top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Denunciam planos do governo dos EUA para 'aquecer' o fim do ano em Cuba"



Os ventos do norte trazem mais do que a frente fria ocasional para Cuba, para a qual as agências de inteligência dos Estados Unidos preparam um ano violento, em sua ânsia de gerar um surto social que contribui para subverter a ordem sócio-política para destruir, de uma só vez, a Revolução Cubana.


Neste 2023, o “prato principal” dos terroristas com sede em Miami é “passar à ofensiva para que coisas aconteçam em Cuba”, que eles consideram “imperativo”. Que nada funciona bem, por quase 60 anos, deixa qualquer um nervoso.


A Casa do contrarrevolucionário Ibrahim Bosh serviu como centro de operações, onde as pressões recebidas por seus financiadores foram reveladas a ataques agressivos reprisados, aproveitando a temporada festiva.


Seguindo as ordens do Departamento de Estado, Ibrahim Bosh, Orlando Gutiérrez Boronat e Manuel Milanés Pizonero, procuram convocar uma greve geral para 10 e 11 de dezembro, no contexto do Dia Internacional dos Direitos Humanos.


Eles também pensaram em usar parte do dinheiro alocado pelo governo dos EUA para pagar por atos de suposto protesto durante a peregrinação de San Lázaro, tradicionalmente realizada em 17 de dezembro.


Entre o grupo que pensou unir a nova encenação está o Partido Republicano de Cuba, o movimento de 30 de novembro e personagens anticubanos conhecidos como Pedro Corso, Tomás Regalado e Rosa María Payá, que estão pedindo um orçamento para um orçamento para a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o governo dos EUA a incitar uma greve de profissionais de saúde em Granma, Holguín e Camagüey.


Todo ano, justo nos dias nos quais a família cubana busca se unir para dizer adeus a um período que pode ter sido bom ou difícil, como 2023, a contrarrevolução tenta romper a tranquilidade oferecendo dinheiro por mentiras e trocando benefícios ilusórios por ações arriscadas do ponto de vista legal para pessoas que quase nunca tem a ver como o que os provocadores defendem.


Felizmente, de tanto defender o “imperativo”, os poucos que geralmente seguem o programa acabam dando a eles seu próprio remédio: cobrar pelo que nunca fizeram, falando sobre o que nunca fariam e responder à lei pelas frustrações dos outros.


O digital, com suas falsas avalanches e correntes de notícias para sensibilizar com mentiras através de meios criados (e financiados) de fora para manipular políticos anticubanas e alguns influenciadores, serve como uma plataforma para articular a ofensiva comunicacional, estabelecida em operações anteriores por O Departamento de Estado.


Atacando as principais fontes de renda econômica, aumentando o descontentamento popular diante dos serviços básicos de atendimento ao cidadão e aumentando a sensação de um clima de insegurança, são revelados como o objetivo final de ações repetitivas como evidentes em sua intenção: críticas contra a saúde e a educação, o descrédito do turismo e o aumento de publicações sobre assaltos, atos criminosos e violência de gênero.


As consequências do bloqueio dos EUA contra Cuba são apagadas por cada problema apresentado como caos. Isso é, por exemplo, que os alimentos da cesta básica não chegam todos os meses à mesa da família cubana parecem não ter nada a ver com a perseguição financeira sofrida pelas transações da ilha no exterior, atrasando navios, incapazes de pagar pelas novas oportunidades de negócios.


Temos um compromisso com a verdade, com o povo de Cuba, mostrando como é articulada a guerra híbrida contra uma ilha que luta para avançar, por ser prosperada e sustentável. Antes de cada ação de ódio que eles entregam contra a verdade sempre será a nossa arma mais forte para alcançar a vitória.


Do Razones de Cuba


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg