1/10

"Ainda lutando pela libertação da Coreia: uma entrevista"



Ahn Hak-sop foi oficial do Exército Popular Coreano da República Popular Democrática da Coreia (RPDC, ou Coreia do Norte) durante a Guerra da Coreia. Em 1952, ele foi capturado pelos Estados Unidos quando estava a caminho de uma reunião na parte sul da Coreia. Ele serviu décadas como um prisioneiro político não convertido antes de finalmente ganhar a libertação em 1995. Hoje, ele ainda é ativo como ativista da paz e reunificação na República da Coreia (ROK, ou Coréia do Sul). A Liberation School entrevistou o Sr. Ahn em novembro de 2019 em uma igreja da paz na Zona de Controle Civil, ao sul do paralelo 38 que divide a Península Coreana.


Liberation School: Muito obrigado por falar conosco hoje, Sr. Ahn. É maravilhoso ver você de novo. Para começar, você pode nos contar como se envolveu na luta pela paz, independência e reunificação da Coreia?


Ahn Hak-sop: Minha cidade natal é a Ilha de Ganghwa. Nasci em uma casa pobre, na época do imperialismo japonês. Minha família era confuciana. Fui à escola primária e me ensinaram uma educação imperialista. Eles não me ensinaram que a Coréia era uma colônia. Descobri isso na segunda série. Através de minhas experiências recebendo uma educação imperialista, descobri que a Coreia não era independente, e desde aquela época o sentimento de anti-imperialismo cresceu em minha mente. Na época da libertação do imperialismo japonês, eu estava escondido por causa do ativismo anti-imperialista, e foi lá que encontrei as forças de resistência. Na tarde do dia 15 de agosto, fiquei sabendo que estava liberado do imperialismo japonês.


Qual era sua compreensão do imperialismo dos EUA naquela época?


Ahn Hak-sop: No início, pensei que o Exército dos EUA fosse um exército de libertação. Mas logo o general MacArthur se referiu aos EUA como um exército de ocupação. Não houve palavra de libertação, apenas ocupação; então eu estava desconfiado, mas apenas parcialmente. Embora eu fosse jovem, toda a nação estava repleta de divisões entre o governo dos Estados Unidos e os soviéticos. Em setembro de 1945, os coreanos saíram para cumprimentar o Exército dos Estados Unidos, mas o Exército dos Estados Unidos atirou neles. Depois do Comitê de Moscou, o Exército dos EUA disse explicitamente que estava ali para bloquear a União Soviética. Mas em 1948, a União Soviética retirou todas as suas tropas. Mas o Exército dos EUA não se retirou.


Em quase todas as cidades, havia um Comitê Popular, mas o exército americano os esmagou com tanques e soldados. Havia muita resistência e revolta naquela época.


Em 8 de agosto de 1947, quando eu voltava para casa com um colega de uma reunião para preparar uma celebração pela libertação, alguém atirou em nós, e meu colega foi ferido e preso. Eu sobrevivi, fugi e fui clandestinamente para Kaesong, que ficava na parte norte da península, embora não houvesse o 38º paralelo naquela época. Enquanto eu estava em Kaesong, fui para a escola de engenharia. A polícia sul-coreana foi à escola para me prender, mas a escola me protegeu.


O que aconteceu depois disso, durante a guerra?


Ahn Hak-sop: Durante a guerra, alistei-me no Exército Popular da Coreia, mas a escola atrasou minha admissão. Eu estava doente, e por isso não pude lutar quando finalmente me alistei. Eu servi na divisão de coleta de informações. O EPC me enviou para o Sul em 1952 como oficial de inteligência, onde fui preso. No início de abril de 1952, eu estava indo a uma reunião do Partido do Trabalho no distrito de Kangwondo. Fui observado no meu caminho para lá e preso.


Enquanto estava na prisão, eu tinha muitos obstáculos a superar. Houve espionagem e tortura durante 42 anos. Houve pressão para que eu abandonasse a ideia Juche pelo capitalismo, a partir de 1956.


Primeiro eles tentaram usar argumentos teóricos contra a RPDC. Mas eles não conseguiram defender suas crenças para mim. Depois disso, eles tentaram subornar-me com bens. Depois disso, houve a tortura. Há um pequeno lugar na cadeia, e eles jogavam água na sala no inverno. Eles levam todas as suas roupas e roupas de cama. Eu tentei sobreviver. Então eu corria e me exercitava para manter meu corpo aquecido. Mas eu não podia resistir para sempre. Fiquei inconsciente, e eles arrastaram meu corpo para fora para me manter vivo. Havia outras formas de tortura. Eu podia superar tudo isso. O que foi mais doloroso foi quando a polícia trouxe minha família, minha mãe e meu irmão para a prisão.


Quando e como você foi finalmente liberado?


Ahn Hak-sop: Em 15 de agosto de 1995 eu fui libertado da prisão. Eles não queriam fazer isso, mas tiveram que me libertar por causa da Convenção de Genebra. Eles deveriam ter me libertado em 1953. Naquela época, eu deveria ter sido enviado para a RPDC, mas os EUA e a Coreia do Sul não fizeram isso. Disseram que eu era um espião e, portanto, não me enquadrei na convenção, que eles disseram que se aplicava apenas aos soldados de campo de batalha, não aos operacionais de informação.


Eu tentei litigar por muitos anos, e o exército e a prisão fizeram tudo o que podiam para bloquear a lei. Eu não podia enviar nenhuma carta ou me encontrar com ninguém. Finalmente recebi uma carta, no entanto, e os advogados de direitos humanos assumiram meu caso. O governo foi forçado a justificar minha detenção, e não houve justificativa. Eles tiveram que me libertar.


Dois outros prisioneiros saíram da prisão comigo. Dois deles foram para a RPDC em 2000, após a Declaração de 15 de junho. Esses camaradas foram para o Norte porque pensavam que em breve haveria livre circulação entre os dois estados. Eles foram para o Norte estudar e pensaram que voltariam mais tarde.


Por que você ficou no Sul?


Ahn Hak-sop: Eu permaneci no Sul por minha própria escolha. Existem três razões. Primeiro, pensei que era uma situação temporária. Em segundo lugar, havia jovens progressistas aqui no Sul e eles me pediram para ficar. Eles disseram: “Se os prisioneiros não convertidos forem para o Norte, perderemos o centro da luta”. Tornou-se muito importante para mim ficar. A terceira razão é que a Coreia agora está dividida e os EUA ocupam a parte sul. Temos que continuar lutando aqui pela retirada do exército dos EUA, pelo tratado de paz e pela reunificação pacífica. Decidi ficar aqui para lutar por esses objetivos. Em 1952, vim aqui para libertar a metade sul da península e preciso ficar aqui e continuar essa luta.


Como tem sido sua vida desde a libertação?


Ahn Hak-sop: O governo exigiu que eu tivesse um supervisor garantido quando eu fosse liberado, então se houvesse algum problema comigo eles poderiam responsabilizá-los. Eu rasguei o papel e disse: "Não lhe darei um refém".


Ainda assim, há policiais de segurança que me seguem. Sempre que há um problema com o Norte e o Sul, eles invadem minha casa e ficam de guarda fora da minha propriedade. Uma vez, em uma manifestação, forças conservadoras me atacaram. A polícia não fez nada para me proteger.


Gostaria de explicar mais sobre a Lei de Vigilância de Segurança, que obriga a polícia a vigiar ex-presos políticos. Toda semana ou a cada duas semanas, a polícia vem à minha casa e pergunta sobre minhas atividades, quem visitou minha casa e assim por diante. A cada dois meses, preciso relatar a eles o que fiz, quem conheci e quem me visitou. A cada dois anos, preciso ir ao tribunal. No entanto, eu não reporto a eles nem vou ao tribunal. Essa é a lei deles, e isso é injusto.


Não é fácil continuar lutando contra essa lei. Eu não posso sair do país. Eu não posso visitar minha cidade natal. Mas eu vivi minha vida inteira para a reunificação e o anti-imperialismo, e gostaria de viver o resto da minha vida para isso.


Liberation School

Posts recentes

Ver tudo