top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Somália e o espelho afegão"



Não importa quando aconteça na Somália, você sempre vê a mesma situação congelada, de terror e pavor, de uma guerra que parece estar começando incessantemente.


No auge da ofensiva ordenada pelo presidente Hassan Sheikh contra o grupo al-Shabbab, que tinha como objetivo, um tanto ilusório, derrotar os fundamentalistas em cinco meses. Ao mesmo tempo, as várias forças internacionais, como a Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS) em suas várias versões, presente no país desde 2007, começaram a se retirar gradualmente, iniciando no início deste ano e planejando encerrar em dezembro do próximo ano.


No contexto dessas ações, os mujahideens não pararam, atacando constantemente bases militares, realizando emboscadas e, com certa frequência, alvejando alvos civis, principalmente em Mogadíscio, a capital do país, onde hotéis e restaurantes são seus alvos mais comuns.


Portanto, o ataque de sábado, 23 de setembro, com um caminhão carregado de explosivos, que depois de quebrar as barreiras de contenção e ser perseguido por um veículo de segurança, colidiu com o prédio de um posto de controle, deixando cerca de trinta mortos na cidade de Beledweyne, no estado de Hirshabelle, capital da região de Hiran, no centro-sul do país, a cerca de 340 quilômetros a nordeste de Mogadíscio.


Até agora, ninguém reivindicou o ataque, embora o modus operandi claramente aponte para o al-Shabbab. No entanto, dadas as atuais circunstâncias do país em relação às forças internacionais que já iniciaram a retirada, é necessário ser cauteloso antes de atribuir abertamente a autoria do ataque à poderosa franquia da Al-Qaeda para o Chifre da África.


O al-Shabbab, que foi expulso da capital somali em 2011, conseguiu estabelecer seu controle em vastas áreas rurais do interior do país, onde opera com segurança, assumindo o controle de vilas inteiras e estabelecendo sua autoridade, impondo a lei islâmica ou a sharia, cobrando impostos e recrutando jovens, incluindo crianças em alguns casos, e também muitos homens idosos, esvaziando áreas de sua população masculina, onde as mulheres precisam cuidar das plantações, dos rebanhos e, em alguns casos, da segurança de suas aldeias.


Para o ataque de sábado, mais uma vez usaram um caminhão carregado de explosivos, lembrando o atentado de outubro de 2017 em um importante cruzamento de ruas em Mogadíscio, que deixou cerca de 600 pessoas mortas, tornando-se o atentado mais mortal na trágica história somali.


Devido ao ataque de sábado, o número de mortos e feridos sobrecarregou as instalações hospitalares precárias da região, e muitos dos feridos mais graves tiveram que ser transportados por via aérea para Mogadíscio. Enquanto continuavam as operações de busca e resgate, com dezenas de pessoas presas sob os escombros do edifício atacado, o número de vítimas provavelmente aumentará nas próximas horas.


O al-Shabab é um dos grupos mais letais que operam na África, e apesar dos constantes ataques aéreos dos Estados Unidos e das operações terrestres do Exército Nacional da Somália, apoiado pela força da ATMIS, que atualmente conta com cerca de 18 mil homens, reduzidos dos 22 mil em 2014, composta pelas forças armadas de Burundi, Djibuti, Etiópia, Quênia e Uganda, não mostrou sinais de fraqueza, respondendo a cada golpe com um maior. Apesar da propaganda oficial que relata diariamente a morte de cada vez mais mujahideens, suas fileiras, estimadas entre cinco e sete mil combatentes, parecem estar intactas.


Além das grandes e midiáticas operações das forças regulares, a guerra se tornou uma constante tomada e retomada de pequenas cidades e áreas rurais, que são abandonadas pelos militares apenas para serem retomadas pelos mujahideens. O governo do presidente Sheikh, que assumiu em maio do ano passado, após uma campanha eleitoral que priorizou a derrota do terrorismo e o lema “guerra total contra o al-Shabaab”, não conseguiu reverter a situação e as ações dos insurgentes se repetem.


Os militares tomam uma cidade, afastam os insurgentes e se retiram para continuar sua campanha militar, deixando pequenas guarnições que não podem resistir ao retorno dos mesmos mujahideens, que ocupam novamente as cidades, executam os militares que foram deixados para trás, roubam armas e veículos e, em um gesto de advertência para a população civil, assassinam aqueles que são suspeitos, ou não, de colaborar com as forças do governo central.


Os recentes “sucessos” do exército foram a retomada das aldeias de Ba'adweyne, Qay'ad, Shabelow e Qodqod, após uma pausa forçada após o ataque em 26 de agosto na aldeia de Cowsweyne, onde, segundo o al-Shabbab, cerca de 200 soldados do exército somali foram mortos. Isso não foi negado nem confirmado por Mogadíscio. Um comunicado da organização terrorista descreveu a operação como uma “vitória histórica”.


Diante da ação do sábado, a quantidade de mortos e feridos superou a capacidade dos centros hospitalares extremamente precários da região, e muitos dos feridos mais graves tiveram que ser transportados por via aérea para Mogadíscio. Enquanto continuava a operação de busca e resgate, com dezenas de pessoas presas sob os escombros do edifício atacado, o número de vítimas provavelmente aumentará nas próximas horas.



O governo do presidente Sheikh, que assumiu em maio do ano passado, após uma campanha eleitoral que priorizou a derrota do terrorismo e o lema "guerra total contra o al-Shabaab", não conseguiu reverter a situação e as ações dos insurgentes se repetem.


Amostra do alto nível operacional do al-Shabbab, além do ataque explosivo do sábado, na segunda-feira anterior, o grupo atacou um veículo militar que se deslocava na região sudoeste de Gedo, a 375 quilômetros do local do atentado de sábado. O veículo atingiu uma mina terrestre, resultando na morte de onze soldados e deixando outros quatro gravemente feridos, incluindo o comandante da 10ª brigada da 43ª Divisão do exército somali, Rashid Bohol.


Neste caso, o ataque foi reivindicado pelo al-Shabbab em um comunicado que também relatou que o veículo foi saqueado e totalmente destruído.


Independentemente da certeza dos números apresentados pelos insurgentes e pelo governo, o fato é que o al-Shabbab continua resistindo aos ataques das tropas regulares sem maiores dificuldades.


A despedida no pior momento


Dias antes do ataque ao posto de controle de Beledweyne, Mogadíscio e o Conselho de Segurança das Nações Unidas haviam solicitado à União Africana (UA) que adiasse a retirada gradual das quase 18 mil tropas da Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS).


De acordo com o planejado, cerca de três mil efetivos deveriam ser retirados até o final de setembro. Em junho, outros dois mil já haviam deixado o país, reduzindo a força para pouco mais de treze mil soldados estrangeiros.


A decisão da organização africana tem várias interpretações, e levará algum tempo para entender qual é a mais precisa. A retirada da Somália poderia repetir o que aconteceu em agosto de 2021 no Afeganistão, e ninguém, especialmente Washington, estaria disposto a enfrentar outro desastre, a menos que a vitória dos terroristas possa trazer algum benefício à Casa Branca. Sabemos que os caminhos do Sr. Biden às vezes são imprevisíveis.


Um possível desfile de mujahideens vitoriosos pelas ruas de Mogadíscio teria graves repercussões em uma vasta região da África, afetando os muitos interesses chineses no continente. Isso poderia afetar a Etiópia, que compartilha uma fronteira de 1600 quilômetros com a Somália, onde a China possui investimentos significativos em ferrovias, rodovias e infraestrutura, como a Grande Barragem do Renascimento Etíope. Essa situação também preocupa muito o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi, um aliado-chave dos Estados Unidos na região, devido à drástica diminuição do fluxo de água no Alto Nilo.


Uma vitória dos terroristas aumentaria a instabilidade na já conturbada região do Sahel, onde várias nações (Burkina Faso, Mali e Níger), aliadas indiretas da Rússia, estão travando uma guerra devastadora contra os grupos da al-Qaeda e do Estado Islâmico (Daesh). Recentemente, alguns setores dos movimentos tuareg independentistas também se uniram ao conflito em Mali.


Se a análise de que os Estados Unidos estão por trás da retirada das tropas africanas da Somália for correta, o atentado com caminhão-bomba de sábado pode ser visto como um grito desesperado do presidente Hassan Sheikh, que sabe que será impossível conter o al-Shabbab.


Fontes locais acreditam que a retirada das tropas da União Africana dará uma vantagem significativa aos wahabitas, não apenas na guerra, mas também na propaganda, para recrutar mais jovens para a luta.


Nesse contexto, a tão anunciada ofensiva do presidente Sheikh deve perder força, e devemos nos preparar para a tomada das antigas bases de operações da União Africana, que estão sendo transferidas para o controle do exército somali. Na semana anterior, Burundi entregou a base da cidade de Biyo Adde, no Médio Shabelle. Esta é a primeira das dez bases operacionais que a ATMIS transferirá para o Exército Nacional Somali nos próximos dias.


Para preencher o vazio deixado pela retirada da ATMIS, estima-se que a Somália precisará incorporar cerca de 55 mil homens, entre soldados, policiais federais e locais. Isso representa um verdadeiro desafio para o país, que carece de equipamentos, orientação no terreno, infraestrutura e, principalmente, treinamento para os novos recrutas.


Embora a Somália tenha programas de treinamento e assistência em segurança dos Estados Unidos, Turquia, União Europeia e Reino Unido, teme-se que esses programas terminem quando a retirada das tropas africanas for concluída.


As nações vizinhas da Somália, como Quênia, Etiópia e até Uganda, estabeleceram um plano no início de 2023 para fornecer tropas adicionais para ajudar o governo federal a combater os terroristas. No entanto, até o momento, esses compromissos não foram concretizados.


Nesse contexto, os Estados Unidos, que acabaram envolvendo a Somália, têm a intenção de evitar que o país e outras nações do continente mergulhem em uma nova crise, semelhante àquela vista no Afeganistão.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional



0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg