top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Genocídio em Gaza é permitido pela burguesia árabe"



Os regimes árabes desistiram da ideia de libertar a Palestina.


Gamal Abdel Nasser, o presidente progressista e nacionalista do Egipto, foi o último líder árabe a realmente acreditar e trabalhar nisso. Para ele, a libertação da Palestina era uma questão central que não podia ser separada da segurança nacional do Egipto.


Ele deixou absolutamente claro que o estabelecimento de Israel no coração do mundo árabe foi um enorme golpe para as aspirações árabes de modernidade, progresso, prosperidade e liberdade. Incorporou a continuação do colonialismo em um mundo árabe pós-colonial.


Foi fundada uma colônia de assentamento que negava a própria existência do povo palestino e, portanto, representava uma ameaça ao Egito e ao resto do mundo árabe.


Esta é, talvez, a principal razão pela qual o regime progressista de Nasser, com as suas tendências anticoloniais, foi alvo de ex-potências coloniais, nomeadamente a Grã-Bretanha e a França, que se envolveram diretamente em uma aliança com Israel para derrubar o governo de Nasser em 1956 e pelos Estados Unidos da América, que formou a sua própria aliança com Israel em 1967.


A morte de Nasser em 1970 foi um ponto de viragem. O seu sucessor, Anwar Sadat, seguiu uma linha completamente diferente em termos de relações com o mundo ocidental e Israel.


Sadat acreditava firmemente que 99% das cartas estavam nas mãos da América, como ele disse escandalosamente. Os EUA eram a única potência, acreditava ele, que poderia persuadir Israel a conceder as concessões necessárias para devolver as terras egípcias ocupadas no Sinai e até “resolver” a questão palestina.


Isto foi parte integrante de uma nova política econômica interna – embora reacionária – de “portas abertas” de privatização e reestruturação do setor público. Os compromissos oficiais com o pan-arabismo e a libertação da Palestina desapareceram.


Liberdade vista como obstáculo


A normalização com o Apartheid de Israel tornou-se a “solução” com base na oferta aos palestinos de uma forma de “autonomia” na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, terras em troca de “paz” e no reconhecimento do direito de Israel de existir como uma colônia de assentamento no coração do mundo árabe. Esse foi o motivo por trás da assinatura dos Acordos de Camp David (1978) e do início de uma série de acordos de normalização entre governos árabes, incluindo a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), e Israel.


Os governos árabes dispostos a “normalizar” as relações com Israel sempre consideraram a causa palestina como um obstáculo à sua própria “prosperidade e segurança”. Um obstáculo a ser removido do caminho.


A libertação da Palestina já não estava na agenda. Foi considerado um sonho irrealista que não pode ser alcançado de qualquer maneira.


Apoiar uma solução justa para a questão palestina significa necessariamente um confronto com o Ocidente imperialista, liderado pelos Estados Unidos. E esse é um caminho que os regimes árabes não estão interessados ​​em seguir.


Primeiro, vai contra os interesses das oligarquias dominantes.


Em segundo lugar, enfraquece a sua aliança com os EUA, uma superpotência que lhes oferece proteção e estabilidade.


Daí o desaparecimento das ideias de libertação da Palestina e do regresso dos refugiados palestinos às cidades e aldeias das quais sofreram limpeza étnica em 1948. Isso foi substituído pela fachada da solução racista de dois Estados e pela ideia de que é possível melhorar o Apartheid de Israel e o seu sistema multifacetado de opressão do povo palestino.


Silêncio vergonhoso


Até a própria definição do povo palestino foi reduzida para incluir apenas aqueles que vivem atualmente na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. Diz-se que este grupo é a componente do povo palestino que precisa de uma “solução” e essa solução só pode materializar-se se Israel e seu Apartheid se oferecer generosamente para melhorar a vida destes palestinos, mesmo que isso aconteça sob o controlo total de Israel.


Uma “oferta generosa” de Israel poderia incluir o que Amílcar Cabral – um dos mais proeminentes opositores do colonialismo em África – chamou de “independência da bandeira”, símbolos de governança e “soberania”. Daí o apoio oficial árabe aos acordos de Oslo em 1993, que ofereceram uma folha em branco a todos os subsequentes acordos árabes de normalização com o apartheid de Israel.


Há mais de três semanas que Israel tem atacado Gaza, matando milhares de pessoas e ferindo dezenas de milhares, destruindo a maior parte das infraestruturas e enviando-a de volta à “Idade da pedra”.


Teria Israel a “coragem” de fazê-lo sem o silêncio vergonhoso dos governos árabes? Ou, dito de forma mais grosseira, isto teria acontecido se os acordos de normalização não tivessem sido assinados?


Depois de mais de três semanas de genocídio, não parece haver um fim à vista. Este caos sangrento lembra a Segunda Guerra Mundial e os tempos de pogroms genocidas na Europa Oriental, África, Austrália e nas Américas.


Gaza está literalmente a ser exterminada.


Os palestinos de Gaza, tanto muçulmanos como cristãos, são árabes cuja humanidade foi negada até pelos seus irmãos “oficiais”. Caso contrário, a limpeza étnica e o genocídio de Israel não teriam sido permitidos, mesmo nos piores pesadelos dos estados árabes.


Em 1956, Gamal Abdel Nasser fez uma visita a Gaza e dirigiu-se ao seu povo “heroico”: “Povo de Gaza, quero três coisas de vocês: esperança, paciência e fé (na sua causa). Essas três qualidades o levarão à vitória sobre todos os poderes que conspiram contra você. Vocês são as pessoas mais nobres e honradas e quero que saibam um fato importante: Gaza é tão cara ao meu coração quanto o Egito, e tudo o que prejudica Gaza prejudica o Egito”.


Foi uma época em que libertar a Palestina era uma ideia realizável e realizável.


por Haidar Eid, educador e comentarista independente de Gaza


Do Eletronic Intifada



Nota dos editores: nem todas as posições expressas neste texto ou pelo autor condizem necessariamente e/ou integralmente com a linha política de nosso site ou da União Reconstrução Comunista.


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg