1/10

"País sem desempregados"



Entrevista com Kim Jong Nam, Chefe do Departamento do Ministério do Trabalho, publicada na KCNA (Korean Central News Agency)


Jornalista: Em nosso país, todos os trabalhadores levam uma vida profissional estável, sem preocupação com o emprego. Isso se deve à política do Estado?


Kim Jong Nam: Você está certo. Em cada sociedade, garantir emprego para seus habitantes é apresentado como uma questão muito importante para satisfazer suficientemente suas demandas de vida e oferecer-lhes condições de vida estáveis.


Depois da nossa libertação nacional (agosto de 1945), o Governo da República que se apoderou do poder do Estado e dos meios de produção, ofereceu emprego a todas as pessoas capazes de trabalhar, criando inúmeros centros de trabalho de acordo com o plano de desenvolvimento da economia nacional, para que qualquer pessoa possa dedicar-se à vida laboral à vontade, de acordo com o seu desejo. Ele então tornou isso legal ao publicar a "Lei do Trabalho Socialista da República Popular Democrática da Coreia" em abril de 1978.


Nele se estipula que em nosso país o desemprego desapareceu para sempre, todos os trabalhadores têm o direito de escolher emprego de acordo com suas aspirações e capacidade, bem como o direito a um trabalho estável e boas condições de trabalho garantidas pelo Estado.


Jornalista: Diga-me como são garantidas as condições de emprego e de trabalho dos trabalhadores no nosso país.


Kim Jong Nam: Em primeiro lugar, isso pode ser visto no trabalho de planejamento de nosso Estado. Como em outros lugares, a administração do trabalho é planejada.


O Estado projeta o plano de distribuição da mão-de-obra de acordo com o crescimento da produção setorial e regional da economia nacional, controlando de forma unificada a fonte de trabalho que se renova a cada ano e distribuindo os recursos humanos por sexo, gênero, idade, constituição física, aspirações e nível de técnica e habilidade de cada um para que os trabalhadores manifestem ao máximo a sua inteligência criativa e a sua capacidade.


De acordo com a administração do trabalho do Estado, fábricas e empresas têm a obrigação de aceitar trabalho incondicionalmente e não podem expulsá-los ou transferi-los arbitrariamente. Quando há excedentes temporários de mão de obra por circunstâncias inevitáveis ​​ou surgem excedente devido à modernização dos processos produtivos, o Estado os transfere para locais que sofrem carência de recursos humanos, garantindo assim estritamente a segurança na vida laboral dos trabalhadores.


Além disso, nossa sociedade tem infinitas possibilidades de desenvolver constante e rapidamente a economia, que aumentam mais à medida em que a construção socialista se acelera e a base econômica se consolida.


Em nossa sociedade não pode haver preocupação com o emprego, pois fábricas estão sendo continuamente construídas e novos setores produtivos são continuamente criados.


Todos os trabalhadores do nosso país participam sinceramente na obra do país e do povo, com o apego a sua economia e ao seu local de trabalho.


Jornalista: Que medidas o Estado toma para os deficientes por calamidade ocupacional, doença, lesão e outros infortúnios?


Kim Jong Nam: Se o trabalhador perder a capacidade de trabalhar devido ao acidente, eles recebem o subsídio temporário de acordo com o sistema de seguro social do Estado, e quando o prazo de invalidez ultrapassar 6 meses recebem a pensão pela perda de capacidade de emprego no sistema estatal de aposentadoria.


No caso de não terem a capacidade normal de trabalho mesmo após a recuperação da saúde, podem trabalhar 3 ou 4 horas por dia em posto de trabalho leve de acordo com suas condições físicas. Pessoas com deficiência oriundas do trabalho são atendidas gratuitamente no centro de saúde.


O Estado classifica como ex-militares deficientes os homens lesados ​​durante o serviço militar e faz-lhes um pedido especial a nível nacional e social. Também lhes garante trabalho adequado às suas condições físicas e oferece subsídios a cada ano, além de dar-lhes atendimento preferencial e assistência social.


As donas de casa que não vão ao trabalho podem trabalhar conforme sua vontade nas brigadas ou cooperativas domiciliares.


Jornalista: Muito obrigado.

38 visualizações
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png