top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Uma guerra sionista contra mulheres e crianças"


Noor estava grávida quando Israel ordenou que ela deixasse seu apartamento na Cidade de Gaza.

 

Enquanto se movia para o sul, ela sentiu fortes dores no abdômen. A dor se intensificou, mas ela fez o possível para escondê-la.

 

Embora a dor tenha desaparecido passado algum tempo, ela encontrou mais problemas depois de se abrigar – juntamente com o seu marido e dois filhos – na casa do seu tio em Rafah, a cidade mais a sul de Gaza.

 

Cada vez que havia um bombardeio na vizinhança, Noor sentia mais dores abdominais, seguidas de sangramento.

 

Preocupada com a possibilidade de um aborto espontâneo, ela foi à maternidade al-Helal al-Emirati, em Rafah, acompanhada pela tia.

 

A seção de imagens do hospital estava lotada quando ela chegou.

 

Havia apenas cinco leitos disponíveis na seção e apenas um médico. No entanto, havia dezenas de mulheres grávidas.

 

Depois de esperar três horas, uma enfermeira chamou o nome de Noor. Noor foi convidada a deitar-se em uma cama para que pudesse ser examinada.

 

Noor contou a um dos funcionários do hospital sobre as dores e o sangramento que estava sentindo.

 

Ela foi informada de que tais problemas eram provavelmente causados ​​pelo estresse constante e pelo medo de viver uma guerra.

 

Logo após aquela viagem, Noor – então grávida de sete meses – sentiu que estava entrando em trabalho de parto.

 

Ela foi levada ao hospital de carro. Como não havia leitos disponíveis, ela teve que dar à luz numa sala de espera.

 

Seu novo bebê era um menino chamado Ahmad. Ele pesava apenas um quilo e meio.

 

Ahmad foi colocado em uma incubadora. Nas duas semanas seguintes, ele ganhou 500 gramas de peso.

 

“Quando o tirei da incubadora, não sabia o que ele deveria vestir”, disse Noor. “Não encontrei nenhuma roupa de bebê nas lojas. Minha tia pegou emprestadas algumas roupas de inverno dos vizinhos, mas não conseguiu encontrar latas de leite para bebês suficientes para ele nas farmácias”.

 

O Fundo de População das Nações Unidas estimou que havia aproximadamente 50 mil mulheres grávidas em Gaza quando Israel declarou a sua guerra em outubro.

 

A essas mulheres foi negado atendimento adequado e muitas vezes foi-lhes impossível comparecer às consultas médicas.

 

Apenas 15 dos 36 hospitais de Gaza estão a funcionar – e, em todos esses 15 casos, apenas parcialmente.

 

Com a escassez aguda de alimentos, a maioria das mulheres grávidas fica desnutrida.

 

Aborto espontâneo após um massacre

 

Amal teve um aborto espontâneo algumas semanas depois de Israel ter destruído a casa da sua família. Seus pais e alguns de seus irmãos foram mortos no massacre.

 

Casada em 2015, Amal foi informada pelo médico alguns anos depois que engravidar seria difícil. Ela gastou milhares de dólares em tratamento de fertilidade desde então.

 

Só em 2023 ela engravidou.

 

A data do parto estava se aproximando quando seus pais foram mortos. O choque daquele crime horrível foi tão agudo que tudo o que ela pôde fazer depois foi recitar o Corão e ver fotos de seus familiares em seu telefone.

 

Ela perdeu o apetite. Quando ela se obrigava a comer alguma coisa, vomitava.

 

Uma semana após o ataque à sua família, Amal começou a sangrar muito. Ela gritou.

 

Seu marido a levou o mais rápido possível a um hospital próximo. Lá, ela descobriu que havia sofrido um aborto espontâneo.

 

“Fui morta duas vezes”, disse Amal, explicando que ela mesma sentiu como se tivesse morrido quando ocorreu o massacre de sua família e durante o aborto espontâneo subsequente.

 

“Será difícil para mim ter alguma vida agora”, acrescentou ela.

 

Amal deveria ter um filho. Ela havia preparado um quarto, cama e roupas para ele.

 

Ela ainda não havia escolhido o nome dele.

 

Sondos, de 26 anos, estava grávida de nove meses quando a sua casa em al-Rimal, um bairro da Cidade de Gaza, foi alvo.

 

Seu marido e sua filha foram mortos no ataque. Sondos conseguiu sobreviver após ser resgatado dos escombros.

 

Ela e a sua família permaneceram na metade norte de Gaza depois de Israel ter ordenado a sua evacuação. Eles não tinham parentes ou amigos que pudessem hospedá-los caso se mudassem para o sul.

 

Sondos foi levado ao hospital al-Hilo da cidade de Gaza. Lá ela deu à luz uma menina por meio de uma cesariana.

 

Ela chamou sua filha de Habiba. A irmã do bebê – que Israel acabara de matar – tinha o mesmo nome.

 

O bebê teve que ser colocado em uma incubadora. Sondos não teve comida suficiente nem água potável nos últimos meses e isso teve um efeito adverso no peso do bebê.

 

O hospital não conseguiu fornecer nenhum anestésico durante o parto e Sondos sentiu dores agudas.

 

“Esqueci a dor quando segurei meu bebê nos braços”, disse Sondos. “Agradeço a Deus por ter ganhado um novo filho no dia em que perdi minha outra filha”.

 

Por Khuloud Rabah Sulaiman, jornalista que vive em Gaza

 

Do Electronic Intifada

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg