top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Médicos cubanos em nossa América"



Em 2009, encerrando a Cúpula das Américas em Trinidad, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um comentário inusitado. Ele refletiu sobre as conversas com vários líderes que falaram sobre Cuba e especificamente sobre os milhares de médicos cubanos que estão espalhados pela região.


Foi um lembrete, disse ele, que com os Estados Unidos a única interação que se teve com muitos desses países foi na luta contra drogas ou testes militares. Obama levaria mais 8 anos para pôr fim ao programa implementado por George Bush em 2006, que buscava recrutar pessoal médico das brigadas internacionais cubanas para deserção.


O gesto de Obama não durou muito. Quando Donald Trump se tornou presidente, seu governo intensificou a agressão à Ilha. Uma de suas medidas – em aliança com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro – foi promover a saída de 10 mil membros do contigente médico cubano do Equador, Bolívia, El Salvador e Brasil. Como o COVID-19 devastou a região, os EUA retiveram o financiamento da Organização Pan-Americana da Saúde devido ao seu apoio ao programa médico cubano. O New York Times (jornal com pouca afinidade com Cuba) publicou um artigo sobre essa dinâmica intitulado “Como Trump e Bolsonaro romperam as defesas da América Latina contra o COVID-19” (27/10/20).


Pouco depois de sua revolução triunfar em 1959, Cuba enviou centenas de milhares de seu contingente médico ao redor do mundo, especialmente para nações pobres. Até a década de 90, uma grande concentração estava na África. No final do século XX, cada vez mais médicos chegavam à América Latina. Dois eventos contribuíram muito para esse aumento: o furacão Mitch e os governos progressistas que chegaram ao poder no início do século XXI.


Em 1998, Mitch devastou a América Central. Cerca de 30 mil pessoas morreram e três milhões ficaram desabrigadas. O FMI, o Banco Mundial e os governos dos EUA e do Canadá ofereceram empréstimos na casa dos milhões para os países afetados. Cuba enviou médico,s especialistas e medicamentos e estabeleceu iniciativas de longo prazo, como bolsas para estudar medicina em Cuba e o Programa de Saúde Integral, que uma década depois continuou salvando vidas.


Em seu livro Saúde sem Fronteiras, John Kirk detalha que como resultado desse programa, em nações como Honduras, 33% da população passou a ser atendida por médicos cubanos, que, em 2006, haviam feito 3,3 milhões de consultas. Além disso, atenderam 61.930 partos, realizaram 289.845 cirurgias e fizeram a reconstrução ou manutenção de 135.300 equipamentos médicos.


Os números da Guatemala são igualmente impressionantes: mais de 25 milhões de consultas, 40.677 cirurgias e 74.237 partos atendidos. Graças a esse tipo de ajuda, estima-se que quase meio milhão de vidas foram salvas nesses dois países, deixando clara a afirmação de Fidel Castro de que Mitch levaria à criação de um programa ibero-americano de desenvolvimento integral da saúde como uma vingança, uma vingança contra o furacão.


No início do século XXI havia sinais de que o sonho de unidade latino-americana de José Martí e Simón Bolívar começava a ganhar força. Uma manifestação disso foi a cooperação entre Cuba e Venezuela, com a qual, com os recursos humanos do primeiro e os recursos energéticos do segundo, se estendeu o atendimento médico aos lugares mais necessitados.


Em pouco tempo, dezenas de milhares de pacientes foram transportados gratuitamente para Cuba para serem operados, médicos cubanos passaram a morar em comunidades e bairros para tratar pessoas que nunca tinham visto um médico, e a Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM) foi fundada em Cuba, onde dezenas de milhares de estudantes de países pobres estudaram gratuitamente.


Se você falar com aqueles que foram tratados por médicos cubanos, ouvirá repetidamente duas coisas: os médicos cubanos nos tratam como seres humanos, com respeito e dignidade, e vão onde os médicos locais não vão. O sentimento contrasta com a visão das associações médicas nacionais que se opõem às brigadas cubanas, argumentando que não são pessoal qualificado, que vêm para tomar seus empregos ou que vêm para doutrinar. Há também um tom racista. Desacostumados a ver médicos afrodescendentes, os médicos cubanos são acusados ​​de praticar Santeria ou são ofendidos com as imagens e nomes mais grosseiros.


No Brasil, por exemplo, quando os médicos nacionais não atenderam ao apelo do programa Mais Médicos da então presidente Dilma Rousseff, seu governo se voltou para Cuba, que enviou mais de 11 mil médicos para atender a população, especialmente do empobrecido nordeste do o país. Em Fortaleza, médicos cubanos afrodescendentes foram vaiados por uma multidão branca. Como poderiam ser médicos aqueles que tinham cara de empregada doméstica?, comentou o coro racista nas redes sociais.


Uma das razões pelas quais Cuba alcançou níveis de saúde equivalentes ou superiores aos dos países ricos é a lógica integral com que se aborda a Saúde Pública. Concentram-se na ação preventiva e não na ação curativa; eles veem os fatores socioeconômicos que causam tantos males e operam sob uma lógica que é tanto prática e científica quanto humanista. São esses princípios que suas brigadas aplicam em escala internacional.


Como comentou Margaret Chan, diretora geral da Organização Mundial da Saúde, em discurso aos alunos da ELAM, eles estão sendo treinados para enfrentar os desafios reais da prática da medicina no século XXI. O grande desafio hoje não é ter tecnologia de ponta em termos de equipamentos e métodos médicos. O grande desafio é levar os cuidados essenciais aos desamparados.


Somente Cuba se propôs a enfrentar este desafio.


Do La Jornada

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg