top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O Dia da Terra é um dia para afirmar a Palestina do rio ao mar"

 

As massas do nosso heroico povo palestino, as massas da nossa nação árabe, todos os povos livres do mundo

 

Neste dia, 30 de março de 1976, o nosso povo na Galileia, no Triângulo, no Negev e em todas as aldeias e cidades do interior da Palestina ocupada levantou-se em defesa da sua terra, da sua dignidade e da sua identidade, lembrando, com seu sangue puro e grandes sacrifícios, a esta usurpadora Entidade sionista e aqueles que a criaram, que esta terra é puramente palestina, e que o povo palestino nunca desistirá de sua terra e identidade.

 

Ao recordarmos esta ocasião imortal, evocamos imagens de heroísmo, sacrifício e redenção com tudo o que incorpora da profunda e constante afiliação e ligação do palestino à terra dos seus pais e avós, destruindo através deste imortal épico de sacrifício o imaginário do colono sionista (uma terra sem povo para um povo sem terra), para confirmar que é palestina em sua essência. E é difícil quebrar ou desenraizar, não importa quão criminosa a perseguição, a judaização e os assentamento os crimes sionistas e práticas são.

 

Para as massas do nosso valente povo, chega o aniversário do imortal Dia da Terra, e o inimigo racista sionista está a travar uma guerra de extermínio na Faixa de Gaza em todos os sentidos da palavra, sem levar em conta as Leis internacionais e todas as normas humanitárias, e com o patrocínio e a parceria da administração estadunidense e a cumplicidade da comunidade internacional, e à luz do silêncio árabe suspeito, praticar todas as formas de terrorismo e assassinato contra o nosso povo na Cisjordânia e em Jerusalém, e contra os nossos bravos prisioneiros nas prisões da ocupação. Apesar disso, o nosso povo palestino está firme e defende a sua terra e a sua sobrevivência com uma firmeza incomparável, uma resistência sólida e uma vontade profundamente enraizada na terra da Palestina que não pode ser conquistada ou derrotada. Eles não podem ser dissuadidos de continuar a sua luta contra a criminosa Entidade sionista até que os nossos legítimos objetivos sejam alcançados.

 

Estamos na Frente Popular para a Libertação da Palestina e na sombra desta memória eterna, e diante deste momento fatídico na história do nosso povo, e do épico heroico que o nosso povo está travando contra a máquina de morte sionista apoiada por América e o Ocidente, e diante da revelação da verdade desta Entidade sionista artificial diante do mundo inteiro, na qual a Questão Palestina se tornou uma bússola e uma inspiração. Para todas as pessoas livres do mundo, nesta ocasião, nós afirmar o seguinte:

 

Primeiro: Comemoramos o Dia da Terra, que constituiu um evento qualitativo e cumulativo no contexto da batalha contínua e abrangente que o nosso povo está travando contra o projeto colonial sionista e racista e as massas árabes no interior ocupado demonstrou neste dia a sua insistência em agarrar-se à sua terra e não desistir dela, e na unidade da terra, identidade e destino. Apelamos a que se unam e confrontem as políticas e leis racistas sionistas, e a necessidade de abandonar quaisquer ilusões relativas à participação política, eleitoral e parlamentar nas instituições inimigas, e a rejeitar todas as justificações que foram minadas pela natureza agressiva da Entidade e da sua visão racista das massas árabes como minorias e como uma ameaça demográfica e estratégica ao seu futuro.

 

Segundo: Afirmamos a adesão do nosso povo a toda a nossa terra, do rio ao mar, e aos nossos direitos legítimos e inalienáveis ​​ao regresso dos refugiados às suas terras e casas de onde foram deslocados à força, o que requer resistência abrangente e amplo envolvimento popular no campo de instituições inimigas externas, com base no princípio de que os direitos são conquistados e não implorados. O que foi tomado pela força só pode ser recuperado pela força, e não pela mendicância, acordos e negociações, o que levou a um verdadeiro desastre para o nosso povo.

 

Terceiro: As importantes conquistas no terreno alcançadas pela épica “Inundação de Al-Aqsa” e a derrota estratégica da Entidade sionista e do seu sistema militar e de segurança, e a guerra sionista de aniquilação em curso e sem precedentes que ocorre na Faixa de Gaza revelaram a verdadeira face desta entidade criminosa sionista e seus patrocinadores da administração estadunidense e do Ocidente, que se apresenta pela primeira vez em sua história. No banco dos réus como entidade terrorista criminosa e condenada ao ostracismo perante a Corte Internacional de Justiça estão fatos que carregam em si importantes transformações históricas, através do qual a questão palestina regressa ao primeiro plano dos acontecimentos no mundo e ao topo da agenda internacional, e coloca a Entidade sionista perante uma verdadeira crise existencial da qual não será capaz de recuperar, e reforçará o estado de ruptura, fragmentação, contradições e auto-implosão.

 

Quarto: Apesar de todas as formas de matança, destruição, massacres e da guerra de fome e cerco, o inimigo sionista não conseguiu alcançar nenhum dos seus objetivos declarados de agressão contra a Faixa de Gaza, e a resistência continua firmemente a esgotar o inimigo sionista e está travando uma longa batalha de desgaste contra ele. As enormes perdas sofridas pelo inimigo sionista e a capacidade da resistência para dirigir os seus ataques mesmo em áreas que foram invadidas e destruídas indicam que o inimigo sionista está a afogar-se no atoleiro da Faixa de Gaza e que está longe e incapaz de atingir nenhum de seus objetivos.

 

Quinto: Afirmamos que todos os planos da ocupação e da administração americana para o chamado dia seguinte à guerra na Faixa de Gaza, a tutela, a entrada de forças de paz internacionais, a imposição de administração na Faixa de Gaza, ou a interferência nos assuntos palestinos no âmbito humanitário ou justificações de ajuda, são tentativas suspeitas que estão inevitavelmente condenadas ao fracasso. O povo palestino é quem determinará o futuro da Faixa de Gaza e do seu sistema político, e quem resistirá e confrontará estes planos?

 

Sexto: No aniversário do Dia da Terra, renovamos o apelo para restaurar o respeito às dimensões árabe e internacional e para mobilizar todas as energias dos povos, partidos e movimentos internacionais amigos para inovar e escalar formas de luta para apoiar o povo palestino, e continuar a sitiar as embaixadas sionistas e ocidentais e as sedes das instituições internacionais em vitória da causa palestina. Vemos nas manifestações massivas e furiosas nas praças de alguns países árabes, especialmente aqueles que têm relações com a entidade sionista, um vislumbre de esperança de que os povos árabes recuperem a iniciativa, levantem-se pela Palestina, pronunciem a normalização e varram o Entidade sionista de nossas terras árabes.

 

Para concluir, no aniversário do Dia da Terra, renovamos o nosso compromisso de continuar a Intifada e a resistência e de intensificar o confronto aberto com o inimigo sionista em toda a nossa terra palestina, até alcançarmos os nossos direitos ao regresso, à autodeterminação e ao estabelecimento do Estado palestino desde o rio até ao mar, com Al-Quds (Jerusalém) como capital.

 

Glória aos mártires da terra em seu dia imortal!

Glória às armas da resistência em toda a nossa terra!

Liberdade para os prisioneiros e uma rápida recuperação para os feridos!

Seremos definitivamente vitoriosos!

 

 

Frente Popular para a Libertação da Palestina

30 de março de 2024

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg