top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Etiópia: preâmbulos para uma nova guerra"



O complexo mosaico étnico e tribal da atual Etiópia formou o país em uma rede de Kililoch (divisões étnicas) e Woreda (círculos administrativos), com mais de oitenta comunidades etnolinguísticas, declaradas como “nações soberanas” pela Constituição de 1995. Ao longo da sua existência história sinuosa, de reis messiânicos, de guerras, da ocupação italiana e das ditaduras que finalmente se abriram, passou para um sistema democrático, hesitante e por vezes fraco, onde ocorrem tensões constantes entre os próprios estados, a maioria deles com milícias armadas, e uma governo central, por vezes não suficientemente forte para antecipar as abordagens separatistas cíclicas.


O aprofundamento destas crises etnonacionalistas, cujo ponto de partida se encontra na constante procura de terras férteis, que se escondem, sob o manto do seu sentido ancestral e arcaico de vingança, o que também lhes tem permitido, para além da sua geografia, serem conquistada, exceto durante o breve interregno fascista de 1936 a 1941.


Em alguns casos, as disputas internas muitas vezes resultam em guerras, como a travada de novembro de 2020 a novembro de 2022 entre a Frente de Libertação do Povo de Tigray (TPLF) e a Força de Defesa Nacional da Etiópia (ENDF). Depois, o discurso pan-etíope do primeiro-ministro e vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2019, Abiy Ahmed, conseguiu que a milícia regional do estado de Amhara o apoiasse, tal como o poderoso exército da Eritreia. Cujo presidente, Isaias Afwerki, persegue, há décadas, o movimento Tigray, que procura, juntamente com os seus irmãos etíopes, a criação de um Estado independente.


Sabendo disso, não hesitou em reprimir o levante, com toda a capacidade militar à sua disposição. Portanto, ao longo dos dois anos que durou o conflito, devastou grandes setores do país, particularmente na região de Tigray, embora tenham sido afetadas áreas importantes das regiões de Amhara, Afar e Benishangul-Gumuz. Ao mesmo tempo, os rebeldes da TPLF ameaçaram a capital do país, Adis Abeba, cidade onde vivem cinco dos 100 milhões de etíopes.


Ao longo dos dois anos de guerra, estima-se, uma vez que nunca houve um registo fiável, que tenha havido pouco mais de um milhão de mortes, a grande maioria delas civis. Muitos produtos de massacres, com sepultamentos em valas comuns e clandestinas.


Face a esta realidade, o aumento dos confrontos entre as Forças de Defesa Nacional da Etiópia (ENDF) e as milícias armadas do Estado de Amhara, entre as quais estão os FANO (jovens), uma força, de aptidão para o combate, responsáveis, em grande parte, pelos grandes massacres durante o conflito de 2020 a 2022. Cujo slogan era: “Matar as forças de Tigray não é suficiente. É melhor assá-los como cabras e comê-los”.


É importante notar que as milícias Amhara, que hoje confrontam Adis Abeba, operam independentemente do governo regional. No início de agosto foi Yilkal Kefale, o então presidente (governador) de Amhara, quem pediu ajuda militar ao primeiro-ministro Abiy.


O atual conflito começou a tomar forma, logo que a guerra terminou, em novembro de 2022, embora tenha ganhado intensidade em abril passado, quando a FANO, após recusar entregar as armas, e aceitar ser incorporada na polícia, ocupou militarmente várias localidades, o que obrigou à intervenção das forças federais para despejá-los, originando combates que deixaram dezenas de mortos.


Já em fevereiro ocorreu um acontecimento que, embora possa ser interpretado como menor, ficou claramente marcado, para as relações entre Amhara e o governo federal, a cisma dentro da Igreja Ortodoxa Etíope de Tewahedo, que representa 50% da população do país. fiel. Um grupo de padres Oromo (o mesmo grupo étnico ao qual Abiy pertence) separou-se da igreja oficial, declarando uma ordem própria, o que lhes permite realizar cultos em sua própria língua em vez do amárico, a língua dos Amharas, que é praticamente a língua franca da Etiópia. Para muitos analistas, a cisma faz parte da estratégia geral de Abiy para dividir a Igreja, uma peça-chave da integração etíope, e remover a centralidade religiosa dos Amharas. Algumas versões, não confirmadas, indicam que vários cristãos ortodoxos Amhara foram atacados com facões e lanças até a morte.


Desde os Acordos de Paz, encorajados principalmente pelo Quênia e pela África do Sul, que puseram fim à guerra do Tigray em 3 de novembro do ano passado, as relações entre o governo regional de Amhara e o do Primeiro-Ministro deterioraram-se visivelmente.


As reivindicações, por parte de Bahir Dar, baseiam-se no fato de que para além do inegável apoio dado, durante o conflito com Tigray, ao governo central; os interesses desse estado não foram considerados. Há acusações de que Adis Abeba se prepara para devolver, no âmbito do pacto, os territórios Wolkaite, há muito disputados entre Amhara e Tigray, que foram conquistados durante a guerra pelos vencedores. Prova disso é que o governo de Tigray defende rigorosamente o acordo que os beneficiaria, no que diz respeito aos seus vizinhos do sul, os Amharas.


Para muitos analistas, esta imprecisão no acordo de paz fez parte do movimento de Abiy para continuar a controlar os territórios, uma vez que Adis Abeba planeja estabelecer forças federais para tarefas policiais, enquanto se aguarda a chegada iminente de contingentes importantes da população, que tiveram de ser deslocados durante a guerra. Abiy, para desbloquear a situação dos territórios disputados, propõe a realização de um referendo posteriormente para decidir se pertencem a Amhara ou a Tigrey.


O país das milícias


As claras intenções do primeiro-ministro Abiy Ahmed, que em 4 de agosto declarou o estado de emergência e enviou contingentes militares para a região de Amhara, para conter as milícias rebeldes, muitos entenderam o gesto como o passo anterior para o início de uma nova guerra civil.


Abiy, não se limitam a ceder territórios, de um estado a favor de outro ou a uma cisma religiosa, para aumentar o seu volume político. O primeiro-ministro sabe que um passo prévio para esse fim é desarmar todas as milícias regionais, pois como ficou claro com a Frente de Libertação Tigray, são verdadeiros exércitos, cujo poder excede em muito as tarefas atribuídas ao controle territorial.


Como vencedor da guerra do Tigray, Abiy sabe muito bem o que significa lidar com estas milícias altamente treinadas e bem armadas, que a qualquer momento podem levantar-se contra o poder central, ou desencadear uma guerra civil entre várias regiões que acaba por consumindo a Etiópia em uma guerra civil de todos contra todos, que parece estar a aproximar-se rapidamente.


Milhares de irregulares Amhara, incluindo a milícia FANO, lutam contra o exército federal, se não também contra as milícias de Oromia, um estado vizinho.


A crise que eclodiu em abril, quando milhares de milicianos Amhara, juntamente com os do FANO, rejeitaram a tentativa federal de dissolvê-los, de fundi-los com outras unidades e diluir o sentimento entonacionalista e se refugiaram nas florestas. Ao mesmo tempo, as forças federais bombardearam cidades de Amhara com drones e artilharia pesada. Enquanto começaram as prisões em massa e a perseguição aos líderes Amhara. Como resultado dos combates com as tropas governamentais, ocorreram centenas de mortes, eclodiu uma crise humanitária, uma vez que milhares de residentes de Amhara carecem de alimentos, água potável e medicamentos, e uma epidemia de malária começou a espalhar-se.


Apesar do decreto do governo de Abiy, que ordenou a dissolução de todas as milícias do país, os Amharas interpretaram que a medida foi pensada para eles, especialmente agora que não só tiveram atritos com Adis Abeba, mas também com as milícias do estado de Oromia, onde ocorrem importantes confrontos com o OLA (Exército de Libertação Oromo) que desde junho já causou pelo menos duas mil mortes.


Em Amhara, desde abril, têm ocorrido combates cada vez mais violentos, com confrontos que deixaram mais de duzentos mortos. Em julho, uma emboscada de FANO a um comboio da ENDF matou mais de uma dúzia de regulares. A insurgência Amhara tomou várias cidades, como Lalibela, de grande valor arqueológico, declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO, e Gondar (residência dos imperadores etíopes do século XVII ao século XIX). As batalhas também foram travadas em torno de Debre Markos, na área oriental de Gojjam, perto de Debre Berhan, na área norte de Shewa e na área sul de Wollo.


Acredita-se que a capacidade militar e estratégica das milícias Amhara seria fornecida por ninguém menos que a Eritreia, o que estaria a promover a possibilidade de um conflito ainda maior entre Adis Abeba e Asmara.


A Eritreia e a Etiópia, até há poucos meses aliada na guerra do Tigray, começaram a distanciar-se, devido à bravata do primeiro-ministro etíope que, dada a necessidade urgente de um porto, para desenvolver toda a economia proveniente da implementação da Grande Barragem de Ressurgimento da Etiópia exigiu que a Eritreia permitisse a utilização do porto de Assab, no Mar Vermelho, cuja utilização foi proibida desde a guerra de 1998/2000. Abiy abordou a questão portuária dizendo que queria conseguir um porto através de meios pacíficos, embora tenha acrescentado que: “se isso falhar, usaremos a força”. Assim, o presidente da Eritreia, Isaías Afewerki, aliado de Abiy, até há poucos meses, e muito prático quando se trata de guerra, começou a movimentar as suas peças para não ser surpreendido, em uma outra guerra, mas isso é outra história.


Linha Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg