top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Os EUA e o Ocidente são os principais obstáculos para resolver a crise climática"



Recentemente, a XXVII reunião das partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) foi realizada no Egito sob grande atenção da sociedade internacional.


Esta reunião constituiu uma ocasião importante que despertou mais uma vez a gravidade do aquecimento global, que ameaça gravemente a existência e o desenvolvimento da humanidade, e a urgência de uma reação prática contra este fenômeno.


O que chamou a atenção em particular é que foi claramente expressa a vontade dos países em desenvolvimento de não mais tolerar os atos hipócritas e a duplicidade dos EUA e do Ocidente, que constituem o principal obstáculo para a solução da crise climática.


Os presidentes do Quênia, da República Centro-Africana e do Zimbábue criticaram duramente em seus discursos que os EUA e o Ocidente estão questionando o desenvolvimento e uso de combustíveis fósseis em países africanos que respondem por 4% das emissões globais de dióxido de carbono, em vez de assumir a devida responsabilidade como os principais culpados pelas severas mudanças climáticas de hoje, usando combustíveis fósseis como carvão e petróleo em grandes quantidades nas últimas centenas de anos.


Em particular, o Presidente do Senegal, que preside à União Africana, esclareceu a posição contundente e de princípios de que África apoia a redução das emissões de gases com efeito de estufa, mas que nunca pode tolerar que os seus interesses essenciais sejam subestimados.


Os presidentes de vários países da região, como África do Sul, Moçambique e Djibuti, unanimemente insultaram o comportamento injusto dos EUA e do Ocidente, que em palavras falam alto sobre ajuda financeira para o desenvolvimento da energia natural e praticamente só perseguem a subordinação econômica de África.


Isso prova claramente a hipocrisia e o engano dos EUA e do Ocidente que, sob o rótulo colorido de prevenir o aquecimento global, perseguem há décadas apenas seus propósitos de dominação e interesses, ignorando os interesses dos países em desenvolvimento que não são mais apoiados.


O fato de a questão da compensação financeira pelos danos e prejuízos causados ​​pelas mudanças climáticas ter sido proposta oficialmente como tema do encontro constitui um fruto significativo do esforço conjunto e da luta dos países em desenvolvimento pelo estabelecimento de uma ordem internacional justa e imparcial.


Um médico da Universidade de Bonn, na Alemanha, avaliou que os países em desenvolvimento pretendem se apresentar como sujeitos ativos da transformação e não como vítimas passivas das mudanças climáticas.


Esta corrente internacional demonstra assim a vontade dos países em desenvolvimento que pretendem defender os direitos independentes à vida e ao desenvolvimento do Estado contra a coerção e arbitrariedade dos EUA e do Ocidente.


Somente quando todos os países que aspiram à independência e à justiça rejeitarem os padrões duplos e a injustiça dos imperialistas e dominadores e lutarem ativamente pela solução justa dos problemas internacionais, como o problema da mudança climática, o globo se tornará verdadeiramente um lar pacífico e estável da vida comum da humanidade.


Por Ri Song II, membro da Associação Coreia-África

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg