top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Socialismo e Nacionalismo irlandês"



A vida pública da Irlanda tem sido geralmente tão identificada com a luta pela emancipação política que, naturalmente, o lado econômico da situação recebeu apenas uma atenção muito pequena de nossos historiadores e homens públicos.


O Socialismo Científico é baseado na verdade incorporada nesta proposição de Karl Marx, que, “a dependência econômica dos trabalhadores perante os monopolistas dos meios de produção é o fundamento da escravidão em todas as suas formas, a causa de quase toda a miséria social, crime moderno, degradação mental e dependência política”. Assim, este falso exagero de formas puramente políticas que vestiu na Irlanda a luta pela liberdade deve parecer ao socialista um erro inexplicável por parte de um povo tão fortemente oprimido como o irlandês.


Mas o erro está mais na aparência do que na realidade.


Apesar da atitude reacionária de nossos líderes políticos, a grande massa do povo irlandês sabe muito bem que, se alguma vez tivesse conquistado aquela liberdade política pela qual lutam com tanto ardor, esta deveria ser usada como um meio de redenção social antes seu bem-estar estaria assegurado.


Apesar do exagero ocasional de seus resultados imediatos, deve-se lembrar que, lutando com determinação, como fizeram, em direção a esse fim político definido, os irlandeses estão trabalhando nas linhas de conduta estabelecidas pelo socialismo moderno como condição indispensável para o sucesso.


Desde o abandono do infeliz insurrecionismo dos primeiros socialistas, cujas esperanças se concentravam exclusivamente no triunfo final de uma insurreição e de uma luta de barricadas, o socialismo moderno, contando com o método mais lento, porém mais seguro das urnas, tem dirigido a atenção de seus partidários para a conquista pacífica das forças do governo no interesse do ideal revolucionário.


O advento do socialismo só pode ocorrer quando o proletariado revolucionário, de posse das forças organizadas da nação (o poder político do governo), for capaz de construir uma organização social em conformidade com a marcha natural do desenvolvimento industrial.


Por outro lado, o esforço cooperativo apolítico deve sucumbir infalivelmente diante da oposição das classes privilegiadas, entrincheiradas atrás das muralhas da lei e do monopólio. É por isso que, mesmo quando do ponto de vista econômico é intensamente conservador, o Nacionalista Irlandês, mesmo com seu falso raciocínio, é um agente ativo na regeneração social, na medida em que busca investir com pleno poder sobre seus próprios destinos um povo realmente governado no interesse de uma aristocracia feudal.


A seção do exército socialista a que pertenço, o Partido Socialista Republicano Irlandês, nunca procura esconder sua hostilidade aos partidos puramente burgueses que atualmente dirigem a política irlandesa.


Mas, inscrevendo em nossas bandeiras um ideal ao qual também rendem homenagem labial, não temos intenção de nos unir a um movimento que possa rebaixar a bandeira do socialismo revolucionário.


Os partidos socialistas da França se opõem aos meros republicanos sem deixar de amar a República. Da mesma forma, o Partido Socialista Republicano Irlandês busca a independência da nação, embora se recuse a se conformar aos métodos ou a empregar os argumentos do nacionalista chauvinista.


Como socialistas, não estamos imbuídos de ódio nacional ou racial pela lembrança de que a ordem política e social sob a qual vivemos foi imposta a nossos pais na ponta da espada; que durante 700 anos a Irlanda resistiu a esta injusta dominação estrangeira; que a fome, a pestilência e o mau governo tornaram esta ilha ocidental quase um deserto e espalharam nossos compatriotas exilados por toda a face do globo.


A enunciação de fatos como os que acabo de expor não é capaz hoje de inspirar ou direcionar as energias políticas da classe operária militante da Irlanda; esse não é o fundamento de nossa determinação de libertar a Irlanda do jugo do Império Britânico. Reconhecemos antes que durante todos esses séculos a grande massa do povo britânico não teve qualquer existência política; que a Inglaterra era política e socialmente aterrorizada por uma classe governante numericamente pequena; que as atrocidades perpetradas contra a Irlanda são apenas imputáveis ​​à ambição inescrupulosa dessa classe, ávida de enriquecer à custa de homens indefesos; que até a presente geração foi negado à grande maioria do povo inglês uma voz deliberada no governo de seu próprio país; que é, portanto, manifestamente injusto acusar o povo inglês de crimes passados ​​de seu governo; e que, na pior das hipóteses, podemos apenas acusá-los de uma apatia criminosa por se submeterem à escravidão e permitirem que se tornem um instrumento de coerção para a escravização de outros. Uma acusação tão aplicável ao presente quanto ao passado.


Mas enquanto nos recusamos a basear nossa ação política na antipatia nacional hereditária, e desejamos mais camaradagem com os trabalhadores ingleses do que olhá-los com ódio, desejamos com nossos precursores, os Irlandeses Unidos de 1798, que nossas animosidades sejam enterradas com os ossos de nossos ancestrais – não há partido na Irlanda que acentue mais como princípio vital de sua fé política a necessidade de separar a Irlanda da Inglaterra e de torná-la absolutamente independente. Aos olhos do ignorante e do irrefletido, isso parece uma incoerência, mas estou convencido de que nossos irmãos socialistas na França reconhecerão imediatamente a justiça do raciocínio em que tal política se baseia.


1) Defendemos que “a emancipação econômica do trabalhador requer a conversão dos meios de produção em propriedade comum da Sociedade”. Traduzido para a linguagem corrente e prática da política atual, ensina que o caminho necessário a ser percorrido para o estabelecimento do Socialismo passa pela transferência dos meios de produção das mãos dos proprietários privados para as dos órgãos públicos diretamente responsáveis ​​perante toda a comunidade.


2) O socialismo busca então no interesse da democracia fortalecer a ação popular em todos os órgãos públicos.


3) Os órgãos representativos na Irlanda expressariam mais diretamente a vontade do povo irlandês do que quando esses órgãos residissem na Inglaterra.


Uma república irlandesa seria então o depositário natural do poder popular; a arma da emancipação popular, o único poder que mostraria à luz do dia todos esses antagonismos de classe e linhas de demarcação econômica agora obscurecidas pelas brumas do patriotismo burguês.


Nisso não há um traço de chauvinismo. Desejamos manter com o povo inglês as mesmas relações políticas que temos com o povo da França, ou da Alemanha, ou de qualquer outro país; a maior amizade possível, mas também a mais estrita independência. Irmãos, mas não companheiros de cama. Assim, inspirado por outro ideal, conduzido pela razão e não pela tradição, seguindo um rumo diferente, o Partido Republicano Socialista da Irlanda chega à mesma conclusão do mais irreconciliável Nacionalista. O poder governamental da Inglaterra sobre nós deve ser destruído; os laços que nos ligam a ela devem ser quebrados. Tendo aprendido com a história que todos os movimentos burgueses terminam em compromisso, que os revolucionários burgueses de hoje se tornam os conservadores de amanhã, os socialistas irlandeses se recusam a negar ou perder sua identidade com aqueles que entendem apenas metade do problema da liberdade. Eles buscam apenas a aliança e a amizade daqueles corações que, amando a liberdade por si mesma, não têm medo de seguir sua bandeira quando é erguida pelas mãos da classe trabalhadora que mais dela precisa. Seus amigos são aqueles que não hesitariam em seguir esse padrão de liberdade, em consagrar suas vidas a seu serviço, mesmo que isso levasse ao terrível arbítrio da espada.


Por James Connolly, no L'Irlande Libre, Paris 1897.


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg