top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Milei e a renúncia da soberania nacional na Argentina"


Javier Milei, durante a campanha eleitoral, declarou-se admirador de Thatcher, uma provocação aos combatentes das Malvinas e uma afronta aos 649 compatriotas que morreram defendendo a soberania. Poucos dias depois, Mondino, representante eleito e mencionado como possível chanceler, em reportagem ao jornal britânico The Telegraph, manifestou-se a favor do respeito aos desejos dos “ilhéus”, tal como proposto pelos britânicos. A população das Malvinas é inglesa e não nativa com direito à autodeterminação. A Argentina sempre propôs respeitar os seus interesses, nunca os seus desejos. Os ilhéus são britânicos, tal como reconhece o Reino Unido e os Regulamentos Coloniais que regem a organização institucional das Ilhas, cuja autoridade máxima não é o governo pseudocolonial, mas sim o comandante militar da base militar de Monte Agradable (Mount Pleasant).

 

Em janeiro e durante 20 minutos, Milei reuniu-se em Davos com Cameron, chanceler do Reino Unido, que reiterou a posição britânica de que não há nada a discutir sobre a soberania nas Malvinas.

 

Posteriormente, ocorreu a visita provocativa de Cameron às Malvinas, que não mereceu repúdio imediato do governo nacional. À medida que o escândalo crescia, Mondino publicou um triste tweet teorizando que uma chicane tola vale mais do que uma queixa diplomática formal.

 

Semanas depois, o Reino Unido ampliou a proibição da pesca de 283 mil para 449 mil km² no chamado Santuário Ecológico ilegal do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, de 1.070 mil km² ao redor das Ilhas, violando, além da soberania argentina, a Convenção sobre os Recursos Vivos da Antártida, sem que o Chancelaria argentina se posicionasse e agisse em conformidade.

 

Alinhada à sua política internacional, Milei aprovou os planos de expansão do porto de Montevidéu, a pedido do presidente do Uruguai Lacalle Pou. A decisão implica o abandono do projeto do Canal Magdalena, que teria permitido a saída direta das exportações nacionais e a integração da costa marítima patagônica, e contribuído positivamente para a defesa e soberania do Atlântico Sudoeste, a luta anticolonial pelas Malvinas e outros territórios usurparam e criaram melhores condições para a defesa dos interesses argentinos na Antártida.

 

Foi então que se soube do acordo para autorizar a presença de soldados do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA na equivocadamente Hidrovia. Foi poucos dias depois de o Reino Unido realizar um novo exercício militar nas Malvinas, cuja hipótese de guerra é contra a Argentina, pelo controle total da passagem interoceânica do Atlântico Sul-Pacífico Sul e com o Oceano Índico, sem esconder a ameaça militar à Patagônia Argentina em vista de uma possível guerra mundial em disputa com os imperialistas chineses e russos.

 

Em maio, o porta-aviões nuclear norte-americano USS George Washington navegará pelo mar argentino. Dias atrás, a visita do diretor da CIA, William Burns, ocorreu antes da viagem da General Laura Richardson. Em fevereiro deste ano, Blinken, um dos principais líderes políticos ianques, reuniu-se com Milei. Não sabemos o que foi negociado naquela ocasião, mas o alinhamento grosseiro com os EUA/OTAN permite-nos supor que foi isso que Milei concordou perante o chefe ianque.

 

Uma variante muito perigosa da desmalvinização

 

A desmalvinização como política de Estado começou na última virada ditatorial com Bignone, quando os combatentes das Malvinas foram escondidos e perseguidos para silenciá-los.

 

Alfonsín e Caputo negociaram os Acordos que seriam assinados em Madrid em 1989. Os Acordos foram assinados por Menem porque Alfonsín teve que deixar o governo por seis meses.

 

Com Menem, a rendição da Argentina foi alcançada na prática. Menem e Cavallo assinaram o Acordo de Madrid I/Outubro de 1989 (guarda-chuva da soberania britânica) e o Acordo de Madrid II/Fevereiro de 1990 (controlo britânico do sistema de defesa nacional), plenamente em vigor entre outros Acordos e que nenhum governo denunciou, e o Investimento Britânico Garantir a Lei nº 24.184, dois instrumentos fundamentais nas relações políticas, econômicas, diplomáticas e militares de subordinação ao imperialismo inglês.

 

Di Tella, sucessor de Cavallo na Chancelaria, promoveu a dedicação nacional com a sua política de “relações carnais” com os imperialismos e de “sedução” dos kelpers.

 

Com os Acordos Malcorra-Duncan e Foradori-Duncan, o governo Cambiemos aceitou todas as imposições dos britânicos em relação às Malvinas, resumidas em uma carta de Theresa May a Macri. O Acordo Foradori-Duncan foi revogado durante o governo de Alberto Fernández.

 

Milei não precisa da reedição do Acordo Foradori-Duncan promovido por Macri, porque a renúncia a qualquer decisão soberana sobre as Malvinas é proclamada pelo próprio Presidente da nação.

 

A atual desmalvinização também vem das mãos de Victoria Villarruel, filha do Ten. Coronel Eduardo Villarruel, que fez parte da 602ª Companhia de Comandos durante a Guerra das Malvinas. Villarruel acompanha por ação ou omissão a política de alinhamento promovida por Milei, na qual a relação de subordinação colonial com o Reino Unido é fundamental. Ela não afirmou o contrário nem na campanha eleitoral nem como vice-presidente.

 

Villaruel encontrou-se com a embaixadora britânica Kirsty Hayes. Em um vídeo que circulou, afirma que perguntou a Hayes quando a Inglaterra concordaria em discutir a questão da soberania. Não se conhece a resposta da embaixadora, presume-se que deve ter respondido com a versão oficial dos colonialistas, “a questão da soberania nas Malvinas não está em discussão”.

 

Para a Argentina, o que importa, e alguém da hierarquia de Villarruel deveria saber, é exigir que a potência colonialista ocupante informe, como afirma uma resolução da Comissão Jurídica Interamericana, quando e como a Grã-Bretanha vai restaurar as Malvinas e outros territórios usurpados de seus verdadeiros donos, os argentinos.

 

Villarruel, como parte do uso da questão das Malvinas para o governo do LLA, nomeou Nicolás Kasansew, que fez parte do telejornal da ditadura “60 minutos” e foi correspondente da televisão oficial durante a guerra, para a Diretoria da Luta das Malvinas do Senado. Balza foi quem patrocinou seu status de VGM, o que foi confirmado pela Justiça, que indeferiu a denúncia contra ele. Ele é apreciado por muitos veteranos das Malvinas, mas muitos outros questionam severamente suas ações durante a guerra.

 

Austríaco de nascimento, descendente de oficiais do exército czarista, fala russo perfeitamente, proclama-se um nacionalista pró-Rússia – coincide com os setores mais fascistas da Rússia –, um admirador do czarismo e um furioso anticomunista. Pertence a setores ligados ao nacionalismo oligárquico reacionário, profundamente antipopular, que aderiram ao movimento de La Libertad Avanza e do governo Milei, apostando na candidatura presidencial de Villarruel em 2027 (!) ou na sua assunção antecipada devido à renúncia de Milei.

 

Foi Kasansew quem anunciou um possível desfile no dia 2 de abril dos veteranos das Malvinas, que depois de algumas semanas teve que ser cancelado, porque seu custo era “impossível” de cobrir devido “à crise econômica”.

 

Há dinheiro para pagar a dívida ilegítima, odiosa, usurária e fraudulenta; garantir as negociações dos monopólios e latifundiários estrangeiros, da claque financeira liderada por Toto Caputo, mas não realizar um desfile de veteranos das Malvinas. As Malvinas não foram poupadas do ajuste em favor da casta oligárquico-imperialista. Um verdadeiro canalha.

 

Por Alberto F. Cordelli, publicado no Hoy nº 2004

 

 

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg