top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Irã depois de Raisi"

Foto de Ebrahim Raisi

 

Assim que se soube do desaparecimento do antigo Bell 212 , helicóptero de fabricação norte-americana, com mais de 40 anos de uso, versão civil do lendário UH-1N Twin Huey, que tanto foi utilizado na Guerra do Vietnã, e que ainda é amplamente utilizado por muitos governos e empresas, que transportaram o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, para a cidade de Tabriz, capital da província do Azerbaijão Oriental, foi organizada uma importante operação de busca e salvamento, que contou com a colaboração de drones da Turquia. Devido ao intenso nevoeiro e ao terreno íngreme, foram necessárias doze horas para chegar ao ponto de impacto.

 

Quando as equipes de resgate chegaram ao Bell, na floresta enevoada de Dizmar, a pior das conjecturas foi confirmada, o presidente havia morrido, assim como o resto dos ocupantes, oito no total: o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amirabdollahian, o governador da província do Azerbaijão Oriental, Seyyed Malek Rahmati; um importante líder religioso da cidade de Tabriz, Mohammad Ali al-e Hashem, o chefe da custódia do presidente, Mahdi Mousavi, e os pilotos.

 

A aeronave presidencial caiu quando regressava, juntamente com outros dois helicópteros, do rio Araz, que serve de fronteira com o Azerbaijão, onde o Presidente Raisi tinha chegado para inaugurar uma barragem, juntamente com o Chefe de Estado azeri, Ilham Aliyev.

 

O fato de apenas a aeronave que transportava Raisi ter sido a única danificada, quando os outros dois navios enfrentaram as mesmas contingências meteorológicas, permitiu a muitos analistas levantar a possibilidade de algum tipo de ataque ou de terem sido alvo de sabotagem.

 

Visando, em primeiro lugar, obviamente, o conjunto indivisível Washington-Tel Aviv. As teorias da conspiração também visaram o próprio governo de Baku, devido à sua intensa relação com Tel-Aviv, baseada essencialmente em armas judaicas para o petróleo e gás azeri; a lista de suspeitos mencionava mesmo a França, dadas as suas atuais controvérsias com o Azerbaijão. Poderia também ter sido o sucesso de algum “míssil da sorte”, lançado por um dos grupos terroristas que operam na nação persa, ligado ao Daesh e financiado pelos sionistas; Até mesmo uma carta encontrada no baralho é ação de algum rival interno de Raisi; e claro, por que não? Estas coisas também acontecem, simples e simplesmente, em um simples acidente, por questões técnicas ou erro humano, em um contexto climático extremamente adverso, como o que ocorreu naquela região, na altura da queda.

 

Enquanto os restos do helicóptero ainda não apareciam, em diversas capitais equipes de analistas se reuniram para discutir todas as alternativas. Dado que o Irã não é um país qualquer, a nação está em pleno conflito com Israel.

 

Lembremo-nos da barragem ineficiente de foguetes mútuos lançados de um país para outro, após os ataques sionistas à embaixada persa em Damasco (Síria) em 1º de abril.

 

O Irã também tem muito a dizer sobre o genocídio que Benjamin Netanyahu aperfeiçoa todos os dias em Gaza ao fornecer logística e informação aos Houthis, iemenitas que atacam navios ligados aos interesses israelenses e norte-americanos no Mar Vermelho, e também ao Hezbollah libanês, uma ameaça constante ao norte de Israel. Antecipando qualquer contingência, além de proclamar a sua inocência, Tel-Aviv, extrema a sua segurança. Como todas as embaixadas dos Estados Unidos na região, as do Reino Unido e de muitas nações da União Europeia (UE), principalmente da França.

 

Ao mesmo tempo, o presidente russo, Vladimir Putin, reuniu-se com o embaixador persa em Moscou, Kazem Jalali, para avaliar minuciosamente a situação e oferecer a sua total colaboração na busca do helicóptero perdido.

 

Em um mundo tão sensível como o atual, nada é completamente descartável, muito menos impossível, por isso, se um acidente não for claro e perfeitamente demonstrável. Só seguindo os passos do Irã, nos próximos meses poderemos ter uma ideia de quem poderá ter sido o responsável, claro, caso não haja reconhecimento oficial por parte dos responsáveis. Embora, na verdade, seja muito difícil para meros mortais como nós saber a verdade. Para sustentar isto, basta recordar o assassinato do presidente americano, John Kennedy, após o qual, mais de 60 anos depois, tudo ainda é uma névoa e um assassinato continuou a ser encoberto por outros.

 

A ordem constitucional obriga o primeiro vice-presidente, neste caso, Mohammad Mojber, a assumir o cargo vago e convocar eleições em um prazo não superior a 50 dias. Onde se abrem, uma série de variáveis, que cobrem praticamente todos os matizes políticos.

 

Até agora, o aparecimento dos restos do navio só deixou clara uma coisa: a morte do Presidente Raisi e dos seus companheiros, o resto das questões permanecerão sem resposta ou serão silenciadas para sempre.

 

Pense errado e esteja certo

 

Embora muito complicado, para alguns seguidores do “pense errado e você terá razão”, o encontro entre Raisi e seu homólogo azeri, que teria servido, além da desculpa protocolar, para resolver problemas entre Baku e Teerã, o que deixaria mais confortável para Aliyev operar contra a Armênia. Surge em um momento em que Aliyev se tornou um dos grandes inimigos da França, acusando-o de estar por trás dos distúrbios na Nova Caledônia, uma das colônias mais importantes que Paris mantém na disputada área do Indo-Pacífico, daí o ataque contra os iranianos poderia ter sido um tiro contra o presidente do Azerbaijão.

 

Por outro lado, o Ocidente já começou a sugerir a possibilidade de “fogo amigo”, uma vez que Raisi surgia como um dos mais importantes candidatos à sucessão do aiatolá Ali Khamenei, de 85 anos, na posição de “Líder Supremo” da revolução, isto é, o verdadeiro poder na República Islâmica.

 

Raisi só poderia ser desafiado para esta posição pelo próprio filho de Khamenei, Mojtaba, pelo que o desaparecimento do presidente deixaria a Mojtaba o caminho livre para o cargo mais alto no país persa. Embora para vários analistas esta nomeação deixe a liderança governante exposta a acusações de nepotismo por parte dos setores mais liberais e de muitos líderes da Revolução Islâmica de 1979, que se opõem abertamente à revolução que conduz a um sistema que repete a gestão da monarquia Pahlavi, que derrubaram como o próprio Raisi ou o ex-presidente Mahmud Ahmadinejad (2005-2013), homens que emergiram das profundezas da revolução.

 

Será um desafio para o presidente interino Mojber conduzir o país através do estreito e extenso desfiladeiro dos próximos 50 dias, onde os inimigos da revolução farão todo o possível para desmoroná-la, sabendo que se encontra num ponto extremamente delicado, e tendo sido os agitados protestos do exterior em 2022, ainda ecoando nos ouvidos das lideranças.

 

Portanto, a segurança deve ser extrema para que nada de estranho aconteça, e manter o país até que surja o novo governo, com todos os alertas ligados, porque o Irã conhece muito bem as ferramentas dos seus inimigos, que são muitas e extremamente cruéis.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg