top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Eleições indianas: do excesso eleitoral ao excesso religioso"

Foto da campanha de Modi nas eleições indianas

 

No dia 19 de abril teve início o processo eleitoral indiano, cujo resultado só será conhecido no dia 4 de junho, quando será aberta a possibilidade de os 969 milhões de eleitores – em uma população total de 1,4 bilhão – elegerem o seu novo Primeiro-Ministro e os 543 membros ser encerrado o 18º Lok Sabha (Câmara Baixa do Parlamento), em um processo que tem sete fases.

 

Estima-se que as eleições terão uma participação esmagadora, para as quais serão investidos cerca de 15 milhões de dólares, pouco menos do dobro de 2019, onde foram gastos 8,5 milhões de dólares.

 

Nesta ocasião, serão abertos mais de um milhão de centros eleitorais e cerca de 15 milhões de trabalhadores e funcionários estarão envolvidos no processo e no qual participarão 2.700 partidos políticos, seis deles nacionais e mais de 70 estaduais.

 

Nas eleições anteriores de 2019, em que o primeiro-ministro Narendra Modi alcançou o seu segundo mandato, obteve a maioria parlamentar com 303 assentos, número que tentará ultrapassar desta vez para chegar a 400 parlamentares que lhe permitiriam mudar a Constituição para converter a Índia em uma república teocrática.

 

É fundamental para o partido de Modi, o Partido Bharatiya Janata (Partido do Povo Indiano) ou BJP, de extrema-direita, superar a participação eleitoral que atingiu 67% nas últimas eleições, o que significou a maior participação eleitoral na história do país. Uma pergunta que poderia ser viável, já que, segundo pesquisas, no primeiro dia da eleição, sexta-feira, 19, apesar da exaustiva onda de calor, participaram 166 milhões de eleitores. Se todas as suposições forem confirmadas pelas sondagens, Modi tornar-se-ia o segundo primeiro-ministro da Índia eleito três vezes consecutivas, tal como Jawaharlal Nehru (1947-1964).

 

O árduo processo eleitoral decorre em um quadro social complexo onde os regionalismos e as identidades étnicas e religiosas desempenham um papel primordial. Mais ainda se tivermos em conta como irá atuar a comunidade islâmica – de cerca de 220 milhões de fiéis – que Modi perseguiu, prendeu e assassinou desde que se tornou ministro-chefe (governador) do Estado de Gujarat em 2001.

 

Tendo em conta o gigantesco espectro que a sociedade indiana representa em cada um dos 28 estados e nos seus oito territórios, as alianças continuam a ser um fator decisivo nos resultados finais. Outros fatores também desempenham um papel, como a corrupção crônica e generalizada, a questão das castas e as diferenças sociais abismais que aumentam ano após ano.

 

Segundo a revista Forbes, o país tem 200 bilionários, contra 169 no ano passado, com uma riqueza coletiva estimada em 954 bilhões de dólares, que coabitam com 270 milhões de indianos que estão abaixo do nível de pobreza, o que coloca a Índia no 143º lugar entre os 195. países avaliados, segundo o Banco Mundial, que também tem quase 400 milhões de analfabetos.

 

Assim, o país mais populoso do planeta apresenta diferenças, no fundo da sua sociedade, diametralmente opostas, como a de que enquanto vastos setores da sociedade entraram em um mundo de alto nível tecnológico, o que coloca o país entre a elite nuclear, o que tem permitido para iniciar uma próspera indústria espacial que, em agosto do ano passado, permitiu que se tornasse o quarto país do mundo, depois da extinta União Soviética, dos Estados Unidos e da China, a chegar à superfície lunar com uma nave. E o primeiro a fazê-lo no inexplorado polo sul daquele satélite com a Missão Chandrayaan-3, da Organização Indiana de Pesquisa Espacial.

 

Ao mesmo tempo, imensas maiorias permanecem instaladas em um mundo que lembra o século VI, sujeito aos caprichos do regime de castas, onde ainda mais de 200 milhões de impuros, intocáveis ​​ou Dalits vivem em condições de discriminação difíceis de comparar com qualquer outro coletivo social do mundo.

 

Somam-se à questão das castas as disparidades de gênero e o aumento da violência contra as mulheres, onde os casos diários de violação em grupo se tornaram parte da paisagem social.

 

Por trás da camada cosmética da “modernidade”, elogia o Ocidente porque o mercado indiano é sempre muito atraente, a injustiça e a desigualdade social são ignoradas. Apesar de enormes maiorias não conhecerem os direitos e dependerem para tudo dos caprichos de um senhor da região, que ao mesmo tempo depende de... e assim por diante até chegar ao círculo judicial que verdadeiramente controla o país, além de um sistema fraudulento democrático.

 

Se as sondagens não falharem ou não ocorrer algum fenômeno sem precedentes, Narendra Modi prevalecerá facilmente sobre o seu principal rival, a INDIA Alliance (pelo seu acróstico em inglês The Indian National Developmental Inclusive Alliance) ou Aliança Inclusiva para o Desenvolvimento Nacional da Índia, feita formado por 41 partidos políticos, incluindo o outrora invencível Partido do Congresso Nacional Indiano, liderado por Rahul Gandhi, ou o Partido Aam Aadmi ou AAP (Partido do Homem Comum), cujo principal líder e ministro-chefe (governador) de Nova Delhi, Arvind Kejriwal, foi preso em março com acusações de corrupção.

 

A AAP, um partido que até há oito anos só era forte na capital e na sua área, hoje expandiu-se para muitos estados, incluindo Kejriwal, e corre de Modi para a direita, tirando-lhe o discurso nacionalista e hindu.

 

Quem conseguir governar a Índia enfrentará problemas específicos como o desemprego, que no final de 2023 registava 45% entre os jovens entre os 20 e os 24 anos; os protestos dos agricultores, que representam mais de metade da população do país e estão revoltados com as mudanças nas normas de comercialização dos seus produtos; os eternos conflitos fronteiriços com o Paquistão, principalmente na zona de Caxemira, sempre foco de fortes disputas com Islamabad e os sempre latentes bolsões da guerrilha naxalita, de origem maoísta, no nordeste do país e os grupos terroristas ligados à Al-Qaeda e o Daesh, que realizaram grandes ataques em diferentes cidades da União Indiana.

 

Tudo pela vitória cultural

 

Modi, ao longo da sua já extensa carreira política, aprendeu que para alcançar as conquistas políticas que atualmente alcança teria de dar e vencer em uma batalha cultural que não era de todo menor em um contexto como o da Índia, onde a cultura, as religiões e a tradição têm um impacto absoluto na vida cotidiana de cada um dos 1,4 bilhão de indianos, quer sejam religiosos ou não, quer sejam mais ou menos apegados às tradições.

 

Para atingir os seus objetivos, não hesitou em implementar sistematicamente todas as ferramentas do Estado, emitindo leis que lhe permitiram perseguir, prender e matar opositores mesmo fora da Índia, convertendo a maior “democracia” do mundo em uma máquina perversa onde a supremacia hindu flerta entre o genocídio e a guerra civil.

 

Para este efeito, Modi minou a liberdade de imprensa desde que chegou ao poder em 2014. No Índice Mundial de Liberdade de Imprensa anual, a Índia caiu do 140º para o 161º lugar em 2023, em um total de 180 nações estudadas.

 

Modi interveio na independência de instituições estatais, como a comissão eleitoral, e até mesmo no poder judicial, que colonizou para dar cobertura legal à sua arbitrariedade.

 

O atual primeiro-ministro tem sabido atingir com certeza e extrema dureza todos os conceitos culturais do país, misturando o nacionalismo e a religião hindu, de onde emerge o conceito de Hindutva.

 

Em janeiro passado, no que pode ser definido como mais um ato de sua campanha eleitoral, foi inaugurado o grande templo de Rama, principal deus da cosmogonia hindu, na cidade de Ayodhya, no estado de Uttar Pradesh, onde se acredita quem teria nasceu há 7 mil anos. Com uma cerimônia que teve características de canonização da figura do próprio Modi (“Uma divindade chamada Modi”) foi encerrada a disputa com a comunidade islâmica, onde nessa mesma propriedade havia sido erguida uma mesquita no século XVI e que, em 1992, foi atacada e destruída por fanáticos hinduístas, o que levou a graves tumultos religiosos em todo o país, que resultaram em mortes e mais saques.

 

Entre as suas ações anti-islâmicas estão a Lei de Emenda à Cidadania (CAA), que visa deixar milhares de muçulmanos sem cidadania indiana, ou a revogação do artigo 370 da Constituição indiana, que concedia estatuto autónomo ao estado de Jammu e Caxemira, de maioria islâmica, o que também facilita as condições para que milhares de hindus se estabeleçam nessas regiões para modificar a equação da maioria religiosa.

 

Além disso, a campanha anti-islâmica de Modi continuou com a renomeação de cidades fundadas por antigos governantes muçulmanos e a revisão de livros de história e inúmeros programas de televisão, publicidade e filmes, infundindo assim em partes da população indiana um forte espírito nacionalista e hindu para se transformar o país em uma teocracia desproporcional.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg