top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Vida na Guerrilha: unidade e determinação no conhecimento de si e do outro"



Todos os dias, os combatentes vermelhos filipinos enfrentam uma luta de vida ou morte. Para superar os desafios aqui, é importante que cada membro do Novo Exército Popular conheça a si mesmo e a seus companheiros de luta.


Dentro do Novo Exército Popular, uma grande unidade e determinação são forjadas. Avaliações regulares de suas atividades são realizadas, incluindo discussões de vida. Com isso, são identificados os avanços dos camaradas e aqueles que ainda precisam ser desenvolvidos para contribuir mais com a revolução. Os companheiros aprendem e se inspiram nas experiências uns dos outros. É esta tendência que forja a disciplina, a união e a forte determinação de lutar entre os combatentes do Novo Exército Popular-Samar Ocidental (Comando Arnulfo Ortiz).


Ka JI, quadro militar


O camarada JI demonstrou notável estabilidade e compromisso com a ação em suas mais de duas décadas de ação no exército. Ele começou a atuar durante o auge do Segundo Grande Movimento de Retificação na década de 90. Ele foi uma das pessoas talentosas que combateu a linha de direita do Partido do erro e da desorientação na ilha de Samar. Da classe camponesa, ele rapidamente se desenvolveu como um quadro e guerrilheiro do Partido. Liderou as obras de expansão que abriram novos campos na província. Ele foi capturado e preso pelo inimigo, mas permaneceu leal ao Partido e às massas, apesar da tortura física e mental. Após sua libertação, imediatamente voltou ao exército com uma postura mais forte.


“Se eu morrer, morra, mas enquanto eu viver continuarei a agir e revolucionar”, jurou Ka JI. Atualmente, é comandante de pelotão e quadro dirigente do Partido. Ele serve de exemplo para novos e mais jovens combatentes na manutenção da segurança, organização e propaganda das massas, e até mesmo no trabalho cultural.


Ka Isang, mãe guerreira


O camarada Isang sacrificou uma vida confortável e fácil quando se juntou ao Novo Exército Popular. De classe pequeno-burguesa, faltava apenas um ano para se formar na faculdade com o curso de Psicologia quando decidiu viver entre os camponeses do campo. Foi aí que se formou sua decisão de servir aos interesses da maioria e abandonar completamente a ambição por si mesmo. Em três décadas de atuação como guerreiro, Ka Isang enfrentou muitos sacrifícios e adversidades. Isso inclui ficar longe da família, longas caminhadas, ficar acordada até tarde e passar fome. Em vez de desânimo, tais sacrifícios a fortaleceram para dedicar totalmente sua habilidade, força e vida à revolução.


Um dos maiores sacrifícios que Ka Isang enfrentou foi ficar longe de seu filho para continuar cumprindo suas responsabilidades. Apesar disso, seu coração está cheio todos os dias porque seu filho é cuidado por seus pais que apoiam sua luta. Ela inspirou seu filho e outras crianças a garantir uma nova sociedade onde as mães não precisam ser separadas de seus filhos e onde haja verdadeira liberdade e democracia para todos.


Ka Niño, trabalhador guerrilheiro


Vindo de uma origem da classe trabalhadora, o camarada Niño estava acostumado a vários empregos desde tenra idade. Aos 12 anos, ele experimentou uma severa exploração na fábrica. Em troca de baixos salários, suportava trabalho árduo, mais de oito horas por dia e condições de trabalho perigosas. Devido à pobreza, houve um tempo em que foi empurrado ao caminho das drogas. Enquanto estava de férias na província para cultivar e fugir da agitação da vida da cidade, Ka Niño foi contatado pelo Novo Exército Popular, recebendo estudos iniciais sobre a sociedade filipina e a revolução que se tornou a base para todo o seu tempo como guerrilheiro.


“Se eu não soubesse o caminho da revolução, provavelmente estaria perdido para sempre, mas teria sido morto no tokhang”, disse Ka Niño. Entusiasmou-se com os estudos políticos e com o convívio com as massas e camaradas para melhor compreender a revolução. Aos 23 anos, assumiu responsabilidades como líder de esquadrão, guia político e médico. Embora haja uma influência do antigo cotidiano como a arrogância nas ações e na fala, com a constante renovação da forma e a ajuda dos camaradas, não prevaleceram as atitudes burguesas. A desenvoltura que aprendeu na vida da cidade o transformou em uma vantagem na execução de tarefas e na garantia do bem-estar das massas e camaradas.


Muitos dos combatentes da unidade de Ka JI, Ka Isang e Ka Niño são jovens da classe camponesa que sofrem com a falta de terra própria, salários baixos para trabalhar no campo, preços altos da copra e produtos derivados do arroz e falta de serviços sociais. Por isso, fica mais fácil para eles entenderem que seus direitos só podem ser conquistados promovendo juntos a luta armada. Alguns deles são líderes de organizações de massa e oficiais de barangay em seus respectivos bairros que, devido ao desejo de lutar pelos direitos e pela bondade de seus companheiros de bairro, foram assediados e violentados pelos militares fascistas.


Do Ang Bayan



  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg