top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Exército Popular Revolucionário da Coreia, primeira força armada revolucionária coreana"



No início do século XX, a nação coreana estava em um destino de escravidão colonial sob a ocupação militar do imperialismo japonês (1905-1945). Os agressores proclamaram que os coreanos devem obedecer à lei japonesa ou morrer. Naquele período em que a Coreia estava sendo pisoteada com cinco milênios de história nacional, o camarada Kim Il Sung (1912-1994) levantou bem alto a bandeira antijaponesa.


Vivenciando em primeira mão a trágica realidade do país, empreendeu o caminho da revolução na tenra idade de dez anos, com o grande propósito de libertar o país. Ele apresentou a linha da luta armada antijaponesa e fundou a guerrilha.


Sob sua liderança, foi organizado um pequeno grupo guerrilheiro formado por jovens revolucionários da nova geração e, posteriormente, outros compostos por 10 a 20 combatentes em várias regiões.


Em 25 de abril de 1932, foi fundada a Guerrilha do Povo Antijaponês, a primeira força revolucionária na Floresta de Antu, no nordeste da China.


O império japonês alegou que os guerrilheiros coreanos eram “um grão de milho flutuando no mar”. Isso porque a guerrilha tinha cerca de 100 pessoas quando foi organizada e teve que lutar contra o exército de um milhão de soldados de Guangdong, equipado com aviões, tanques e outras armas modernas.


O general Kim Il Sung multiplicou as fileiras da guerrilha através das expedições ao norte da Manchúria e ao sul da China e a luta para defender as zonas guerrilheiras ao redor do rio Tuman, e consolidou seu potencial político-militar. A reorganização da Guerrilha Popular Antijaponesa como Exército Revolucionário Popular da Coreia foi uma medida importante para liderar as unidades de guerrilha reforçadas em várias áreas de maneira unificada, aumentar sua capacidade de combate e enfrentar ativamente a ofensiva inimiga em grande escala.


Sob o comando do General, o ERPC desdobrou suas atividades em amplas áreas.


Ele aterrorizou as tropas de elite inimigas nas batalhas de Lajiagou, Laoheishan, Monte Jiansangfeng, área de Musan, Damalugou, Hongqihe e Dashahe, dando um duro golpe militar ao império japonês.


Nestes dias muitas estratégias e táticas originais e habilidosas foram criadas com base na ideia de superar a superioridade numérica e técnica do inimigo com a ideo-política e tática do exército revolucionário, para o qual até as tropas japonesas de “operação punitiva” sofreu sucessivas derrotas.


No entanto, a Luta Armada Antijaponesa foi longa e árdua sem precedentes na história, sem o apoio da retaguarda estatal ou de um exército regular.


Isso é eloquentemente demonstrado pela Marcha Dolorosa que o EPRC realizou desde o final de 1938 até a primavera do ano seguinte.


Durante a dura caminhada, o general liderou a unidade à frente, superando todas as dificuldades. Ele seguiu a estrada nevada carregando os combatentes caídos nas costas, distribuiu a eles até uma xícara de farinha de arroz torrada que correspondia a ele, montou guarda no lugar dos soldados cansados ​​​​em marcha e correu antes dos outros para o campo de batalha quando o inimigo atacou de surpresa.


Ele escreveu em suas memórias: “A Marcha Dolorosa, em uma palavra, exigia uma luta árdua com a natureza dura, extrema falta de comida e sonhos, doenças e ataques cruéis do inimigo. Também foi acompanhado por uma luta por si mesmo para superar as dificuldades. Ou seja, a Marcha Dolorosa era o combate para sobreviver, no elemental, e derrotar os inimigos, a partir de agora”.


A Luta Armada Antijaponesa foi um combate de toda a nação organizado e desdobrado com a fundação das Forças Armadas Revolucionárias e seu fortalecimento e a formação da Frente Única Nacional. Foi um processo de criação de uma nova história da luta armada ativa do EPRC e da resistência de todo o povo.


Em 9 de agosto de 1945, o general deu a ordem para a ofensiva geral para a libertação do país. As unidades do ERPC conquistaram pontos estratégicos inimigos e obtiveram sucessos sucessivos nos combates, enquanto os habitantes de várias partes do país se juntaram.


Em 15 de agosto de 1945, o império japonês foi derrotado e a Coreia foi salva. O povo coreano pôs fim à história de martírio nacional que durou mais de 40 anos e saudou o alvorecer da restauração nacional.


Mais tarde, foi fundado o Exército Popular Coreano (8 de fevereiro de 1948), uma força revolucionária regular, composta pelos melhores filhos e filhas dos trabalhadores, camponeses e outros setores do povo trabalhador e tendo os veteranos da Revolução como principal coluna Antijaponesa.


A EPC rejeitou categoricamente a agressão das forças aliadas imperialistas na Guerra de Libertação da Pátria (1950-1953) e defende até hoje a soberania e dignidade do país frustrando todas as ameaças e provocações militares dos inimigos.


Do Naenara

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg