top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A viagem da Índia em direção à teocracia"


No dia 1º de junho terminou o processo eleitoral indiano, que tinha começado em 19 de abril, e cujos resultados serão conhecidos no dia 4, depois de por ele terem passado 969 milhões de cidadãos, em uma população total de 1,4 bilhão, em mais de um milhão de centros eleitorais.

 

Um processo e uma despesa quase desnecessários, em que quase 15 milhões de funcionários, ao custo de milhares de milhões de dólares, confirmam o que não puderam opor, nem mesmo a conjunção dos 300 milhões de deuses do hinduísmo. Pois, como indicam todas as pesquisas, o atual primeiro-ministro, Narendra Modi, do Partido Bharatiya Janata, ou BJP (Partido do Povo Indiano), tomará posse pela terceira vez consecutiva. O que só aconteceu uma vez na história da Mãe Índia, com Jawaharlal Nehru, que ocupou o cargo, de 1947 a 1964.

 

Embora neste contexto, e quando a nação mais populosa do mundo já está definida como tendo potencial econômico à escala global; já na corrida espacial, e não só isso, mas tendo-se tornado uma potência nuclear em meados dos anos 70; atualmente as suas Forças Armadas são a sétima entre as mais poderosas do mundo, com um milhão e meio de efetivos.

 

Números estes, que chocam até o fato de mais de 400 milhões de pessoas viverem em extrema pobreza; são fortalecidos e agravados quando todos os analistas concordam que, após a vitória eleitoral, Modi confirmará o processo que levará a transformar o seu país em uma teocracia. Um fato nada menor, se tivermos em conta que partilha, com a República Islâmica do Paquistão, também uma potência nuclear, uma fronteira de quase três mil quilômetros, e com quem mantém uma disputa pela região de Caxemira, pela que, desde a partilha, em 1947, já tiveram três guerras e um número incontável de confrontos armados; aqueles que sempre podem ser o estopim para uma crise maior.

 

Para converter a Índia ao hinduísmo extremo, Modi sempre levantou, como o grande fantasma, para a sobrevivência da sua cultura, a presença histórica do Islã no país, que hoje, com quase 220 milhões de praticantes, representa a maior comunidade religiosa, depois do Hindu, com quase um bilhão de fiéis.

 

Modi sempre colocou os muçulmanos no topo da sua lista de inimigos, usando todos os métodos possíveis para transformá-los no grande problema do país. Por isso, desde o parlamento, sancionou leis, como a Emenda à Cidadania (CAA), que lhe permite, através de um dispositivo, deixar centenas de milhares de muçulmanos sem nacionalidade; ou a revogação do artigo 370 da Constituição, que conferia autonomia à Caxemira; além de promover políticas com vantagens econômicas extraordinárias para os hindus que decidem instalar-se no Estado de Jammu e Caxemira, onde os muçulmanos são maioria e assim mudam a equação populacional. Além da modificação arbitrária dos manuais escolares, que apagam séculos de presença muçulmana na Índia; tem utilizado tanto os meios jornalísticos com milhares de artigos difamatórios como dezenas de filmes, (o cinema é a maior indústria cultural do país, duplicando anualmente toda a produção norte-americana), onde o Islã é demonizado, e centra-se no Paquistão e nos muçulmanos, como os grandes inimigos do a União Indiana.

 

Ao mesmo tempo, os seus grupos de choque, e outras organizações supremacistas, como a Hindu Mahasabha (Assembleia Indiana) ou a Rastriya Swayamsevak Sangh, RSS, (Associação da Associação Patriótica Nacional) endossada e juntamente com as forças policiais, não jogaram fora a oportunidade, de lançar verdadeiros pogroms contra os seguidores do Corão, onde quer que fossem surpreendidos: mesquitas, ruas e bairros; onde, à força de escavadoras, milhares de casas e instalações foram destruídas, em muitos casos com pessoas no seu interior. Assassinatos planejados, onde nunca faltaram estupros, pessoas queimadas vivas. Mulheres grávidas cujas barrigas são abertas com facas e crianças massacradas a golpes. Pogroms como esses foram vistos durante a última visita do então presidente Donald Trump, em 2020.

 

As diatribes de Modi, desde a sua chegada como Ministro-Chefe (governador) do Estado de Gujarat em 2001, que continuaram depois de instalado em Nova Delhi, já causaram milhares de mortes, e que foram reforçadas em cada campanha eleitoral. Portanto, se existisse uma verdadeira justiça internacional, ele já teria merecido uma condenação por genocídio.

