top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Nigéria: a última guerra antes do Fim do Mundo"



A última guerra, antes do fim do mundo, já se trava há pelo menos dez anos em Kaduna, estado do noroeste da Nigéria, entre a etnia majoritariamente muçulmana e os pastores essencialmente conhecidos como Fulani, que lutam contra os agricultores cristãos. Um conflito ancestral, que a crise climática e a guerra na Ucrânia agravaram de forma extrema.


Por outro lado, exibindo a sua natural ineficiência, as Nações Unidas ignoram os insistentes pedidos de colaboração, para chegar a uma solução, antes que a situação saia do controle.


Este conflito, que já custou a vida a mais de 8 mil pessoas, entre 2011 e 2020 e obrigou outras 200 mil a abandonar tudo em busca de segurança, reproduz-se ou encontra-se em estado de latência, em países como Níger, Camarões, Chade, Mali e Senegal, onde os episódios de violência entre agricultores e pastores estão se tornando mais intensos.


A etnia Fulani, instalada em 14 países do continente, durante séculos nômade, com suas milhares de cabeças de gado, ignorando as fronteiras traçadas pelo colonialismo, em busca de pastos e água. O que faz com que os confrontos com os fazendeiros se reproduzam temporada após temporada, gerando dezenas de mortes de ambos os lados.


Particularmente na Nigéria, onde esse problema tem assumido características cada vez mais graves, as estatísticas de mortes causadas por esse conflito deixaram de ser conhecidas, de 2020 até hoje.


Pelo que se pode supor, acrescentando a informação de novos episódios que falam de ataques a igrejas e mesquitas, aldeias, cristãos e acampamentos Fulani, as mortes, produzidas entre um lado e outro, continuam a ser elevadas, para além do acobertamento dos dados oficiais.


Enquanto a crise climática aumenta e o aumento assustador da desertificação se expande pela faixa que vai do Mar Vermelho ao Oceano Atlântico, que separa o Saara dos países subsaarianos, os Fulani são obrigados a conduzir seus rebanhos para o sul, para a Nigéria. Cruzando as fronteiras sem problemas, chegando até Kaduna e outros estados, como Benue, na região central, onde os ataques são tão frequentes quanto em Kaduna; Plateau, no centro oeste, Lagos, no sudoeste, Rivers, no sul, Borno no nordeste, onde esses milhares de animais chegam para atacar as lavouras, tem gerado mais confrontos pelo caminho.


Segundo vários relatos, vários grupos armados, incluindo grupos de autodefesa, gangues criminosas comuns e mujahideens, operam ao lado dos Fulani, que, além de destruir plantações e aldeias, sequestram, saqueiam e roubam gado.


Perante este conflito, que não se limita apenas ao estado de Kaduna, o exército nigeriano, dedicado quase exclusivamente à luta contra os fundamentalistas Khatibas, não consegue conquistar confiança e tranquilidade nas comunidades mistas de cristãos e muçulmanos que coexistiram durante séculos em harmonia.


Milhares de deslocados, devido à violência, ainda não retornaram às suas terras, dada a falta de segurança das autoridades governamentais, tanto nacionais quanto estaduais, a que se soma a ineficácia de organismos internacionais, inclusive das Nações Unidas, que estão desconhecem a situação e nem sequer prestam atenção aos relatórios elaborados por suas próprias equipes de relatores especiais que, desde o mesmo território, há anos alertam sobre a gravidade da crise, depois de analisarem e tomarem conhecimento da situação, depois de se reunir com autoridades estaduais, organizações civis e líderes comunitários.


Enquanto o governo do presidente Muhammadu Buhari, muito enfraquecido, não por estar nos últimos meses de seu último ano de mandato, mas também pelo fracasso de suas políticas antiterroristas, está praticamente inerte.


Portanto, os mais de 211 milhões de nigerianos, para encontrar uma solução, terão que esperar pelas eleições presidenciais de fevereiro próximo, nas quais Buhari não poderá participar porque já tem dois mandatos consecutivos, sem contar o governo militar que presidiu, transcorrido entre 1983 e 1985. Que o novo governo possa intervir, contundentemente, na longa lista de conflitos que o país se arrasta onde participam as cada vez mais violentas e numerosas organizações criminosas, que se dedicam, dependendo da área: a sequestros em massa; pirataria no Golfo da Guiné; pilhagem de oleodutos no Delta do Rio Níger; narcotráfico, contrabando de armas, ouro, madeiras nobres, tráfico de pessoas.


Mujahideens e bandidos, uma via de mão dupla


Algumas destas organizações associaram-se, em operações pontuais, aos três grupos de rigor que, desde o aparecimento do Boko Haram em 2009 e depois da sua separação, em 2015, ISWAP e o Ansaru ou “Vanguarda para a Proteção dos Muçulmanos em África Negra”, geraram uma cifra que supera em muito as 50 mil mortes e causaram milhões de deslocados.


Os embates ético-religiosos iniciados em 2011, durante o governo do presidente cristão evangélico Goodluck Jonathan (2010-2015), foram a resposta dos cristãos para preservar suas terras ancestrais da invasão religiosa e étnica dos muçulmanos, em muitos casos nômades, incentivado pelas autoridades da época.


A demissão do presidente Goodluck Jonathan desencadeou o conflito, que em poucos dias produziu quase 700 mortos em Kaduna e o mesmo nos onze estados do norte do país de maioria islâmica.


A esses ataques, a resposta dos muçulmanos foi massacrar os cristãos, saquear suas lojas e incendiar suas igrejas. Ao que correspondeu outra resposta letal dos cristãos de Kaduna, que assassinaram outros 500 muçulmanos em horas.

Diante da magnitude do conflito, muitos campos de cultivo deixaram de ser trabalhados, aumentando a crítica situação alimentar na Nigéria, que segundo um especialista pode piorar ainda mais, devido ao aumento dos preços que contribuem para a situação na Ucrânia, e a escassez causada pelas mudanças climáticas.


Tentando evitar novos desdobramentos, o exército iniciou operações no estado de Kaduna, conseguindo eliminar Kachalla Gudau, principal chefão do crime organizado, junto com um de seus auxiliares mais próximos, conhecido pelo pseudônimo Rigimamme, no último 20 de novembro, em Kankomi ao sul da cidade de Kaduna, a capital do estado.


Gudau, foi um dos estrategistas dos ataques coordenados contra os acampamentos de pastores, de quem apreendeu grande quantidade de animais, pelo que se acredita ter se tornado um dos grandes pecuaristas da região. Além de manter negócios com tráfico de drogas e armas. Só na primeira metade do ano, Gudau e seus associados roubaram cerca de 5 mil vacas.


Enquanto a morte de Gudau, seu segundo no comando, foi confirmada, soube-se que durante uma operação aérea o exército destruiu dez acampamentos criminosos no estado de Kaduna, neutralizando um número significativo de criminosos e vários de seus chefes. No que parece ser o último impulso de Buhari para controlar, de alguma forma, o transbordamento que o país vive entre o crime comum e o terrorismo takfrirista que parecem circular em uma via de mão dupla, já que em muitas ocasiões suas operações parecem ser ataques conjuntos , como o assalto ao trem Abuja-Kaduna em abril passado ou o sequestro de centenas de alunos em várias escolas do nordeste do país.


No dia 18 de novembro, um grupo de bandidos sequestrou cerca de 40 pessoas na cidade de Kanwa, estado de Zamfara, no oeste do país. A maioria dos sequestrados são crianças e mulheres. Após a ação, não há notícias dos sequestrados ou dos bandidos, embora as autoridades acreditem que ele reapareça em breve para discutir os termos dos resgates.


Em Kaduna, disputa-se uma das guerras mais antigas da humanidade: camponeses contra pastores, lutando, como desde o início dos tempos, por um bem cada vez mais escasso: a terra produtiva. Portanto, ainda é paradoxal em um contexto onde as armas de última geração e as mudanças climáticas podem fazer desta antiga batalha a última guerra antes, do que parece estar pronto para o fim do mundo.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg