"O movimento naxalita não matou tanto quanto os partidos burgueses"


Entrevista com Varavara Rao, simpatizante dos naxalitas e renomado poeta, que esteve na cidade de Mumbai na semana passada para dar uma palestra, fala sobre sucessos e fracassos do movimento de 50 anos.

MM: Meio século se passou, foram alcançados os sonhos com os quais o movimento Naxalita começou?

Rao: Não foram alcançados, mas houve um grande avanço após o recuo inicial. Naxalbari era o nome de uma aldeia, mas tornou-se representante da aldeia de todos. A palavra tornou-se parte da nossa língua. A autoridade proclamada pelas tribos de Naxalbari e Khari Bari se espalharam como incêndio. Eles reivindicaram seu direito à sua terra. Essa proclamação tornou-se parte de um pensamento político alternativo.

O movimento começou como uma rejeição da política parlamentar, e propôs, em vez disso, uma política centrada no povo. Hoje, este movimento formou áreas de base nas regiões florestais nas partes leste e central do país. Tendo tomado a terra dos proprietários e protegido de seus mercenários e da polícia, eles formaram cooperativas. Em Bastar, esta política alternativa está sendo praticada na forma de Janatana Sarkars, uma frente unida de Adivasis, dalits e pequenos agricultores, nos últimos 13 anos. É uma forma única de governo que funciona sem qualquer ajuda do Banco Mundial. Ele conseguiu travar a expansão das multinacionais e das grandes empresas nas florestas. Não há outro exemplo na história do mundo de uma luta de classes armadas tão prolongada.

MM: Mas o movimento permaneceu confinado às florestas...

Rao: Isso porque os interesses do capital hoje estão no cinto da floresta, onde o trabalho é barato. A floresta de Bastar possui sozinha 28 tipos de minerais. À medida que o capital entra e concentra-se nessas áreas, encontra resistência, que então desencadeia a repressão. Então a luta se deslocou para lá.

MM: As pessoas têm uma escolha? E quanto aos supostos fuzilamentos indiscriminado de informantes, a coação?

Rao: Se eles estivessem coagindo e fuzilando pessoas indiscriminadamente, não teriam podido sustentar o movimento por tanto tempo. Os maoistas estão entre os Adivasis. E levaram muito tempo para convencer os Adivasis a desistir de algumas de suas práticas. Se houvesse coerção, por que teriam demorado tanto?

Quando o movimento começou, o ditado era que Dalits e Adivasis são apenas poeira abaixo dos pés. Naxalitas mudaram isso dizendo: “A poeira abaixo de seus pés agora lhe fere os olhos.” Isso poderia ter vindo da coerção?

MM: E as alegações de que as mulheres são usadas como escravas sexuais?

Rao: Tudo propaganda policial. Em Bastar, mais de 50% dos Maoistas são mulheres. Há mais de uma mulher lakh no Dandakaranya Mahila Sangh. Fazem parte da milícia, das alas culturais. Estariam em números tão grandes se fossem tratadas como escravas? Em Andhra, muito cedo, um dos maiores ganhos foi o fim da prática do direito do senhorio sobre as mulheres assim que elas alcançavam a puberdade e também sobre a noite de núpcias.

MM: Mas a que custo isso vem? Também existem movimentos populares não-violentos, como Narmada Bachao Andolan.

Rao: Mas o que eles conseguiram? A barragem foi construída e foi recentemente dedicada pela PM à "nação". Cinquenta anos do movimento naxalita não mataram tantas pessoas quanto os partidos burgueses. A ação policial sob Nehru em Telengana e Hyderabad contra os comunistas e os razakars; Operação Blue Star da Indira Gandhi e suas conseqüências; o massacre sikh de 1984 sob Rajiv Gandhi e depois os tumultos após a demolição Babri Masjid sob Narasimha Rao; Gujarat 2002 sob Narendra Modi; e o vale da Caxemira todos esses anos... Também, existem desastres causados pelo homem, como o desastre de gás de Bhopal, inundações e a violência estrutural do sistema.

MM: A primeira geração de Naxalites era uma juventude idealista que desistiu de tudo para se juntar ao movimento. Isso ainda está acontecendo?

Rao: Sim, muitos jovens que lutaram por uma Telengana separada juntaram-se aos maoístas. O mais famoso foi Vivek, considerado um filho prodígio, que deixou seu curso de direito e entrou nas florestas. Ele foi morto em um encontro em 2015 quando tinha apenas 19 anos. De fato, esse é o maior medo do Estado. Os chefes da polícia de quatro estados recentemente decidiram trabalhar em conjunto para enfrentar o novo recrutamento do movimento.

MM: Seu princípio de “boicote as eleições” falhou completamente. As eleições continuam a ser vistas como a maior prova de nossa democracia.

Rao: A consciência importa, não números. Recentemente, a percentagem de votação em Caxemira foi de apenas 6%, e o ícone Irom Sharmila obteve apenas 72 votos. No entanto, em Chhattisgarh, mais pessoas estão votando e o BJP continua ganhando. Mas mesmo aqueles que votam não esperam que as eleições solucionem seus problemas básicos. Mas devemos admitir que as pessoas ainda não estão iludidas com a democracia parlamentar.

Mas, apesar de obter votos Adivasi e injetar dinheiro em áreas tribais, e apesar das proteções concedidas aos Adivasis pela Constituição, o Estado não está lhes permitindo a democracia real, ou seja, o controle sobre seus jal, jangal e zameen.

MM: Falhas?

Rao: Uma falha precoce foi ver Dalits apenas como trabalhadores agrícolas, ignorando sua casta, mesmo enquanto lutavam contra a intocabilidade em sua base. Um lapso grave é o nosso fracasso em trabalhar entre os muçulmanos. Os muçulmanos estavam entre os fundadores do Partido Comunista. Mas hoje, quando a necessidade é tão grande, eles não estão em lugar algum do movimento. Isso é por causa dos espaços segregados em que vivemos e do estrangulamento dos líderes religiosos que projetam o Islã como a única solução contra o capitalismo e o comunismo. Às vezes me pergunto se um dia seremos capazes de fazer um avanço nos guetos muçulmanos da maneira que fizemos nas áreas de Adivasi.

17 de outubro de 2017

Do Mumbai Mirror

Traduzido por R. Borges

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube