top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Bloqueio: paradoxos de uma guerra sem quartel"

 

Vivemos em um mundo onde abunda o absurdo, onde cresce a falta de fé e o culto ao vazio; em que alguns se rendem ao forte apelo do capitalismo a cada um por si.

 

É surpreendente ver como pessoas próximas assumem um comportamento de negação da realidade, apesar de partilharem vicissitudes e privações, e serem vítimas – tal como os seus compatriotas – de uma agressão que só pode ser descrita como brutal, tramada por um inimigo externo disposto a cruzar todas as linhas.

 

Estes concidadãos não só não reconhecem o inimigo, mas, em um estranho jogo mental, aplaudem o carrasco e insultam e zombam da vítima.

 

Vejamos o que Vedant Patel, porta-voz adjunto do Departamento de Estado, disse recentemente em resposta a perguntas de um jornalista após a conferência de imprensa diária do Departamento de Estado dos EUA.

 

Ratificou que a Casa Branca mantém Cuba na lista ilegítima de Estados patrocinadores do terrorismo, apesar de ter retirado a Ilha da lista de países que “não cooperam plenamente com os esforços antiterroristas”, e argumentou que “você pode ser um cooperador na luta contra o terrorismo, mas ainda acreditamos que estão a ser tomadas medidas para apoiar atividades terroristas”.

 

Parece um enigma da Esfinge, mas não precisamos de Édipo para resolver o significado da resposta bizarra. Conhecemos a injustificável medida de coação que visa aumentar a política de pressão máxima contra o nosso povo. Ser considerado um Estado que promove e financia o terrorismo é a “virada do parafuso” aplicada por Washington para quebrar a resistência dos cubanos.

 

Contudo, a confissão que quebra todas as “marcas” que, aliás, é algo que este Governo esconde, e a que se juntam a claque anexionista, os colonizados mentalmente e alguns dos que sofrem de grave despersonalização, foi a seguinte: “Além disso, Cuba continua sujeita a um embargo incrivelmente abrangente”.

 

Talvez o porta-voz ianque quisesse justificar a ação de seu governo diante da pressão da máfia anticubana em Miami, ou tenha perdido a frase, qualquer um sabe. Prisioneiros do paradoxo de uma guerra cruel e sem sentido, tudo pode acontecer.

 

A frase anuncia “confissão por parte de alívio de provas”, embora neste caso sejam conhecidas e condenadas todos os anos pela maioria dos governos do mundo na ONU as provas da política genocida de bloqueio econômico, comercial e financeiro aplicada pelo Governo dos EUA contra Cuba.

 

A guerra econômica está aí, dolorosa e visível, não importa se os charlatões contratados, se os “enormes destacamentos de cobras e chacais, conseguem convencer muitos do contrário”. Ele vive como a quimera que espreita a fruta que nunca cairá em suas mandíbulas.

 

A política genocida de bloqueio econômico, comercial e financeiro, aplicada pelo Governo dos EUA contra Cuba, é bem conhecida e condenada, todos os anos, pela maioria dos países do mundo na ONU

 

Por Raúl Antonio Capote, no Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg