top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Península Coreana 2023: Escalada do conflito?"



Introdução.


A Península Coreana dividida em dois países pelo Paralelo 38 há mais de seis décadas continua sendo, sem dúvidas, um cenário de interesse internacional. Embora desfrutar de uma posição geográfica favorável ao comércio e múltiplas trocas entre países seja algo positivo, no caso coreano isso o transformou no epicentro de conflitos geopolíticos.


Fenômenos como a fome, a exploração, as mortes resultantes de conflitos armados e a separação de famílias formam parte da sua história; assim como a luta pela paz, o dever de resistir perante as agressões estrangeiras, de defender uma identidade nacional própria e estabelecer-se como país soberano, sem interferências externas – todos esses temas ainda não resolvidos totalmente em pleno século XXI, pois a nação permaneceu-se dividida em dois países com sistemas políticos antagônicos, os quais ainda estão tecnicamente em guerra.


As relações entre a República Popular Democrática da Coreia, RPDC e a República da Coreia, RC, evoluíram de situações em que a escalada do conflito alcançava altos níveis de intensidade até momentos de menor tensão. E claro, a influência dos interesses de grandes potências é uma constante.


Por isso a impossibilidade de realizar-se uma análise objetivo da problemática da península sem abordar o papel exercido pela estreita ligação com a China, que, desde o início da nação, deixou uma forte marca econômica, política e cultural. Outras influências importantes para entender a dinâmica geopolítica da região, na qual a península é o foco principal, são as relações com Japão, Rússia e Estados Unidos.


Este artigo não pretende dar definições ou diagnósticos conclusivos sobre a realidade coreana, mas apenas oferecer uma abordagem sobre a vida atual na península e algumas considerações sobre o conflito coreano no contexto atual.


A Península Coreana no contexto geopolítico atual.


O cenário geopolítico atual está marcado por uma forte disputa entre potências, juntamente com uma grande crise econômica, consequente da pandemia da COVID-19 e das múltiplas guerras existentes, dentre as quais, se destaca – por seu impacto político-econômico mundial – a guerra “Rússia e OTAN”, que ocorre em território ucraniano e é ativamente apoiada pelos EUA.


Esta conjuntura é uma manifestação do alcance que os conflitos possuem no mundo globalizado de hoje: nesse contexto, o comportamento dos EUA desempenha um papel fundamental na arena internacional. A ameaça que este país percebe à sua hegemonia internacional tem levado a um aumento da agressividade de sua política externa, cujos objetivos principais são conter a China, aniquilar a Rússia e prejudicar a imagem de todo país que se oponha à atual ordem internacional e forme parte do fenômeno que ficou conhecido como “mundo multipolar”. As políticas externas e internas de ambas as Coreias não conseguiram escapar do impacto direto desta realidade.


Análise das relações políticas internacionais e seu impacto interno na Península Coreana.


A política da Coreia do Sul sempre se deu dentro do alcance das “direitas”. Contudo, desde sua eleição, o novo presidente, Yoon Suk Yeol, assumiu uma posição mais radical. Neste quadro, o fortalecimento da aliança com os EUA ocupa um lugar central, e está associado ao fortalecimento das capacidades militares nacionais. Por esta razão, houve um aumento considerável de armas convencionais e nucleares em território sul-coreano provenientes dos EUA, e a presença de soldados americanos também cresceu.


Melhorar as relações com o Japão também faz parte das prioridades da nova administração. Isso se explica pelo papel que ambos os países desempenham na estratégia de aliança dos EUA no Extremo Oriente. Assim, seguiu-se com uma política de redução das contradições tradicionais, explicando o fato de medidas sensíveis como a indenização às vítimas de trabalho forçado durante a ocupação japonesa terem sido tomadas, o que isenta empresas japonesas de pedir desculpas ou de as compensar diretamente, uma vez que o plano de indenização é proveniente de um fundo financiado com dinheiro de empresas sul-coreanas, que anteriormente haviam sido compensadas pelo Japão.


Apesar as múltiplas críticas e protestos em Seul, a decisão foi mantida para que se pudesse encerrar, aparentemente, um capítulo de anos de conflito com os japoneses. Por sua vez, Washington manifestou sua aprovação, já que a aliança estratégica entre Japão, Coreia do Sul e EUA é, sem dúvida, de grande interesse aos estadunidenses.


É possível dizer que o conflito entre Coreia do Sul e Japão está totalmente resolvido?


Apesar dos esforços de Washington para unir os dois países, participantes do seu quadro estratégico regional, é inocente e precipitado aceitar a real possibilidade de isso acontecer, uma vez que os conflitos são muito delicados e datam de há muito tempo. Estima-se que 780 mil coreanos foram recrutados para trabalhos forçados durante a ocupação japonesa(1), um número que não inclui as mulheres submetidas a escravidão sexual por soldados japoneses. Segundo historiadores, até 200 mil mulheres, principalmente coreanas, foram obrigadas a se prostituir em bordéis do exército japonês. Também não se pode ignorar os atritos causados pelos problemas relacionados ao plano do Japão de despejar no mar a água radioativa tratada e armazenada na antiga central nuclear de Fukushima. Apesar de a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ter proposto, dia 4 de julho, que é possível fazê-lo, desde que esteja de acordo com as normas internacionais de segurança e o governo coreano confirme e apoie, o povo coreano reagiu fortemente contra o despejo, devido aos riscos que consideram que isso acarreta.


Embora seja importante para a Coreia do Sul melhorar as relações com o Japão no âmbito da sua política externa e haja várias ações que ambos têm tomado para conseguir, há questões de interesse nacional que devem ser tratadas com muito cuidado e sensibilidade política, caso contrário surgiria um conflito interno que poderia ameaçar a estabilidade do país.


Neste contexto, a participação, pela segunda vez, do presidente sul-coreano na Cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) constitui um fator importante que reafirma, mais uma vez, o seu alinhamento com os EUA. Segundo o artigo da agência oficial sul-coreana de notícias, Yonhap, tal comportamento “demonstra seu compromisso de desenvolver a solidariedade com nações com ideais semelhantes para promover valores universais, que incluem a liberdade, os direitos humanos e o Estado de direito”(2).


Este fato está relacionado a outras prioridades da política externa da atual administração, pois se almeja transformar o país em um “Estado central global”, caracterizado por uma política externa ativa para além da Ásia Oriental e que promova a “liberdade, a paz e a prosperidade através de valores democráticos liberais”. Esta pode ser a explicações do por que da recente visita surpresa do presidente sul-coreano à Ucrânia; como interpretá-la e quais as implicações para a relação Coreia do Sul-Rússia são questões para se considerar.


O presidente Yoon concordou em fornecer ao país um pacote de segurança humanitária e de reconstrução, chamado de “Iniciativa da Paz e Solidariedade à Ucrânia”, e o Primeiro Vice-Ministro de Relações Exteriores da Coreia do Sul, Chang Ho-jin desprezou a possibilidade de uma deterioração das relações russo-sul-coreanas, alegando que não se trata de uma ajuda militar. Enquanto isso, o porta-voz do Ministério da Defesa, Jeon Ha-kyu, referindo-se ao mesmo assunto, declarou em uma conferência de imprensa que “não há mudança na posição do Governo, a Coreia do Sul não fornece armas letais”. Tudo até aqui exposto parece demonstrar que se manteria a tranquilidade entre ambos os países, Rússia e Coreia do Sul.


No entanto, esta informação difere de um artigo publicado pela agência de notícias Yonhap que informa sobre o envio de um avião de transporte militar para enviar suprimentos militares adicionais para a Ucrânia, segundo um oficial de defesa sul-coreano(3).


Também não se pode esquecer que, em abril deste ano, foi o próprio presidente sul-coreano quem disse que Seul poderia proporcionar ajuda militar à Ucrânia caso chegue-se a uma situação que a comunidade internacional não pudesse tolerar. Dessa forma, mostrou abertamente uma mudança na política externa de Seul, no sentido de articular apelos de Washington e da Europa para fornecer ajuda militar a Kiev. Essa declaração foi arriscada e impulsiva, certamente com consequências negativas para as relações com a Rússia.


Como era de se esperar, Moscou descreveu a manifestação como hostil e pouco amistosa para com relação à Federação Russa. Ele também alertou Seul que dar um passo nessa direção envolveria o país asiático no conflito.


Por sua vez, Dimitri Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional Russo, disse a esse respeito: “Eu me pergunto o que os habitantes dessa nação (Coreia do Sul) dirão quando vejam as mais novas armas russas nas mãos de seu vizinho mais próximo: nossa aliada Coreia do Norte”(4).


Sem dúvida, o envio de armas de Seul para a Ucrânia representa um compromisso direto no conflito, que subestimaria a importância estratégica do seu bom relacionamento com a Rússia e a necessidade iminente de preservar a paz no seu território, pois é de se esperar que uma escalada do conflito entre Seul e Moscou, além dos altos custos econômicos, poderia levar ao envolvimento direto de aliados de Moscou, se necessário.


Seul pode se sentir otimista e confiante após sua aliança com a OTAN, na recente cúpula, em que segundo o próprio presidente, foi assinado um Programa de Parceria Personalizado (ITPP, a sigla em inglês), para cooperar em 11 áreas que vão desde o contraterrorismo e a não proliferação de armas até as tecnologias emergentes e de defesa cibernética. Isso inclui a expansão do compartilhamento de informações militares com a organização, utilizando o sistema BICES, um ponto de referência para Seul e Washington à medida que desenvolvem um sistema de partilha de informação nuclear através do seu novo Grupo Consultivo Nuclear (NCG).


Com a criação deste grupo, NCG, pretende-se que a Coreia do Sul tenha uma maior participação nas deliberações estratégicas dos EUA. Não somente se trata de ter mais informações como também permitir a intervenção nas decisões sobre a implementação de armas nucleares dos EUA, o que supostamente daria a Seul uma sensação de “maior tranquilidade” e explicaria os acordos tomados na recente cúpula bilateral entre EUA e Coreia do Sul, realizada em abril, na qual Seul afirmou que “manterá seu status de signatário do Tratado de Não-Proliferação”(5) (TNP). O TNP, ratificado pela Coreia do Sul em 1975, proíbe que os signatários desenvolvam armas nucleares.


No entanto, isso é suficiente? Que garantias concretas teria a Coreia do Sul de que os EUA cumpram de forma transparente o NCG, bem como o Tratado de Defesa Mútua entre EUA e República da Coreia, firmado em 1953 no final da Guerra da Coreia, o qual Washington se compromete a ajudar a Coreia do Sul a se defender, particularmente da Coreia do Norte?


À medida que Pyongyang avança rapidamente com seu programa nuclear, incluindo o desenvolvimento de mísseis de longo alcance, que afirma que alcançariam facilmente o território estadunidense, a segurança e a proteção que os EUA podem oferecer à República da Coreia se tornam-se cada vez mais vulneráveis, especialmente se a Rússia estiver envolvida numa aliança estratégica com a Coreia do Norte. Até que ponto este aliado, os EUA, manteria seus compromissos se houvesse um conflito envolvendo todas essas partes?


O país norte-americano jogou e joga no tabuleiro mundial de acordo com seus próprios interesses. Uma Coreia do Sul que, ainda que forte economicamente, tenha um desenvolvimento médio em termos de armas, é dependente dos Estados Unidos. Se somarmos a isto o enfraquecimento das relações bilaterais com países importantes dessa região da Ásia, a capacidade de Seul de acelerar seu próprio desenvolvimento econômico se enfraqueceria e aumentaria a sua dependência. Temerosa com relação ao Norte e enfraquecida em suas relações internacionais, a República da Coreia se torna um alvo fácil de manipulação em prol dos interesses de Washington.


Isto garante aos EUA o uso do território sul-coreano para aumentar a presença militar norte-americana na região, a implementação do sistema de defesa antimíssil THAAD, bem como inventiva sua participação ativa nos grupos de trabalho do Diálogo Quadrilateral de Segurança (QUAD, em inglês).


O QUAD é uma cúpula cujo objetivo fundamental é contrariar a crescente influência da China na região. Embora a Coreia do Sul não faça parte deste conclave, ter uma participação proativa nele faz parte de suas aspirações. De acordo com um responsável sul-coreano à Yonhap, Seul adotaria uma “’abordagem gradual’ com relação a sua participação oficial no QUAD, mantendo a ‘cooperação funcional’ através da sua profunda participação em grupos de trabalho para vacinas, alterações climáticas e novas tecnologias”(6).


Diante disto, o governo chinês reiterou seu apelo para a Coreia do Sul manter-se afastada das atividades desse pequeno grupo exclusivo. De acordo com Pequim, a cooperação entre países deve estar em conformidade com a tendência dos tempos de paz e de desenvolvimento, e os países em questão não deveriam criar pequenos grupos exclusivos(7).


Recentemente, numa entrevista à agência Reuters, o presidente da Coreia do Sul descreveu as tensões entre China e Taiwan como uma “questão global” semelhante à da Coreia do Norte e culpou a China por “tentar mudar o status quo pela força”. O Porta-voz diplomático da China, Wang Wenbin, criticou os comentários de Yoon e insistiu que a questão de Taiwan não é comparável à tensões na Península Coreana. Para a China a questão de Taiwan é uma questão soberana dos próprios chineses e não se pode permitir qualquer interferência estrangeira. É por esta razão que Pequim incitou Seul a “aderir ao princípio de Uma Só China e ter cuidado com as suas palavras e ações sobre a questão de Taiwan”.


Obviamente, as declarações de Yoon foram consideradas totalmente inaceitáveis e causaram uma forte insatisfação ao governo chines. Era sobre isso que Yoon se referia quando aludiu a “reorganizar completamente a relação com a China” como um dos principais pontos de sua política?


Tal como a Rússia, a República Popular da China também tem sido um importante parceiro comercial da República da Coreia há muitos anos, embora as relações históricas entre ambos não tenham estado isentas de preocupações, como a disputa pelo Mar Amarelo. O consenso baseado na comunidade de interesses e no respeito mútuo sempre prevaleceu para reduzir as tensões na região e preservar a paz, objetivos de grande interesse para ambos os países, até o momento.


Um distanciamento da Rússia e da China que, segundo alguns analistas, são potências emergentes e para outros já são potências contrárias à atual ordem mundial, deixa Seul numa posição incômoda e desfavorável no terreno das relações internacionais, pois isso reduziria as trocas nas áreas econômica e social, entre outras de importante valor. Essa situação faz parte do aumento das tensões na região que poderá levar a um surto militar inoportuno de dimensões internacionais.


Sem dúvida, a nova administração fortalece cada vez mais os seus laços com os EUA, cria laços de dependência extremamente perigosos para qualquer país e cava a sepultura de sua soberania e autodeterminação ao colocar a sua segurança e lealdade na aliança estratégica com os EUA. O governo sul-coreano age com aparente ingenuidade e desconhecem que para o país norte-americano as alianças são marcadas por relações entre Rei e Súditos.


Como parte central deste fenômeno, hoje o governo sul-coreano, liderado por Yoon Suk Yeol, leva a cabo uma das retóricas mais agressivas da história em relação à República Popular Democrática da Coreia. Um destaque foi o discurso proferido durante a recente reunião com responsáveis-chave do Comando das Nações Unidas(8), quando o presidente sul-coreano expressou: “o país deve alcançar a paz através de um ‘poder avassalador e forte’, para que a Coreia do Norte possa renunciar voluntariamente ao seu poder nuclear”(9). As críticas abertas e ferozes à passada administração de Moon Jae-inapenas reforçam a sua ideia determinada de que “o poder da força é a única forma de garantir a verdadeira paz, e não uma falsa paz que depende da boa vontade dos demais”(10).


Isto naturalmente faz parte de outra das tendências políticas da atual administração sul-coreana: intensificar o máximo possível as políticas relacionadas à República Popular Democrática da Coreia. No início de seu mandato, Yoon deixou clara a sua intenção de, mais uma vez, classificar a Coreia do Norte como país “inimigo” no Livre Branco de Segurança Nacional. Uma designação abandonada desde 2018.


O Livro Branco de Segurança Nacional é o documento oficial do governo que estabelece as bases das políticas de defesa nacional. Participam de sua elaboração seis entidades, entre elas o Ministério da Defesa e o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas. O conteúdo trata de ameaças externas, objetivos e orientações básicas das políticas de defesa nacional, preparação de tropas, políticas militares, orçamentos e programas de investimento em defesa.


Foram várias as nomenclaturas usadas historicamente neste livro para descrever a Coreia do Norte, que vão desde os termos inimigo, ameaça militar direta, ameaça direta e séria até inimigo principal. Tudo depende, em grande medida, do nível do conflito atual entre as duas Coreias. Apesar de incluir novamente o uso do termo “inimigo”, o Ministério da Reunificação sul-coreano sustenta que ressuscitar a expressão não implica que Seul renuncie ao diálogo e à cooperação intercoreanos.


Contudo, a utilização do termo permite-nos desenhar políticas militares específicas contra um adversário concreto e melhorar o nível de preparação. Para tanto, considerando a delicada situação da Península Coreana e a recente redução e modificação do Ministério da Reunificação da Coreia do Sul, poderia prejudicar os esforços para promover o diálogo e fomentar um ambiente de reconciliação; sobretudo se somarmos as declarações do presidente dos EUA, Joe Biden, de que “um ataque nuclear da Coreia do Norte contra os EUA ou qualquer um dos seus aliados é inaceitável e resultará no fim de qualquer regime que perpetue esta ação”.


Para a República Popular Democrática da Coreia, apesar dos múltiplos diálogo entre os EUA e a Coreia do Sul, que culminaram na inclusão de frases de guerra em cada documento, a RPDC nunca antes foi publicamente definida como alvo de um ataque nuclear, tampouco se havia estipulado de forma aberta a implementação periódica e sustentada de artefatos nucleares estratégicos na Península Coreana(11).


Por essa razão, a RPDC considera que a situação atual provoca uma escalada de tensões na Península de maiores magnitudes, que poderá ir além da retórica agressiva, uma vez que o plano de cooperação para a cibersegurança estratégica entre os EUA e a Coreia do Sul, onde se confirmou a expansão da cooperação tripartite entre os dois e o Japão, a troca de informações em tempo real sobre a RPDC e a realização periódica de exercícios militares para dissuadir e enfrentar de forma mais eficaz a ameaça nuclear e de mísseis que dela emana, nada mais é do que a justificativa para a realização de exercícios militares conjuntos de grande escala e manobras de guerra contra a RPDC de diferentes tipos, introduzindo artefatos estratégicos e colossais na Península Coreana e arredores.


Dada a situação atual, o governo norte-coreano alerta que os EUA são os culpados pelo agravamento da tensão na Península Coreana e pela escalada do perigo de uma guerra nuclear. Portanto, consideram o país norte-americano, sem dúvidas, como a maior ameaça na história contemporânea da Coreia.


Diante dessa realidade complexa, seria possível pensar que a República Popular Democrática da Coreia poderia abandonar o seu programa de desenvolvimento de armas nucleares? A RPDC afirma que considera que é dever de cada governo cuidar de seu povo, e está é precisamente uma das razões do seu desenvolvimento armamentista. Defender a Península, o povo coreano e dissuadir a guerra são, segundo os próprios norte-coreanos, os três pontos básicos que explicam porque hoje nos deparamos com uma potência nuclear. Deve se dizer que, embora a posse e o desenvolvimento de armas nucleares por qualquer país implique sérios perigos para a humanidade, é muito difícil refutar esta política num mundo em que várias potências possuem armas nucleares, incluindo, fundamentalmente, o imperialismo norte-americano, um país com uma política exterior agressiva, principal aliado da República da Coreia e inimigo da RPDC.


São vários os problemas que a RPDC enfrenta, desde as múltiplas sanções econômicas que afetam intensamente a sua economia, até a conhecida guerra midiática, cujo enviesamento de informações condiciona a opinião internacional e justifica as sanções impostas, ao mesmo tempo que criminaliza o sistema político e tenta privá-lo do seu legítimo direito de se autodefender.


O desarmamento nuclear da RPDC é uma das partes centrais das condições impostas pelos EUA e pela Coreia do Sul para estabelecer a paz na Península e eliminar as sanções que aplicam àquele país. No entanto, como ficou evidente anteriormente, causas diferentes são levantadas pelos norte-coreanos, que acrescentam outras justificativas que levaram ao desenvolvimento defensivo de sua corrida armamentista, que se modernizou não somente em seu arsenal macro, como também no combate homem-a-homem. Isso ficou claro em seu último desfile militar.


Hoje, a Península Coreana vive um dos cenários mais complexos do conflito: uma Coreia do Sul determinada em mostrar o seu poder nuclear através de uma aliança reforçada com os EUA e seus aliados; e uma Coreia do Norte, potência nuclear, que possui um desenvolvimento de armas aéreas, terrestres e marítimas, que afirma estar disposta a utilizá-las defensivamente.


Sobre suas armas nucleares, em conferência realizada para comemorar o 70º aniversário da vitória da Guerra Patriótica, o Embaixador da RPDC no Brasil, Sr. Kim Chol Hak, disse: “A primeira e principal missão de nossas armas nucleares é dissuadir a guerra”(12).


Atualmente, o sistema socialista da Coreia Popular e Democrática baseado na Ideologia Juche é atacado pelos EUA e pelo Ocidente. Em relação a isso, o Embaixador Kim também aludiu: “A agressividade e a arrogância dos imperialistas nunca mudam. Temos de confrontá-los com a superioridade ideológica e militar. A RPDC está preparada para qualquer tipo de enfrentamento contra os Estados Unidos”(13).


Na recente 7ª Reunião Ampliada da 8ª Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, liderada por Kim Jong Um, Secretário Geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Presidente da Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Presidente da Comissão de Assuntos de Estado e da República Popular Democrática da Coreia, foi relatado pela KCNA que foram analisadas as ações militares dos principais culpados de agravar a situação que destroem a paz e a estabilidade na Península Coreana, e foram decididas contramedidas militares ofensivas para ter uma disposição firme para neutralizar imediatamente a guerra, com uma dissuasão estratégica esmagadora, e empreender ofensivas militares simultâneas(14).


Esta reunião serviu como uma importante oportunidade para consolidar o que consideram ser a garantia militar de vitória na guerra, apresentando programas práticos que permitirão ao Exército Popular Coreano assumir uma liderança estratégica e táctica firme. A RPDC acredita que, face a um inimigo tão poderoso como os EUA, as capacidades de guerra do país devem ser enérgicas.


Chama a atenção que, ao contrário do Sul, para o Norte seja claro que o verdadeiro inimigo são os EUA, ainda que na sua retórica, ao se referir ao atual governo sul-coreano e ao seu presidente, sejam utilizados adjetivos como fantoches e presidente traidor, a Coreia do Sul não é classificada como inimiga.


Pode-se observar que, nos últimos anos, as relações entre ambas as Coreias esteve em deterioração acelerada. Os seus canais de comunicação são pouco utilizados e há pouca esperança de que o conflito diminua, especialmente se tivermos em conta os resultados da cúpula trilateral realizada no retiro presidencial em Camp David, em Maryland, com a participação dos líderes dos EUA, Coreia do Sul e Japão. Nesta cúpula, concordou-se em expandir significativamente a cooperação trilateral em matéria de segurança, comprometendo-se a consultar imediatamente em caso de ameaças comuns, a realizar exercícios militares conjuntos anuais e a cooperar estreitamente para uma defesa antimíssil mais forte contra a Coreia do Norte.


Estes acordos foram rapidamente concluídos, como evidenciado pelos exercícios militares conjuntos durante os quais aeronaves norte-coreanas entraram em território norte-coreano, fato que fez com que aviões de combate norte-coreanos decolassem com um objetivo dissuasivo. Não é a primeira vez que este incidente ocorre, em outras ocasiões aviões norte-americanos foram detectados, detidos e até mesmo abatidos.


Em relação a este fato recente, a agência de imprensa da RPDC, a KCNA, afirmou que as medidas dos Estados Unidos para introduzir recursos nucleares estratégicos na Península Coreana são uma chantagem nuclear flagrante contra a Coreia do Norte e os países da região, e representam uma séria ameaça à paz. Ela também denunciou o acordo trilateral entre a República da Coreia, os EUA e o Japão como “a versão asiática da OTAN” e o plano estadunidense de cercar a Rússia e a China.


O diálogo diplomático “incondicional” que os EUA propõem com a RPDC não é e nunca foi uma alternativa segura para o povo norte-coreano. Embora o país norte-americano declare que os exercícios militares conjuntos são de natureza defensiva e servem para demonstrar compromissos de aliança, a verdade é que estes, juntamente com uma retórica agressiva a níveis superlativos, como a atual, são mais do que dissuadores, ameaçadores, especialmente se o a proximidade entre a Coreia do Sul e a OTANé tida em conta, bem como os resultados da cúpula trilateral de Camp David.


Embora os especialistas em Coreia do Norte descartem a possibilidade de esta desenvolver alianças militares com outros países com base no facto de a ideologia Juche ter como um dos seus pilares a autodeterminação do país asiático, o estabelecimento de uma aliança militar pareceria pertinente, e de alguma urgência entre a República Popular Democrática da Coreia, a República Popular da China e a Federação Russa, se os interesses de todos estes países coincidirem.


Guerra iminente ou desaceleração do conflito na Península Coreana.


São vários os interesses que estão no tabuleiro geopolítico. A escalada do conflito coreano justifica e persegue objetivos tácitos para vários países. Para o Japão, propicia o aumento de sua influência na arena internacional e a escalada do seu poderio militar com a justificativa da necessidade de se proteger de ameaças.


Para os países que compõem a OTAN constitui um fator que poderia servir para preservar o status quo imposto pela Pax Americana.


Para os EUA, líder do mundo unipolar, estabelecido após o fim da URSS e dos países socialistas da Europa, significa salvaguardar o seu status hegemômico, combater a China e expandir sua corrida armamentista através da venda de armas, e a possibilidade de testar suas novas e velhas armas em terras distantes. Isto, naturalmente, proporciona poder e ganhos econômicos substanciais e muito necessários, sobretudo em momentos que, desde 2016, o dólar perdeu 11% de mercado. A partir de 2022, a queda do valor desta moeda foi ainda maior. As perspectivas futuras, dado os acontecimentos atuais, são particularmente adversas.


Especialistas como Jen e Freire (2023) comentaram que “As medidas excepcionais tomadas pelos EUA e seus aliados contra a Rússia assustaram os grandes países que possuem reservas”, referindo-se ao dólar. Isto se deve ao uso excessivo de sanções, o que causou um fenômeno contraproducente: uma intenção marcada de desdolarização dos países como alternativa para se fortalecer como nações e proteger suas economias e, com isso, sua autonomia. Diante deste cenário, os possíveis benefícios do conflito coreano também permitem inflar a economia estadunidense.


Seguindo essa lógica de pensamento, pode-se defender a hipótese de que os EUA podem incitar tensões e atos terroristas que vão além das provocações a ponto de desencadear uma nova guerra na Coreia?


Esta hipótese não é absurda, se tivermos em conta a extensa lista de intervenções militares dos EUA, estimadas em 400 no mundo todo, que, em muitas ocasiões, foram precedidas por atos terroristas que, alguns, embora tenham elevados custos econômicos e vidas humanas, serviram para garantir a “integralidade moral”, isto é, a justificação ou pretextos perante o povo estadunidense e do mundo, das intervenções norte-americanas.


Um exemplo disso que preocupa Cuba, entre muitos, foi a explosão do encouraçado Maine em 1898, navio estadunidense que se encontrava na Baía de Havana numa visita de rotina, segundo declarações do governo dos EUA na época. O acontecimento foi publicado na imprensa norte-americana, que há meses criticava ferozmente a política espanhola em Cuba e não hesitava em acusar os espanhóis pelo naufrágio. Em 16 de fevereiro de 1898, após a explosão, o jornal World insinuava: “Não está claro se a explosão foi dentro ou debaixo do Maine”; e no dia seguinte, outro jornal dizia sem titubear: “Destruição do Maine provocada pelo inimigo”. A opinião pública inflamada exigia uma resposta militar.


Depois do ocorrido, em apenas três meses, os EUA intervieram na Guerra Hispano-Cubana e com a assinatura do Tratado de Paris, que deixou de fora os mambises, insurrecionistas que lutaram durante décadas pela independência, Cuba passou de colônia da Espanha para uma neo-colônia dos EUA.


Acompanhando de perto os acontecimentos na Península, é perceptível a escalada da campanha midiática na criação da imagem da Coreia do Norte como um Estado altamente perigoso, culpado pela desestabilização da paz na região, cuja população deve ser libertada. Isto pretende aumentar o medo da RPDC, do seu sistema político e, claro, do seu governo na consciência das massas. Uma vez consolidadas as condições subjetivas, não seria difícil para os EUA promoverem um ataque terrorista em território sul-coreano e culparem a Coreia do Norte por isso. Posteriormente, os EUA surgiriam como os grandes salvadores do mundo, da democracia e da paz na região, garantindo a “integridade moral” da sua intervenção.


Se já estão criadas as condições subjetivas, por que isso não aconteceu? O que impede os EUA de aplicarem sua habitual fórmula de construir pretextos como detonadores, no âmbito de suas intervenções militares e de eclosão de guerras?


É evidente que não é a sua lealdade e afeto pelo povo coreano que impede os EUA de se comportarem como EUA. Essa não é a explicação. Se hoje a dimensão do conflito não evoluiu para ações trágicas e concretas em território sul-coreano, que poderiam desencadear a guerra, culpando o lado Norte da Coreia por isso, deve-se essencialmente à existência do armamento nuclear da Coreia do Norte com capacidades intercontinentais e a altíssima possibilidade de um conflito começar em território coreano e continuar em território norte-americano. Não podemos esquecer das palavras do representante norte-coreano em 2018 durante uma reunião da ONU, quando alertou que os EUA seriam os único culpados pelo seu lindo céu azul estar cheio de foguetes nucleares norte-coreanos se continuassem a atacar a Coreia. Toda a informação disponível indica que, se não chover, os mísseis norte-coreanos poderão atingir os EUA e ter um efeito letal.


Por outro lado, é impossível supor que em uma guerra de grandes proporções na Península não envolva a China e a Rússia, o que conduziria ao possível início de um conflito de proporções mundiais.


Considerações finais.


Sem querer tirar conclusões precipitadas, visto que o tema não está nem perto de ser concluído, prefiro encerrar o artigo com as seguintes considerações.


Para que um conflito se inicie e se agrave, é necessária pelo menos a intervenção de dois países com posições antagônicas. O papel da Coreia do Sul, enquanto variável com interesses autônomos nesta questão, raramente é avaliado; no entanto, é impossível ignorar que, apesar da importante influência da aliança com os EUA, há fatores subjacentes, referentes aos interesses intrínsecos da República da Coreia como nação, que devem desempenhar um papel importante nas tensões inter-coreanas.


Para a República da Coreia, flexibilizar e ameaçar com músculos nucleares apoiando-se na força de um aliado desleal como os EUA, esquecendo as suas próprias necessidades nacionais e ao mesmo tempo prejudiciais, os laços bilaterais com a Rússia e a China colocaram a Coreia do Sul numa posição perigosa e em desvantagem na arena política internacional; especialmente se uma escalada do conflito provocasse uma guerra em seu território, com consequências trágicas para sua população.


Uma guerra na Península poderia ter vários cenários possíveis. Para alguns especialistas, os danos seriam mais limitados pelo uso exclusivo de armas nucleares táticas para realizar ataques nucleares limitados; para outros, poderia levar ao extermínio total de ambas as Coreias e, sabe-se lá, do mundo. Mesmo no primeiro cenário, “mais benevolente”, é difícil assumir que o uso tático de armas nucleares não desencadeie a implementação e utilização de armas dessa natureza com maior poder letal.


Pensar na força como única alternativa para a reunificação da Península e assumir que o vencedor seria o Sul, para o Ocidente capitalista e, particularmente, para os Estados Unidos, demonstraria extremo otimismo, ingenuidade e uma preocupante cegueira política. Isto não levaria em conta variáveis como a polarização de interesses internos da Coreia do Sul, os múltiplos problemas enfrentados pela sua população, tais como as elevadas taxas de suicídio, o envelhecimento populacional, as diferenças altíssimas entre classes sociais, a multiplicidade de partidos e a ausência de um líder que reúne o seu povo, dirige-o e, acima de tudo, o protege. Sem falar que os índices de popularidade do presidente sul-coreano continuam baixos, apesar da cúpula trilateral ter influenciado em um ligeiro aumento.


Isso nos permite antecipar que o país teria pouca capacidade e condições de contributivas para iniciar e conduzir uma guerra tão perigosa. Claro, isso sem levar em conta a alta possibilidade de se seguir um caminho tão violento que levaria, enfim, à afetação de toda a população de forma aterrorizante.


Hoje, a Coreia do Norte, com base nas suas particularidades como país, atribui grande importância ao desenvolvimento armamentista nuclear, cujo fim é evitar a guerra e, assim, proteger a população coreana como um todo, tanto no Norte como no Sul. Apesar da imagem catastrófica que projeta os Estados Unidos, o Ocidente capitalista e a imprensa tradicional, Kim Jong Un é um líder consolidado e inteligente. Mostra-se calmo e determinado diante do mundo. Os fatos indicam que ele sabe o que fazer e afirmou em mais de uma ocasião que “Proteger a Coreia do inimigo invasor é o seu principal objetivo”.


Se para a RPDC não possuísse armas nucleares, o cenário mudaria drasticamente, mas tornaria muito mais provável a detonação circunstancial de uma guerra que, da mesma forma, ao envolver inevitavelmente a China e a Rússia, poderia terminar numa conflagração mundial.


Em vez de promover a escalada do conflito armado a níveis superlativos, recorrer ao diálogo inteligente e civilizado que zele pelos interesses da Nação Coreana parece ser o maior exemplo de poder e sabedoria.


Finalmente, parece pertinente que, frente a essa delicada situação internacional no Extremo Oriente, valha a pena recordar agora a seguinte declaração do líder cubano Fidel Castro: “(...) A luta pela paz é a luta para salvar a humanidade de situações apocalípticas; significa lutar para salvar centenas de milhões de vidas de homens, mulheres, jovens, idosos e crianças”(15).


Por Jasely Fernández Garrido, Mestre em Ciências Políticas. Professora Auxiliar do Centro de Investigações de Política Internacional de Cuba (CIPI)


Bibliografia


  1. "A verdade sobre uma viagem perigosa para uma guerra nuclear". Artigo da KCNA (Korean Central News Agency). Tomado de https://www.novacultura.info/post/2023/05/03/a-verdade-sobre-uma-viagem-perigosa-para-uma-guerra-nuclear . Acesso em 2 de agosto de 2023.

  2. Avances de la 7ª Reunión Ampliada de la 8ª Comisión Militar Central del Partido de los Trabajadores de Corea. Artigo da KCNA (Korean Central News Agency) http://kcna.kp/kp/article/q/22ff0f87ad0a9b4107603f1b63e642cb.kcmsf Acesso em 10 de agosto de 2023.

  3. Biden y Yoon acuerdan que Corea del Sur no continuará con su programa de armas nucleares. Artigo da Voz de América. https://www.vozdeamerica.com/a/biden-y-yoon-acuerdan-que-corea-del-sur-no-continuara-con-su-programa-de-armas-nucleares/7066694.html . Acesso em 26 de abril de 2023.

  4. Corea del Sur acelerará su participación en el grupo de trabajo del Quad. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230308003000883. Acesso em 8 de março de 2023.

  5. Corea del Sur acelerará su participación en el grupo de trabajo del Quad. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230308003000883 . Acesso em 8 de março de 2023.

  6. Corea del Sur busca indemnizar a los trabajadores esclavizados por empresas japonesas. Artigo da EuroNews. https://es.euronews.com/2023/03/06/corea-del-sur-busca-indemnizar-a-los-trabajadores-esclavizados-por-empresas-japonesas. Acesso em 6 de março de 2023.

  7. Corea del Sur envía suministros militares adicionales a Ucrania. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230710002200883. Acesso em 10 de julho de 2023.

  8. Discurso pronunciado por El Embajador de la RPDC en Brasil por los 70 Aniversarios de la victoria de la Guerra por la liberación de la Patria. https://cepsongunbr.com/2023/07/26/discurso-do-embaixador-kim-chol-hak-em-razao-dos-70-anos-da-vitoria-na-guerra-de-libertacao-da-patria/ . Acesso em 1 de agosto de 2023.

  9. Garlauskas, M. (2023). Un informe advierte que EEUU debe estar preparado para dos frentes de guerra simultáneos en Asia Oriental con posibilidad de ataques nucleares. Artigo da INFOBAE. https://www.infobae.com/estados-unidos/2023/08/19/un-informe-advierte-que-eeuu-debe-estar-preparado-para-una-guerra-en-dos-frentes-simultaneos-en-asia-oriental-con-posibilidad-de-ataques-nucleares/ . Acesso em 21 de agosto de 2023.

  10. Geneva. Febrero 4, 2018, de United States Department of State Sitio web http://www.gwu.edu/~nsarchiv/NSAEBB/NSAEBB164/EBB%20 Doc%205. .pdf

  11. Han, Dong-ho. (2023). Unification and North Korea Policy of the Yoon Suk Yeol Administration: Implementing Government Tasks.

  12. Jo, D. & Gartzke, E. (2007). Determinants of Nuclear Weapons Proliferation, Journal of Conflict Resolution, vol. (51) núm.(1), pp. 167-194. Doi 10.1177/0022002706296158

  13. Kim Du Bon (2022) "O Povo Coreano em Luta Pela Liberdade". Editorial Nova Cultura. https://www.novacultura.info/post/2022/02/14/o-povo-coreano-em-luta-pela-liberdade . Acesso em 5 de agosto de 2023.

  14. La desconcertante postura de Corea del Sur ante la invasión rusa. Artigo de La razón https://www.larazon.es/internacional/desconcertante-postura-corea-sur-invasion-rusa_202304216441d52a7adfa80001c45110.html .Consultado abril 2023.

  15. Maglio, F. (2006). La Guerra de Corea. Diciembre 5, 2011, de Fmmeducación Sitio web: http//.fmmeducación.com.ar/

  16. Martinez, G. (2021). A Ideia Juche e a Revolução Coreana. Editorial Nova Cultura. https://www.novacultura.info/post/2021/06/03/a-ideia-juche-e-a-revolucao-coreana

  17. Park, E. J. (2022). The restructuring of the world order and e new Korean Peninsula System.

  18. Yoon dice que el comando de la ONU es una fuerza clave para el mantenimiento de la paz en la península coreana. Artigo da YONHAP https://m-sp.yna.co.kr/view/ASP20230810004000883?section=national/index . Acesso em 10 de agosto de 2023.

  19. Yoon llega a Lituania para asistir a una cumbre de la OTAN. Artigo da Yonhaap. https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230711000700883 . Acesso em 12 de julho de 2023.





Notas:

[1] Corea del Sur busca indemnizar a los trabajadores esclavizados por empresas japonesas Artículo de EuroNews. https://es.euronews.com/2023/03/06/corea-del-sur-busca-indemnizar-a-los-trabajadores-esclavizados-por-empresas-japonesas Acesso em 6 de março de 2023.


2 Yoon llega a Lituania para asistir a una cumbre de la OTAN Artigo da Yonhaap. https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230711000700883 Acesso em 12 de julho de 2023.


3 Corea del Sur envía suministros militares adicionales a Ucrania. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230710002200883 . Acesso em 10 de julho 2023.


4 La desconcertante postura de Corea del Sur ante la invasión rusa. Artigo de La Razón 25. https://www.larazon.es/internacional/desconcertante-postura-corea-sur-invasion-rusa_202304216441d52a7adfa80001c45110.html Acesso em abril de 2023.



5 Biden y Yoon acuerdan que Corea del Sur no continuará con su programa de armas nucleares. Artigo da Voz de América. https://www.vozdeamerica.com/a/biden-y-yoon-acuerdan-que-corea-del-sur-no-continuara-con-su-programa-de-armas-nucleares/7066694.html . Acesso em 26 de abril de 2023.


6 Corea del Sur acelerará su participación en el grupo de trabajo del Quad. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230308003000883 . Acesso em 8 de março de 2023.


7 Corea del Sur acelerará su participación en el grupo de trabajo del Quad. Artigo da Yonhap https://sp.yna.co.kr/view/ASP20230308003000883 . Acesso em 8 de março de 2023.

8 El Comando de las Naciones Unidas es la fuerza militar multinacional que apoyó a Corea del Sur durante y después de la Guerra de Corea. Fue el primer comando unificado internacional de la historia y el primer intento de seguridad colectiva de conformidad con la Carta de las Naciones Unidas.​


9 Yoon dice que el comando de la ONU es una fuerza clave para el mantenimiento de la paz en la península coreana. Artigo da Yonhaphttps://m-sp.yna.co.kr/view/ASP20230810004000883?section=national/index . Acesso em 10 de agosto de 2023.


10 Ídem.

11 "A verdade sobre uma viagem perigosa para uma guerra nuclear". Artigo da KCNA (Korean Central News Agency https://www.novacultura.info/post/2023/05/03/a-verdade-sobre-uma-viagem-perigosa-para-uma-guerra-nuclear . Acesso em 10 de julho de 2023.


12 Discurso pronunciado por El Embajador de la RPDC en Brasil por los 70 Aniversarios de la victoria de la Guerra por la liberación de la Patria. https://cepsongunbr.com/2023/07/26/discurso-do-embaixador-kim-chol-hak-em-razao-dos-70-anos-da-vitoria-na-guerra-de-libertacao-da-patria/ Acesso em 1 de agosto de 2023.


13 Ídem


14 Avances de la 7ª Reunión Ampliada de la 8ª Comisión Militar Central del Partido de los Trabajadores de Corea. Artigo da KCNA (Korean Central News Agency) http://kcna.kp/kp/article/q/22ff0f87ad0a9b4107603f1b63e642cb.kcmsf Acesso em 10 de agosto de 2023.


15 Fidel Castro Ruz. 21 de marzo de 1962.