top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Ódio e Terrorismo contra Cuba"


A chamada Fundação Patriótica, uma semente contrarrevolucionária com sede em Miami, foi encarregada, desde outubro passado, de organizar ações armadas contra Cuba.

 

Há várias semanas, informações de fontes de Washington e da Flórida circulam nas redes sociais alertando sobre os planos do Departamento de Estado dos EUA e da comunidade de inteligência para aumentar os ataques subversivos e violentos contra Cuba, com o objetivo de gerar uma explosão social antes do final de 2023.

 

Em vez de festas e celebrações pelo 65º aniversário do triunfo da Revolução e da resistência do povo cubano, os aliados de Israel na Casa Branca estão planejando e ordenando mais ódio e terrorismo até o final do ano, de acordo com a diretriz de Biden e Blinken.

 

A chamada “Fundação Patriótica”, uma semente contrarrevolucionária com sede em Miami, foi encarregada, desde outubro passado, de organizar ações armadas contra Cuba para “aquecer gradualmente as ruas até o final do ano”.

 

O site Razones de Cuba revelou, em 5 de outubro, que um dos protagonistas é Ibrahim Bosh López, do grupo do Partido Republicano Cubano, que, como Posada Carriles nos anos 90, usa o mercado de armas na América Central para equipar mercenários com um estoque de rifles e pistolas de vários modelos.

 

De acordo com o relatório, “as tentativas violentas incluem a realização de ataques contra a Guarda Costeira dos EUA e a atribuição dos disparos às tropas da Guarda de Fronteira cubana, com o objetivo de causar um problema diplomático entre os dois países”.

 

Esse é um velho esquema dos mesmos serviços especiais, que o incorporaram a outros roteiros fracassados após a Baía dos Porcos, acompanhado de ferozes campanhas midiáticas para semear a opinião de insegurança social, medo, descontentamento popular, inundando as redes sociais com notícias falsas, crônicas vermelhas e distorções da realidade.

 

Desde a explosão do Maine, a história da agressão dos Estados Unidos contra Cuba inclui inúmeros episódios cínicos, como os que estão sendo preparados em Miami, incluindo versões infundadas sobre o suposto envolvimento do governo cubano no assassinato de John F. Kennedy; planos de ataques contra a Base Naval de Guantánamo ou para abater aviões civis que transportam emigrantes cubanos que viajam para a Ilha, que a própria CIA ou seus agentes perpetrariam para depois culpar as autoridades cubanas e fabricar pretextos invasivos. Os exemplos estão frescos na memória coletiva e especializada.

 

Essa longa lista de manipulações inclui o grande pretexto para a aniquilação das relações bilaterais, os falsos ataques acústicos contra diplomatas norte-americanos e as bases militares estrangeiras em Cuba, que a artilharia midiática a serviço da inteligência ianque tem recheado.

 

Ontem e hoje, a impunidade e a mentira estão entrelaçadas com a obsessão de derrotar a Revolução por qualquer meio necessário. Tal como nos dias da rede terrorista centro-americana da Fundação Nacional Cubano-Americana, liderada por Luis Posada Carriles, congressistas, empresários, banqueiros e antigos patrocinadores mercenários da máfia anticubana financiam campanhas de ódio e atos de vandalismo e violência contra a Ilha.

 

Recentemente, vieram à tona novas alegações sobre ordens da comunidade de inteligência e do Departamento de Estado para a máquina da mídia que faz parte da indústria do ódio antiCuba, para fazer todo o possível para “aumentar a tensão” por meio de ataques a setores-chave da sociedade cubana, além de atos de terrorismo, a fim de “acender a faísca”. De acordo com as alegações, a embaixada dos EUA em Havana não está alheia à implementação desses objetivos de semear o caos e apertar o cerco do bloqueio.

 

Um comunicado recente desse escritório diplomático é uma prova irrefutável do objetivo de desestimular as viagens à Ilha, afetando o turismo e semeando a ideia de um país em guerra.

 

O texto da embaixada dos EUA diz, textualmente: “Devido ao aumento das tensões em Cuba e em várias partes do mundo, o potencial de ataques terroristas, manifestações ou ações violentas contra cidadãos e interesses dos EUA, o Departamento de Estado aconselha os cidadãos dos EUA no exterior a ter mais cautela”. Além disso, afirma que devem “permanecer vigilantes em locais frequentados por turistas e locais comumente usados para manifestações”.

 

Este é o mesmo Departamento de Estado que, em seu relatório sobre o terrorismo em 2022, fez referências caluniosas contra Cuba, e que nosso Ministério das Relações Exteriores rejeitou nos termos mais fortes, por reciclar desonestamente os pretextos usados para justificar a presença de Cuba na lista arbitrária e desacreditada publicada por Washington.

 

O mercenário Ibrahim Bosh López é novamente mencionado nos planos de “Natal sangrento” feitos nos EUA, que incluem o financiamento de ataques terroristas e midiáticos contra a indústria do turismo, instituições e pessoal de saúde, abastecimento de água e cesta básica. Eles também estão tentando convocar ações desestabilizadoras.

 

Os ataques terroristas contra nossa embaixada em Washington, em abril de 2020 e em 24 de setembro de 2023, são provas irrefutáveis da impunidade com que a máfia criada pelo próprio governo dos EUA desde a década de 60 tem agido.

 

A cumplicidade é evidente e, três anos depois, o autor do ataque com o fuzil de assalto, que disparou 30 cartuchos de munição contra o prédio, ainda está aguardando julgamento, e o governo Biden se recusou a classificá-lo como um ato de terrorismo.

 

Enquanto os milionários mafiosos de Miami vivem impunes por seus crimes, sob a proteção dos serviços de inteligência, de congressistas fascistas e de governadores corruptos, muitos de seus peões estão cumprindo penas de prisão perpétua ou estão prestes a começar a cumprir essa ou outras penas.

 

Em 1º de janeiro, Cuba celebrará 65 anos de derrotas contra agressões, guerras, conspirações e pesadelos macabros. A nação continua sendo uma das principais vítimas dos verdadeiros patrocinadores do terrorismo global, e as ordens de fim de ano de Washington confirmam isso.

 

A Declaração do ministério das Relações Exteriores de 2 de dezembro ratifica que Cuba manterá seus esforços na luta contra o terrorismo, que já custou ao país 3.478 mortos e 2.099 deficientes, todas vítimas de ações organizadas, financiadas e perpetradas, fundamentalmente, a partir dos Estados Unidos.

 

Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg