top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O plano dos EUA e da OTAN no conflito entre os fascistas da Ucrânia e a Rússia"



É uma questão de história que os revisionistas modernos soviéticos de Khrushchev a Gorbatchev e Yeltsin tinham a ilusão de que, se a União Soviética tomasse o caminho da restauração capitalista, do populismo burguês e do pacifismo burguês, a Guerra Fria e a ameaça de uma guerra nuclear se encerrariam e a Rússia voltaria à pátria europeia, se juntaria ao Conselho da Europa e desfrutaria dos “dividendos” da paz como os EUA e seus parceiros da OTAN.


Assim, Rússia, Bielorrússia e Ucrânia, como fundadores da União Soviética, decidiram assinar o Acordo de Minsk original em 1991 para dissolver a União Soviética e formar a efêmera Comunidade de Estados Independentes em troca das garantias dos EUA, da OTAN e a Organização de Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) que os direitos humanos e os direitos democráticos das ex-repúblicas soviéticas, seus povos, várias nacionalidades, instituições, partidos, organizações e indivíduos seriam respeitados e que a OTAN não recrutaria nenhuma das ex-repúblicas membros do Pacto de Varsóvia e se expandiria até as fronteiras da Rússia.


Tão logo após o Acordo de Minsk original, os EUA e a OTAN começaram a guerra na Europa destruindo a Iugoslávia, transformando tantos ex-membros do Pacto de Varsóvia em membros da OTAN, estabelecendo bases de mísseis e antimísseis na Europa Oriental para ameaçar a Rússia com a obliteração nuclear em uma questão de minutos, expandindo a OTAN para as fronteiras da Rússia e instigando incursões violentas em território russo e encorajando as chamadas revoluções coloridas para facilitar a disseminação de vendas de armas e capital dos EUA e da Europa Ocidental.


Os EUA e a OTAN planejaram, projetaram e financiaram abertamente da embaixada dos EUA em Kiev os protestos em Maidan em 2013 e o sangrento golpe de estado contra o governo pró-Rússia em 2014, a fim de trazer ao poder os fascistas do tipo Bandera que odeiam os russos (os nacional-socialistas da Ucrânia), os descendentes políticos dos nazistas e uma nova geração de fascistas sionistas, todos servis ao capitalismo monopolista dos EUA e da Europa Ocidental e à OTAN. Assim foi institucionalizado um regime russófobo e neofascista na Ucrânia em 2014.


Por que o atraso dos EUA e da OTAN em criar problemas na Ucrânia, de 1991 a 2013-14? A Ucrânia moderna foi criada pelos bolcheviques logo após a Revolução de Outubro e tornou-se uma das três repúblicas (juntamente com a Rússia e a Bielorrússia) que fundaram a URSS ou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em 1922. Mais de 22% do total da população ucraniana em 2014 era de nacionalidade russa, que compunha a maioria na região de Donbass desde os tempos pré-soviéticos e eram parte significativa nas principais cidades porque engenheiros e trabalhadores industriais russos migraram para a Ucrânia para ajudar em sua industrialização na época da União Soviética.


Ao chegar ao poder em 2014, os governantes russófobos, chauvinistas e fascistas de Kiev envolveram-se em atos de discriminação (incluindo a proibição da língua russa nas comunidades russas) e ataques violentos contra cidadãos ucranianos de nacionalidade russa, incluindo ofensivas militares contra a região de Donbass e ataques de milícias fascistas em várias grandes cidades. Desde 2014, os fascistas ucranianos conseguiram matar tantos russos e destruir suas casas e locais de trabalho e causar a redução da população russa total na Ucrânia de mais de 22 para 17% (ou mais de três milhões) forçando-os a buscar asilo na Rússia e em outros países como refugiados.


O povo russo predominante da região de Donbass sofreu o principal impacto dos ataques fascistas. Em atos unilaterais de agressão, os chauvinistas e fascistas de Kiev mataram mais de 14 mil pessoas (principalmente civis) nos últimos oito anos. Destes, mais de 7,5 mil processos foram apresentados contra as autoridades de Kiev no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Casas, fábricas, escolas, hospitais e outras infraestruturas sociais foram destruídas por fogo de artilharia e bombas. E, no entanto, os imperialistas dos EUA e da UE negam e obscurecem esses fatos enquanto insistem na linha de que a Rússia é o agressor da Ucrânia.


Sob a direção dos EUA e da OTAN, o objetivo dos ataques fascistas aos russos na região de Donbass e em outras partes da Ucrânia não é apenas desencadear o chauvinismo antirrusso, mas difamar e insultar a Rússia como impotente contra a implacável expansão da OTAN. Mas o povo russo na região de Donbass resistiu corajosamente e estabeleceu as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk de acordo com o princípio da autodeterminação nacional, apesar das calúnias dos EUA e fascistas contra eles como “terroristas” e “fascistas”.


Como consequência dos violentos ataques dos fascistas de Kiev a cidadãos russos da Ucrânia, a esmagadora população russa na Península da Criméia decidiu em um referendo levá-la de volta da Ucrânia para a Rússia. Esta península foi um presente de Khrushchev para a Ucrânia em 1954, a fim de deixá-la ter uma saída para o Mar Negro. Afinal, a União Soviética ainda existia. A recuperação legal da península da Crimeia pela Rússia tornou-se a razão para os EUA e seus parceiros do G-7 removerem a Rússia do G-8 e imporem sanções à Rússia.


Por causa da resistência heroica das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk e por causa do apoio limitado, mas altamente potencial da Rússia, os fascistas ucranianos e seus patrocinadores dos EUA e da OTAN concordaram com o acordo de Minsk II de 2015 (Pacote de Medidas para a Liquidação de o Conflito) que reconheceu a autonomia das referidas repúblicas populares, estabeleceu um cessar-fogo e proibiu os fascistas de Kiev de trazer artilharia pesada e outras armas a uma certa distância da região de Donbass.


Mas sob a instigação dos EUA e da OTAN, os fascistas de Kiev violaram constantemente o cessar-fogo do acordo de Minsk II e atacaram a região de Donbass, usando armas fornecidas pelos EUA e pela OTAN. Nos últimos meses e semanas antes da atual operação militar especial para destruir instalações militares na Ucrânia, os fascistas de Kiev bombardearam diariamente as comunidades civis de Donbass e usaram drones de ataque, equipamentos pesados, mísseis, artilharia e sistemas de lançamento múltiplo de foguetes. A matança de civis, o bloqueio, o abuso de pessoas, incluindo crianças, mulheres e idosos não cessaram.


Apesar de lembretes constantes e repetidos da Rússia para os EUA e a OTAN através do Conselho OTAN-Rússia e da OSCE, os EUA e a OTAN acessaram agressivamente a Ucrânia à OTAN em termos práticos e em violação descarada do Acordo de Minsk original e outros acordos relacionados. Os EUA e a OTAN integraram no seu sistema de comando e controle as forças armadas da Ucrânia e utilizaram efetivamente bases áreas ucranianas e outras bases militares perto das fronteiras da Rússia e da Bielorrússia para efetuar treinamentos e exercícios militares e instalar equipamento de vigilância e ameaça os dois vizinhos da Ucrânia nas profundezas dos seus próprios territórios.


Os EUA e a OTAN obstinadamente designaram a Rússia como seu inimigo, apesar das repetidas ofertas de Putin de um novo acordo para limitar o fortalecimento da segurança por um estado ou organização internacional à custa da segurança de outros. Ainda em dezembro de 2021, a Federação Russa entregou aos seus supostos parceiros ocidentais um projeto de acordo para os EUA sobre garantias de segurança, bem como um projeto de acordo sobre medidas de segurança com os estados membros da OTAN. Mas os EUA e a OTAN já estavam obcecados com uma blitzkrieg dos fascistas de Kiev para atacar a região de Donbass e provocar a Rússia. Desde então, ou mesmo antes, a Rússia e as repúblicas populares foram avisadas do plano agressivo dos EUA e da OTAN.


No atual período da presidência de Biden, os EUA e o Reino Unido têm sido os mais agressivos no fornecimento de armas e treinamento militar às forças armadas do regime de Kiev, emitindo declarações provocativas contra a Rússia e acusando-a de invadir a Ucrânia muito antes da atual operação militar especial declarada pela Rússia. De fato, as forças militares russas permaneceram em seu próprio território antes da Assembleia Federal da Federação Russa e Putin deu o passo há muito atrasado de reconhecer a independência e soberania das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk em 21 de fevereiro de 2022 e ratificar os Tratados de Amizade e Assistência Mútua com as referidas repúblicas, alegando que os fascistas ucranianos e os patrocinadores dos EUA e da OTAN violaram e anularam os acordos de Minsk.


Mesmo que os EUA e todos os seus parceiros da OTAN tenham uma postura comum de se opor à Rússia e apoiar a Ucrânia governada pelos fascistas, os EUA têm seus próprios interesses que apenas seu valete britânico pode entender e concordar melhor. Tem feito as provocações de guerra contra a Rússia na Ucrânia para afirmar e revigorar sua hegemonia sobre a OTAN e a Europa, promover seus próprios interesses econômicos, políticos e militares, favorecer seus próprios interesses petrolíferos, parar o Nord Stream 2 e impedir a Alemanha e outros países da Europa Ocidental de acessar o gás da Rússia e promover os interesses geopolíticos e hegemônicos dos EUA em suas contradições interimperialistas com a Rússia e a China.


Muitas pessoas estão apreensivas de que uma guerra interimperialista direta possa surgir entre a Rússia e a combinação EUA-OTAN como resultado de hostilidades entre Rússia e Ucrânia, especialmente porque a primeira tem vantagens sobre a segunda em uma guerra que não usa armas nucleares. Mas existem certos fatores que estão em ação para determinar os passos calculados e medidos por todos os lados. Entre esses fatores estão os interesses contraditórios dos EUA e da União Europeia nas relações econômicas e políticas com a Rússia, bem como com a China e o medo ainda válido de uma destruição mutuamente assegurada em uma guerra nuclear.


Fora de uma guerra nuclear, a Rússia tem uma clara vantagem sobre os EUA e até a OTAN na luta contra os fascistas ucranianos e no apoio às repúblicas populares de Donetsk e Lugansk e ao povo de nacionalidade russa dentro da Ucrânia em termos de guerra convencional, confronto econômico e diplomacia. Na rivalidade de duas potências imperialistas, a Rússia tem sido relativamente mais sóbria e calculista, enquanto os EUA têm sido mais frenéticos, provocativos e agressivos em assuntos relativos à Rússia e à Ucrânia.


Na sequência do reconhecimento da soberania e independência das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk e do cumprimento dos Tratados de Amizade e de Assistência Mútua, a Rússia declarou uma operação militar especial contra os fascistas ucranianos, coligada com as forças militares das referidas repúblicas populares e agora está demonstrando a imprudência dos EUA/OTAN e seus fantoches fascistas ucranianos ao desencadear ataques russofóbicos desde 2014, angariando provocações de guerra e ameaçando ampliar a escala da guerra para as fronteiras e território da Rússia.


Depois de toda a sua arrogância e fanfarronice de que pode estar à frente da OTAN e lutar contra a Rússia na Ucrânia e arredores, os EUA foram totalmente expostos como impotentes diante da coalizão da Rússia e das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk. Responderam simplesmente pedindo a todos os seus aliados da OTAN que estejam prontos para atacar a Rússia em todas as fronteiras. Ao mesmo tempo, espera-se que os EUA, a OTAN e o Grupo dos 7 imponham mais sanções à Rússia e exacerbem ainda mais as contradições interimperialistas. Mas a Rússia, como a China, já preparou contra sanções que podem ter efeitos adversos nos EUA e na União Europeia.



Estou mais preocupado que, desde 2014, os EUA e a OTAN tenham trazido à Ucrânia um regime extremamente oligárquico, chauvinista e fascista, opressor e explorador do povo da Ucrânia, incluindo os de nacionalidade ucraniana, russa e mista ucraniana-russa. E, no entanto, esse fato foi deliberadamente obscurecido pela propaganda dos EUA e da OTAN e ignorado por aqueles que não estudam e conhecem as particularidades da questão da Ucrânia.


O povo de nacionalidade russa na Ucrânia sofreu o maior peso da opressão fascista e merece a solidariedade e o apoio de todos os povos do mundo e de todas as outras forças possíveis de apoio à sua causa justa. Por apoiar o povo ucraniano de nacionalidade russa e de outras nacionalidades contra os fascistas ucranianos, a Rússia mostra-se em melhor posição do que o seu rival imperialista dos EUA, que tem incitado a Ucrânia a aderir à OTAN, violando o acordo original de Minsk, fornecendo-lhe armas e pressionando para fazer provocações de guerra contra a Rússia.


Como resultado da operação militar especial da Rússia em coalizão com as repúblicas populares na região de Donbass, as capacidades militares ofensivas dos fascistas ucranianos foram muito degradadas, mas esses russófobos estão atacando áreas residenciais russas na Ucrânia e deturpando as vítimas civis na imprensa como Tropas militares russas. Enquanto isso, os EUA, a OTAN e o Grupo dos 7 estão reagindo com declarações vociferantes e impondo novas sanções à Rússia e exacerbando ainda mais as contradições interimperialistas.


No entanto, levará mais algum tempo e mais desenvolvimentos antes que possa haver uma guerra total entre EUA-OTAN e Rússia ou o conjunto Rússia-China. Não esqueçamos que os EUA e seus aliados da OTAN têm suas próprias contradições. Por exemplo, não é pouca coisa que a União Europeia receba 40% de seu suprimento de energia da Rússia. A Alemanha e seus políticos governantes serão levados em conta pelo povo alemão por concordar com os EUA para encerrar o Nord Stream 2. Os povos dos outros países membros da OTAN na Europa Ocidental também reclamarão que eles são obrigados a desistir de uma fonte de energia mais barata do que a que os EUA querem fornecer. Esta questão energética é apenas uma das várias questões importantes que colocam a UE em uma posição desvantajosa pela belicosidade e agressividade dos EUA.


Os EUA continuarão seu declínio estratégico antes que possam mergulhar o mundo em uma guerra total que pode acabar com a existência da humanidade. Resta também ver como a União Europeia e os povos europeus vão afirmar a sua independência e atender às suas próprias necessidades como os principais protagonistas da nova Guerra Fria lançada pelo imperialismo dos EUA afetará negativamente seus respectivos interesses em um sistema capitalista mundial que já está saturado por um número excessivo de potências imperialistas e cujas múltiplas crises estão se agravando rapidamente e levando o proletariado e os povos do mundo a se levantarem em resistência.



Comentário de Jose Maria Sison


Presidente Emérito da Liga Internacional de Luta dos Povos (ILPS)


26 de fevereiro de 2022


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg