"Armênia-Azerbaijão: a guerra mais anunciada do mundo"



Mais uma vez, o Cáucaso é o centro das atenções mundiais, mais uma vez o Azerbaijão e a Armênia se aproximam de uma guerra que, se estourar a pleno dificilmente se conterá em suas fronteiras.


Como uma mancha de azeite, ou melhor, de petróleo, as notícias correram pelo mundo, sempre confusas, sempre arbitrárias e interessadas em saber quem ou como começou esta nova escalada na região de Nagorno-Karabakh, legalmente considerada parte de Azerbaijão, mas que é controlado pelos armênios desde sua independência em 1991.


A informação deixa apenas uma pergunta clara: os mortos se aproximam de mil. Somente no início dos eventos, no domingo, 27, havia 16 falecidos e duzentos feridos. Sabe-se agora que depois de combates que duraram a noite toda e não cessaram durante o dia, as baixas armênias seriam em torno de 550 e as dos azerbaijanos chegariam a 200, o que já ultrapassaria 300 da "guerra dos quatro dias ”, como é conhecida a escalada de 2016.


O Ministério da Defesa azeri denunciou que a Armênia estava bombardeando a cidade de Terter. Portanto, Ilham Aliyev, o presidente do Azerbaijão, instruiu seu ministro da Defesa a fazer uma mobilização militar parcial.


Além da troca de tiros e acusações, está claro que a questão central, que é repetida periodicamente entre as duas ex-repúblicas soviéticas, deve ser resolvida rapidamente, antes que a escalada se intensifique de forma incontrolável. Em meados de julho, ocorreu um tiroteio, que deixou cerca de vinte mortos, o que não ocorria com aquela intensidade desde abril de 2016. Agora acontece novamente quando se sabia que a situação poderia ficar fora de controle a qualquer momento e, aparentemente, esse momento é agora.


A Armênia, que declarou a lei marcial e ordenou a mobilização total de suas forças militares, acusou o Azerbaijão de realizar ataques aéreos e de artilharia na área de Nagorno-Karabakh, uma região importante devido ao grande número de oleodutos e gasodutos que desde o Mar Cáspio é enviado do Azerbaijão para os mercados internacionais. Baku, por sua vez, disse que só respondeu ao fogo armênio, depois de assumir o controle de várias aldeias na região de Nagorno na tarde de domingo, uma alegação que a Armênia rejeitou.


Os confrontos colocaram imediatamente em alerta a diplomacia internacional, que agora corre com panos mornos para baixar a temperatura de um paciente que pede atendimento desde a independência dos dois estados em 1991.


A disputa sobre Nagorno-Karabakh, os levaria a manter uma guerra de seis anos até um cessar-fogo em 1994, desde então Nagorno-Karabakh aparece como a República de Artsaj, embora, na verdade, seja Armênia.


A Rússia, que possui bases militares na Armênia, que também faz parte da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), uma aliança política militar pró-Moscou, também tem um bom relacionamento com o Azerbaijão, por isso foi rápida em pedir um cessar-fogo imediato, seu chanceler Sergei Lavrov, manteve comunicação com os líderes armênios e azeris para pressionar o fim da escalada. O que até agora não teria funcionado.


A Turquia, por sua vez, quer fazer sua estreia como grande potência regional e tem importantes laços culturais e econômicos, o presidente turco Recep Erdogan comunicou via Twitter que a Armênia: “demonstrou mais uma vez que é a maior ameaça à paz e tranquilidade na região ”e que apoiará o Azerbaijão“ com todos os seus meios, como sempre ”, que também é de maioria muçulmana, enquanto a Armênia, com quem Ancara tem um longo e sangrento conflito, é uma maioria cristã. Antonio Guterres, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), de maneira formal, tênue e sem substância, manifestou sua preocupação e pediu um cessar-fogo. Por sua vez, a Alemanha, juntamente com a França, que tem uma grande comunidade armênia, também exigiu um cessar-fogo e a instauração de um diálogo imediato. Teerã, que faz fronteira com as duas nações, ofereceu-se para mediar as negociações de paz. Enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que: "Os Estados Unidos tentaram deter a violência."


Nesta guerra de versões, o Ministério da Defesa da Armênia declarou no domingo que suas tropas destruíram três tanques, abateram dois helicópteros e três drones em resposta a um ataque a alvos civis, incluindo a cidade de Stepanakert, capital de Nagorno- Karabakh e seu primeiro-ministro Nikol Pashinyan postaram no Twitter: "Estamos fortes junto com nosso exército para proteger nossa pátria da invasão azeri."



Guerra até quando?


Todas as guerras têm um início, mais ou menos concreto, embora o seu fim seja sempre absolutamente incerto, no caso deste novo capítulo de uma guerra armênio-azeri que começa no início do século XX e nunca teve um curso claro, interrompida durante décadas no interregno soviético, que depois de sua queda permitiu recomeçar antes mesmo da dissolução da URSS em 1988, agora tem novos ingredientes.


Inicialmente, os Estados Unidos consideram uma guerra particularmente cômoda, pois se estourasse com força seria um conflito às portas de nada menos que Irã e Rússia, que para o Departamento de Estado é uma oração correspondida, à qual devemos somar a presença turca de que com a ânsia expansionista de Erdogan e seu sonho de reinstaurar o Império Otomano, seria a primeira vez que ele poderia participar abertamente de um conflito, que o preocupa, se ele se sentisse um intruso como ele é na Síria e no Iraque, o que também seria uma boa desculpa para suavizar as arestas que foram geradas com Washington, a partir da tentativa de golpe em 2016.


De Yerevan, capital da Armênia, eles garantem que a interferência turca é o que está impedindo o conflito de retornar ao status quo que existia até a semana passada em Nagorno Karabakh.


A Armênia, acusa Ancara de fornecer armas, assessores militares, pilotos de drones e aviões para Baku. E teme-se que isso permita a chegada de milhares de mercenários da Síria, incluindo várias dezenas de milicianos da Al-Qaeda ou Daesh, o que colocaria toda a região em alerta máximo, mais pela proximidade das gangues fundamentalistas e profundamente antirrusso operando na Chechênia e Geórgia.


O presidente da autoproclamada república de Nagorno Karabakh, Arayik Harutyunyan, culpou Ancara por promover a escalada e estar por trás das ações do exército azerbaijano e denunciou a presença de helicópteros, caças F-16s, tropas e mercenários de diferentes países.


Ambos os países promulgaram a lei marcial e o estado de mobilização, enquanto nos escritórios de recrutamento das duas nações já existem longas filas de jovens esperando sua vez de se alistar na guerra mais anunciada do mundo.


Por Guadi Calvo


Tradução do DossierSul

281 visualizações

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube