top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Não se deve deixar os EUA terem mais 'prazer por comida'"

 

Recentemente, o Secretário de Estado dos EUA, Blinken, disse na Conferência de Segurança de Munique que “se você não estiver sentado à mesa no sistema internacional, estará no menu”, fato que causa um escândalo internacional.

 

Esse provérbio do estilo ianque significa que o forte pode comer em uma mesa e o fraco deve ser um prato incluído no menu.

 

O problema é que foi claramente revelado que a ordem internacional perseguida pelos EUA é baseada na lei da existência do mundo animal e na “lógica da força”.

 

O absurdo tão vulgar é assustador que esse personagem tenha dito, que tem o controle geral da política externa de um “poder”, nada menos na sede da reunião internacional que discute o mundo da segurança mundial.

 

É algo revelador que o mundo novamente veja que a “ordem mundial baseada nas regras”, defendida por eles, é precisamente a “lei da selva”.

 

Nesse sentido, o ministro das Relações Exteriores da Rússia criticou que os EUA exigem outros países que comem com ele em sua “mesa do sistema internacional” ou estão incluídos no “menu”.

 

O Jornal Global Times Chinese revelou que, embora Washington use oficialmente uma retórica diplomática da “ordem internacional com base nas regras”, ela serve totalmente a um instrumento de imposição, refinação e condenação da contraparte e um meio de ocultar sua tentativa hegemônica.

 

Como reconhecem dentro e fora do país, os EUA são precisamente o país que não pode existir sem devorar os fracos, tanto desde o início de sua fundação e na trajetória de sua subsistência de até agora.

 

Depois de ser fundado no banho de sangue dos povos originários da região, os Estados Unidos cometeram 114 guerras de grande ou pequena agressão por mais de 8.900 intervenções armadas e se estenderam mais do que mais de 130 anos e se estenderam mais de 10 vezes seu território inicial, anexando e subjugando outros países e nações.

 

Mesmo após a Segunda Guerra Mundial, se enriqueceu e se colocou na posição privilegiada por muitas guerras e intervenções armadas em todo o mundo, como Coreia, Vietnã, Iraque e Síria.

 

Embora o mundo unipolar seja quebrado no século atual e a nova ordem internacional multipolarizada seja estabelecida, esse país, cheio de “confiança demais em força”, viola continuamente a segurança e a estabilidade do mundo perseguindo teimosamente o modo de existência e hegemônico e uma política externa agressiva.

 

O atual incidente do Oriente Médio é explicado com a lógica de seu instinto animal que passa do mal a pior, sem qualquer indicação de solução.

 

Recentemente, o jornal americano The New York Times publicou um artigo intitulado “Compreender o Oriente Médio através do mundo animal”, no qual descreveu os EUA como um leão, que quer ser o "rei da selva do Oriente Médio”, e de “abelhas parasitárias” e “insetos” para países regionais e reivindicaram “queimar toda a selva para matar essas abelhas parasitárias”.

 

Isso foi comprovado irrefutavelmente a natureza dos EUA que mira como alvos os países do Oriente Médio, ou seja, toda essa região para realizar sua ambição de dominação.

 

No final, os EUA gostam de comer sentado à mesa enquanto a Palestina e outros países e nações do Oriente Médio são feitos de “pratos” do menu, enquanto Israel mostra sua “capacidade de cozinhá-los” ao gosto do freguês norte-americano.

 

Na era da civilização humana, a concepção do mundo dos EUA, com base na lei de Selva, e sua política externa hegemônica, não podem ser toleradas.

 

Não devemos deixar que os EUA tenham mais “prazer por comer”, ameaçando o mundo.

 

Da KCNA (Korean Central News Agency)

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg