top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Palestina não morrerá"



Fui forçado a deixar a minha casa em al-Rimal, um bairro da Cidade de Gaza.


Nos últimos dias, estive suficientemente perto dos ataques aéreos e dos bombardeamentos de artilharia israelenses para experimentar uma profunda sensação de terror. Isto é seguido por tristeza e pesar pelas vidas perdidas.


Ver os palestinos a viver em condições tão terríveis e ver as nossas casas reduzidas a escombros deixou uma marca permanente na minha alma.


O que jamais será apagado da minha memória é o sentimento de insegurança e o desamparo de não poder ajudar quem está sofrendo.


No entanto, mesmo neste momento sombrio, enquanto Israel acumula as suas forças do Apartheid contra nós com a ajuda dos Estados Unidos, ainda somos obrigados a procurar a paz, a justiça e a liberdade.


Durante mais de 16 anos, Israel sujeitou a Faixa de Gaza a um bloqueio sufocante, resultando em grave escassez de alimentos, medicamentos e água potável. Embora esta punição coletiva aos palestinos em Gaza esteja em curso, Yoav Gallant, ministro da defesa de Israel, declarou durante o último ataque israelita que “estamos a impor um cerco completo a [Gaza]. Sem eletricidade, sem comida, sem água, sem combustível – tudo está fechado”.


“Estamos lutando contra animais humanos e agimos de acordo”, disse ele.


Esta linguagem é angustiante, abominável e encarna o racismo da ocupação sionista.


Também nos inflige esta dura realidade: todas as famílias sofrem, e continuarão a sofrer, sob este cerco.


Vemos isso claramente no ataque de Israel ao sistema de saúde de Gaza. Israel tem como alvo ambulâncias e instalações médicas, comprometendo o tratamento de doentes e feridos.


O direito fundamental aos cuidados de saúde foi violado por Israel impunemente.

Cobertura desequilibrada


Quem informará sobre isso?


Israel não permite que jornalistas estrangeiros entrem em Gaza para cobrir a guerra, pois sabe que está a cometer horrores aqui.


Todos os meios de comunicação social aos quais foi negada a entrada em Gaza deveriam partilhar esta informação com o seu público. Deveriam explicar como não são capazes de informar completa e adequadamente sobre a situação em Gaza.


Entretanto, Israel tem acompanhado jornalistas por todo o sul de Israel para os encorajar a reportar o que quer que vejam.


Os meios de comunicação ocidentais persistem na sua cobertura desigual a favor de Israel. E porquê?


É porque não somos brancos? Somos uma comunidade menos importante?


Os meios de comunicação ocidentais retratam Israel como vítima e os palestinos como terroristas.


Os meios de comunicação social obscureceram de tal forma a realidade que não conseguem sequer informar com precisão a razão pela qual os palestinos lutam contra Israel. Justificam os crimes de guerra israelenses contra os palestinos como legítima defesa, mas ignoram que a ocupação israelense continua há 75 anos.


A mídia dá a impressão imprecisa de que estamos lutando contra Israel porque temos algo contra os judeus. Isso não é verdade.


Lutaríamos contra qualquer potência colonial que nos subjugasse, tal como os sul-africanos negros fizeram sob o Apartheid.


Estas verdades são repetidamente obscurecidas e, à medida que as redes de comunicação em Gaza são encerradas, as vozes palestinas serão ainda mais silenciadas.


Como, então, compartilharemos nossas histórias?


“Vamos morrer?”


Desde o início do último ataque de Israel, tenho visto o meu primo de 3 anos e a sua família serem forçados a abandonar a sua casa em Gaza devido à ameaça de as forças israelenses a demolirem mesmo sobre as suas cabeças.


Esta criança cobriu os ouvidos com as mãozinhas, repetindo estas palavras em tom baixo: “Míssil. Nós vamos morrer. O som está alto”.


Fiquei reduzido às lágrimas. Eu o abracei e lhe assegurei que ficaríamos bem.


Então, com medo, ele me perguntou: “Vamos morrer?”


Essa pergunta me atingiu como um raio.


Respondi com confiança e esperança: “Nós, como palestinos, não morreremos”.


Naquele momento, vi a força e a determinação das crianças para enfrentar as adversidades, mesmo diante de tantas dificuldades, mesmo que nunca devessem ser solicitadas a fazê-lo.


As crianças de Gaza suportaram o peso deste último ataque e aqueles que sobreviverem terão de viver no rescaldo.


Escolas e parques infantis são alvos. As mentes jovens ficarão marcadas pelo trauma da guerra.


Somos espancados ano após ano, mas somos informados de que somos os culpados.


Vi um menino de 5 anos do nosso bairro desmaiar enquanto chorava e gritava.


Aproximei-me do pai e ele me contou que seu filho Samir tinha visto os foguetes israelenses caindo nas proximidades.


Desde então, Samir começou a chorar e repetir: “Não quero morrer”.


Apelo à justiça


Foi isto que a ocupação, o cerco e a violência israelenses fizeram a nós e aos nossos filhos. E assim passa de uma geração para outra, porque os Estados Unidos favorecem o Apartheid sionista e a expropriação palestiniana em detrimento de uma solução política justa.


E o atual presidente dos EUA mostrou a sua vontade de encorajar a nossa desapropriação, apoiar a agressão israelense e a ideologia estatal inerentemente racista de Israel, o sionismo.


Em junho de 1986, Joe Biden, então senador dos EUA por Delaware, declarou: “Já é hora de pararmos… de pedir desculpas pelo nosso apoio a Israel. Não há nenhum pedido de desculpas a ser feito. Nenhum. … Se não houvesse Israel, os Estados Unidos da América teriam de inventar um Israel para proteger os seus interesses na região”.


Além disso, em março de 2016, Biden declarou: “Se eu fosse judeu, seria sionista”. Ele então notou, com um sorriso malicioso, que seu pai lhe informou que não precisava ser judeu para ser sionista.


No entanto, no centro deste conflito, no meio da linguagem desumanizadora, o povo de Gaza mantém a sua resiliência e esperança.


Atualmente, sofremos uma grave escassez de alimentos e a água potável é escassa.


Os nossos abastecimentos alimentares disponíveis, e mesmo as nossas reservas, estão a escassear. Quanto à tentativa do governo israelense de expulsar os palestinos para o Egito, creio que é intenção de Israel esvaziar a pátria palestina.


Nossa luta pela liberdade persiste.


Mohammed Abu Shamala cresceu no campo de refugiados de Khan Younis, em Gaza. A sua família é de Beit Daras, onde os aldeões foram deslocados pelas forças sionistas em 1948.


Do Eletronic Intifada

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg