top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Índia: a extrema-direita corrói tudo"


Entre abril e maio deste ano, a Índia deverá realizar eleições gerais. De acordo com as sondagens, o atual primeiro-ministro, Narendra Modi, parece prestes a conquistar o seu terceiro mandato.

 

Com maioria no parlamento, nos dois mandatos anteriores (2014-2019) (2019-2024) conseguiu governar o seu país, o mais populoso do mundo, com 1,4 bilhões de cidadãos. Para além das suas políticas econômicas neoliberais, o seu partido, o Partido Bharatiya Janata (BJP), permitiu-lhe tornar-se a quinta economia mundial e a quarta nação do mundo a colocar uma nave na Lua, a potência econômica de capacidade tecnológica, que também está na vanguarda do mundo. Além de todas essas façanhas, eliminou um grande número de planos sociais que apoiavam diversos grupos sociais de extrema pobreza.

 

Além de ter imposto uma espécie de supremacismo hindu a outros grupos, especialmente à minoria muçulmana, com quase 240 milhões de seguidores. Aplicando políticas cada vez mais restritivas em matéria de liberdade religiosa, articuladas com as forças de segurança e as organizações parapoliciais que acompanham o seu partido que se agruparam em um movimento conhecido como Sangh Parivar (família de organizações), a milícia Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS ou Organização Nacional de Voluntários) a força onde Modi foi treinado desde a adolescência, que leva todos os símbolos do Sturmabteilung ou SA, as camisas marrons de Hitler, e do BJP, o Vishva Hindu Parishad (VHP, Conselho Mundial Hindu) e o Bajrang Dal (Bajrangbali Brigada, melhor conhecido no Ocidente como Hanuman, um inabalável seguidor de Rama, que é representado com cabeça de macaco) são o núcleo principal desta organização.

 

Tais políticas permitiram-lhe uma acumulação de poder, praticamente sem precedentes, para além do conjunto: Jawaharlal Nehru (1947-1964) a ser seguido pela sua filha Indira Gandhi (1966-1977) para regressar em 1980, após vários anos de turbulência política com detenções, julgamentos e acusações de corrupção, até que, em 1984, foi assassinada por dois dos seus guarda-costas por motivos aparentemente religiosos, embora houvesse outras implicações nas suas políticas que estavam longe dos interesses do Ocidente. O partido de Nehru-Gandhi, o Congresso Nacional Indiano, foi quem liderou as lutas pela independência do poder colonial britânico.

 

Com políticas absolutamente opostas às de Nehru-Gandhi, Modi, oriundo de uma casta inferior, conseguiu estabelecer-se fortemente em Nova Delhi, centralizar o poder, degradando a autonomia do poder judicial e dos meios de comunicação e aumentando a repressão à liberdade de expressão e dissidência. Qualquer crítica ao governo, às forças armadas ou à religião hindu é considerada sedição, traição e um ataque à soberania do país.

 

O que lhe permitiu construir um culto à personalidade avassalador, ajustando à sociedade com força crescente a ideologia do seu partido Hindutva (Hinduidade), deixando de fora quase 500 milhões de pessoas que pertencem a outros cultos ou são independentes. Chegando ao ponto de tentar mudar o nome da Índia para Bharat (gente do povo) em referência a uma das principais tribos que ocupavam o norte do atual território indiano, que aparece no Vishnu Purana, texto religioso em sânscrito por volta de 1500 aC, Bharat é a tradução da Índia para diferentes línguas locais, incluindo o hindi, falado por quase 40% da população.

 

Além de todas as políticas do governo terem visado permear os setores populares, com todas as articulações típicas da política indiana, apelando ao clientelismo e à demagogia, chegando até a colocar a sua imagem nos certificados de vacinação da Covid-19. Conseguindo também apontar as minorias como culpadas de todos os males da nação e exacerbando o sentido religioso, como acabamos de ver com a inauguração, em janeiro passado, do templo ou Mandir de Rama, na cidade de Ayodhya, no estado de Uttar Pradesh (ver “Uma divindade chamada Modi”) em que praticamente Modi, o único protagonista da inauguração, entronizou-se como um novo Deus ou novo Vishwa Guru, tutor do mundo, como o chamam milhões de seus seguidores. Fez algo semelhante na inauguração do novo edifício do Parlamento, no qual só ele foi o protagonista, acompanhado por um coro de monges.

 

Em muitos campi e universidades existe o que é conhecido como “ponto de selfie”, onde os alunos são incentivados a tirar uma foto ao lado de uma imagem do Primeiro-Ministro.

 

Para além dos ventos favoráveis ​​para o governo central, na base das sociedades e muito mais quanto mais longe estão do centro do país, o apoio a Modi começou a fraturar-se. As revoltas comunais do ano passado nos estados de Manipur e Haryana, ambos governados pelo BJP, que foram tentadas ser ocultadas, apesar de terem deixado centenas de mortos. O que foi praticamente silenciado pela imprensa nacional; em um inquérito recente sobre liberdade de imprensa, a Índia aparece em 56.º lugar, entre 180 entrevistados.

 

Contra os deuses pagãos

 

As políticas religiosas ultramontanas que Narendra Modi tem promovido, ainda quando era Primeiro Ministro-Chefe do Estado de Gujarat, de 2002 a 2014, responsável por um massacre que deixou mais de 2 mil mortos, na sua maioria muçulmanos, reprimiu todas as minorias religiosas, além do Islã, dos cristãos, dos sikhs e de quem quer outro, por menor que seja sua representação.

 

Até há poucas semanas assistimos ao duro confronto que teve com o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, que praticamente responsabilizou o governo indiano pelo assassinato de Hardeep Singh Nijjar, na cidade de Surrey, um importante líder sikh que buscou refúgio no Canadá durante anos. Uma rede internacional é suspeita de operar contra os opositores de Modi, fora da Índia. Há algumas semanas, outro líder da diáspora do movimento Khalistani foi frustrado na cidade de Nova Iorque. E nos anos anteriores, pelo menos outros três indianos exilados, ligados ao movimento Sikh, no Reino Unido, morreram de forma suspeita.

 

Na Índia, Modi tende a ser menos sutil e os assassinatos, pelo menos contra os muçulmanos, são geralmente massivos, organizando verdadeiros pogroms contra bairros e cidades habitadas por esta minoria. Deixaram centenas de mortos e desaparecidos, aos quais se somam os incêndios e saques de suas propriedades. Em cada um destes ataques, sempre participaram multidões lideradas por nomes do Rashtriya Swayamsevak Sangh, com apoio policial. Embora também tenha reprimido e pressionado os próprios hindus, que não coincidem exatamente com a sua visão religiosa.

 

Algumas investigações jornalísticas revelaram as suas suspeitas sobre o ataque terrorista ocorrido em plena campanha eleitoral para as eleições legislativas de 2019, em Pulwama, perto da cidade de Srinagar, capital do estado de Jammu e Caxemira, onde estiveram presentes quarenta membros da Polícia. Foram assassinadas forças da Reserva Central (CRPF), que o governo aproveitou a ponto de conseguir virar a eleição a seu favor.

 

Leis como a que revogou o artigo 370, que dava autonomia a Jammu e Caxemira, de maioria muçulmana, a imposição da lei da cidadania, que visa deixar milhares de pessoas sem nacionalidade, devido a um elaborado processo de registo de nascimento ou a recente lei de Atividades Ilícitas (Prevenção), elimina a possibilidade de obtenção de fiança e permite que centenas de estudantes e ativistas dos direitos humanos sejam presos sob o rótulo de terroristas por protestarem nas ruas.

 

Tentando impedir o caminho de Modi rumo à instalação infinita no governo, um grupo de 28 partidos políticos uniu-se para as próximas eleições sob o nome de Aliança Inclusiva para o Desenvolvimento Nacional da Índia, na qual se lê o acróstico INDIA, antes que a extrema-direita terminasse de corroê-lo.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg