top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Onde vive o maior número de culpados e vítimas do tráfico de pessoas?"



Serviços de prostitutas através da Internet; mulheres estrangeiras e residentes traficadas, forçadas e coagidas pela indústria do sexo; clientes regulares; cafetões; traficantes de crianças online; salva-vidas, técnicos de informática e garçons nos parques temáticos da Disney; outros comerciantes colaterais fizeram parte de uma descoberta policial alarmante no início de 2022.


Mais de uma centena de pessoas, incluindo vários funcionários da Disney, foram presas em uma operação secreta de tráfico de pessoas no centro da Flórida, que não é um evento isolado ou raro nem exclusivo do estado turístico ianque.


O tráfico de seres humanos é uma preocupação crescente na Flórida, território que ocupa o terceiro lugar nos EUA no impacto desse flagelo, com efeitos graves, pois muitas vezes vitimiza crianças, de acordo com um artigo do jornal regional Orlando Sentinel, intitulado O Lado Obscuro do Estado do Sol.


Uma reportagem da emissora de televisão francesa France 24 revelou que, em 2019, nos Estados Unidos cerca de 400 mil pessoas eram vítimas diárias de tráfico de pessoas, e há cinco anos esse número era de 60 mil, o que mostra um boom descontrolado. Ele acrescenta que esse problema ataca o país furtivamente, e poucas vítimas ousam falar. Relatórios oficiais indicam que a prostituição infantil nos EUA é uma preocupação, pois estima-se que 100 mil menores são forçados a se prostituir naquele país a cada ano.


Por outro lado, embora a lei proíba certos tipos de prostituição, diferentes categorias de prostitutas nacionais ou estrangeiras proliferam nos Estados Unidos, muitas vezes enganadas e forçadas; mas as agências de aplicação da lei identificaram rua, acompanhante ou fora de serviço, bordel, casa de massagem, clube de strip, sex shop, show e clube de prostituição.


Em abril passado, a Justiça dos EUA desmantelou uma rede de tráfico sexual controlada a partir de Nova York, que durante três anos explorou mulheres asiáticas em situação de vulnerabilidade e sem status legal de imigração, que foram vítimas de ataques brutais em uma dezena de estados daquele país. A rede criminosa as manteve exploradas sexualmente por semanas em hotéis ou apartamentos sob seu controle e depois reinvestiu o dinheiro arrecadado em suas atividades ilegais. A disciplina era imposta por meio de espancamentos com martelos, tacos de beisebol ou armas, amarrados ou isolados, ameaças, roubo de documentos de identidade, entre outros abusos físicos e sexuais.


MIGRANTES SÃO VENDIDOS ATÉ US$ 700 PARA SER ESCRAVOS


Grupos criminosos que operam em solo americano, sob o disfarce de agências de colocação de migrantes, os vendem a fazendeiros e empresários americanos para serem tratados como escravos.


Uma investigação do jornal mexicano Milenio, com base em documentos judiciais de tribunais norte-americanos, revela que apenas uma das organizações dedicadas à venda desses “escravos modernos” obteve lucros de 200 milhões de dólares em apenas quatro anos.


Depois de cruzar a fronteira, essas máfias geralmente roubam documentos de identificação, documentos pessoais e coletam informações sobre suas famílias em seus países. Desta forma, os intimidam para que não escapem.


Esses sujeitos mantêm os migrantes em campos com cercas eletrificadas, onde são maltratados de várias maneiras, não são pagos pelo trabalho que realizam e recebem pouca água; o que constitui exploração laboral e tráfico de seres humanos. Esta situação – de acordo com o jornal – se repete nos campos da Geórgia, Wisconsin, Flórida e Texas, entidades nas quais 34 líderes de grupos criminosos foram processados.


Os novos traficantes de escravos operam principalmente no setor agrícola, uma das áreas que emprega milhares de migrantes nos EUA, embora em outros casos tenham sido forçados a cultivar e vender drogas.


Sugere-se que, ao chegarem aos Estados Unidos, sejam vendidos a pecuaristas norte-americanos por até 700 dólares e obrigados a trabalhar.


Acrescenta que as indústrias de pesca, têxtil, construção, mineração e agricultura estão particularmente cheias de trabalhadores forçados, incluindo alguns que chegaram com bolsas de estudos ou vistos de trabalho.


O New York Times publicou um artigo em 26 de julho, intitulado “O contrabando de migrantes na fronteira agora é um negócio multimilionário”, no qual aponta que, diante da crescente demanda por coiotes, o crime organizado entrou em cena, com resultados cruéis e violento.


As taxas a serem pagas aos contrabandistas costumam variar de 4 a 10 mil dólares para os migrantes da América Latina, até 20 mil no caso dos da África, Europa Oriental e Ásia, segundo um especialista da Universidade de George Mason.


O pesquisador acrescenta que o aumento de migrantes irregulares que tentam cruzar a fronteira dos EUA fez com que o contrabando desses seres humanos se tornasse uma fonte irresistível de dinheiro para alguns cartéis e organizações criminosas que atuam dentro e fora dos EUA, indústria cujos dividendos passaram de US$ 500 milhões em 2018 para US$ 13 bilhões ou mais hoje.


NEGÓCIO ILÍCITO DE 150 BILHÕES DE DÓLARES ANUALMENTE


A Organização Internacional do Trabalho estima que existam 24,9 milhões de vítimas do tráfico em todo o mundo, uma atividade criminosa que gera cerca de 150 bilhões de dólares por ano em lucros ilícitos.


Acadêmicos e especialistas reunidos no 7º Congresso Latino-Americano e do Caribe sobre Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes afirmaram, no início de julho, que depois do “tráfico de drogas, o tráfico de pessoas e a prostituição – expressão máxima do tráfico – representam o segundo e terceiras indústrias entre as economias ilícitas do mundo.


Um professor espanhol destacou no evento que a prostituição se tornou um produto de exportação para mulheres para exploração sexual, para mercados de turismo de prostituição, que envolvem gerações de mulheres, meninas e adolescentes de países pobres, e um grande negócio de máfias e cafetões internacionais.


Além de sequestrar para acessar “mercadoria infantil”, os traficantes aumentaram o uso da internet e de pessoas próximas a eles.


OS EUA NÃO TEM A AUTORIDADE MORAL PARA JULGAR OS OUTROS


Como resultado da apresentação do relatório anual (unilateral) do Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre o tráfico de pessoas, o chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla afirmou que o governo dos Estados Unidos carece de autoridade moral e mente deliberadamente sobre a atuação de Cuba contra este flagelo, pelo qual rejeitou a inclusão injustificada da Ilha nessa lista negra, por motivos totalmente políticos.


As atrocidades vividas nos Estados Unidos pelas centenas de milhares de vítimas de tráfico de pessoas, prostitutas, migrantes irregulares, novos escravos de fazendeiros e menores forçados a trabalhar, se prostituir ou traficar drogas em todos os estados da União, não vão além de serem notícias pontuais na imprensa sob o controle da Casa Branca em nível global, para credenciar operações bem-sucedidas para enfrentar as autoridades policiais, quase nunca para reivindicar ou defender as vítimas.


A organização de direitos humanos Human Rights Watch, em seu Relatório Mundial em 2022, denuncia que o atual governo democrata realizou 753.038 expulsões sob o Título 42, uma política ilegal para expulsar migrantes que chegam às fronteiras terrestres, com base em motivos de saúde enganosos.


Salienta que estas expulsões discriminam de forma desproporcionada os migrantes, negros, indígenas e latinos, especialmente da América Central, África e Haiti; enquanto milhares de outros viajantes podem cruzar a fronteira sem nenhum tipo de controle sanitário.


Em tempos de pior crise econômica e migratória global, os lucros multimilionários das máfias do tráfico de pessoas e da prostituição, como as do narcotráfico, permanecem nos bancos estadunidenses e outros velhos traficantes do norte, que modernizam métodos para cobrir o trabalho déficit, onde o crime organizado tem seu lugar de acordo com o pragmatismo americano e ocidental.


Enquanto isso, erguem muros fronteiriços e consulares como expressão de sua seletividade, que continua a estimular os caminhos sombrios e incertos de quem, a qualquer preço, tenta chegar aos Estados Unidos, em busca da vida melhor que lhes foi prometida.


Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg