1/10

"Lenin Como Propagandista"



I. A Concepção Leninista da Propaganda e da Agitação


EM todas as etapas da luta histórica do proletariado pela derrubada do mundo de exploração e pelo socialismo, a propaganda das ideias do marxismo-leninismo teve um papel extraordinário.


Nos anos de 1890-1900, quando a classe operária da Rússia entrou no cenário da história com sua grande luta libertadora, Lenin viu a propaganda da doutrina de Marx e Engels como a tarefa mais importante da social-democracia russa. Lênin escreveu então:


"Os social-democratas russos veem como sua tarefa, antes de tudo, "propagar" a doutrina do socialismo científico, difundir entre os operários conceitos justos sobre a ordem social e econômica contemporânea, sobre suas bases e seu desenvolvimento, sobre as diversas "classes" da sociedade russa, sobre suas relações, sobre a luta dessas classes entre si, sobre o papel da classe operária nesta luta, sobre sua atitude para com as classes que degeneram e as que se desenvolvem, para com o passado e o futuro do capitalismo, sobre a tarefa histórica da social-democracia internacional e da classe operária russa"(1).


De acordo com o conteúdo da propaganda Lênin define também o conteúdo da agitação.


Lenin diz que o propagandista deve dar muitas ideias, que serão assimiladas por algumas pessoas. O agitador, falando da mesma questão, deve dar à massa uma só ideia. Quando, por exemplo, o propagandista fala sobre o desemprego, deve explicar aos operários a natureza das crises, a razão da sua inevitabilidade no mundo capitalista, descrever a necessidade de converter a sociedade capitalista em uma sociedade socialista, etc. O agitador, ao falar sobre o desemprego abordará somente um problema qualquer, por exemplo, um caso de uma família de operários desempregados, mortos de fome, e com este ou outros exemplos tentará produzir nas massas a indignação contra a injusta ordem capitalista, deixando a explicação completa desses casos para os propagandistas.


Lenin mostrou mais de vez que não se pode desligar o trabalho teórico dos de propaganda, de agitação e organização. Assim, a agitação, ligando a teoria à prática, organiza as massas, estimula-as para a ação, concentrando-as em torno às palavras de ordem bolcheviques.


Lenin exigia, já em 1800-1900, a liquidação dos métodos individuais na organização do trabalho de propaganda, a concentração de toda a propaganda nos comitês de direção do Partido, locais ou regionais, como também a organização de viagens de propagandistas pelas diversas cidades. Lenin indicou a necessidade de uma educação sistemática dos quadros de propagandistas e de uma elevação ininterrupta de seu nível de instrução.


Lenin dedicou uma atenção especial à seleção cuidadosa dos propagandistas :


"Os propagandistas realmente consequentes do ponto de vista de princípio e de sua capacidade são "muito pouco numerosos" (e para sê-lo é preciso estudar muito e acumular experiência), é preciso especializar esses homens, ocupá-los completamente e cuidar deles"(2).


Em todas as etapas da revolução, Lênin ressaltou a necessidade de ligar estreitamente o "aprendizado sistemático das verdades do marxismo" aos ensinamentos visíveis da luta revolucionária das massas.


Lenin exigia dos propagandistas do Partido saber estar sempre com as massas, mas nunca marchar a reboque delas.


II. O Exemplo de Lenin Como Propagandista


O conceito leninista da propaganda e da agitação se torna mais claro com a análise da experiência pessoal de Lenin como propagandista e agitador. E Lênin foi um grande e destacado mestre da propaganda e da agitação bolcheviques. Seu estilo de propagandista se caracterizava, antes de tudo, pela imensa força de convicção na verdade da causa bolchevique. Ao propagar o marxismo, Lenin o desenvolveu, e enriqueceu de maneira genial as teses do marxismo por intermédio das novas experiências da luta de classes. Cada palavra da propaganda de Lênin estava imbuída de ardente amor aos trabalhadores e do ódio irredutível aos exploradores.


Desde a sua juventude. Lenin estudou as obras de Marx e Engels e as leu muitas vezes, profundamente convencido da justeza de sua grande doutrina.


Lenin considerava que o conhecimento profundo da matéria de que trata o propagandista, é seu primeiro dever. Lênin conhecia bem não apenas as obras de Marx e Engels, cujas ideias eram difundidas já em 1890, como possuía em geral uma profunda cultura e um conhecimento amplo. Dominava perfeitamente a economia política, a filosofia, a história, o direito, havia estudado algumas línguas estrangeiras, e lia os autores estrangeiros no texto original.


A particularidade de Lenin como propagandista era sua capacidade maravilhosa de tornar compreensível e adaptada ao nível das massas a teoria marxista, mas também em convertê-la num guia para a ação.


Quando explicava aos operários os fundamentos da teoria marxista, Lenin ligava a teoria marxista com a realidade que cercava os operários, ligava a teoria revolucionária à prática revolucionária. Lenin elaborou um questionário detalhado para os propagandistas operários. Para responder ao questionário, deviam observar com atenção a vida das fábricas, estabelecer um contacto vivo com a massa operária, estudar suas necessidades imediatas e diárias.


A partir de 1895, sob a direção de Lenin, a passagem da propaganda nos círculos à agitação social-democrata começou a se realizar praticamente. Lenin visitava amiúde os bairros operários dos subúrbios de Nevskaia e Narvskaia e Zastava e da ilha Vassallievski, onde se encontrava com os propagandistas e agitadores operários de vanguarda. Vladimir Ilitch lhes ensinava como se deve fazer a propaganda e a agitação, como explicar as razões da exploração dos operários e como mobilizá-los para a ação contra os exploradores. De dia para dia aumentava o número desses propagandistas operários avançados. Lenin acompanhava com atenção seu desenvolvimento e os guiava pelos caminhos justos. Ele os chamou para as conferências da "União de Luta pela Libertação da Classe Operária", se preocupou com a educação dos operários propagandistas como futuros quadros dirigentes das organizações social-democratas.


A propaganda de Lenin foi sempre concreta. Lenin colocava com vigor as questões de urgência, acentuando-as às vezes com toda a intensidade, Quando os propagandistas interviessem junto às massas, deviam dar-lhes respostas exatas. Muitos camaradas contam em suas recordações o enorme trabalho que Lenin executava para reunir fatos concretos da vida da classe operária e com que habilidade os utilizava para a sua propaganda.


N. K. Krupskaia conta em suas memórias acerca da influência de Lênin nos círculos operários de 1894-1895, que Lenin, em suas reuniões com os propagandistas operários, empregava a metade do tempo para explicar aos operários "O Capital" de Marx e a outra metade para perguntar aos operários sobre suas condições de vida e de trabalho.


Para estimular os membros dos círculos à discussão franca dos problemas, Vladimir Ilitch insistia com eles para que tomassem a palavra e defendessem suas opiniões.


Lênin empregou com habilidade os mais diversos métodos de propaganda, de acordo com o nível de desenvolvimento dos membros de tal ou qual círculo. Com os operários mais avançados, lia "O Capital"; no círculo dos operários relativamente atrasados Lênin fazia palestras, nas quais muitas vezes lia obras de literatura. Assim, por exemplo, no outono de 1905, num círculo de operários têxteis da fábrica Torton, Lenin leu “Os tecelões", de Hauptmann, e explicou a obra aos operários. N. K. Krupskaia escreve em suas recordações de Lênin:


"Ele não era de opinião que se devia oferecer aos operários algo simplificado, mas achava que se tem que levar a eles a ciência toda, completa. E como os marxistas, ele também obteve muito de Marx e considerava que se devia também contar aos operários o que Marx disse"(3).


III. As Formas e Métodos da Propaganda


Lenin fez propaganda do marxismo em todas as suas obras escritas. Cada um dos trabalhos geniais de Lenin, como "Quem são os Amigos do Povo e Como Lutam Contra os Sociais-Democratas" "O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia”, “O Programa Agrário da Social-Democracia Russa”, “O Imperialismo, Etapa Superior do Capitalismo” e “O Estado e a Revolução”, são obras profundamente científicas e ao mesmo tempo exemplos notáveis da propaganda do marxismo, que unem cada vez cada problema radical do desenvolvimento da revolução na Rússia com a teoria de Marx.


Muitas obras escritas de Lenin surgiram de suas palestras, conferências e discursos de agitação. Lênin utilizava a propaganda escrita com o mesmo gosto que a verbal, de acordo com as possibilidades que se lhe ofereciam.


Lenin possuía até à perfeição a arte da vulgarização. Já em 1895, compôs para os operários seu notável folheto popular sobre as multas.


No outono de 1897, Lenin escreveu o folheto “A Nova Lei Fabril” e no ano de 1899 outros dois folhetos: "Sobre os Tribunais Industriais” e "Sobre as Greves". Esses folhetos são obras primas da propaganda escrita.


Lênin atribuiu uma enorme importância à arte de falar e de escrever em forma popular, mas completamente científica. Um folheto político de massas deve levar com energia a um objetivo determinado e deve conter uma ideia básica, expressa de maneira clara, simples, concreta e interessante.


Um enorme trabalho de propaganda e de agitação realizou, nos começos do século XX, periódico leninista "Iskra" (A Centelha), da mesma forma que, nos anos seguintes, os periódicos bolcheviques "Vperiod" (Avante), "Proletari" (Proletário), "Zvesdá" (A Estrela) "Pravda (A Verdade) dirigidos por Lenin.


Durante o período de seu trabalho na redação da "Iskra", Lênin desenvolveu no estrangeiro uma grande propaganda através de conferências. Esse trabalho se realizou quase completamente sob o signo da luta teórica e política em defesa do programa do Partido. Nos anos de 1901-1903, Lenin preparou e pronunciou dez informes e discursos científicos sobre o problema agrário, nos quais combateu a revisão da teoria agrária de Marx pelos oportunistas e contra os programas agrários da burguesia e dos social revolucionários.


Para a propaganda das ideias do marxismo, Lenin aproveitou também, neste período, a escola superior de ciências sociais de Paris, dirigida por liberais burgueses, na qual Lênin, em fevereiro de 1903, leu várias conferências sobre a questão agrária. Com quanto cuidado se preparou para essas conferências verifica-se pelos extratos e as citações das obras de Marx e Engels, dos trabalhos dos "críticos" de Marx, etc., que estão incluídos no tomo XIX das "Obras Completas" de Lenin, na edição russa. Conservaram-se duas versões do resumo das conferências, preparadas por Lenin. Para seus ouvintes, Lenin preparou uma tradução especial do trabalho de Engels “A Questão Camponesa na França e na Alemanha", e elaborou quadros estatísticos. Como resultado das leituras e conferências de Lênin sobre o problema agrário saiu o folheto famoso de propaganda: "Aos Camponeses Pobres".


Lenin ensinava que as formas e métodos de propaganda e de ação devem ser extraordinariamente flexíveis e de acordo com as condições concretas.


Em 1905 a 1907, o Partido, por indicação de Lênin, desenvolveu na Rússia um sistema de periódicos legais do Partido, de editoriais e organizações para venda de livros. Lênin dirigiu pessoalmente a imprensa bolchevique legal e ilegal, como também o trabalho do grupo de redação dos bolcheviques, que editaram os jornais : "Volná" (A Onda), "Vperiod" (Avante), "Eco", "Proletari", (Proletário), e as revistas semanais "Tierni Trudá" (O Trabalho Espinhoso), "Zrenie" (A Vista), etc.


Um notável exemplo da agitação leninista é a participação de Lênin na campanha do boicote à primeira Duma de Estado.


Em maio de 1906, Lênin falou pela primeira vez na Rússia, num comício popular de massas na casa dos Panin, no qual participaram cerca de três mil homens. Os operários receberam seu chefe com aplausos entusiásticos. Lenin falou com uma simplicidade e uma força de convicção extraordinárias. Demonstrou o motivo por que o proletariado não deveria ir à Duma, e conclamou os operários a preparar-se para uma nova insurreição. Ao terminar seu discurso, os operários se levantaram e fizeram a Lenin uma grande ovação. Emocionados e confiantes em seu triunfo, os operários voltaram a seus distritos depois do discurso agitador de Lênin, cantando hinos revolucionários.


Na segunda metade de dezembro de 1907, Lenin, por causa da intensificação da reação, viu-se obrigado a abandonar a Rússia. Mas os operários bolcheviques que ele tinha instruído continuaram sua luta. Mesmo do estrangeiro, Lenin continuou dirigindo seu trabalho revolucionário.


Nos anos da reação, Lênin colocou com toda sua força a necessidade da formação marxista dos operários propagandistas. Defendendo as bases teóricas do bolchevismo, Lenin desenvolveu uma luta ideológica a respeito dos problemas mais importantes da filosofia marxista, pronunciou conferências sobre os problemas fundamentais da teoria marxista e sobre os problemas políticos da atualidade. A obra genial de Lenin "Materialismo e Empiriocriticismo" teve um grande papel na propaganda do marxismo. Nesta obra, Lenin fazia o balanço do desenvolvimento da filosofia marxista desde a morte de Engels e generalizava, à luz do materialismo, as conclusões principais de tudo o que foi adquirido nesse período pela ciência e antes de tudo pelas ciências naturais.


Em 1909, Lenin organizou nas proximidades de Paris, na aldeia Longjumeau, uma escola do Partido. Ele próprio elaborou o programa, selecionou os quadros de conferencistas marxistas de confiança, pronunciou conferências e foi o dirigente imediato de todo o trabalho da escola no ano de 1911.