“EUA, comerciante da guerra”


Recentemente, o Instituto Internacional da Paz de Estocolmo, na Suécia, divulgou o mais recente relatório sobre o tráfico de armas no mundo. Segundo o documento, no período 2013-2017, o volume de exportação de armas pesadas no âmbito mundial aumentou 10% em relação ao quinquênio 2008-2012. O jornal Rodong Sinmun publicou no dia 26 um artigo revelando que, como antes, os EUA ainda são o maior negociante de armas do mundo. Nesse período, a exportação de armas fabricadas nos EUA aumentou 25% e esses dispositivos foram vendidos para pelo menos 98 países em diferentes partes do mundo, enfatiza e continua: O que é problemático é que o crescimento dos lucros dos consórcios militares dos EUA em todo o mundo por causa do agravamento da situação, o surto mais frequente de guerras e conflitos armados e o derramamento de mais sangue dos inocentes. Em todos os países e regiões, que sofrem de um confronto militar agudo, as armas fabricadas nos EUA são amplamente utilizadas. Além disso, o Japão, importador de um grande número de armas de ataque dos EUA, galopa em direção ao seu objetivo de poder militar, para emergir como uma perigosa força militarista e reativa que ameaça a paz e a estabilidade da região do Nordeste Asiático. Através da exportação de armas, o império estadunidense obtém ganhos financeiros fabulosos e transporta conflitos e guerras para pontos estratégicos do globo. Mais de 70 anos se passaram desde o fim da Segunda Guerra Mundial e várias décadas desde o fim da Guerra Fria. Mas, em vez de estabelecer a paz neste planeta, o perigo da guerra está aumentando e a nova guerra fria está prestes a eclodir. O culpado é o comerciante de guerra número 1 que, com a venda de armas, gera guerras e atua em todo o mundo contra o desejo da humanidade de paz e estabilidade. Esse país não tem o direito de falar sobre a paz. Da KCNA (Korean Central News Agency)

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube