top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Silvio Rodríguez, um canto para a Revolução"



Silvio Rodríguez nasceu em 29 de novembro de 1946 em San Antonio de Los Baños, povoado localizado no sul da província cubana de Artemisa. Criado em uma família camponesa pobre, seu pai, Víctor Dagoberto Rodríguez Ortega, era fazendeiro e poeta amador, e sua mãe, Argelia Domínguez León, era dona de casa. Tudo parece indicar que sua vocação musical se deve à inclinação que sua mãe tinha para o canto, do qual gostava muito.


Aos cinco anos sua família mudou-se para Havana e aos sete recebeu aulas de piano com Margarita Pérez Picó, diretora do Conservatório La Milagrosa. Silvio obteve nota máxima nas provas de interpretação teórica e solfejo. Pouco depois, seus pais se divorciaram e sua mãe voltou com ele e sua irmã para sua cidade natal. Devido à instabilidade de sua residência entre San Antonio de los Baños e Havana, foi forçado a abandonar os estudos de piano.


Quando o triunfo da Revolução Cubana ocorreu em 1º de janeiro de 1959, ele foi residir permanentemente em Havana. Silvio, que na época era aluno do ensino fundamental, ingressou na Juventude Socialista e logo depois na Associação de Jovens Rebeldes. Ele também foi o fundador das Milícias Revolucionárias Nacionais.


Como membro das Brigadas Conrado Benítez, o futuro cantor cubano participou da Campanha de Alfabetização nas áreas de Rancho Luna e Ciénaga de Zapata, na província de Las Villas. No ano seguinte, começou a trabalhar como cartunista e cartunista no semanário Mella dirigido pelo cartunista Virgilio Martínez. Em Mella foi-lhe confiada a secção “El Hueco”, uma história muito profunda, na qual fez primeiro apenas os desenhos e depois os desenhos e o roteiro. Durante o trabalho na revista, conheceu Lázaro Fundora, que o estimulou a começar a aprender violão. Em 1962, por alguns meses, estudou piano complementar enquanto estudava simultaneamente pintura na Escola San Alejandro.


Em março de 1964 iniciou o Serviço Militar Obrigatório. Durante seu tempo como soldado, ele serviu em uma unidade de infantaria, uma unidade de serviço e, finalmente, uma unidade de comunicações. Quando sua carreira jornalística se tornou conhecida, foi enviado para trabalhar na Seção Política do Exército Ocidental como cartunista da revista “Venceremos”. Ao mesmo tempo Silvio continuou aprimorando sua técnica no violão e compondo algumas músicas.


Apoiado por seus companheiros de armas, participou do 1º FAR Fan Festival, onde interpretou duas músicas inspiradas por ele. Quando o serviço militar estava quase a terminar, obteve a Primeira Menção em Poesia no Concurso Nacional das FAR com o Horadado Cuaderno N° 1.


Silvio passou a frequentar a casa do proeminente músico Mário Romeu, que orquestrou duas canções para ele estrear diante das câmeras de televisão. Em 13 de junho de 1967, um dia após terminar o serviço militar, apareceu no programa de televisão “Música y Estrellas” dirigido por Manolo Rifat, onde cantou duas de suas canções de amor: “Sueño del colgado y el árbol” e “Quédate”. Nessa época começou a dar seus primeiros recitais solo com temas de César Portillo de la Luz.


No primeiro aniversário de El Caimán Barbudo em 1967, foi realizado um concerto de homenagem no Museu Nacional de Belas Artes, onde na companhia de Teresita Fernández e jovens intelectuais, Silvio voltou a oferecer ao público algumas de suas canções de amor. Pouco a pouco, sua popularidade aumentou e ele ganhou um espaço semanal na televisão, “Mientras tanto”. O programa se envolveu nas polêmicas culturais da época e acabou sendo cancelado.


Em fevereiro de 1968, ingressou no Centro da Canção de Protesto da Casa de las Américas junto com Pablo Milanés e Noel Nicola. Nesse estágio ofereceu inúmeros recitais para locais de trabalho, escolas, unidades militares, bem como na própria sede da Casa, de onde era transmitido mensalmente o programa “Canción protesta”. Nessa época a canção “La Era está pariendo un Corazón” alcançou grande difusão na voz de Omara Portuondo, o que tornou Silvio muito mais conhecido.


Em 1969, a cantora fez uma viagem no barco pesqueiro Playa Girón, da Frota Pesqueira de Cuba, dividindo cinco meses com os pescadores. Durante essa viagem, Silvio compôs algumas de suas canções antológicas como: ‘Te doy una canción’, ‘Ojalá’, ‘Resúmen de noticias’, ‘Debo partirme en dos’, ‘Jerusalén año 0’, ‘Playa Girón’, ‘Historia de la silla’ entre outrAs.


Ao regressar da viagem, ingressou em um curso intensivo de estudos musicais no Grupo de Experimentação Sonora do ICAIC, na companhia de Pablo Milanés, Noel Nicola, Eduardo Ramos, Sergio Vitier, Leonardo Acosta e, posteriormente, Emiliano Salvador, Leoginaldo Pimental e Sara González , sob a orientação de Juan Elósegui, Federico Smith e Leo Brouwer como diretor do grupo.


