Notícias

Quais razões explicam os recentes ataques à Educação?

No final do mês de março, a equipe econômica do atual governo, liderada pelo banqueiro Paulo Guedes, representante dos interesses de setores da burguesia financeira internacional, anunciou um bloqueio de uma parcela das verbas do orçamento federal de 2019. Sob a desculpa esfarrapada de cumprir a meta do déficit primário, o decreto prenunciou um contingenciamento de R$29,5 bilhões nas mais diversas áreas, sendo a Educação a mais afetada [1]. Um mês depois, com uma declaração impudica e afrontosa – elas são cada vez mais a regra no governo Bolsonaro –, o Ministro da Educação Abraham Weintraub disse para o jornal “O Estado de São Paulo” que a redução de verbas seria destinada somente para três

Mao: "Porque Pode Existir na China o Poder Vermelho"

O actual regime dos novos caudilhos militares do Kuomintang permanece, como no passado, o regime da burguesia compradora, nas cidades, e da classe dos déspotas e nobres, no campo, regime que, no domínio das relações exteriores, capitulou diante do imperialismo e, em política interior, substituiu os antigos caudilhos militares por novos caudilhos e reforçou a exploração econômica e a opressão política da classe operária e da classe camponesa. As classes dos compradores, dos déspotas e nobres apoderaram-se da direcção da revolução democrático-burguesa iniciada no Cuantum, revolução que não tinha ainda feito mais do que a metade do caminho, e desviaram-na imediatamente em direcção da contra-rev

"A criação artística das massas"

As brilhantes “Intervenções nas palestras sobre a literatura e a arte de Ienan” feitas há 30 anos pelo Presidente Mao continuam, salvaguardam e desenvolvem a concepção marxista-leninista do mundo e a teoria marxista-leninista sobre a literatura e a arte. Resolveram as questões fundamentais de saber como e porquê a literatura e a arte devem servir os operários, camponeses e soldados, e definem a linha, os princípios e a política para o desenvolvimento da literatura e da arte proletária. No decorrer desses 30 últimos anos, as “Intervenções” guiaram-nos na derrota da linha burguesa em matéria de literatura e de arte sob todas as formas, e encorajaram os trabalhos literários e artísticos revoluc

Stalin: "Três Anos de Ditadura do Proletariado"

Camaradas, antes de iniciar meu informe desejava saudar os deputados operários do Soviet de Baku, por parte do Comitê Executivo Central dos Soviets de Toda a Rússia, desejava saudar o Comitê Revolucionário do Azerbaidjão e o seu, chefe, o camarada Narimánov, por parte do Conselho dos Comissários do Povo; e em nome do Conselho Militar Revolucionário da República dirijo uma calorosa saudação ao XI Exército Vermelho, que libertou o Azerbaidjão e com o seu peito defende-lhe a liberdade (Aplausos). Não há dúvida de que a questão fundamental na vida da Rússia, nos três anos de existência do Poder Soviético, é a da sua posição internacional. Houve tempo em que a Rússia Soviética era ignorada, não

O socialismo no Manifesto Comunista e o combate ao oportunismo

Socialismo não existe mais do que um e é o que está nas páginas do Manifesto do Partido Comunista de Marx e Engels. Escrito há mais de 170 anos, este é o documento dos mais importantes para o movimento operário e comunista em todos os tempos. Vários tipos de “socialismo” (burguês, pequeno-burguês, socialismo utópico, socialismo cristão...), desde antes e até depois do Manifesto, foram mostrados como forma para a superação das contradições no modo de produção capitalista e a construção socialista. No entanto, só Marx e Engels conseguiram dar um subsídio para que outros grandes revolucionários como Lênin, Stálin e Mao pudessem avançar e desenvolver esta teoria científica que é a principal ar

Lenin: "A guerra de guerrilhas"

A questão das ações de guerrilhas interessa muito o nosso Partido e a massa operária. Abordámos já muitas vezes esta questão, mas superficialmente, e temos agora a intenção de chegar, como prometemos, a uma exposição mais completa das nossas ideias sobre este assunto. I Comecemos pelo princípio. Que exigências essenciais deve apresentar um marxista no exame da questão das formas de luta? Em primeiro lugar, o marxismo difere de todas as formas primitivas do socialismo porque não subjuga o movimento a qualquer forma de combate único e determinado. Admite os métodos de luta mais variados; mas não os «inventa»; limita-se a generalizar, organizar, tornar conscientes os métodos de luta das classes

Três reflexões sobre a luta atual em defesa da educação pública

1. Na atual luta que se desenvolve em defesa da educação pública em geral e particularmente contra os cortes orçamentários das universidades federais, é necessário delinearmos claramente quem são nossos inimigos para evitarmos ainda mais derrotas. Quem ganha com os cortes nos orçamentos das universidades federais, bolsas de pesquisa e mestrado, etc.? Os grandes grupos monopolistas que controlam as redes de ensino superior privado, ensino à distância, etc. são obviamente os primeiros interessados nestes cortes. Dado que, numa canetada, o fascista Weintraub impossibilitou o funcionamento do grosso das universidades públicas, não só a juventude trabalhadora como até mesmo a juventude dos setore

Engels: "Princípios Básicos do Comunismo"

1.ª Pergunta: Que é o comunismo? Resposta: O comunismo é a doutrina das condições de libertação do proletariado. 2.ª P[ergunta]: Que é o proletariado? R[esposta]: O proletariado é aquela classe da sociedade que tira o seu sustento única e somente da venda do seu trabalho e não do lucro de qualquer capital; [aquela classe] cujo bem e cujo sofrimento, cuja vida e cuja morte, cuja total existência dependem da procura do trabalho e, portanto, da alternância dos bons e dos maus tempos para o negócio, das flutuações de uma concorrência desenfreada. Numa palavra, o proletariado ou a classe dos proletários é a classe trabalhadora do século XIX. 3.ª P[ergunta]: Portanto, nem sempre houve proletário

Facó: "Um falso conceito sobre a Revolução Brasileira"

O artigo do camarada Caio Prado Júnior, no “Boletim de Discussão” nº 13 do IV Congresso, pode ser qualificado, sem exagero, de idealista. Nada ali se baseia na nossa realidade atual para apreciar a Revolução Brasileira. O que Caio Prado Júnior apresenta não são “fundamentos econômicos” da Revolução Brasileira: apenas dá asas à sua imaginação. No entanto, por tratar de um dos pontos básicos da Revolução Brasileira, a questão agrária, o artigo de C. P. J. requer uma análise mais detalhada que a simples rejeição. É o que tentaremos fazer aqui. Antes de tudo, C. P. J. nega que no Brasil existam restos feudais, “nem existiu nunca no Brasil” o feudalismo – afirma. É claro que não se trata de uma t

Marx: "Para o Editor do La Réforme"

Prezado Senhor, Nesse mesmo momento, o Governo Belga está se alinhando inteiramente com a política da Santa Aliança. Sua fúria reacionária atinge os democratas alemães com brutalidade sem precedentes. Se não estivéssemos tão preocupados com a perseguição direcionada a nós, estaríamos rindo abertamente da atitude ridícula assumida pelo ministério Rogier quando acusa um punhado de alemães de querer impor uma república aos belgas contra o desejo deles; mas acontece que, no presente caso que aqui tratamos, o aspecto odioso disso supera o absurdo. Primeiro de tudo, senhor, é bem sabido que quase todos os jornais de Bruxelas são editados por franceses, a maioria deles escapou da França para ev

Krupskaia: "As Lições de Outubro"

Dois anos atrás, Vladimir I. Lenin, falando em uma reunião plenária dos Soviets de Moscou, disse que agora nós estamos traçando o caminho do trabalho prático, que já não estamos tratando o Socialismo como meramente um ícone para ser descrito em cores brilhantes. “Devemos tomar o caminho certo,” ele disse, “é necessário submeter tudo a prova; as massas e toda a população devem testar nossos métodos, e dizer: ‘Sim, esta ordem das coisas é melhor do que a anterior.” Esta é a tarefa que nos propusemos. Nosso Partido, um pequeno grupo em comparação ao total da população, assumiu essa tarefa. Este pequeno grupo se comprometeu a mudar tudo, e fez mudar tudo. Mostrou que isto não é uma utopia, mas u

"Sobre o capitalismo pré-industrial e a acumulação primitiva de capital"

Ainda que os Marxistas deem crédito ao capitalismo por ter sido um avanço econômico em comparação com o feudalismo, expõem ao mesmo tempo as brutais desumanidades através das quais este acumulou primeiramente seu capital. A acumulação primitiva do capital é explicada em O Capital, mas seu foco é o capitalismo industrial, quando a produção de mercadoria se torna dominante na sociedade. A semente do capitalismo cresceu em meio à crise da sociedade feudal. Com uma economia predominantemente natural, dependente sobretudo da terra, a produção de mercadorias desenvolveu-se gradualmente por um longo período. Antes de a produção de mercadorias, sob a forma do capitalismo industrial, ter se tornado o

A "falta de tempo" justifica uma militância frouxa e indisciplinada?

Dedicamos estas linhas aos companheiros e companheiras conscientes e lutadores que se sintam, sinceramente, frustrados com acontecimentos em suas respectivas bases de atuação política relacionados à letargia e corpo mole que constituem traço comum na militância que se reivindica socialista e comunista de nossa época. Esperamos que nossas palavras sirvam para estimular um debate sobre comportamentos extremamente nocivos típicos de nossa época, que acabam por minar um avanço maior da luta. Quem já não participou de frentes de luta, coletivos, grupos de trabalho, propaganda e estudo cujas atividades e ações acabam sendo contidas por uma quantidade majoritária ou minoritária de membros que acaba

"Carta de Salvador Allende à Zhou Enlai"

Ao senhor Zhou Enlai Primeiro Ministro República Popular da China Pequim. Estimado Primeiro Ministro e amigo: É com grande prazer que li a carta que você teve a bondade de fazer chegar até mim por intermédio do Ministro de Relações Exteriores do Chile, senhor Clodomiro Almeyda. Permita-me, em primeiro lugar, expressar-lhe o reconhecimento do povo e do Governo do Chile pela forma tão positiva e gentil com que a Ud. e as autoridades e o povo de seu grande país receberam ao Ministro Almeyda e sua comitiva. Coincido com a Ud. que esta visita contribuiu em alto grau ao conhecimento mútuo entre nossas respectivas nações e em que seus resultados redundarão no robustecimento da amizade entre China e

95 Anos de "Sobre os Fundamentos do Leninismo" de Stalin

Em maio de 1924, na então União Soviética, era editada uma coletânea de conferências pronunciadas pelo dirigente bolchevique J. V. Stalin (em abril do mesmo ano) na Universidade Sverdlov de Moscou. Esta coletânea recebeu o título de Fundamentos do Leninismo e se tornaria um dos mais importantes documentos teóricos do marxismo-leninismo. Claro e objetivo, fiel ao estilo de Stalin, o livro traz a denúncia contra o oportunismo e já aponta para o perigo do trotskismo que ganhava corpo dentro do Partido Comunista (bolchevique) da União Soviética naqueles anos tumultuados após uma cruel Guerra Civil imposta à nova República dos Sovietes (1919 a 1921) e a morte prematura do grande líder Vladimir Lê

"O Povo Negro e a União Soviética"

Eu sou extremamente grato por esta oportunidade de me juntar a mais de metade da população mundial na celebração de um grande aniversário. Sim, com metade da humanidade - e mesmo isto é uma subestimação. Porque seria errôneo supor que este 32º aniversário da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas é uma ocasião de alegria e orgulho e agradecimentos para apenas os 8 milhões de pessoas que vivem na União Soviética e nas Democracias Populares do Leste Europeu e na China. É verdade, estes oito milhões, enquanto beneficiários diretos do surgimento da União Soviética e de suas políticas de luta pela paz e pela democracia, gozam de alegria por conta da nova segurança econômica e da liberdade po

"A II Batalha da Dignidade começa: Declaração da FPLP nas prisões da Ocupação"

A organização da Frente Popular para a Libertação da Palestina dentro das prisões chama por uma mobilização geral entre suas fileiras, anunciando o primeiro a entrar em greve de fome. No contexto da II Batalha de Dignidade (Karameh), na qual foi decidida pelo movimento dos prisioneiros dentro das zonas de detenção sionistas imediatamente após a administração da prisão negar seus próprios acordos, a organização declara que a Frente Popular nas prisões está mobilizando em todos os ranks de líderes e membros e enfatiza os seguintes pontos: 1 - A organização declara que irá respeitar a decisão do movimento de prisioneiros, especialmente os comitês que negociaram para obter estas demandas jus

Mao: "A Viragem da Segunda Guerra Mundial"

A batalha de Stalingrado foi comparada pela imprensa britânica e norte-americana à batalha de Verdun, e o “Verdun Vermelho” tornou-se célebre no mundo inteiro. A comparação, porém, não é feliz. A atual batalha de Stalingrado difere, pelo seu próprio caráter, do Verdun da Primeira Guerra Mundial. Contudo, elas têm um ponto em comum: hoje, como outrora, muitas pessoas vivem enganadas pelas ações ofensivas da Alemanha e pensam que esta ainda pode alcançar a vitória. A Primeira Guerra Mundial terminou no Inverno de 1918; em 1916, o exército alemão lançou várias ofensivas contra a praça forte francesa de Verdun. O kronprinz em pessoa dirigia as operações, e as forças lançadas na batalha eram a el

"A guerra antifascista"

A Segunda Guerra Mundial foi uma prova de fogo para vinte anos de revolução proletária e construção socialista. Hitler, chefe nazista da Alemanha, valorizou erroneamente as contradições existentes na URSS. Especulou com uma insurreição ou com a indiferença das classes camponesas. Teceu planos entorno das tensões que se advertiam entre os russos e outras nacionalidades. Superestimou as possibilidades de sua rede de sabotadores e espiões, construída com o apoio e intervenção direta dos ex-guardas brancos e de elementos hostis ao socialismo. Se sentiu encorajado, sobretudo pela superioridade do armamento, pela preparação profissional das autoridades e pelo treinamento da tropa. Uma potência com

Stalin: "Discurso em 9 de maio de 1945"

Discurso do camarada Stalin celebrando a capitulação total do exército alemão e a vitória da URSS e seus aliados na Segunda Guerra Mundial, em 9 de maio de 1945. O discurso foi transmitido pelo rádio a toda a população soviética. Confira a tradução feita por Erick Fishuk: Camaradas! Caros e caras compatriotas! Chegou o grande dia da vitória sobre a Alemanha. Os fascistas alemães, forçados à rendição pelo Exército Vermelho e pelas tropas de nossos aliados, reconheceram a derrota e anunciaram sua capitulação incondicional. A 7 de maio foi assinado na cidade de Reims o protocolo preliminar de rendição. A 8 de maio, os representantes do alto comando alemão, na presença dos representantes do

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube