top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Nigéria, a metáfora africana perfeita"



Enquanto a histeria ocidental não para de clamar à Rússia por suas ações na Ucrânia, abertamente e sem a menor hesitação dos centros de poder da OTAN, novos carregamentos de armas são anunciados para as turbas fascistas de Volodymyr Zelensky com a única intenção de prolongar uma guerra praticamente terminou com o resultado óbvio desde o início da contra-ofensiva: a vitória russa. Não sobre o povo ucraniano, mas sobre seu presidente que, cavalgando nas promessas da União Europeia e da OTAN, e a mais fenomenal aliança política, militar e midiática que tenta e continuará tentando destruir a Rússia por qualquer meio para que os Estados Unidos continuam a decretar livremente sobre o sagrado e o profano em todo o mundo.


Enquanto isso acontece, as mesmas políticas de especulação e mentira que são aplicadas na Ucrânia continuam a causar mais mortes em todas as partes do mundo onde Washington tem interesses, por mais insignificantes que sejam, e ainda mais se puderem prejudicar as políticas de seus inimigos rivais, chamem-se Rússia, China, Irã, Coréia do Norte, Cuba, Nicarágua ou Venezuela.


Durante décadas, o Ocidente transformou o Oriente Médio no epítome da instabilidade, com conflitos armados que parecem ter durado para sempre: Palestina, Iraque, Síria e Iêmen. Mais uma vez, o Pentágono parece ter um novo plano para a Ásia Central, região onde, após 20 anos de guerra, não deixou amigos. Depois de ter conseguido deslocar o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan, após um golpe sob o pretexto de constitucionalismo, ele agora começa lentamente a iluminar a fronteira com o Afeganistão.


Essas mesmas políticas aplicadas à África, onde China e Rússia coincidentemente têm importantes interesses estratégicos e econômicos, colocaram o continente sob fogo constante de grupos associados ao Daesh e à Al-Qaeda, que desde o martírio do coronel Kadafi em outubro de 2011 não pararam de crescer em volume de fogo e se espalhando em uma geografia que já vai do Atlântico ao Oceano Índico e do Magrebe às profundezas da África Subsaariana, que não só causou os massacres subsequentes, o deslocamento de milhões de pessoas, seguido de epidemias e fomes, mas também guerras civis como na Etiópia, na República Centro-Africana e no Sudão do Sul, uma nova onda de golpes de estado: Sudão, Mali, Burkina Faso e Guiné, embora Chade também possa ser adicionado a essa lista, onde após a morte do ditador Idriss Déby, seu filho general Mahamat Déby fechou o Parlamento, anulou a constituição ditada por seu pai e assumiu o governo com a aprovação da França e de todos os seus aliados. O que não provocou nenhum protesto, nenhuma campanha midiática e muito menos uma sanção mínima ao seu verdadeiro responsável: o poder colonial que nunca se retirou, nem permitiu o desenvolvimento de suas ex-colônias.


No quadro da eterna tragédia africana, a Nigéria, país mais populoso do continente com 206 milhões de habitantes e um norte muçulmano e um sul cristão e animista, é uma das nações mais afetadas pelos elementos que são moeda corrente em todo o continente e poderia ser simplificado em três: corrupção crônica, delinquência comum e terrorismo extremista.


Talvez o grupo Boko Haram seja uma das gangues terroristas mais famosas do universo fundamentalista em todo o mundo por golpes espetaculares como o sequestro de 276 alunas de uma escola em Chibok em abril de 2014. Embora sua lista de crimes, que não parou crescendo desde 2009, é tão extensa quanto sangrenta, na qual abundam ações muito mais tremendas do que aquela que lhe deu fama mundial.


O grupo atingiu o auge de sua história guiado pelo alucinado Abubakar Shekau, finalmente morto em maio de 2021 em um confronto com seus ex-irmãos do Willat da África Ocidental do Estado Islâmico (ISWAP), que se separou em 2015.


Desde o desaparecimento do Shekau e da presença cada vez mais importante do ISWAP e, em menor grau, de outra das divisões, Ansaru ou Vanguarda para a Proteção dos Muçulmanos nas Terras Negras, o Boko Haram entrou em um fase de sombras, embora a letalidade do suas ações não diminuíram, por isso acredita-se que a organização esteja em processo de reformulação, tendo passado de lutar por uma falsa jihad para simplesmente converter-se ao banditismo, um tipo de crime com numerosos antecedentes na Nigéria, que nos últimos anos segundo investigações dos Estados Unidos: “As gangues criminosas na Nigéria alcançaram tal capacidade que não precisarão mais da colaboração de grupos fundamentalistas para levar grandes operações”.


Por isso, as três organizações terroristas que nasceram e se desenvolveram no nordeste do país estão tentando se expandir para o noroeste, onde historicamente atuam quadrilhas criminosas comuns e com algumas delas já montaram uma imitação de uma Joint Venture, cuja primeira operação teria sido o sequestro de 300 internos de uma escola em Kankara, cidade do estado de Katsina, no Nordeste, em dezembro de 2020. Esses tipos de quadrilhas não são articulados em blocos e muito menos têm comando central, no caso de Kankara Shekau teria agendado o sequestro e subsequentes resgates com Auwalun Daudawa, um dos mais destacados líderes das quadrilhas do nordeste do país, que seria assassinado, em acerto de contas entre criminosos, no final de abril passado ano.


Embora tanto Shekau quanto Daudawa estejam mortos, acredita-se que ambas as organizações tenham planejado algo semelhante a Kankara em um evento sem precedentes na história violenta da Nigéria, o roubo de trem da Nigeria Railway Corporation (NRC) no último dia 28 de março, à noite. O comboio, que seguia da capital do país, Abuja, para Kaduna, capital do estado homónimo no noroeste da Nigéria, numa viagem de pouco menos de 200 quilômetros que é percorrido em quase quatro horas, foi atacado por um grupo de 100 homens que se mobilizavam em motocicletas, como costumam fazer as gangues fundamentalistas da África Ocidental, moda à qual o grupo, nos tempos do Emir Shekau, rapidamente se adaptou.


Antes do ataque, as cargas explosivas colocadas nos trilhos, no alto da cidade de Katari, a 88 quilômetros de Abuja, teriam causado sérios danos à formação, que teve que parar para ser rapidamente assaltada, onde uma série de mortes cujo número não foi determinado exatamente, algumas fontes falam de 8, outras de 11, principalmente pessoal de manutenção e segurança. O número que foi ainda é muito baixo considerando a virulência da operação e que mais de 700 pessoas estavam viajando no trem. Quase um mês após o evento, nenhuma das organizações que operam na região do Boko Haram, ISWAP ou Ansaru, inimigos jurados, reivindicou a responsabilidade pelo ataque.


Reconversão ou estratégia?


Embora o assalto ao trem seja uma novidade, foi uma consequência quase lógica dos criminosos, já que o tráfego rodoviário entre as duas cidades diminuiu em antecipação aos constantes assaltos de grupos armados, qualquer que seja sua origem. Já que os ataques não se reduzem apenas ao roubo de viajantes, mas também a sequestros pelos quais são pagos resgates significativos posteriores. De acordo com uma investigação realizada por uma consultoria sediada em Lagos, antiga capital da Nigéria, estima-se que entre 2011 e 2020, as libertações tenham sido pagas em 18,34 milhões de dólares. Crime que nestes últimos dois anos tem vindo a crescer constantemente, pelo que o número total pode ser substancialmente superior.


Diante dessa realidade, o presidente Muhammadu Buhari inaugurou a linha Abuja-Kaduna, financiada pela China, em julho de 2016. O estado de Kaduna é um importante centro industrial e administrativo, o que lhe confere relevância estratégica e econômica, pois não é apenas uma porta de entrada para o norte do país, fundamentalmente muçulmana, mas também um centro de treinamento militar e planejamento de segurança. todo o país, por isso possui vários aeroportos, bases militares e terminais ferroviários.


Nos dias imediatamente seguintes ao atentado, 26 passageiros foram oficialmente dados como desaparecidos, informação que apareceu dias depois eleva o número para cem, número novamente retificado na semana passada onde já se fala de 168 desaparecidos com a presunção de que mais uma vez foi um trabalho entre o Boko Haram junto a criminosos locais, principalmente da etnia Fulan I , confrontados com o governo central pela falta de atenção às suas demandas e pela preponderância dada aos Hausas, o maior grupo étnico do país.


Os ataques wahabitas também continuam inabaláveis ​​e há ataques constantes contra unidades militares e civis. Um dos mais importantes ocorreu na passada quinta-feira num mercado do estado de Taraba, onde o ISWAP, em represália à venda de álcool, detonou uma série de explosivos, que provocaram, entre mortos e feridos, cerca de 30 vítimas.


A que se somam mais 100 mortes após a explosão de um depósito clandestino de petróleo bruto no delta do rio Níger, onde apesar da extraordinária riqueza que esta região detém, explorada por empresas estrangeiras, grande parte da população deve recorrer ao roubo e à venda ilegal refino de petróleo bruto para sobreviver. Uma metáfora perfeita para a história africana.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg