banner VII Salao do Livro Político.gif
  • NOVACULTURA.info

"A Ascensão do Fascismo, novamente"



Pode o fascismo voltar a ser uma ameaça massiva para as pessoas do mundo como foi no século passado?


Sabemos pela história, pela experiência humana nas décadas de 30 e 40, que o fascismo chegou ao poder em vários países e exerceu o terrorismo de Estado contra seus povos e os povos do mundo.


O fascismo assassinou, mutilou e torturou qualquer povo que se opusesse ao seu governo. Sejam comunistas, sociais-democratas, intelectuais, judeus e cristãos e outros religiosos e independentes. Isto foi especialmente verdade na Alemanha, Itália, Espanha e alguns outros países.


Somente após o sofrimento terrível e inaceitável de milhões e milhões de pessoas em todo o mundo. Somente após as experiências de guerra mais horríveis para a população do mundo. Só depois disso, o fascismo foi derrotado.


A história ensina que a União Soviética socialista e o movimento comunista em todo o mundo foram o principal baluarte na luta contra o fascismo e a guerra. A URSS perdeu 26 milhões de soviéticos no processo de defender a sua pátria e derrotar o fascismo globalmente. Mais de 50 milhões de pessoas de 70 países perderam a vida e 35 milhões ficaram permanentemente incapacitadas. O fascismo espalhou morte e destruição em uma extensão nunca antes experimentada.


A história também ensina, que os povos do mundo, na construção de uma frente unida dos povos contra a guerra e o fascismo. finalmente derrotou os açougueiros fascistas do século XX.


O fascismo e tal impacto global podem ocorrer novamente?


Sim, poderia, e será, se as amargas lições do passado não forem estudadas, compreendidas e postas em prática.


O imperialismo, o capitalismo monopolista, usa o fascismo e o governo fascista como sua forma alternativa de governo, sob certas condições e em certas circunstâncias.


Sabemos pela história e eventos atuais que o seguinte também é verdade.


Que as tendências fascistas e os germes de um movimento fascista estão crescendo e se espalhando em algumas partes do mundo hoje. Isso ocorre à medida que a crise capitalista cresce em todo o mundo. A crise capitalista cria desemprego em massa e resulta em ataques aos salários e condições da classe trabalhadora e testemunha um crescimento dramático da dívida, inflação e superprodução.


A classe capitalista tenta empurrar o fardo da crise para os ombros da classe trabalhadora, camponeses e outros trabalhadores. Isso inclui buscar mais mercados, mais recursos e mais mão de obra barata do Terceiro Mundo. À medida que cresce a luta da classe trabalhadora, camponeses e outros trabalhadores contra os ataques às suas condições de vida e de trabalho, os capitalistas se voltam cada vez mais para os métodos fascistas e o fascismo, para proteger sua busca pelo lucro máximo, tentando suprimir qualquer luta de resistência.


Também testemunhamos um impulso para uma agressão e guerra mais ampla por parte do imperialismo, para tentar interromper a luta pela democracia, independência e libertação que está ocorrendo no Terceiro Mundo e, em segundo lugar, para derrotar seus rivais imperialistas que competem por mercados, recursos, mão de obra barata e esferas de influência.


Hoje, ainda, não há muitos países onde o capitalismo monopolista optou pelo fascismo no poder, por um governo abertamente fascista. Sabemos que há muitos países onde o capitalismo monopolista optou e opta cada vez mais por métodos fascistas, medidas fascistas e brutalidade fascista, para oprimir ou preparar-se para oprimir a resistência do povo.


A série de atividades antifascistas da ILPS ao longo deste ano de 2022 estão destacando muitas das áreas do mundo onde isso está ocorrendo. Os capitalistas monopolistas, os imperialistas, ainda não optaram por colocar o fascismo no poder nos grandes países capitalistas, mas estão amadurecendo as condições para que isso se torne realidade. Nós só precisamos pensar nos eventos que cercam o ataque de Trump às eleições parlamentares nos EUA Não há dúvida, é claro, de que o fascismo, a brutalidade fascista e os métodos fascistas estão em ascensão em todo o mundo.


Isso é verdade em algumas das neocolônias dominadas pelo imperialismo (por exemplo, Colômbia, Filipinas, Israel na Palestina e similares), em alguns países que têm uma pretensão de democracia burguesa e um sistema parlamentarista (por exemplo, Turquia e Índia), e nas chamadas democracias parlamentares das bases do imperialismo, como os EUA, Canadá, Austrália, Alemanha, etc., onde a opressão fascista estão, em alguns casos, sendo transformados em leis e regulamentos, para serem usados no futuro próximo ou de fato já sendo aplicados atualmente.


O fascismo e os métodos fascistas se desenvolvem à medida que a crise do capitalismo global piora e cada vez mais a classe operária e outros trabalhadores exigem mudanças e se mobilizam para defender seus padrões de vida, direitos básicos e meio ambiente, que estão constantemente ameaçados.


Grupos fascistas, opressão fascista e métodos fascistas, pelo Estado, são usados ​​para oprimir os operários e outros trabalhadores da resistência e, eventualmente, governos fascistas são instalados no poder para usar o terror e a opressão contra o povo de forma concentrada em todos os setores, para tentar garantir que o imperialismo continue a governar nas sombras tanto em casa como em suas neocolônias.


Nosso estudo da história também nos ensina que o fascismo no poder é a ditadura terrorista aberta dos elementos mais reacionários, mais chauvinistas e mais imperialistas do capital financeiro.


O fascismo alemão foi descrito em 1935 por um famoso lutador e campeão antifascista, Giorgi Dimitrov. “O fascismo de Hitler – disse ele – não é apenas nacionalismo burguês, é o chauvinismo bestial. É um sistema governamental de banditismo político, um sistema de provocação e tortura praticado contra a classe trabalhadora e os elementos revolucionários do campesinato, da pequena burguesia e da intelectualidade. É a barbárie e a bestialidade medievais. É uma agressão desenfreada em relação a outras nações e países”.


Dimitrov continuou dizendo que “o fascismo alemão está agindo como a ponta de lança da contrarrevolução internacional, como o principal incendiário da guerra imperialista e o iniciador de uma cruzada contra a União Soviética, a Grande Pátria dos Trabalhadores de todo o mundo”.


O fascismo alemão nas décadas de 30 e 40 se autodenominou “nacional socialista”, na tentativa de se estabelecer como um defensor do povo e tentar enganá-lo sobre sua verdadeira natureza de classe. Claro, não tinha nada em comum com o socialismo. Era o fantoche do capital financeiro reacionário. Era capital financeiro.


A história nos diz que as autoridades dominantes nos países capitalistas monopolistas não colocam o fascismo no poder em seus países rapidamente e sem aviso prévio.


Dadas as divisões nos círculos dominantes e sua necessidade de se preparar para seu próprio governo terrorista, geralmente há muitos passos para o fascismo ao longo de um período de tempo. Para o capitalismo, a maneira mais eficaz de continuar sua busca pelo lucro máximo é fazê-lo por trás da fachada da chamada democracia parlamentar. A fachada do direito ao voto. Fazendo isso por trás dos benefícios da chamada democracia liberal.


Seus passos em direção ao fascismo no poder são dados ao longo do tempo, devido aos perigos do fascismo no poder expor mais facilmente a real natureza de classe de seu sistema e, portanto, criar uma situação revolucionária em seu país ainda mais rapidamente. Assim, são aprovadas leis e regulamentos que oprimem ou são projetados para oprimir, direitos democráticos e humanos, atacam organizações de trabalhadores e organizações de outras pessoas, atacam direitos, salários e padrões de vida, atacam o direito de protesto e greve e assim por diante.


A história do fascismo e sua eventual ascensão ao poder nos ensina que é um grave erro não organizar a luta e mobilizar-se contra todo ataque aos direitos democráticos e humanos. Lutar contra os ataques aos direitos dos trabalhadores e a deterioração das condições de vida. Unir-se e mobilizar o povo. Lutar contra cada passo antidemocrático ao longo do caminho, resistir a cada desenvolvimento antes que o fascismo se torne eficaz e mais difícil de derrotar.


Repito, o fascismo nasce do imperialismo e do capitalismo monopolista. Ele é posto em prática pelo capitalismo quando sente a necessidade de proteger seu domínio, proteger sua dominação, proteger sua busca por lucros máximos.


Somente a força poderosa de milhões e milhões da classe operária e outros trabalhadores, o povo em geral lutando pela democracia, pela paz contra a guerra imperialista, pelos direitos humanos, pela liberdade, pode derrotar o fascismo, como fez nas décadas de 30 e 40.


Devemos estabelecer o objetivo de trazer mais organizações populares para a ILPS, ou trabalhar em conjunto com essas organizações, para se opor à guerra e agressão imperialista, e opor-se ao crescimento do uso de medidas de tipo fascista contra o povo, contra a classe trabalhadora e outros trabalhadores.


Devemos construir uma compreensão do fascismo e seu uso contra o povo pelo capitalismo monopolista, pelo imperialismo. Devemos construir progressivamente um movimento de milhões e milhões de pessoas que prezam a paz sobre a guerra, que prezam a democracia sobre a opressão, que querem a libertação sobre a escravidão.


Devemos nos mobilizar contra cada passo que os estados capitalistas e/ou feudais dão em direção ao fascismo. Os ataques aos direitos dos trabalhadores, os ataques às terras dos camponeses e agricultores, o constante enfraquecimento dos padrões de vida da classe operária e outros trabalhadores, as restrições aos direitos e liberdades de voto, o constante impulso para a agressão e a guerra pelo lucro pelo imperialismo. Devemos construir um poderoso movimento popular para bloquear o fascismo e mudar o mundo.


A tarefa diante de nós é muito bem definida pelo famoso lutador antifascista Girogy Dimitrov. Em 1935 ele disse: “Devemos nos esforçar para estabelecer a frente única mais ampla com o auxílio da ação conjunta de organizações operárias de diferentes tendências, para a defesa dos interesses vitais das massas trabalhadoras”. Isso significa” – continua Dimitrov – primeiro, a luta conjunta realmente para transferir o fardo das consequências da crise para os ombros das classes dominantes, os ombros dos capitalistas e latifundiários – em uma palavra, para os ombros dos ricos. Em segundo lugar, lutas conjuntas contra todas as formas de ofensiva fascista, em defesa das conquistas e dos direitos dos trabalhadores, contra a liquidação das liberdades democráticas burguesas. Terceiro, luta conjunta contra o perigo que se aproxima da guerra imperialista, uma luta que impedirá os preparativos para tal guerra”.


Vamos inscrever em nossas bandeiras.” O fascismo não passará”.


Obrigado.


Len Cooper, presidente da Liga Internacional da Luta dos Povos (ILPS)


maio de 2022