top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Medo, fúria e fadiga em Rafah"

Refugiados na cidade de Rafah

Israel ordenou que as famílias fugissem de partes de Rafah antes de invadir a cidade.

 

Khalil Mahmoud e a sua família tiveram de abandonar a sua casa no norte de Gaza durante as primeiras fases da guerra atual. Eles se mudaram para Rafah, no Sul, após as garantias de Israel de que era uma zona segura.

 

Em Rafah, encontraram alojamento com familiares. Na segunda-feira, tiveram que fugir de lá depois que Israel lançou panfletos na parte oriental de Rafah, ordenando uma evacuação em massa.

 

Aproximadamente 100 mil pessoas foram instruídas a fugir. Mais tarde na segunda-feira, as tropas israelenses invadiram a área ao redor da passagem de Rafah, que separa Gaza do Egito.

 

A mãe de Khalil estava fazendo chá em fogo de lenha quando viu um dos folhetos por volta das 8 horas de segunda-feira. Ela ficou chocada ao perceber que era uma ordem de evacuação.

 

Nas duas horas seguintes, Khalil e seu pai contataram parentes e amigos nas cidades de Khan Younis e Deir al-Balah. Eles pediram ajuda para encontrar um lugar onde pudessem ficar.

 

A família ficou chocada ao descobrir que alugar uma acomodação nessas cidades custaria entre US$ 1.500 e US$ 2.000 por mês.

 

Então eles decidiram que teriam que morar em uma tenda.

 

Khalil ganhou uma tenda de uma instituição de caridade quando sua família se mudou para Rafah. Ele a guardou para o caso de a família não ter outra acomodação.

 

A família alugou uma carroça puxada por burro para transportar seus pertences. Custou-lhes US$ 100.

 

Encontrar um lugar para armar uma barraca foi uma provação.

 

Eventualmente, a família optou por se separar.

 

Alguns deles foram ficar com parentes em Rafah. Os parentes moravam em outra parte da cidade que até agora não foi coberta por ordem de evacuação.

 

Outros, incluindo Khalil, foram para al-Mawasi, uma pequena área no sul de Gaza. Eles estão agora em uma tenda.

 

“Estamos exaustos”

 

Amany Ribhi e a sua mãe foram arrancadas da sua casa no campo de refugiados de Jabaliya, no norte de Gaza, há vários meses.

 

Eles se abrigaram no Complexo Médico Nasser em Khan Younis. Posteriormente, foi atacado pelas forças israelenses.

 

Assim, Amany e a sua mãe mudaram-se para Rafah, onde têm vivido em uma tenda. A tenda foi montada no terreno de outro hospital.

 

Na segunda-feira, Amany foi acordada pelo barulho de um homem gritando com pessoas em tendas. O homem informou-os sobre as ordens de evacuação de Israel.

 

Amany tentou ligar para o seu irmão Ihab, que vive em uma tenda em outra parte de Rafah. Ela não conseguiu falar com ele, então mandou uma mensagem no WhatsApp.

 

Como Ihab não tinha sinal de telefone, só viu a mensagem por volta das 11 horas.

 

Assim que viu a mensagem, Ihab disse a Amany que iria conhecê-la.

 

Enquanto Amany o esperava, Israel atacou um dos bairros que havia ameaçado nas ordens. Dezenas de feridos começaram a chegar ao hospital onde ficava a tenda de Amany.

 

Demorou muito até que Ihab aparecesse enquanto lutava para encontrar transporte. Por fim, ele conseguiu alugar uma carroça puxada por um burro.

 

Ihab trouxe Amany e a mãe de volta para sua tenda. Ele teve que encontrar um lugar mais adequado para a mãe, pois ela tem problemas nas costas.

 

Sua dor se torna aguda se ela tiver que dormir no chão.

 

Ihab ligou para outra irmã, Olfat, que mora mais perto de Khan Younis. A princípio, Olfat recomendou que sua mãe fosse de carro para sua casa.

 

Mas Olfat destacou que a área onde ela vive estava sob bombardeio israelense.

 

Demorou mais duas horas até que Ihab encontrasse um táxi. A passagem custou US$ 200.

 

Mesmo assim, ele ficou aliviado porque sua mãe e Amany encontraram um lugar para se abrigar.

 

Amany e a sua mãe viram um grande número de pessoas a fugir de Rafah. Alguns caminhavam, outros em carroças.

 

Alguns estavam em carros ou caminhões.

 

Crianças – muitas vezes chorando – eram carregadas nos ombros ou nas costas dos adultos. Alguns pais ficaram zangados e começaram a gritar com os filhos em desespero.

 

Muitas outras pessoas não tinham para onde ir. Eles estavam sentados nas calçadas.

 

“Rezo a Deus para que este seja o nosso último deslocamento”, disse Amany. “Estamos exaustos”.

 

Ela anseia por regressar à casa da família no norte de Gaza. “Queremos apenas sobreviver a esta guerra”, disse ela.

 

Ismail Samir, 25 anos, tem vivido recentemente com os pais e sete irmãos em Rafah. Eles estão hospedados em uma barraca feita de náilon.

 

A família foi desenraizada de Sheikh Radwan, uma área da cidade de Gaza que Israel devastou.

 

Na manhã de segunda-feira, um amigo telefonou para Ismail com notícias sobre a ordem de evacuação.

 

Ele acordou a sua família e eles começaram a telefonar para amigos e parentes em várias partes do sul e centro de Gaza. Mas eles não conseguiram encontrar nenhuma acomodação.

 

Depois de 8 horas, tudo o que conseguiram encontrar foi um apartamento para alugar. Custaria US$ 700 por mês – uma quantia que a família não pode pagar.

 

“Portanto, não temos outra opção senão ficar na nossa tenda aqui em Rafah”, disse Ismail.

 

“Não temos mais para onde ir. Não sabemos se estaremos vivos amanhã”.

 

Por Khuloud Rabah Sulaiman, jornalista que vive em Gaza.

 

Do Electronic Intifada

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg