top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Kivu do Norte, o rincão mais obscuro da África"



Algum deus terrível, a natureza ou possivelmente o diabo, têm sido extremamente pródigos com aquela geografia que hoje é conhecida como a República Democrática do Congo (RDC), a quem em troca de suas infinitas riquezas, cobre, cobalto, coltan, ouro, diamantes e um longo e exaustivo etecétera, eles também lhe deram devastação e morte de uma forma muito pródiga.


A trágica história da República Democrática do Congo, amplamente conhecida por ter sido sequestrada e transformada em campo de concentração, extermínio e pilhagem para benefício exclusivo do Rei dos Belgas, Leopoldo II, que de 1885 a 1908 massacrou 20 milhões de nativos das formas mais vis.


Talvez seja esse estigma, ao qual se seguiu um longo período colonial nas mãos de Bruxelas, que não foi menos cruel que o antigo monarca, continue até hoje com revoluções, golpes, guerras civis e ditaduras sempre alimentadas pelos interesses brutais dos poderes ocidentais, que ainda continuam a ceifar vidas diariamente com a mesma paixão do tempo de Leopoldo.


Não só a riqueza da de nativos, mas também a sua extensão, transformaram a segunda maior nação do continente num país ingovernável onde chegam saqueadores disfarçados de milicianos de diferentes fronteiras para continuar a despojá-la das suas riquezas por ordem e em nome dos governos vizinhos, potências transcontinentais ou empresas privadas listadas nos mercados mais prósperos do mundo.


Estima-se que no leste da República Democrática do Congo existam cerca de 130 grupos armados que se unem sob diferentes slogans políticos ou religiosos para ter cobertura para disputar com seus rivais, incluindo o Estado congolês, o controle das áreas onde estão localizadas as jazidas.


Embora por mais de 20 anos a realidade da República Democrática do Congo tenha sido a violência armada como seu principal vetor discordante, ao qual se soma a corrupção e os compromissos da classe dominante. Desde 2017, o conflito armado se concentra principalmente nas províncias de Ituri e nas de Kivu do Sul e Norte, no leste do país sob lei marcial desde maio de 2021 e governos militares, ao longo das fronteiras com Uganda, Ruanda, Burundi e A Tanzânia causou cerca de 18.000 mortos em cerca de 6.500 “incidentes” aos quais se devem acrescentar cerca de 700 mil refugiados, somando-se aos 5,5 milhões de deslocados de conflitos anteriores, tendo se tornado o terceiro maior número do mundo no ano passado.


Estes últimos números tornaram-se agora obsoletos depois de saber que nos últimos dias de novembro houve um novo massacre em Kishishe, vilarejo a 70 quilômetros de Goma, capital do Kivu do Norte, próximo à fronteira com Ruanda, onde pelo menos 270 moradores como resultado de um ataque de acordo com o governo realizado pelo grupo revivido 23 de março (M23), colocando em suspenso as poucas conquistas alcançadas nos Diálogos de Nairóbi (Quênia) entre o governo federal e cerca de 60 organizações armadas nas quais estavam ausentes dois dos as mais poderosas, as ADF (Forças Democráticas Aliadas) e a CODECO (Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo).


Bertrand Bisimwa, o líder do movimento, chamando-se presidente, desmentiu os números, especificando que houve apenas oito vítimas de balas perdidas durante o confronto perto de Kishishe e que o número de mortos foi aumentado pelo líder de uma milícia tribal de acordo com o Presidente Félix Tshisekedi para desacreditar o 23M e finalmente conseguir atrasar as eleições presidenciais e parlamentares marcadas para dezembro do próximo ano, para as quais um ano extremamente conflituoso aguarda a República Democrática do Congo onde as mortes e a violência voltarão a ser um argumento eleitoral.


Fuga e ressurreição


O Movimento 23 de Março fundado em 2012 por um grupo de soldados rebeldes congoleses da etnia tutsi , teve uma trajetória curta, mas ativa, a ponto de capturar a cidade de Goma, capital do Kivu do Norte, a mais populosa da região , com dois milhões de pessoas, de onde foram finalmente deslocados pelas tropas da MONUSCO (Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo).


Após quase oito anos de silêncio, o movimento ressurgiu em novembro do ano passado e em junho conseguiu tomar a cidade de Bunagana, na fronteira com Uganda, e posteriormente as cidades de Rutshuru e Kiwanja, ainda sob seu controle e por onde passaram a uma nova ofensiva em outubro. O grupo Bisimwa também atacou perto da cidade de Masisi, a oeste de Goma, e nos arredores de Bwiza, cerca de 40 quilômetros ao norte da capital provincial.


Segundo o Presidente Tshisekedi, com base num relatório confidencial da ONU de agosto passado, afirmando que Ruanda é quem financiou o reaparecimento do 23M, o que Kigali negou e até acusou Kinshasa de cumplicidade com as Forças Democráticas de Libertação de Ruanda (FDLR), um antigo grupo da etnia hutu, que usou a República Democrática do Congo como santuário após o genocídio tutsi em 1994 em Ruanda.


Para a opinião pública congolesa, a atual crise nas províncias orientais começou após o genocídio de Ruanda, quando milhares de hutus chegaram, fugindo de uma possível vingança, após a posse de Paul Kagame.


Neste contexto de violência, o país africano encontra-se completamente desprotegido, com um exército extremamente débil não só face às operações de 23M, como também contra grupos como o ADF, que opera mais a sul, grupo de origem ugandense que pelos seus interesses econômicos, acabou se convertendo ao fundamentalista wahhabi, próximo ao Daesh global e que cometeu inúmeros ataques nos últimos anos. Ou a força dos CODECO, milicianos da etnia Lendus, cujas origens foram uma cooperativa agrícola que se voltou para a violência armada nos anos 2000. Com características de seita, desenvolveu um rito animista-cristão sui generis concentrando suas ações em Ituri e também em Kivu do Norte.


Diante da inércia do exército e da MONUSCO, presente no país em 1999, as populações afetadas geraram um profundo repúdio às tropas das Nações Unidas, que, além de não terem conseguido controlar a violência, pesam sobre muitas de suas tropas com denúncias de abusos e violações contra a população civil, o que obrigou o Presidente Tshisekedi a exigir a sua retirada do país, em março último pediu à Comunidade da África Oriental (EAC) a criação de uma força conjunta de tropas regionais para combater as milícias no Leste da República Democrática do Congo.


A nova força militar africana seria composta por entre 6.500 e 12.000 homens do Burundi, Quénia, Sudão do Sul, Tanzânia e Uganda, dos quais Ruanda está especificamente excluído.


Destas tropas, 900 soldados quenianos já foram destacados e o Sudão do Sul prometeu enviar 750 soldados, além de dois batalhões de Uganda e outros dois do Burundi, cerca de um total de 4 mil homens.


Entretanto, continuam a chegar informações de intensos confrontos entre tropas das FARDC (Forças Armadas da República Democrática do Congo) e 23M milicianos, como os de domingo, 11, no Parque Virunga, quando os insurgentes atacaram posições do exército no quadro de uma ofensiva com a qual tentam atingir Saquê, 25 quilômetros a oeste de Goma.


No contexto da atual escalada de violência, muitos analistas consideram que as poucas possibilidades de mitigar a crise humanitária e impedir o aumento do conflito armado poderiam de alguma forma repetir, em menor escala, o genocídio ruandês de 1994 em que em poucos dias aproximadamente um milhão de tutsis ruandeses foram mortos por forças ruandesas hutus em uma operação na qual nem a França nem a Bélgica foram capazes de explicar, após quase 40 anos, seu verdadeiro papel no massacre.


Agora, mais uma vez, as duas etnias que estão em conflito há séculos e nada sabem sobre acordos de fronteira podem estar se aproximando de um novo massacre, já que os tutsis congoleses do 23M poderiam se vingar de seus irmãos ruandeses mortos em 1994 e ter centenas deles a poucos passos de milhares de hutus congoleses deslocados de suas áreas que vivem em vários campos ao redor de Goma.


A situação atual pode precipitar toda a África Central no caos, estendendo esse rincão obscuro da África até onde for possível.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg