top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O mito da 'eternidade' do capitalismo foi quebrado"


Há cerca de 30 anos, quando o socialismo entrou em colapso em muitos países, os imperialistas fizeram alarde sobre “experiência fracassada” e argumentaram como se o capitalismo fosse o “estágio máximo e eterno” do desenvolvimento social humano.

 

No entanto, a realidade mostra claramente que a “eternidade” do capitalismo que os imperialistas têm anunciado tão ruidosamente não passa de um engano vazio, e que esse mito está sendo destruído.

 

Nos países ocidentais, o capitalismo está sendo rejeitado pelas amplas massas trabalhadoras.

 

O Ocidente foi o primeiro lugar no mundo onde o capitalismo emergiu como uma ideia e se estabeleceu como um sistema social. E é precisamente no Ocidente onde a luta de protesto contra este sistema se fortalece cada dia mais.

 

Só este ano, uma série de manifestações de protesto ocorreram em França, Alemanha e Bélgica. No início de março do ano passado, na Itália, uma greve em grande escala de trabalhadores que exigiam melhores condições paralisou muitos setores. A mídia noticiou que o protesto popular pela garantia do direito à vida deverá se intensificar no futuro. Esta não é uma questão que possa ser vista simplesmente como uma exigência pelo direito à sobrevivência. É uma manifestação da raiva e do ressentimento acumulados pelas massas populares contra a sociedade mais injusta e desigual da história.

 

É a exigência natural das massas trabalhadoras viver e desenvolver-se de forma independente.

 

O futuro da sociedade depende de quanto apoio ela recebe das massas populares. A evangelização da sociedade depende de quanto apoio ela recebe das massas. Uma sociedade apoiada pelo povo prospera, mas uma sociedade que é abandonada pelo povo está fadada a perecer.

 

A sociedade capitalista é uma sociedade antipopular na qual uma pequena minoria da classe capitalista monopoliza o poder estatal, os meios de produção e uma enorme riqueza, e oprime e explora duramente as massas trabalhadoras em busca de lucro.

 

Nos países capitalistas, o fosso entre os ricos e os pobres vai além da imaginação. Segundo os dados, a riqueza detida por 98 bilionários em todo o mundo é equivalente à riqueza total detida pelos 555 milhões de pessoas da classe mais baixa. Durante a pandemia da COVID-19, as 10 pessoas mais ricas do mundo mais do que duplicaram a sua riqueza, e algumas pessoas aumentaram a sua riqueza em 1000%. No entanto, entre os pobres, diz-se que uma média de 21.000 pessoas morreram todos os dias de fome e doença. Essa é uma consequência inevitável que decorre das características institucionais da sociedade capitalista.

 

Nos países capitalistas de hoje, enquanto a riqueza material está concentrada nas mãos de um número muito pequeno de pessoas privilegiadas, as pessoas da classe média, que eram consideradas como símbolo da “sociedade do bem-estar”, estão rapidamente caindo na pobreza, e as fileiras das massas trabalhadoras, como “sepultadores do capitalismo”, estão ficando mais fortes.

 

As massas trabalhadoras estão condenando a pior, mais desigual e reacionária sociedade exploradora, na qual a exploração e a opressão se tornam cada vez mais comuns e o fosso entre ricos e pobres se intensifica a cada ano que passa.

 

De acordo com relatos da imprensa estrangeira, a visão de que “o capitalismo é um sistema cruel e corrupto controlado pelos ricos e poderosos” vem ganhando grande simpatia entre a geração mais jovem nos Estados Unidos. Em relação a isso, os meios de comunicação de massa relatam que a geração mais jovem dos EUA está surpreendentemente desiludida com o capitalismo, com um terço dos estadunidenses expressando abertamente opiniões negativas sobre o capitalismo. É relatado que tal tendência é especialmente prevalente entre os jovens com menos de 24 anos.

 

Um meio de comunicação disse: “A atual geração jovem nos Estados Unidos tem uma tendência mais forte para desafiar o capitalismo do que qualquer outra geração”, e levantou a questão: “O que significam estas mudanças para o capitalismo que promove o livre mercado e o futuro dos Estados Unidos?”. Continuou que a razão pela qual a maioria da geração mais jovem tem uma atitude negativa em relação ao capitalismo é a desigualdade econômica, e que a pobreza e a dívida os tornaram conscientes da sua própria situação e os fizeram considerar se o capitalismo era realmente bom para eles. Continuou enfatizando que, entre a juventude estadunidense de hoje, “capitalismo é uma palavra ofensiva”, e que “anticapitalismo” já não é uma palavra vazia entre os estadunidenses.

 

As amplas massas trabalhadoras, especialmente a nova geração, desprezam o capitalismo, e os protestos em massa que hoje varrem o mundo capitalista são uma explosão de rejeição do próprio sistema.

 

O fato de a insatisfação das massas trabalhadoras com o sistema social nos países ocidentais estar atingindo um extremo mostra que o capitalismo, sistema mais reacionário e antipopular, está colapsando rapidamente.

 

A economia capitalista baseada no lucro que promoveu o desenvolvimento do Ocidente atingiu um ponto de ruptura onde já não pode funcionar.

 

Toda a história do capitalismo é um processo de aumento contínuo dos lucros através da exploração severa do eu próprio povo e das colônias. O chamado “crescimento acelerado” do capitalismo é na verdade o aumento de lucros. O capitalismo é algo que não pode existir ou crescer sem a busca do lucro e a proliferação do capital.

 

Com o desenvolvimento dos tempos, a grande maioria dos países coloniais e semicoloniais alcançou a independência e escolheu o caminho do desenvolvimento independente, pelo que os métodos de exploração neocoloniais já não funcionavam. Consequentemente, os capitalistas perderam a fonte de lucros coloniais de alto rendimento e o espaço de investimento para o capital.

 

À medida que o mercado se estreita e a taxa de lucro continua diminuindo, os capitalistas envolvem-se em jogos de azar aventureiros para garantir lucros. No entanto, está se tornando um fator maligno que aprofunda ainda mais a crise da economia capitalista.

 

No mundo capitalista, estão ocorrendo situações catastróficas à medida que o enorme capital, incapaz de encontrar espaço para lucro na economia real, é empurrado para a especulação financeira.

 

Nos Estados Unidos, após a crise financeira em grande escala de 2008, foram tomadas medidas financeiras para impedir a expansão monetária e aliviar a recessão econômica. Mas levou a um caos ainda maior e, no ano passado, levou à falência dos maiores bancos do país, incluindo Silicon Valley. Na sequência, os preços das ações financeiras caíram acentuadamente em muitos países ocidentais, os bancos foram sucessivamente fechados e muitas empresas sofreram enormes perdas. Os especialistas chamam de um “prelúdio”, que sugere que mais problemas poderão surgir no sistema financeiro dos EUA no futuro, e enfatizam: “Precisamos garantir um pouso suave e seguro da economia dos EUA”. Em outras palavras, o ritmo descendente da inclinada economia estadunidense deve ser abrandado, a fim de minimizar as consequências da catástrofe econômica. No entanto, o consenso da opinião pública é que “a possibilidade de um pouso suave e seguro da economia dos EUA é incerto”.

 

Nos círculos acadêmicos do Ocidente, estão emergindo teorias sobre “limites do crescimento” e “fim do crescimento” da economia capitalista. E estão sendo feitas declarações pessimistas que dizem que apontar a “vitória do capitalismo” após o fim da Guerra Fria foi um erro de julgamento histórico.

 

Em relação à realidade de que o capitalismo está caindo cada vez mais em um abismo, dia após dia, um acadêmico ocidental disse: “Podemos dizer hoje que o capitalismo nunca derrotou o socialismo?”. E apontou que assim como a humanidade aprendeu que a Idade Média terminou no século XVIII, daqui a 100 anos perceberemos que o capitalismo já terminou no início do século XXI. As manifestações de pessimismo e desespero que crescem incontrolavelmente no mundo ocidental são o canto fúnebre da história que ressoa no crepúsculo do capitalismo.

 

Por Un Jong Chol, no Rodong Sinmun

 

Tradução do A Voz do Povo de 1945

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg