oportunistas de direita e de “esquerda”. Para levar a cabo esta luta, devemos conduzir o nosso movimento de estudo de forma militante. Ser militante é estudar, avaliar e resumir autocriticamente a nossa prática revolucionária passada, a fim de identificar e repudiar erros e fraquezas que podem não ser evidentes, mas que são tão perniciosos, debilitantes e corrosivos, como o revisionismo total.

 

O movimento de retificação procura dar forma concentrada à luta sempre presente dentro do Partido entre a linha revolucionária proletária e a linha e modo de pensar burguês e pequeno-burguês. Precisamos de aumentar a capacidade dos quadros do Partido no uso do materialismo dialético e histórico, a fim de expor e combater completamente as ideias burguesas e pequeno-burguesas que permearam o Partido, repudiar o subjetivismo e corrigir e superar os erros e erros de longa data. fraquezas do conservadorismo, do tailismo, do comandismo, do liberalismo, da ultrademocratismo e do burocratismo. Devemos livrar-nos de todas as bagagens pequeno-burguesas, superar o pessimismo, aprofundar a nossa confiança no Partido e nas massas, preparar-nos para todos os sacrifícios necessários e lutar para alcançar vitórias maiores do que nunca.

 

O movimento de retificação terá os seguintes componentes:

 

a) Uma campanha de estudo para estudar e rever minuciosamente os princípios básicos do Marxismo-Leninismo-Maoismo usando a Cartilha sobre Marxismo-Leninismo-Maoismo de Ka Joma e revisão dos escritos clássicos de grandes líderes comunistas através de discussões coletivas e leitura individual.

 

b) Uma campanha de estudo para revisão profunda da Constituição do Partido e do Programa para a Revolução Democrática Popular.

 

c) Uma campanha de estudo para revisão dos documentos do Primeiro e do Segundo Grande Movimento de Retificação, das Nossas Tarefas Urgentes e das Características Específicas da Nossa Guerra Popular, e dos documentos da história do Partido.

 

d) Uma campanha para resumir experiências e rever resumos anteriores para identificar as tendências e erros oportunistas de direita e de “esquerda” que causaram graves danos ao Partido e ao movimento revolucionário armado. Esses resumos serão feitos por escrito e submetidos ao Comitê Central. Artigos selecionados serão publicados na Ang Rebolusyon, a revista teórica do Partido.

 

e) Uma campanha de investigação social e análise de classe (SICA) a todos os níveis para aprofundar a nossa compreensão das condições concretas das massas sob o agravamento da crise do sistema semicolonial e semifeudal, com o objetivo de melhorar os nossos planos e métodos de despertar, organizar e mobilizar as massas.

 

f) Uma campanha de crítica e autocrítica deve ser realizada a todos os níveis para unir o Partido, todas as forças revolucionárias e as massas.

 

g) Uma campanha para avaliar o desempenho de todos os quadros do Partido para identificar pontos fortes e fracos, e formular resoluções para fortalecer ainda mais a sua disciplina proletária, posição revolucionária e compromisso.

 

h) Uma campanha contínua para garantir a plena implementação do Curso Partidário de Três Níveis para garantir que os atrasos sejam eliminados.

 

Para ajudar a impulsionar o movimento de estudo da retificação, todas as referências devem ser disponibilizadas em formato impresso ou digital, incluindo escritos clássicos Marxista-Leninista-Maoistas, todos os documentos básicos do Partido, livros e artigos-chave de Ka Joma, e outros. A popularização deve ser assegurada através de traduções e outros meios.

 

O movimento de retificação será uma arma ideológica. Nos próximos um ou dois anos, deverá ser realizado minuciosamente e concluído em todos os níveis, desde o Comitê Central do Partido até todos os ramos do Partido. Estamos confiantes de que a grande maioria dos membros do Partido acolherá favoravelmente o movimento de retificação e estão prontos para avançar com ousadia, tal como os grandes avanços do movimento revolucionário após o Primeiro e o Segundo movimentos de retificação.

 

Enquanto realizamos o movimento de retificação, o Partido deve continuar a fortalecer-se, estabelecendo raízes profundas e amplas entre as massas. Os Comitês regionais do Partido devem tomar a iniciativa na construção de Comitês territoriais do Partido para cobrir províncias, distritos, cidades e vilas que estão fora do âmbito ou áreas de operação das frentes de guerrilha do Novo Exército Popular.

 

Expandir o número de membros do Partido seguindo o princípio de expandir corajosamente o Partido sem deixar entrar um único indesejável, principalmente através do recrutamento dos elementos mais avançados que provaram a sua dedicação como ativistas de massas no movimento revolucionário de massas e como combatentes vermelhos do Novo Exército Popular.

 

Reforçar o centralismo democrático e o sistema de Comitês do Partido. Devemos garantir o equilíbrio dos quadros seniores, de meia-idade e juniores nos Comitês dirigentes do Partido, promovendo corajosamente os quadros mais jovens das fileiras dos trabalhadores, dos camponeses e da pequena burguesia urbana. Devemos expandir e fortalecer a rede clandestina do Partido e do movimento revolucionário nas áreas urbanas e rurais para manter o inimigo surdo e cego.

 

Garantir a impressão e ampla circulação de Ang Bayan entre todos os membros do Partido e forças revolucionárias.

 

Levar adiante de forma abrangente a revolução

 

Ao mesmo tempo que fortalecemos o Partido através do movimento de retificação, devemos levar adiante de forma abrangente a revolução democrática popular como concretização do movimento de retificação e como barómetro do seu sucesso. Executemos as seguintes tarefas em linha com o objetivo geral de levar avante a revolução de uma forma integral:

 

a) Liderar as lutas antifascistas, anti-imperialistas e antifeudais das amplas massas do povo filipino contra o regime EUA-Marcos

 

O regime dos EUA-Marcos é atualmente a expressão mais concentrada do regime fascista reacionário no país. Devemos expor as suas políticas antipopulares que servem os interesses dos bancos e empresas capitalistas monopolistas, os interesses geopolíticos do imperialismo norte-americano, os interesses de classe dos grandes compradores burgueses e dos grandes proprietários de terras, e o engrandecimento dos burocratas corruptos. As lutas nacionais e democráticas do povo filipino são atualmente expressas de forma mais concentrada na luta contra o regime opressivo, fascista e fantoche dos EUA de Marcos.

 

Devemos ligar e elevar as lutas diárias de vida ou morte de várias classes e sectores democráticos à luta contra o imperialismo, o feudalismo e o capitalismo burocrático. Devemos expor, isolar e combater o regime Marcos e dirigir a raiva do povo contra ele. Enquanto lideramos o povo na sua luta por medidas urgentes (aumentos salariais, preços mais baixos, rendas mais baixas da terra, subsídios para a educação e a saúde, e assim por diante), devemos expor o caráter de classe reacionário do Estado dominante, e ligar a luta pelas reformas à luta revolucionária global, principalmente através da luta armada, para derrubar o sistema dominante.

 

No próximo ano, devemos concentrar-nos em expor e combater as políticas e programas econômicos promovidos pelo imperialismo norte-americano através do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional e das suas instituições financeiras aliadas, como o Banco Asiático de Desenvolvimento do Japão, que invariavelmente atropelam os direitos socioeconômicos, causam desapropriação, perda de rendimento e meios de subsistência e deslocação econômica.

 

Devemos expor e opor-nos à intervenção militar dos EUA e ao aumento da presença militar dos EUA nas Filipinas, à construção de mais instalações militares dos EUA, que estão a usar como rampa de lançamento para o seu esforço para fortalecer a hegemonia estadunidense na região, contendo a crescente força econômica e militar da China e intensificando as provocações contra os seus rivais imperialistas, aumentando assim o risco de as Filipinas serem arrastadas para uma guerra interimperialista.

 

b) Fortalecer o Novo Exército Popular, recuperar das perdas e reconstruir a base de massas

 

O Partido deve fortalecer a sua liderança do Novo Exército Popular na condução de uma guerra de guerrilha extensa e intensiva com base numa base de massas cada vez maior e mais profunda. Deve combinar a tarefa de travar a luta armada com a realização da revolução agrária e de campanhas antifeudais de massas como meio de construir a sua base de massas e estabelecer órgãos de poder político do povo para a luta revolucionária e o governo.

 

O Partido deve realizar um treino intensivo entre os comandantes e combatentes Vermelhos, a fim de aumentar a sua capacidade de combate, conhecimento da ciência e tática militar, consciência política, disciplina, força física e rigidez mental e determinação para lutar e fazer os sacrifícios necessários para promover o progresso do povo. guerra. Continuar a fortalecer a capacidade e a disciplina férrea do Novo Exército Popular no lançamento de batalhas de decisão rápida, empregando sabiamente as táticas de guerrilha de mudança, concentração e dispersão, bem como em manobras e movimentos rápidos combinados com elevados níveis de sigilo e métodos de trabalho para manter o inimigo surdo e cego. Destrua a rede de inteligência do inimigo e torne inútil a sua vigilância, ou use-a contra ele.

 

Construir frentes de guerrilha do tamanho de empresas e avançar onda após onda, estabelecendo zonas de guerrilha e áreas de base em áreas montanhosas, colinas, planícies, áreas ribeirinhas, costeiras e em direção às principais linhas de transporte e comunicação. Realizar incansavelmente trabalhos econômicos, culturais, educacionais, médicos e de produção para alcançar o maior número de pessoas. Forçar o inimigo a espalhar as suas forças e retirar-lhe a capacidade de montar operações militares focadas.

 

Recupere-se de perdas anteriores e reconstrua a base de massa. Realizar a luta armada revolucionária combinada com a realização de um movimento de massas antifeudal e antifascista generalizado das massas camponesas. Sempre que necessário, realizar assembleias de queixas entre as massas e o Novo Exército Popular para identificar e fazer a autocrítica das fraquezas e deficiências do passado e reconstruir os seus laços e aumentar a sua determinação para lutarem juntos.

 

Lançar ofensivas táticas básicas ou aniquiladoras que possamos vencer com base na nossa força atual ao longo da ampla área de manobra criada pela expansão das frentes de guerrilha. Ataque as unidades isoladas e destacadas do inimigo. Trave uma guerra de defesa ativa e campanhas de guerrilha. Mobilizar as forças de guerrilha regulares do Novo Exército Popular e das milícias populares. Empreender uma guerra de desgaste generalizada para fazer com que o inimigo perca o equilíbrio e para encobrir a real intenção da nossa força principal. Realize operações partidárias especiais para atingir o inimigo pela retaguarda. Punir os piores criminosos fascistas e os traidores raivosos que têm o sangue do povo nas mãos. Adquira armas para os combatentes vermelhos, apoderando-se delas do inimigo através de ofensivas táticas ou por outros meios.

 

Continuar a fortalecer o pelotão como unidade básica do Novo Exército Popular e a construir a estrutura de comando a todos os níveis, desde o comando de operações regionais até à frente. Fortalecer os ramos e Comitês do Partido no exército popular e o seu órgão político dentro do Novo Exército Popular a todos os níveis para aumentar continuamente a consciência política e de classe dos seus combatentes Vermelhos.

 

Fortalecer, treinar e ativar ainda mais as unidades de milícias populares, combinadas com o corpo de autodefesa das organizações revolucionárias de massas, e intensificar a guerra de guerrilha das massas.

 

c) Fortalecer e expandir o movimento revolucionário de massas no campo

 

O Partido e as forças revolucionárias devem desenvolver um movimento de massas antifeudal e antifascista generalizado no campo. Devemos mobilizar as massas camponesas em grande número e esmagar o regime de terror branco que lhes foi imposto através das Forças Armadas fascistas e da NTF-Elcac.

 

Desenvolver e liderar um movimento de massas antifeudal generalizado, em linha com o programa mínimo do Partido para a reforma agrária. Devemos liderar e levar a cabo lutas de massa pela redução da renda da terra, eliminação da usura, salários mais elevados para os trabalhadores agrícolas, preços mais baixos dos fatores de produção agrícolas e preços justos dos produtos agrícolas, em todo o país. Realizar uma campanha de investigação social e análise de classe para identificar os problemas mais urgentes das massas camponesas e melhorar os nossos métodos para as despertar, organizar e mobilizar.

 

Mobilizar as massas para combater os esquemas de conversão de terras, destruição de meios de subsistência e expropriação de camponeses através de operações mineiras, expansão de plantações, ecoturismo, projetos energéticos e de infra-estruturas e outras grandes operações comerciais locais e estrangeiras. Defender os interesses e direitos económicos dos camponeses e das minorias nacionais, combinados com a luta contra a pilhagem e destruição ambiental por parte dos monopólios estrangeiros e das corporações burguesas.

 

Dentro e fora das frentes de guerrilha do Novo Exército Popular, devemos estabelecer o maior número de associações camponesas para incluir não só os homens, mas também as mulheres camponesas e os jovens, ao mesmo tempo que construímos organizações de jovens e mulheres, bem como organizações culturais e outros tipos de associações. Expandir e fortalecer as amplas organizações das minorias nacionais para defender as suas terras ancestrais e prosseguir a sua luta pela autonomia e autodeterminação.

 

Intensifique as lutas antifascistas no campo. A luta antifascista está firmemente ligada ao movimento antifeudal. Expor e condenar as violações desenfreadas dos direitos humanos e do direito humanitário internacional perpetradas pelas forças estatais fascistas. Mobilizar as massas para resistirem à militarização das suas comunidades e ao “movimento de rendição” contra o povo sob o disfarce do chamado Programa de Apoio Comunitário Reformulado (RCSP) e do Programa Reforçado de Subsistência e Integração Comunitária (E-CLIP).

 

Intensificar os esforços de propaganda para combater a guerra psicológica inimiga e aumentar a militância popular para combater a repressão fascista e apoiar a luta armada revolucionária. Opor-se e expor o falso programa de amnistia do regime de Marcos que visa dividir as fileiras e enfraquecer a determinação revolucionária do movimento revolucionário armado e das massas para combater o estado fantoche da grande classe compradora e latifundiária. Realizar sistematicamente campanhas de recrutamento entre as massas camponesas, especialmente os jovens, para se juntarem ao Novo Exército Popular.

 

d) Fortalecer o movimento revolucionário de massas nas cidades

 

Devemos fortalecer o movimento revolucionário nas cidades, superar problemas de longa data e procurar mobilizar as massas em números cada vez maiores. Devemos mobilizar as nossas forças para levar a cabo uma propaganda generalizada e meticulosa e um trabalho de organização para alcançar as grandes massas aos milhões. Em todos os momentos, defenda a linha de massa de confiança e confiança nas massas. Devemos unir-nos firmemente e mobilizar os elementos avançados entre as massas e confiar neles para elevar o nível dos elementos intermédios e conquistar os elementos atrasados.

 

Devemos desenvolver principalmente um movimento sindical e grevista forte, militante e generalizado entre os trabalhadores, para lutar por salários justos num contexto de aumento do custo de vida, lutar por melhores condições de trabalho contra o agravamento das formas de exploração e resistir à repressão fascista. Ao mesmo tempo, devemos construir um exército de trabalhadores com consciência de classe, aumentando a sua consciência política e revolucionária, relacionando as suas lutas econômicas e sindicais com as exigências nacionais e democráticas do povo filipino e com a luta revolucionária em geral.

 

Devemos também fortalecer o movimento revolucionário de massas entre o semiproletariado e mobilizá-los em número com base nas suas questões pendentes.

 

Devemos também fortalecer o movimento democrático nacional entre os estudantes para mobilizá-los em grande número para lutar militantemente pelos seus direitos e bem-estar, realizar uma propaganda democrática nacional generalizada entre eles e ligá-los às lutas das amplas massas de trabalhadores e camponeses.

 

Fortalecer e revigorar ainda mais o movimento de massas de vários setores democráticos.

 

Devemos fortalecer a clandestinidade revolucionária. Aumentar a capacidade, a disciplina e a determinação dos quadros do Partido e dos organizadores revolucionários para fazerem os sacrifícios necessários para se protegerem e garantirem a segurança dos seus coletivos e das massas organizadas contra a vigilância inimiga e a violência fascista, cortando as suas ligações a partir de pontos fixos e longas linhas de vigilância. Eles devem aumentar a sua vigilância na implementação das regras e métodos do movimento clandestino. Devem aumentar a sua consciência sobre as políticas de segurança e os procedimentos operacionais padrão e sobre o uso informado dos modernos dispositivos de comunicação eletrônica, sempre conscientes das suas vulnerabilidades de segurança.

 

Fazer propaganda generalizada em apoio à luta armada revolucionária, como principal forma de luta para fazer avançar a revolução democrática popular. Colete todo o apoio material e financeiro possível para os combatentes do Novo Exército Popular. Realizar campanhas de recrutamento especialmente entre trabalhadores, jovens e intelectuais urbanos.

 

e) Construir a mais ampla frente única antifascista, anti-imperialista e antifeudal contra o regime EUA-Marcos

 

Devemos continuar a fortalecer e alargar a Frente Democrática Nacional das Filipinas e todas as suas organizações aliadas sob a liderança do Partido. Reunir o mais amplo apoio político e material do povo para a luta armada revolucionária.

 

Devemos construir a mais ampla frente unida para isolar e combater o regime EUA-Marcos. Devemos continuar a expor a fraude eleitoral de 2022 através de eleições automatizadas e a falsificada “vitória esmagadora” de Marcos-Duterte. Devemos continuar a atrair as amplas forças anti-Marcos e Duterte que se opuseram à candidatura de Marcos às eleições de 2022 e que saíram às ruas aos milhões.

 

Devemos construir diferentes formas e níveis de alianças de longo ou curto prazo contra a mudança da Carta, o Fundo de Investimento Maharlika, as políticas econômicas neoliberais debilitantes, as instalações militares dos EUA e outras questões-chave que estão ligadas às aspirações nacionais e democráticas dos filipinos. pessoas. Continuar a fortalecer os nossos laços com o povo Moro e as suas forças revolucionárias para prosseguir a sua luta pela autonomia genuína e pela autodeterminação nacional.

 

Devemos aproveitar as divisões dentro das camarilhas governantes de Marcos e Duterte, pressionando a exigência de responsabilização e punição de Duterte e dos seus companheiros pelos crimes que perpetraram durante o seu tempo no poder. Devemos preparar-nos para mobilizar o povo contra a possibilidade de a cisma Marcos-Duterte se tornar sangrenta, seja por Golpe de Estado ou por Lei Marcial.

 

Reforçar a representação do governo popular democrático no NDFP nas negociações de paz, de acordo com os princípios de uma paz justa e duradoura. Expor e opor-se ao esquema do regime EUA-Marcos para impor o quadro de capitulação nas negociações de paz. Pressionar o reconhecimento de todos os acordos anteriores, incluindo a Declaração Conjunta de Haia, o Acordo Conjunto sobre Garantias de Segurança e Imunidade (JASIG) e o Acordo Abrangente sobre o Respeito pelos Direitos Humanos e o Direito Internacional Humanitário (CARHRIHL).

 

f) Fortalecer o nosso trabalho revolucionário internacional

 

Devemos continuar a ligar a revolução filipina ao movimento anti-imperialista global e à revolução proletária mundial.

 

Devemos elevar o nível da nossa campanha para atrair apoio internacional para o movimento revolucionário filipino, ao mesmo tempo que estendemos todas as formas possíveis de apoio à classe trabalhadora, às lutas democráticas e anti-imperialistas em várias partes do mundo.

 

Devemos realizar um vigoroso movimento de propaganda e organização para alcançar, despertar, organizar e mobilizar os trabalhadores e compatriotas filipinos no exterior em vários p