Dentro do Grupo de Experimentação Sonora, Silvio compôs “La nueva escuela”, “Si tengo un hermano”, “El hombre de Maisinicú”, “Al sur del Maniadero”, “Columna Juvenil del Centenario”, “Los Testimonios” e “Elpidio Valdés”; e compartilhou com Pablo Milanés e Noel Nicola a concepção de Cuba destinada a um documentário do inglês Félix Green.


Em 1970 e por voto popular, Silvio Rodríguez foi selecionado junto com Pablo Milanés e outros cantores cubanos para participar do Festival Internacional da Canção Popular de Varadero.


Para além das gravações para bandas sonoras, o Grupo de Experimentação Sonora passou a realizar concertos que acorreram a um grande número de jovens. O primeiro concerto foi em dezembro de 1971, durante os eventos do XV Aniversário do desembarque do iate Granma e no qual Silvio interpretou “Fusil contra fusil”, “El Rey de las flores” e “El Tren blindado”. A partir de 1973 os concertos passaram a ser produzidos sistematicamente na própria sala da Cinemateca do ICAIC. Na opinião de Silvio, o Grupo de Experimentação Sonora significava: “(…) Consciência do que andava a fazer. A ciência também, ou seja, o aporte científico, o cognitivo e também do ponto de vista humano e político, uma grande experiência coletiva: a primeira vez que compartilhei meu trabalho e fui parceiro em outros trabalhos de outros músicos, que estavam entre os melhores músicos da minha geração”.


Em 1972, junto com Eduardo Ramos e Augusto Blanca, viajou a Berlim para representar Cuba no III Festival Internacional da Canção Política patrocinado pela Juventude Alemã Livre. Eles também apareceram em alguns programas de rádio e televisão e na embaixada cubana. No final do Festival, ele viajou para Moscou, onde também apareceu em programas de rádio e televisão e se apresentou para estudantes cubanos.


Em setembro do mesmo ano, 1972, viajou ao Chile, acompanhado de Noel Nicola e Pablo Milanés para participar do IV Festival da Canção Comprometida, que aconteceu em Valparaíso e que reuniu um grande grupo de representantes da Nova Música Latina Canção Americana. Em novembro, foi criado em Manzanillo o Movimento Nueva Trova, do qual Silvio seria uma das vozes mais representativas e um dos membros fundadores.


Entre as inúmeras digressões realizadas pelo cantautor cubano como representante do Movimento Nueva Trova e cultor de canções políticas, destacam-se as realizadas a Angola em 1976 e 1977, durante as quais percorreu o país como artista internacionalista. Das experiências acumuladas em sua turnê pelo país africano, surgiram canções como “Pioneros”, “Aceitunas”, “La gaviota”, “Identidad” e “Canción para mi Soldado”.


Nos anos 80, Silvio trabalhou com proeminentes músicos cubanos, como Frank Fernández, Guido López-Gavilán e José María Vitier. Ele também experimentou novos sons ao lado de Los Van Van, Afrocuba e Camerata Brindis de Salas e suas novas e velhas canções foram arranjadas em uma estética musical completamente nova. No início de 1990, às vésperas de sua viagem ao Chile, trabalhou com Irakere e Chucho Valdés no arranjo de várias de suas peças antológicas. O concerto único foi oferecido em 31 de março no Estádio Nacional de Santiago do Chile para quase 80 mil pessoas.


Incentivou e contribuiu para a construção dos Estúdios Abdala e Estúdios Ojalá, em Havana, e Eusebio Delfín Studio, em Cienfuegos.


Em 2008, à frente de um grupo de artistas e escritores cubanos, percorreu 16 prisões, atuando diante de mais de 40 mil detentos. Em 2010, após 30 anos de exclusão, pôde retornar aos Estados Unidos e fez uma viagem memorável. Pouco depois, deu um concerto nas ruas de Medellín (Colômbia), outro em Ciudad Juárez, e recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidad Veracruzana, com sede em Xalapa, México.


Em fevereiro de 2011, foi anunciado que ele faria sua estreia como ator no filme de estreia do diretor Rudy Mora, “Y sin Embargo”, interpretando um zelador. Durante os meses de fevereiro e março desse mesmo ano, realizou um grupo de concertos em bairros populares semimarginais da capital cubana como Pogolotti, Atarés e La Corea. Neste projeto foi acompanhado como artistas convidados indistintamente pelo trio Trovarroco, Niurka González, Oliver Valdés, Víctor Casaus, Frank Fernández.


Em maio retomou esta digressão realizando concertos em Lutgardita (Quemado de Güines) e El Romerillo (Playa) acompanhado por Polito Ibáñez, Vicente Feliú, Los Papines e Frank Fernández entre outros convidados. Nesse mesmo mês, a UPEC decidiu premiar Silvio Rodríguez com a Distinção Félix Elmuza pela contribuição ao jornalismo de seu blog Segunda Cita. Simultaneamente à cerimônia de premiação, foi lançado oficialmente seu site El Zurrón del Aprendiz, onde declara em sua capa que: “Sempre me abordaram pessoas interessadas em textos, dados, informações de diversos tipos. Este saco destina-se a ser uma fonte segura da qual você pode beber em primeira mão”.


Do Resumen Latinoamericano




0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg