"O mundo não anda de acordo com a vontade do Japão"


Todos aplaudem a reunião iminente e conversam entre a RPDC e os EUA como um primeiro passo para promover o desenvolvimento positivo da situação da Península Coreana e forjar o maravilhoso futuro. No entanto, o primeiro-ministro Abe e outras figuras políticas japonesas continuam falando mal sobre insistir em "invariavelmente praticar a política de pressão existente por meio da cooperação internacional" e questionar o "problema do sequestro". Recentemente, um ministro do Japão criticou a Coreia do Norte dizendo que "o sequestro é um ato igual ao terrorismo", enquanto o chefe do Secretariado do Gabinete defendeu na arena internacional "pressionar até à Coreia do Norte para resolver o problema do sequestro". Atualmente, os reacionários japoneses procuram escandalizar novamente a já resolvida "questão dos sequestros", baseado em sua tentativa tola e insignificante para parar a todo custo o fluxo pacífica da Península Coreana que acolhe sociedade internacional. Também há dez anos, ao discutir a questão nuclear na Península Coreana, o Japão foi criticado por ter levantado o "problema do sequestro" no âmbito da diplomacia mal preparada. As relações Coreia-Japão são, em sua essência, as de vítima e culpado e, portanto, a segunda parte deve se desculpar e compensar a primeira. No século passado, o imperialismo japonês suprimiu a soberania nacional da Coreia e sequestrou e prendeu muitos coreanos para lançá-los na escravidão e nas guerras de agressão. E matou mais de um milhão de coreanos, além de estabelecer o regime de escravidão sexual, no qual mais de 200 mil mulheres coreanas foram forçadas a viver como escravas sexuais para as tropas do antigo exército japonês. A história dos crimes do passado do Japão está manchada com o sangue da nação coreana. Embora ofereça todo o seu território, o Japão nunca poderá recompensar as perdas humanas, materiais, culturais, espirituais e morais causadas ao povo coreano. No entanto, muito falam agora de "questão dos sequestros" na contramão da tendência positiva da evolução da situação na Península Coreana, com o objetivo de deixar a situação miserável dos marginalizados da cena política internacional em torno da Península Coreana e buscar a "compaixão" dos outros para evitar a liquidação de crimes passados. O poder de Abe, aquém da visão política, causa por si só o efeito do "Japão desprezado". Todas as coisas no mundo não marcham como esperado pelo Japão. O Japão não pode convencer ninguém se não tiver, neste histórico ponto de inflexão, a decisão de liquidar completamente seu passado ignominioso. Esta tarefa é o único remédio para garantir o futuro do Japão.

Da KCNA (Korean Central News Agency)

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube