banner VII Salao do Livro Político.gif
  • NOVACULTURA.info

"Cruel 'política governamental geral' para exterminar a nação coreana"



No início do século passado, o imperialismo japonês ocupou militarmente a Coreia e desenvolveu uma repressão colonialista brutal e implacável sem precedentes na história.


Assim que o “Tratado de Anexação da Coreia ao Japão” foi assinado em agosto de 1910, mudou o nome do “Departamento de Supervisão Geral” para “Governo Geral”, órgão de repressão fascista, e aplicou a “política governamental geral” desde então primeiro de outubro daquele ano.


Ele operou a gendarmaria e o sistema policial e exerceu a cruel ditadura militar para entorpecer a consciência antijaponesa do povo coreano e intensificar seu domínio colonial.


Isso é confirmado pelo fato de que o número de detidos coreanos aumentou de 52 mil em 1912 para 142 mil em 1918.


O Japão inventou a “Lei de Segurança”, a “Lei de Publicação” e outras leis draconianas e privou o povo coreano de todos os direitos de liberdade de expressão, imprensa, reunião, crença e formação de empresas, etc.


Com medo do espírito antijaponês dos coreanos após a Revolta Popular de 1º de março de 1919, trocou sua ditadura militar anterior pela “dominação cultural” em uma tentativa de encobrir o objetivo criminoso da “política governamental geral”.


Sob a bandeira da “dominação cultural”, multiplicou em grande escala aparelhos repressivos, inclusive policiais, e esmagou cruelmente a luta antijaponesa do povo coreano.


Com os slogans de “Um ancestral e origem comum” e “Mesma nacionalidade do Japão e da Coreia”, impôs-se a política de “tornar súditos do império japonês” para suprimir a língua, letras, sobrenomes e nomes dos coreanos.


Além disso, emitiu consecutivamente a “ordem de alistamento militar”, “ordem de alistamento de trabalho forçado”, “ordem de alistamento de estudantes”, etc., e prendeu e sequestrou coreanos em todo o país.


Por causa disso, 8,4 milhões de jovens coreanos saíram como bucha de canhão na guerra e mercenários e transformaram 200 mil mulheres em prostitutas para os militares japoneses.


A “política governamental geral” era, literalmente, uma política fascista e bestial.


De acordo com páginas da Internet de outros países, “Mais de 100 anos atrás é a história em que o Japão cometeu crimes e negou a liquidação de seu passado. É também o dos danos causados ​​ao povo coreano pelo Japão e seu ressentimento”; “Na história da humanidade houve um período de colonização, mas não houve um país como o Japão que aplicou as políticas cruéis de extermínio e saque que consistiam em suprimir a língua, letras, sobrenomes e nomes da nação colonial e arrebatar até as tigelas e colheres”.


Apesar disso, os reacionários japoneses tentam encobrir seus crimes cometidos contra os coreanos, dizendo que seu domínio colonial trouxe uma civilização para a Coreia conforme exigido pelos coreanos.


Na 47ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o representante japonês insistiu que o fato de seu país ter recrutado “mulheres de consolo” para o exército durante a ocupação da Coreia era falso. O Japão ainda não cumpriu seu dever de divulgar ao mundo o fato relacionado ao trabalho forçado de coreanos na mina de Hasima.


Este é um procedimento flagrante que ele busca para se esquivar da responsabilidade legal e moral por seus crimes passados.


O povo coreano fará o Japão pagar sem falta por todo o sofrimento e infortúnio que ele causou no passado.


Do Naenara