 

Modi não hesitou em encenar e renovar, em cada oportunidade, uma das muitas que teve e encorajou, para exaltar o Hindutva, ou “ser hindu”, a base filosófica do ultranacionalismo indiano.

 

Vimo-lo, há poucos meses, na inauguração do Mandir (templo) do deus Rama, figura mais importante da cosmogonia hindu, na cidade de Ayodhya, construído sobre as cinzas do Babri Masjid, ou mesquita de Babur, que o imperador Mughal, Babur, ordenou a construção no século XVI, que foi saqueado e literalmente demolido por multidões de fanáticos hindus em 1992 (Ver: Índia, uma divindade chamada Modi) Para muitos, a construção do templo de Rama, com um gasto próximo de 220 milhões de dólares, fez parte da campanha eleitoral.

 

A mão direita de Deus

 

Sem nunca tirar os olhos do profundo espírito religioso do povo indiano, para além daquilo que Deus adora, Modi baseou toda a sua carreira, mas particularmente este último trecho, em uma exageração da sua identidade hindu, quebrando uma lei não escrita, de todos os chefes de estado da nação, que sempre permaneceram publicamente seculares, para evitar qualquer tipo de diferenças religiosas; pois são sempre fáceis de começar e só terminam quando os mortos são muitos. Ao mesmo tempo, promoveu o culto à personalidade, a tal ponto que é difícil separá-la de uma divindade.

 

Tendo declarado, há algumas semanas, enquanto o evento eleitoral estava em pleno desenvolvimento, em diversas entrevistas jornalísticas: “Estou convencido de que Deus me enviou com um propósito, e quando esse propósito terminar, meu trabalho estará feito”, ao que ainda por cima, ele acrescentou: “Deus não revela suas cartas. Isso apenas me força a fazer coisas”.

 

Em declarações a um meio de comunicação estadunidense, ele disse: “Até minha mãe estar viva, eu acreditava que talvez meu nascimento tivesse sido biológico, mas depois da morte dela, quando olho para minhas experiências de vida, estou convencido de que foi Deus quem me enviou”.

 

A tais declarações, o líder do outrora poderoso Partido do Congresso Indiano, Rahul Gandhi, comentou que: “Se uma pessoa comum tivesse feito as declarações que Modi tem feito recentemente, ela seria levada diretamente para um hospital psiquiátrico”.

 

Além do divino, Modi tem duas mãos direitas, a sua, claro, e outra, ainda mais “sinistra”: Amit Shah, colaborador mais próximo do chefe de Estado, que está com ele há 40 anos, e o seguiu durante os seus dois mandatos no governo do Estado de Gujarat, e sempre o acompanhou em posições-chave desde a sua chegada a Nova Delhi em 2014.

 

Hoje Amit Shah atua como Ministro do Interior e, nas sombras, sabe-se, ele é o homem mais poderoso do país, depois de Modi. Shah não apenas chefia a força policial da capital, mas também supervisiona a inteligência do Estado. De onde executa políticas repressivas, contra políticos da oposição, jornalistas e líderes de comunidades religiosas, não apenas muçulmanos, mas qualquer pessoa que tente expressar uma voz dissidente como os Sikhs, que, nos últimos anos, líderes dessa comunidade, refugiados fora destas foram assassinados.

 

A influência de Shah não só é suficiente para dobrar a vontade dos juízes, mas também, com os seus infinitos recursos, desenha operações e programa ataques contra manifestantes, como os sofridos pelos camponeses que chegaram a Nova Delhi no ano passado, para protestar contra as novas leis agrícolas. Ou gerir as “doações” que os poderosos industriais do país devem fazer ao BJP, que, segundo alguns meios de comunicação indianos, também vão parar às suas contas privadas.

 

Outra das funções do Ministro do Interior é responder, na presença do próprio Primeiro-Ministro, às perguntas que algum ousado jornalista dispara a Modi, deixando o primeiro-ministro desconfortável. Que não dava entrevista coletiva há mais de dez anos.

 

A partir do próximo dia quatro, não só se espera que a Mãe Índia inicie o caminho em direção a uma teocracia, mas também será marcada pelo fanatismo e pela morte.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg